VIOMUNDO

Diário da Resistência


Benedita da Silva fala aos evangélicos: “Deus não apoia a mentira, não vamos deixar que o governo Bolsonaro nos divida”
Deputada Benedita da Silva. Foto: Cleia Viana/Câmara dos Deputados
Política

Benedita da Silva fala aos evangélicos: “Deus não apoia a mentira, não vamos deixar que o governo Bolsonaro nos divida”


16/09/2021 - 16h58

Benedita da Silva defende o diálogo entre o PT e os evangélicos

Por Lorena Vale, Liderança do PT na Câmara

A deputada Benedita da Silva (PT-RJ) discursou no Plenário da Câmara, nesta quinta-feira (16), sobre o apoio do Partido dos Trabalhadores à diversidade cultural, religiosa e étnica no Brasil durante os 13 anos em que o partido comandou o País.

A parlamentar, que é evangélica, falou diretamente ao povo evangélico do Brasil, lembrando que Deus não apoia a mentira, que os governos petistas fizeram muito pelo povo pobre e evangélico e que não deveriam deixar que o Governo Bolsonaro os divida.

“Nós precisamos lembrar que o povo brasileiro é de negros, de brancos e de indígenas, homens e mulheres que moram em algum lugar, que trabalham em algum lugar, que precisam de assistência médica, que ficam doentes, que produzem, que precisam estudar, que têm uma religião. E é assim, exatamente assim, que o PT dialoga com todos os setores”, afirmou.

Segundo Benedita, os evangélicos são um terço da população brasileira. Estão presentes em todas as cidades, em todos os estratos sociais e que o povo preto e pobre brasileiro e as mulheres são a maioria entre os evangélicos.

“A presença das pequenas igrejas nas comunidades, nas periferias, nos grotões e os grupos femininos de oração são, realmente, centrais para o apoio social. Essas presenças fazem diferença na vida de muita gente. Como excluí-los da responsabilidade da reconstrução do Brasil? É claro que o PT deve dialogar com esse segmento”, defendeu a deputada.

Ao pedir união para que o Brasil passe por todas as crises, desigualdades e preconceitos, Benedita deixou claro que o PT sempre respeitou os evangélicos e a família.

“O PT sempre nos aceitou como somos. Não é verdadeiro aquilo que se diz que nós não temos compromisso com as famílias. Temos. Foi este PT, foi o Lula que tirou mais de 36 milhões de pessoas da miséria”.

PT trouxe mudanças

Benedita da Silva destacou que os governos petistas trouxeram muitas mudanças nas famílias brasileiras.

“O nosso, sempre Presidente Lula, soube enfrentar a pobreza, a miséria. As coisas mudaram, e muito. As famílias evangélicas sabem disso, de norte a sul, de leste a oeste. Lula e Dilma não foram esquecidos. O que representou o Governo Lula vai muito além da comida, do combate à fome, da miséria, do acesso à moradia, do pleno emprego, da transposição do rio São Francisco, das universidades, dentre tantas outras coisas vai na verdade, mas muito além disso. Como diz o Lula, as pessoas precisam ser tratadas com dignidade, uma coisa relacionada ao amor. Precisam de abraço, de carinho, sobretudo de respeito”.

A deputada carioca apresentou dados que mostram que 38 milhões de negros e negras tiveram acesso à água de qualidade e saneamento adequado, naquele recorte de promoção à população negra no seu Estado de miséria, quase absoluta, 13 milhões eram evangélicos; de 24 milhões de famílias brasileiras que compraram geladeira, 8 milhões eram evangélicos; de 35 milhões que tiveram acesso à energia elétrica, 12 milhões eram evangélicos.

Nos 13 anos do Governo do PT, também no Governo de Dilma, foram criados 19,4 milhões de empregos, 6 milhões empregaram os evangélicos.

De 41 milhões de crianças que foram atendidas pelo Programa Nacional de Alimentação Escolar, 14,5 milhões eram de lares evangélicos.

De 10 milhões de pessoas com moradia, por meio do Minha Casa, Minha Vida, 3,5 milhões eram evangélicos; de 28 milhões de brasileiros e brasileiras que saíram da pobreza, 10 milhões eram evangélicos; graças ao Bolsa Família, de 36 milhões pessoas que saíram da extrema pobreza, 12,5 milhões seriam de lares evangélicos.

