VIOMUNDO

Diário da Resistência


Política

Eduardo Campos: “Temos um Estado antigo”


26/04/2013 - 07h30

A propaganda eleitoral do PSB, que trata da candidatura de Eduardo Campos ao Planalto.

Leia também:

Heitor Costa: O modo socialista de governar Pernambuco

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



30 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Inês Nassif: Eduardo Campos é menos candidato do que há um mês - Viomundo - O que você não vê na mídia

16 de maio de 2013 às 23h46

[…] Eduardo Campos: “Temos um Estado antigo” […]

Responder

João Carlos

28 de abril de 2013 às 00h23

O embuste é tão grande que seu ministro o FBC ameaçou ir para o PT. Esse pessoal é de uma dissimulação, o último que vi assim foi o Collor quando era jovem lá nos anos 90, um mestre da mídia. Pois é, e não é que apareceu outro.

Responder

Jotace

27 de abril de 2013 às 00h42

O CANTO DA SEREIA DOS “NOVOS TEMPOS”

A mensagem lembra o canto de sereia do legendário grego não fosse o comprido rabo de palha do governador pernambucano disfarçado de moço bonzinho prometendo ‘comme il faut’ as vantagens dos novos tempos. Pois é mais do que cínica a declaração de quem havendo pendurado nos cofres do estado de Pernambuco quase todos seus familiares, diz que “cargo público só para quem tenha competência, capacidade, mérito”…Não pode, com efeito, estar a ditar regras, a criticar a distribuição do orçamento da república, o governador de um estado que foi beneficiário da maior ajuda que este recebeu em toda sua história do governo federal. A mensagem do pregador do modernismo entreguista que ele é, de fato, deveria ter abordado o escândalo dos precatórios, o grande golpe financeiro decorrente de um engenhoso esquema de fraude em que teria se envolvido juntamente com banqueiros sulistas e outros figurões conforme amplamente denunciado à época por toda a imprensa. De acordo com o noticiário de então, foram todos os envolvidos salvos pelo gongo do prestimoso procurador pernambucano Brindeiro, autor de uma estranha suspensão da ação penal que corria no Rio (sede do banco Vetor e de algumas outras importantes instituições igualmente envolvidas) e juntá-la a um inquérito criminal que corria nada menos que em Pernambuco. Justo para ser julgada num futuro remoto pela “prata de casa”. De qualquer forma o parecer da Procuradoria-geral da Fazenda Nacional foi bastante claro no enquadramento do hoje governador Eduardo Camposna “violação do dever de fiscalização quando Presidente do Conselho de Administração do Banco do Estado de Pernambuco (Bandepe), como ainda pelo pagamento de vultosa importância ao Banco Vetor”. Por sua vez, a conclusão do Banco Central faz referência à existência no esquema de “laranjas, doleiros, lavagem de dinheiro e empresas de fachada”…Será que o futuro do “Brasil Moderno” virá a ser o mesmo que vem acontecendo desde, pelo menos, os tempos de FHC?

Responder

renato

26 de abril de 2013 às 21h42

Este é filho da Rede.
Primo irmão da Marina,
e juntos vão dar um caldo.

Responder

souza

26 de abril de 2013 às 20h48

campos quer tirar o pmdb de lá mas não diz como.

Responder

ZePovinho

26 de abril de 2013 às 19h26

Essa história de “Estado antigo” já nos permite alcunhar o Eduardo de Eduardo Fields………

Responder

Nigro

26 de abril de 2013 às 19h11

Ótimo vídeo.
gostaria de algum ver aqui algum comentário sobre os dados demonstrados, em relação aos pesos entre as esferas federal x estadual/municipal. Mas não. Interessantes os comentários preconceituosos dos intelctualóides aqui do fórum. Olhos azuis, Galã….
Temos sim que recuperar o Federalismo. É muito dinheiro na mão da “união”, este lugar que nenhum de nós habita.
Sei lá se o cara é bom. Neste sentido elegê-lo não seria muito diferente de eleger Dilma, uma criação pura e simples, até desconhecida, antes da eleição.
Contudo, pelo menos teríamos uma boa oposição, para sacudir as coisas, ao invés da velharia do PSDB.

