VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Milho transgênico tratado com herbicida aumenta incidência de câncer em ratos
Falatório

Milho transgênico tratado com herbicida aumenta incidência de câncer em ratos


20/09/2012 - 17h28

sugerido pela Ana Reis, no Facebook, que nos ofereceu link para o Le Nouvel Observateur

Transgênicos aumentam em até três vezes ocorrência de câncer em ratos

Estudo revelou que ratos alimentados com milho geneticamente modificado morreram mais rápido. Cientistas afirmam que resultados de pesquisa são alarmantes

AFP | 19/09/2012 12:21:16 – Atualizada às 19/09/2012 12:26:09

do IG

Os ratos alimentados com organismos geneticamente modificados (OGM) morrem antes e sofrem de câncer com mais frequência do que os demais, destaca um estudo publicado nesta quarta-feira (19) pela revista “Food and Chemical Toxicology”, que considera os resultados “alarmantes”.

“Os resultados são alarmantes. Observamos, por exemplo, uma mortalidade duas ou três vezes maior entre as fêmeas tratadas com OGM. Há entre duas e três vezes mais tumores nos ratos tratados dos dois sexos”, explicou Gilles-Eric Seralini, professor da Universidade de Caen, que coordenou o estudo.

Para realizar a pesquisa, 200 ratos foram alimentados durante um prazo máximo de dois anos de três maneiras distintas: apenas com milho OGM NK603, com milho OGM NK603 tratado com Roundup (o herbicida mais utilizado do mundo) e com milho não alterado geneticamente tratado com Roundup.

Os dois produtos (o milho NK603 e o herbicida) são propriedade do grupo americano Monsanto.

Durante o estudo, o milho fazia parte de uma dieta equilibrada, em proporções equivalentes ao regime alimentar nos Estados Unidos.

“Os resultados revelam uma mortalidade muito mais rápida e maior durante o consumo dos dois produtos”, afirmou Seralini, cientista que integra ou integrou comissões oficiais sobre os alimentos transgênicos em 30 países.

“O primeiro rato macho alimentado com OGM morreu um ano antes do rato indicador (que não se alimenta com OGM), enquanto a primeira fêmea, oito meses antes. No 17º mês foram observados cinco vezes mais machos mortos alimentados com 11% de milho (OGM)”, explica o cientista.

Os tumores aparecem nos machos até 600 dias antes de surgirem nos ratos indicadores (na pele e nos rins). No caso das fêmeas (tumores nas glândulas mamárias), aparecem, em média, 94 dias antes naquelas alimentadas com transgênicos.

Os pesquisadores descobriram que 93% dos tumores das fêmeas são mamários, enquanto que a maioria dos machos morreu por problemas hepáticos ou renais.

O artigo da “Food and Chemical Toxicology” mostra imagens de ratos com tumores maiores do que bolas de pingue-pongue.

“Com uma pequena dose de Roundup, que corresponde à quantidade que se pode encontrar na Bretanha (norte da França) durante a época em que se espalha este produto, são observados 2,5 vezes mais tumores mamários do que é normal”, explica Seralini.

O diretor do estudo disse ainda que os transgênicos agrícolas são organismos modificados para resistir aos pesticidas ou para produzi-los e lembrou que 100% dos transgênicos cultivados em grande escala em 2011 foram plantas com pesticidas.

“Pela primeira vez no mundo, um OGM e um pesticida foram estudados por seu impacto na saúde a mais longo prazo do que haviam feito até agora as agências de saúde, os governos e as indústrias”, disse o coordenador do estudo.

Segundo Seralini, os efeitos do milho NK603 só foram analisados até agora em períodos de três meses. Alguns transgênicos já foram analisados durante três anos, mas nunca até agora com uma análise em tal profundidade, segundo o cientista.

Também é a primeira vez, segundo Seralini, que o pesticida Roundup foi analisado em longo prazo. Até agora, somente seu princípio ativo (sem seus coadjuvantes) havia sido analisado durante mais de seis meses.