“Vamos ver quem cuida mais da família? Não vamos usar a desfaçatez. Deus não se agrada disso, de mentiras. Não vamos aceitar Fake News”, disse Benedita da Silva.

Ela observou que além do discurso é preciso provar, lutar e votar junto com o povo evangélico.

“Nós no Congresso Nacional ou em qualquer lugar que nós estejamos, usando este nome, que nós possamos dar um bom testemunho e dizer aos trabalhadores, aos servidores públicos, aos evangélicos, àqueles que frequentam nossas igrejas, aos domingos ou sem ser domingo, aos que estão hoje desempregados, com fome, precisam sim que nós os representemos e lutemos por eles. É preciso votarmos com esse povo”.

Governo omisso

Para Benedita da Silva, o Brasil está diante de centenas de milhares de mortes evitáveis pela péssima condução do Governo Bolsonaro em meio à pandemia da Covid-19 e que é preciso dialogar com os segmentos evangélicos, nos quais muitos acreditaram e investiram fortemente na eleição de Bolsonaro.

“Os evangélicos pobres também têm sofrido os efeitos deste péssimo Governo. Familiares e pessoas queridas morreram de Covid, perderam empregos, deixaram de pagar aluguel, têm dificuldades para comprar comida, gás caríssimo. Outros, mais ou menos, guardaram o seu pequeno carrinho, pois o preço da gasolina está fora do seu padrão”, apontou.

A parlamentar finalizou dizendo que tem muito orgulho de fazer parte do PT.

“Eu tenho muito orgulho de ser do Partido dos Trabalhadores e das trabalhadoras, de ter visto o meu partido mudar este Brasil. Vamos juntos, vamos mesmo tomar coragem de fazer o Brasil voltar a ser o que era de novo. Vamos com o PT, sim, com todos os credos que nós temos no nosso País. Viva à diversidade”, destacou Benedita.





8 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Zé Maria

19 de setembro de 2021 às 03h51

https://pbs.twimg.com/media/E_hdT1pWUAQe_71?format=jpg
“Aquilo mudou minha vida, quando a gente não sabe ler não é ninguém”
Paulo Souza, agricultor pobre que só pode aprender a ler
aos 20 anos, quando participou da 1ª turma de Paulo Freire
em Angicos [RN], em 1963.:
As lágrimas são de emoção.
https://twitter.com/MarceloFreixo/status/1439004327633371137

https://twitter.com/Emicida/status/1439188357075111940
https://pbs.twimg.com/media/E_kGLnlWEAAtbnE?format=jpg
“VITÓRIA!
A Justiça Federal do Rio proibiu o Governo Federal
de atacar a dignidade de Paulo Freire.
O Patrono da Educação Brasileira e um dos pensadores
mais citados em trabalhos acadêmicos no mundo completaria 100 anos neste domingo.”
https://twitter.com/GuilhermeBoulos/status/1438956056386936836

Responder

    Zé Maria

    19 de setembro de 2021 às 05h08

    .
    “As 40 horas de Angicos”
    (https://youtu.be/64qUSQbc1fk)
    https://twitter.com/brasildefato/status/1439245974984142851

    Com o Método Pedagógico de Alfabetização idealizado
    por Paulo Freire a Dinâmica Educacional possui Função
    Libertadora.
    Quando aí o Espírito Humano, Livre de Dogmas, alça Vóo.

    https://pbs.twimg.com/media/E_guek8XMAQiURW?format=jpg
    Por essa razão, “Paulo Freire e seu Legado
    serão sempre Inimigos do Fascismo”.
    https://twitter.com/LatuffCartoons/status/1438951186619568130