Traidor? Por favor, sem baboseira, cada um segue sua carreira como quer.

Responder

    Neotupi

    27 de abril de 2013 às 03h56

    Eu preferiria transferir mais impostos e obrigações dos estados para o governo federal. O ensino fundamental e médio, além das polícias civil e militar, funcionariam melhor se fossem federais. Mas aí seria preciso repactuar a divisão de impostos para cobrir o orçamento da união.

Urbano

26 de abril de 2013 às 18h52

E as ações dele dentro da política é de uma decência…

Responder

    Urbano

    26 de abril de 2013 às 18h55

    Na verdade, são de uma decência…

Orlando Bernardes

26 de abril de 2013 às 17h33

Parece que o PSB acha que tomos vamos votar neste traíra só pelos lindos olhos azuis. O que teve de close nos oinhosssss, rsrsrsrsrs! Que cara de pau hein, neto de Arraes e se banda pro lado de lá. Sue avô deve estar muito decepcionado.Que decepção! Só conhecemos mesmo as pessoas em situações como esta. Lobo em pele de cordeiro. Sujeitinho falso!

Responder

José Reinaldo Rosado

26 de abril de 2013 às 17h17

O Aécio trabalhou o tempo todo para ter o apoio do PSB, teve inclusive a ajuda do babaca,Pimentel(PT),para colocar Marcio Lacerda na Prefeitura, O pimentel entregou a Pref. de PH ao PSB esperando o apóio do Aécio para sua candidatura ao Gov. de Minas e o Aécio esperava o apoio do PSB para se candidatar a presidente. O Pimentel levou uma rasteira do Aécio que Levou uma rasteira Eduardo que vai levar uma rasteira do seu Partido. Trairas natos, Traem os partidos, os colegas, os eleitores, enfim têm no DNA o gene da trairagem e dele só uma mutação,que pode acontecer a zilhões de anos.

Responder

Valcir Barsanulfo

26 de abril de 2013 às 15h26

Esse indivíduo só quer mostrar seus olhos azuis, os dois minutos que ví, só focaram seus olhos,em dois minutos cansei de ouvir o mais do mesmo, como se copiasse o Obama,”Yes we can”, aqui virou “podemos fazer mais”.
Eu tenho os olhos azuis, mas não voto nesse traidor de princípios, prefiro os olhos castanhos e sinceros da Dilma.

Responder

Mário SF Alves

26 de abril de 2013 às 13h59

“Esqueceu” de completar: além de antigo, debilmente democrático.

Responder

Francisco

26 de abril de 2013 às 13h51

Se o PSB for socialista, não vai obter apoio da Globo.

A Globo é meu teste de DNA.

Responder

Marcelo de Matos

26 de abril de 2013 às 13h06

(parte 2) “Foi o segundo revés que Campos teve em poucos meses, nas articulações para se fortalecer o seu nome para a disputa em 2014. O aliado Marcio de Lacerda (PSB), prefeito de Belo Horizonte, recusa se candidatar ao governo de Minas. Lacerda, mais aliado de outro presidenciável, Aécio Neves (PSDB), que de Campos, diz a amigos que continuará prefeito e gosta de ‘pegar no chifre do boi’ – bordão dos mineiros em alusão a quem gosta do que faz e ir para o front. Se a decisão prevalecer, Campos pode ficar sem palanque forte no estado, o segundo colégio eleitoral do País. Já o PDT continua um mistério, mas há a certeza de que até Junho do ano que vem será uma das noivas de 2014. O presidente Carlos Lupi, esperto, conversa tanto com Eduardo quanto com Aécio Neves. E também faz charminho para continuar aliado da presidente Dilma (PT)”.