“São os melhores testes que podem ser realizados antes dos testes em humanos”, explicou ainda.

O estudo foi financiado pela Fundação CERES, bancada em parte por cerca de 50 empresas, algumas delas do setor da alimentação que não produzem OMG, assim como pela Fundação Charles Leopold Meyer pelo Progresso da Humanidade.

Leia também:

Paulo Kliass: Tirem as mãos da Embrapa!

Ana Costa: Por que o Brasil exporta plasma e importa hemoderivados?

Raul do Valle: Laranjais com agrotóxicos para “proteger” nascentes

Roberto Requião: PT usa eufemismo para esconder suas privatizações; Embrapa é a próxima

México: País das tortilhas agora é importador de milho

Justiça Federal condena Monsanto por propaganda enganosa

Algodão transgênico é liberado com base em relatório da Monsanto

SINPAF: Projeto que privatiza Embrapa avança no Congresso

Cleber Folgado: “Queremos ser os maiores produtores de alimentos saudáveis do mundo



Ajude o VIOMUNDO a sobreviver

Nós precisamos da ajuda financeira de vocês, leitores, por isso ajudem-nos a garantir nossa sobrevivência comprando um de nossos livros.

Rede Globo: 40 anos de poder e hegemonia

Edição Limitada

R$ 79 + frete

O lado sujo do futebol: Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

R$ 40 + frete

Pacote de 2 livros - O lado sujo do futebol e Rede Globo

Promoção

R$ 99 + frete

A gente sobrevive. Você lê!


18 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

:: Associação Brasileira de Agroecologia - ABA Agroecologia ::

15 de setembro de 2014 às 16h54

[…] glifosato; a União Europeia está investindo 3 milhões de euros para que o estudo seja refeito. O Viomundo noticiou o resultado da pesquisa aqui. O milho OGM NK603 tratado com Roundup (o herbicida mais utilizado do mundo) é liberado no Brasil. […]

Responder

Guinada de Marina levou-a para mais longe de consenso sobre transgênicos; pesquisador espera que seja apenas discurso de campanha « Viomundo - O que você não vê na mídia

14 de setembro de 2014 às 20h18

[…] glifosato; a União Europeia está investindo 3 milhões de euros para que o estudo seja refeito. O Viomundo noticiou o resultado da pesquisa aqui. O milho OGM NK603 tratado com Roundup (o herbicida mais utilizado do mundo) é liberado no […]

Responder

Roberto Requião: Monsanto descumpre acordo com plantadores de soja transgênica « Viomundo – O que você não vê na mídia

27 de fevereiro de 2013 às 15h21

[…] Milho transgênico tratado com herbicida aumenta incidência de câncer em ratos […]

Responder

Entidades científicas à Dilma: Alterações aprovadas pelo Senado representam mais retrocessos « Viomundo – O que você não vê na mídia

05 de outubro de 2012 às 19h11

[…] Milho transgênico tratado com herbicida aumenta incidência de câncer em ratos […]

Responder

FrancoAtirador

01 de outubro de 2012 às 20h48

.
.
PROCESSO DE PRIVATIZAÇÃO DA EMBRAPA A TODO VAPOR

Mendes Ribeiro Filho aceita pedido de exoneração apresentado pelo presidente da Embrapa (30/09/2012)

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA
30/09/2012 16:33
Comunicado
Nota Embrapa

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento informa que o ministro Mendes Ribeiro Filho [PMDB] aceitou o pedido de exoneração do presidente da Embrapa, Pedro Antônio Arraes Pereira.