    Zé Maria

    19 de setembro de 2021 às 10h47

    Paulo Freire passou a década de 50 envolvido nesse ambiente educativo, exercendo o magistério na Escola de Serviço Social de Pernambuco e na Escola de Belas Artes, da Universidade do Recife. Começou a experimentar uma nova proposta de alfabetização no final dos anos 50, até que, em 1962, no município de Angicos, no Rio Grande do Norte, Paulo Freire teve a grande experiência de seu novo método de ensino, que priorizava a realidade dos alunos.
    Em 1963, quando quase 40% da população brasileira não sabiam ler,
    Paulo Freire assumiu o Plano Nacional de Alfabetização no governo João Goulart.
    A idéia era criar 20 mil círculos de leitura, capazes de alfabetizar 2 milhões de adultos. Nessa época, ainda na democracia, foi chamado de subversivo pelo então ministro da Guerra de Jango, General Castelo Branco.
    Uma mostra do que viria quando a ditadura fosse imposta, no ano seguinte.
    Apenas 14 dias após o golpe de 64, o projeto de alfabetização de Paulo Freire foi extinto.
    O educador chegou a enfrentar 75 dias de detenção, em uma das duas vezes que foi preso.
    É o próprio Paulo Freire quem contou, nesta entrevista, sua experiência com a ditadura.

    “Eu me lembro, por exemplo, quando eu fui preso pela primeira vez e que tive que atravessar uma rua. Eu estava parado em frente ao quartel onde eu tinha que ser metido. E estava havendo tráfego para cá e para lá. E eu fiquei parado com o sargento e um soldado, cada um com uma metralhadora em cima de mim. Inclusive eu ficava espantadíssimo, eu dizia: ´esse pessoal deve saber de coisas sobre mim que eu não sei, eles devem ter informações de que eu sou um líder extraordinário, que eu devia ter feito a revolução anteontem´. Como é que um cara como eu, um professor humilde, simples, precisava de um aparato como aquele em cima de mim, era fuzil muito para um cara só. Então eu me lembro que parado, cercado de balas para todos os lados, eu era a ilha das balas, você já imaginou, que coisa profundamente ridícula.”

Zé Maria

19 de setembro de 2021 às 00h21

PAULO FREIRE: O INTELECTUAL AMOROSO

“Eu sou um intelectual que não tem medo de ser amoroso.
Eu amo as gentes e amo o mundo.
E é porque amo as pessoas e amo o mundo
que eu brigo para que a justiça social
se implante antes da caridade.”

Rádio Câmara
Especial Paulo Freire 1
“O Intelectual Amoroso”

https://www.camara.leg.br/radio/programas/285321-especial-paulo-freire-1-o-intelectual-amoroso-0730

Rádio Câmara
Especial Paulo Freire 2
“Ler é Muito Mais que Juntar Sílabas”

“Ler não é passear por cima das palavras.
Ler é ter uma compreensão profunda, estética também do lido.
Se esse país levasse a sério o exercício da leitura, da palavra
associada à leitura do mundo, com todas as suas implicações,
de ordem estética, de boniteza, e também de liberdade de criação.
Eu acho que ensinar a ler e a escrever numa perspectiva
como essa faz parte da pedagogia, da democracia.”

https://www.camara.leg.br/radio/programas/285323-especial-paulo-freire-2-ler-e-muito-mais-que-juntar-silabas-0843

Responder

Bíblia do Bolsonarismo

18 de setembro de 2021 às 18h45

e deus mandou um filho seu para promover tanta desgraça que os crentes tiveram que repartir tudo que tinham para saciar a fome o povo

Responder

Lucas Prado Jr.

17 de setembro de 2021 às 21h48

As pessoas confundem religião (evangélica ou católica) com Deus.
Qdo ‘a gente’ segue homens ou mulheres, só se perde. Só se extravia.
Nunca dará certo. É o caso agora. Seguem homens milionários e não Deus.
Aí não pode reclamar depois qdo cai num buraco IMENSO e não consegue sair dele.
É uma diferença “pequena” ( Deus para religião, digamos assim), mas fácil da gente meter os pés pelas mãos e lá na frente perceber que errou feio.
Olha aí o caso Flordelis, mas não é o único. São vários em várias religiões.
Infelizmente o povo não questiona as coisas nesses lugares.
E nem adianta criticar eles (cristãos) pq onde há o bicho Homem tem problema. Em todo lugar que o Homem está, que tem Homem tem problema.
1/3 é muita gente. E só cresce o número de evangélicos no país. No entanto, se não é fiel (crente ou o católico) de verdade,’ a gente’ só tá se enganando a si mesmo, pois Deus ninguém engana.

O povo desde da bíblia gosta de um ídolo.

Responder

Deixe uma resposta para Lucas Prado Jr.

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding