VIOMUNDO

Diário da Resistência


A velha receita de bolo de Bolsonaro-Guedes: arrocho econômico e muita repressão contra os descontentes
Fernando Frazão/Agência Brasil
Política

A velha receita de bolo de Bolsonaro-Guedes: arrocho econômico e muita repressão contra os descontentes


12/09/2019 - 13h28

A velha receita de bolo de Paulo Guedes

do Vermelho

Em uma longa palestra no seminário “A Nova Economia do Brasil – o impacto para a região Nordeste”, realizado em Fortaleza, estado do Ceará, o ministro da Economia, Paulo Guedes, expôs a essência das metas econômicas do governo Bolsonaro.

As linhas básicas da sua argumentação são bem conhecidas, cópias pioradas de experiências desastradas como a ditadura militar e as crises das décadas de 1980 e 1990.

O que ele prega, em resumo, é o milagre de o Estado não existir, porque proibido de atuar, com o mantra do arrocho nos investimentos públicos.

A velha tese econômica de  tentar fazer o bolo crescer para depois reparti-lo.

Não é muito diferente do que vem prometendo os próceres da economia desde que a direita retomou o comando do Brasil, no início da marcha golpista, mas agora de forma mais truculenta e peremptória.

Para Guedes, não há meio termo: se o país não dançar conforme a sua música, será o fim.

É o samba de uma nota só que dói nos ouvidos de tanto que foi executado no passado.

Enquanto ele prega seu mantra, os números da economia vão revelando o desastre que sua teoria tem provocado.

Segundo o economista Marcio Pochmann — citado pelo site Monitor Mercantil —, desde a década de 1980 o Brasil registra trajetória de expansão média anual do PIB per capita de apenas 0,7%, “o que permite reconhecer, salvo períodos distintos, como nos anos 2000, a consolidação de uma espécie de epidemia da semiestagnação secular”.

De acordo com ele, nesses quase 40 anos os países em desenvolvimento apresentaram ritmo de expansão do PIB per capita média anual de 3% (4,3 vezes mais que o Brasil).

Mesmo os países de alta renda média registraram crescimento médio anual de 1,7% após 1980 (2,4 vezes acima do Brasil), relata Pochmann.

Nas contas do Monitor Mercantil, as taxas medíocres de crescimento, com raras exceções, levaram ao decréscimo relativo da participação da economia brasileira no mundo.

No ano de 2018, por exemplo, a participação do Brasil no PIB mundial foi de 2,5%, enquanto em 1980 era de 4,4%.

Em 1930, a participação do Brasil no PIB mundial encontrava-se abaixo de 1%.

Pochmann, por sua vez, relata que quase 11 anos após o começo da crise que abalou a globalização neoliberal, anuncia-se novamente o retorno possível da recessão mundial.

O cenário de incertezas “guarda certa aproximação com os anos que sucederam a Depressão de 1929, quando emergiu nova ordem para reconfigurar a dinâmica mundial, após a decadência inglesa”, segundo ele.

Esses números têm causa bem definida. Eles decorrem da retomada das ideias formuladas por Eugênio Gudin, Octávio Bulhões e Roberto Campos — responsáveis por tantos desacertos na história brasileira.

Na ditadura militar, Bulhões e Campos deram as primeiras picaretadas na “era Vargas” com uma “reforma” que, entre 1964 e 1967, plantou as sementes do desastre que viria de 1973 em diante e explodiria no começo da década de 1980.

Era a ideia do arrocho orçamentário como condição para o crescimento econômico, a fé cega de que uma política de austeridade fiscal é o suficiente para atrair investimentos estrangeiros.

Qualquer semelhança com a atual política econômica não é mera coincidência — Paulo Guedes repetiu exatamente essa fórmula em sua palestra em Fortaleza.

Campos e Mário Henrique Simonsen publicaram essa teoria, em 1974, no livro chamado A Nova economia brasileira, dizendo, basicamente, que o arrocho orçamentário cria as bases para o desenvolvimento de longo prazo.

No final da década de 1980 e na década de 1990, os economistas do governo repetiram essa tese ad nauseam, com os resultados bem conhecidos.

Na verdade, essa política fiscalista é subproduto da fórmula que procura dar um destino rentista à massa de dinheiro impresso descontroladamente e administrada pelas regras de Wall Street.

Os defensores desse sectarismo monetário têm o ar de que estão sempre descobrindo a pólvora, mas o resultado é uma espécie de desastre anunciado, como mostra a experiência histórica.

Últimas unidades

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



3 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Anabi Resende Filho

13 de setembro de 2019 às 17h23

Só achei que o autor se esqueceu do entreguismo, o principal ingrediente deste bolo de agora. Isso vai mexer com a conta de transações correntes e aí…

Responder

Zé Maria

13 de setembro de 2019 às 14h15

E os que se declararam Pretos e Pardos ao IBGE,
que hoje são maioria no Brasil e compõem a
Grande Parcela Pobre da População Brasileira,
parece que continuam acreditando que vão
conquistar com o próprio mérito melhores
condições sociais nesse Mercado de Trabalho
de caráter Excludente e Preconceituoso, na origem.
Os Afro-Brasileiros caíram na balela da Meritocracia
da Globo, que só apresenta exceções raríssimas
como Paradigmas para a Classe Trabalhadora Pobre,
como se, por exemplo, os Herdeiros do Roberto Marinho
fossem contratar jornalistas negros que ‘ralaram’ para
serem seus empregados, quando na realidade a Globo
– e as demais Empresas – se vê obrigada a empregar
uma ou outra pessoa de descendência africana, apenas
para aparentar uma equanimidade que não existe,
como se qualquer um pudesse ser uma Glória Maria,
uma Maju, uma Flávia Oliveira ou um Heraldo Pereira.
Não se iludam, rebelem-se, engrossem as Fileiras
da Esquerda Política, antes que o Projeto do Guedes
– do Extermínio em Massa de Pobres e, portanto, da
Extinção de [email protected] e [email protected] [email protected] – atinja
o Último Estágio da Crueldade: o da “Solução Final”.

Responder

Zé Maria

12 de setembro de 2019 às 18h07

História do braZil: como Tragédia e como Farsa

O Temer/Bolsonaro da República Velha, Café Filho -correligionário do Ademar de Barros no PSP – conseguiu fazer
um estrago econômico imensurável no País, em apenas
15 meses, de agosto de 1954, imediatamente após o Suicídio
de Getúlio Vargas, até novembro de 1955, quando foi chutado, junto com o Golpista Carlos Luz, pelo General Lott – um dos poucos militares decentes na UDN – então ministro da Guerra
que garantiu a posse do Presidente Eleito Juscelino Kubitschek
e do Vice João Goulart.
Aliás, foi no Governo de Café Filho que o Ministro da Fazenda,
Eugênio Gudin – o Guedes da época – ferrou a Classe Trabalhadora Assalariada, criando a retenção, na fonte, do imposto de renda sobre os Salários, além de promover Cortes
Orçamentários, restringindo investimentos públicos; conter
a Expansão do Crédito, provocando uma crise de Setor Industrial Nacional; reduzindo restrições à remessa de lucros para o exterior e abrindo as pernas para o Capital Estrangeiro.

https://pt.wikipedia.org/wiki/Caf%C3%A9_Filho#Presidente_da_Rep%C3%BAblica
https://cpdoc.fgv.br/producao/dossies/AEraVargas2/biografias/eugenio_gudin
https://pt.wikipedia.org/wiki/Movimento_de_11_de_Novembro#O_contragolpe

Responder

Deixe uma resposta para Anabi Resende Filho

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.