O nome do substituto será comunicado dentro dos próximos dias. Responderá interinamente pela Empresa, a diretora de Administração e Finanças, Vânia Beatriz Rodrigues Castiglioni.

http://www.embrapa.br/embrapa/imprensa/noticias/2012/setembro/4a-semana/mendes-ribeiro-aceita-pedido-de-exoneracao-do-presidente-da-embrapa

http://www.agricultura.gov.br/comunicacao/noticias/2012/09/nota-embrapa
.
.
Presidente da Embrapa anuncia saída do cargo
01/10/2012 – 14h35
Economia
Carolina Gonçalves
Repórter da Agência Brasil

Brasília – Dois meses depois de confirmar a permanência na presidência da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), com a recondução publicada no Diário Oficial da União em agosto, o pesquisador Pedro Antonio Arraes Pereira pediu exoneração do cargo, por motivos pessoais.

O pedido foi aceito ontem (30) pelo ministro da Agricultura, Mendes Ribeiro Filho. Arraes deve se encontrar hoje (1º) com o ministro para oficializar o pedido e dar mais detalhes sobre a decisão.

A diretora de Administração e Finanças, Vânia Beatriz Rodrigues Castiglioni, ocupará a presidência da Embrapa provisoriamente até o anúncio do substituto de Arraes, que, segundo assessoria do ministério, será anunciado nos próximos dias.

No comando da Embrapa desde julho de 2009, Arraes reestruturou a inteligência estratégica da empresa com a criação de um núcleo de pesquisadores, batizado Programa Agropensa.
O agrônomo carioca também liderou a reformulação da gestão da carteira de projetos, numa lógica de portfólios por temas como o de pesquisa do setor sucroalcooleiro energético e a conclusão das atividades do Programa de Fortalecimento e Crescimento da Embrapa (PAC Embrapa), com a criação de cinco novos centros de pesquisa (Embrapa Agrossilvipastoril, Embrapa Pesca e Aquicultura, Embrapa Cocais, Embrapa Agroenergia e Embrapa Estudos e Capacitação).

Com a publicação do novo estatuto da empresa, Arraes conduziu a atuação da Embrapa no exterior, com intuito de dar mais agilidade aos trabalhos fora do território nacional, principalmente na área científica.
A medida gerou críticas por parte de alguns pesquisadores que temem o esvaziamento da produção nacional da empresa e alertam para a necessidade de renovação do quadro de funcionários e de investimentos em métodos e tecnologias adequadas para atender o mercado mundial mais competitivo.

Edição: Carolina Pimentel

http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2012-10-01/presidente-da-embrapa-anuncia-saida-do-cargo
.
.
Pressão dos movimentos sociais garante veto a projeto que privatiza Embrapa

Presidente da Estatal assegurou que o PL 222/08 não avançará no Congresso Nacional

Por SINPAF*

Em audiência realizada na tarde desta terça (6) com integrantes da Via Campesina e do SINPAF, em Brasília (DF), o presidente da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), Pedro Arraes, assegurou aos trabalhadores que o governo não permitirá que o Projeto de Lei 222/08 – que propõe transformar a Embrapa em empresa de economia mista com ações negociadas na bolsa – avance para além do Congresso. A pauta é uma das principais reivindicações da Jornada das Mulheres da Via Campesina em Goiás, que desde ontem ocupam a unidade Arroz e Feijão da empresa, no município de Santo Antonio de Goiás.

Segundo o presidente da empresa, a proposta não tem respaldo do governo federal.
“Conversei hoje com deputados e com a ministra Ideli (Salvatti), e nossa posição é de defesa da Embrapa pública. A empresa é patrimônio do povo brasileiro, e garanto que não deixará de ser”, afirmou Arraes.

Para Rosana Fernandes, da coordenação da Via Campesina, o compromisso do governo é uma conquista fundamental decorrente da pressão dos movimentos sociais e sindical, mas é preciso discutir com profundidade o modelo de pesquisa e desenvolvimento para o campo levado a cabo atualmente pela empresa.
“Questionamos a condução dos projetos da Embrapa e começamos a enxergar uma espaço de disputa permanente de agora em diante. Não sairemos daqui totalmente satisfeitas porque, mesmo sem ser privatizada oficialmente, às vezes temos dúvidas se ela é realmente 100% pública. Sabemos que pesquisas desenvolvidas utilizam larga escala de agrotóxicos, por exemplo”.