Responder

Marcelo de Matos

26 de abril de 2013 às 13h06

(parte 1) O horário político na TV é regiamente pago pelo Tesouro. Na blogosfera sai de graça? Assisti a esse longo discurso do Eduardo. O homem de zóio verde parece ter bom potencial. Mesmo na blogosfera progressista haverá quem o apoie: claro, alguns estão desiludidos com o PT. Outros apoiarão Aécio em razão de sentimentos regionalistas. É válido, mas, o galã pernambucano tem encontrado dificuldades. Não no STF que lhe estenderá um tapete vermelho, mas, para conseguir aliados no sul e sudeste, por exemplo. O blog Coluna Esplanada informa: “A pouco mais de um ano do início das campanhas, Eduardo Campos procura um vice forte no Sul ou Sudeste, e um aliado de peso político em Minas, porém suas duas investidas causaram constrangimento para o presidenciável do PSB. Após o convite para ser vice na chapa, feito pelo próprio pré-candidato à Presidência da República, o prefeito de Porto Alegre (RS), José Fortunati (PDT) disse um discreto não para o socialista governador de Pernambuco”.

Responder

Neotupi

26 de abril de 2013 às 12h22

Pareceu ser neto, não de Arraes, mas de Roberto Campos, aquele que chamava a Petrobras de Petrossauro (“estado antigo”), clamando pela privatização antes mesmo dos tucanos chegarem ao poder.

Responder

FabioT

26 de abril de 2013 às 11h37

nunca confie em alguem de olhos azuis…

Responder

pedro - bahia

26 de abril de 2013 às 11h35

Um novo golpe a caminho. Modernizar para ele, é privatizar. É vender o patrimônio público, a qualquer preço. Ele está rasgando a certidão de nascimento que o vincula a Miguel Arraes. Um novo Collor está tentando surgir.

Responder

tori

26 de abril de 2013 às 10h13

A casa grande está exultante.
Enfim um representante da direita moribunda, desbundada de votos de rotos, que não é sulista, mas também é golpista.
Os escravos, sob o olhar vigilante do intransigente feitor, tem muito que fazer para que o banquete saia perfeito.
Se junta à vacância da democracia sem povo a disponibilidade de um golpista, disposto até a, se bem que com alguma relutância, dividir os brioches com os eternos parasitas, inclusive um seu conterrâneo, ex-comedor de criancinhas, líder desse grupo tão incompreendido.
O TSE certamente entrará de cabeça nessa campanha virtuosa, talvez com o slogan, “Vote limpo, olhos verdes, sotaque nordestino, família, honestidade e competência, do bem e com Deus pela liberdade dos donos do grande engenho neoliberal”.
O próximo lixo, digo, novela global já terá como personagem principal um clone do Tucanardo, até no sotaque, enriquecido inclusive de melhor dicção e enquadramento e que é causa de orgulho para a suprema justiça do ficcional supremo, que o tratará como ele merece, ou seja, como herói e salvador da pátria.
A vida imita a arte até nos detalhes mais sórdidos.

Responder

Mardones

26 de abril de 2013 às 08h52

Assisti ontem ao programa do PSB na tv. Eduardo Campos deseja fazer mais do mesmo. Um engodo que pode render bons votos: homem, olhos claros – explorados exaustão ontem na tv (parecia cena de novela k k k) e muita conversa mole.

Ah, chamou a Dilma de incompetente. Só faltou listar quem foi mais competente que ela e quais áreas.

Ou seja, Dudu deve atrair um eleitorado conservador. Muitos dessa ‘nova’ classe média e outros tantos da classe média tradicional. No próximo programa ele precisa mostrar a ‘sagrada família’ para confirmar os votos machistas.

Esse povo que se abrigou na esquerda para crescer na política, agora mostra suas garras. E a esquerda brasileira hiper desgastada com os descaminhos do PT, vai ter que celebrar o enterro do PSB.

Responder

J Souza

26 de abril de 2013 às 08h41

Muito bom!
Eduardo Campos é um adversário político, e não um inimigo.

E isto é muito saudável para este governo marasmático da Dilma, que tem um ministro marqueteiro na Saúde, que tem o ministério dos Transportes estagnado, que praticamente não fez Reforma Agrária e que, na área da Educação, estagnou no PROUNI e na ampliação das federais.
Não vou nem falar da tragédia do governo Dilma na área da Comunicação…

É um governo que só consegue se defender e sobreviver graças ao apego do PMDB pelo poder.

O Eduardo Campos até agora não disse nada, não mostrou nada. Seu plano de governo para o Brasil é uma incógnita. Pode ser que ele não passe de mais um grande neoliberal, como a Dilma. Mas ele falou muitas verdades, principalmente na concentração de recursos e os problemas da Educação Fundamental e da Saúde.

Na falta de uma esquerda forte, esse outro centro-direitista ai pode ser uma opção…

Responder

    Neotupi

    26 de abril de 2013 às 12h46

    É inimigo sim, igualzinho FHC em 1994, que posou de centro durante a campanha e depois traiu a confiança depositada pelo povo e fez um governo neoliberal de lesa-pátria.
    O problema da Dilma é que ela está fazendo um governo focadíssimo para as classes C,D e E, obcecada por resultados que possam ser sentidos na vida dessas pessoas. A esquerda intelectualizada, em sua maioria, é da classe B para cima, e só perceberá isso em 2014, quando comparar o avanço dos indicadores sociais em relação a 2010.

    Mário SF Alves

    26 de abril de 2013 às 17h57

    É. Tem razão. E esse papo de pode mais é firula. É balela.
    ___________________________________
    Pode mais, como?
    _______________________________________________
    O PSDB também podia mais. Aliás, todo mundo pode mais. O problema é o grau de liberdade (e poder político) que têm para fazer qualquer coisa a mais.
    _____________________________________________________
    Bom, a não ser que seja mais do mesmo. E que o tal do “pode mais” seja nada mais nada menos que mais abismo entre pobres e ricos. A não que seja “pode mais” no sentido de entregar de vez o Brasil à sanha do FMI, Banco Mundial e, enfim, aos corporativismos imperialistas norte-americano e europeu.
    ____________________________________________________________
    Muitos dirão: ah, mas é a política; é a dinâmica do processo. É. É a inâmica do processo. Pena que igual argumento não tenha o menor valor quando se trata das teses de esquerda. Aí, não existe a tal dinâmica do processo coisa nenhuma. Mas, afinal, será que o que se pretende é mesmo é a dinâmica política? Ou o correto não seria dizer que a PiG articulada candidatura do Campos é nada mais que a anti-política neoliberal?
    __________________________________________________________________
    Bem disse o Lula. O que o mundo precisa é de globalização sim, mas globalização da política. E, claro, não a globalização do inverso da política; e não da pseudopolítica neoliberal; a do faz de conta. Ou, ainda, aquela dos dois partidos criados pela ditadura. Um dizia amém, o outro, obrigatoriamente, tinha de dizer amém, sim, senhor. É essa a dinâmica do processo?
    ___________________________________________________________
    A respostas ficam a cargo do heroico eleitor que desde 2002 vem acreditando e apoiando as políticas públicas de resistência democrática praticadas pelo “relaxa e goza” e, ainda assim, melhor que todos os outros juntos, PT.

Nilson

26 de abril de 2013 às 08h34

Bla, bla, bla.
Partido dos traíras, jogando contra o patrimônio, que só adquiriram por obra do PT de Lula e Dilma. Não seriam nada sem o apoio e os milhões ou bilhões investidos no nordeste pelo único partido que realmente fez a diferença no BRASIL. Só baixaria para poder confundir o eleitor antes da hora! Não somam nada, não dizem nada, conclusão não são ninguém, meros espectadores e oportunistas que se unem a direita midiática para usurpar o poder do povo novamente e destruir o nosso país.
O PSC deveria estar unido em torno do Brasil, da base aliada apoiando e destravando nosso país, não se unindo a direita para destruir o que já foi construido. Esse partido não me representa!!!

Responder

    Mário SF Alves

    26 de abril de 2013 às 18h00

    Fato. Mais claro do que isso, ofusca a visão.

Ronaldo Marques

26 de abril de 2013 às 08h28

Já ouvi essa conversa antes… e não acabou bem para o Brasil…

Responder

Adriano Gomes

26 de abril de 2013 às 07h46

E ele tem a grana do “Estado Antigo”…

Responder

Paulo

26 de abril de 2013 às 07h41

Prevejo problemas para a situação!

Responder

Deixe uma resposta para Mardones

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.