Controle social

A participação dos movimentos sociais no Conselho de Administração (Consad) da empresa também foi cobrada pelos trabalhadores rurais. O representante da empresa, por sua vez, ponderou que já estão garantidas cadeiras a um representante do Ministério do Desenvolvimento Agrário, a um empregado da empresa e a dois representantes da sociedade civil.

“Sabemos que esses assentos garantidos para fora dificilmente nos englobararão, pois são historicamente ocupados por representantes do agronegócio. É preciso construir um espaço de discussão que apresente questões que precisamos aprofundar, como um programa de pesquisas para a agricultura familiar camponesa agroecológica. O modelo do agronegócio tem consequências trágicas para a natureza, para o meio ambiente e o conjunto da sociedade. Não é possível pensar um novo modelo sem pensar na Embrapa, que até hoje cumpriu papel importante para atender esse modelo atual que chegou ao seu limite. É preciso produzir conhecimento e colocar a serviço da produção de alimentos e por isso não daremos trégua para a Embrapa enquanto não avançarmos nessa perspectiva”,
observou Valdir Misnerovicz, da coordenação do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) em Goiás.

Em resposta, Arraes sugeriu que os movimentos componham os comitês assessores externos (CAE) da empresa, e se comprometeu a apresentar uma proposta de criação de um grupo de trabalho experimental em Goiás para o desenvolvimento de ações voltadas à pequena agricultura.

A deputada federal Marina Sant’Anna (PT/GO), apoiadora dos movimentos sociais no estado, ressaltou que a Embrapa é um espaço privilegiado de pesquisa e indução de desenvolvimento.
“As tecnologias que existem podem garantir alimentos saudáveis e para todos, por isso é preciso haver mais incentivo à pesquisa, produção e escoamento da pequena produção”, destacou. Para ela, a ocupação por parte das camponesas também tem conteúdo simbólico relevante.
“Mulher se caracteriza pela questão do cuidado. Essa ocupação, portanto, é uma forma de cuidar da empresa. Considero um gesto de bom gosto por parte da Via Campesina, pela estratégia de marco civilizatório. Ocupar a Embrapa é abraçá-la”.

Trabalhadores unidos

Para o presidente do SINPAF, Vicente Almeida, a união entre os trabalhadores rurais e da empresa é fundamental para o avanço de suas conquistas.
“Temos várias pautas em comum, sobretudo a preocupação com os rumos institucionais, a gestão participativa da empresa e a agroecologia. Este pode ser um momento-chave para que a Embrapa consiga concretizar sua missão de fortalecimento da agricultura que produz alimentos para o país, gerida com controle social e participação. Estamos felizes pela posição de governo de sustar esse projeto, foi uma conquista muito importante. Mas queremos discutir participação social na gestão da empresa, inclusive para contribuir com o acompanhamento de políticas públicas definidas pelo governo”.

Ao final da audiência, Arraes se comprometeu a conversar com o ministro da Agricultura, Mendes Ribeiro, para que atenda os trabalhadores ainda nesta semana.
“Queremos que a Embrapa nos dê retorno com propostas de avanço da pauta apresentada e a garantia da audiência com o ministro, para abrir espaços para esse diálogo”, finalizou Rosana.

*SINPAF = Sindicato Nacional dos Trabalhadores de Pesquisa e Desenvolvimento Agropecuário

http://cut.org.br/destaques/21798/pressao-dos-movimentos-garante-veto-a-projeto-que-privatiza-embrapa
.
.
E AGORA?
.
.

Responder

    FrancoAtirador

    01 de outubro de 2012 às 21h14

    .
    .
    Então ficamos assim:

    MICHEL TEMER (PMDB-SP) FAZ ACORDO COM GLOBO E EDITORA ABRIL

    Há três meses, representantes das Organizações Globo e da Editora Abril fecharam um sórdido armistício com Michel Temer, vice-presidente da República e cacique-mor do PMDB.
    Pelo acordo, o noticiário daria um descanso para Dilma Rousseff em troca de jamais, em hipótese alguma, a CPI do Cachoeira convocar Policarpo Jr., ou gente maior, como Roberto Civita, dono da Abril.
    A fachada para essa negociata foi, como de costume, as bandeiras das liberdades de imprensa e de expressão, dois conceitos deliberadamente manipulados pela mídia para que não se compreenda nem um nem outro.
    (http://www.cartacapital.com.br/blogdoleandrofortes/jornalismo/o-triste-fim-de-policarpo)

    MOREIRA FRANCO (PMDB-RJ) NOMEIA NOVO PRESIDENTE DO IPEA

    DENISE MADUEÑO – Agencia Estado

    BRASÍLIA – Um ano e oito meses depois de assumir o comando da Secretaria de Assuntos Estratégicos (SAE), o ministro Moreira Franco conseguiu nomear seu indicado para a presidência do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).
    O economista Marcelo Cortes Neri tomou posse nesta quarta-feira em substituição a Márcio Pochmann, que deixou o posto, assumido em 2007, para se candidatar à prefeitura de Campinas pelo PT.
    O instituto estava sob a presidência interina de Vanessa Petrelli, nome ligado a Pochmann, desde junho.

    (http://economia.estadao.com.br/noticias/economia+geral,marcelo-neri-toma-posse-como-presidente-do-ipea,126428,0.htm)
    (http://www.cartacapital.com.br/economia/moreira-franco-sonha-em-mandar-no-ipea)

    MENDES RIBEIRO Fº (PMDB-RS) NOMEIA NOVO PRESIDENTE DA EMBRAPA
    .
    .
    Em grande medida, há razão em dizer:

    O PT SE ELEGE E O PMDB GOVERNA.
    .
    .

Apavorado por Vírus e Bactérias

26 de setembro de 2012 às 15h03

Prezada Conceição Lemes,Prezado Azenha,

Por que não fazemos uma campanha nacional de esclarecimento e uma petição solicitando uma lei que acabe com o comércio de transgênicos no Brasil?

Responder

    Constator

    15 de setembro de 2014 às 13h32

    Porque não há problema com transgênicos, por isso. Esse estudo foi rapidamente derrubado por cientistas sérios, usando dados e informações observadas, não inventadas ou escolhidas a dedo.

Djijo

25 de setembro de 2012 às 14h19

Achei no Face: “Cuando se descubrió que la información era un negocio, la verdad dejó de ser importante.”
Ryszard Kapuscinski

Responder

H. Back™

24 de setembro de 2012 às 17h19

E assim acabaram de inventar a bomba limpa, aquela que mata as pessoas, mas não destrói as construções. E assim caminha a humanidade.

Responder

Mardones

21 de setembro de 2012 às 10h47

Pois é. Na França, já pediram estudos e resultados até o final do ano para comprovar o estudo que foi feito nos ratos. E, se confirmado o resultado, será solicitada a proibição dos Organismos Geneticamente Modificados – OGM. Na França!

Responder

Tina

20 de setembro de 2012 às 23h27

O que provocou câncer nos ratos não foi o milho transgênico, mas os herbicidas utilizados na lavoura dos mesmos.

Responder

    rodrigo

    22 de setembro de 2012 às 05h16

    Faz favor!

    Guilherme Macedo

    22 de setembro de 2012 às 11h57

    Sim, mas é assim que funciona os transgênicos. A modificação feita serve para torná-los resistente ao herbicida. A planta então só pode receber um tipo de tóxico e nada mais. O milho modificado somente pode receber o herbicida em questão.

    rodrigo

    22 de setembro de 2012 às 20h23

    Guilherme, não segundo a Monsanto – http://www.monsanto.com.br/produtos/biotecnologia/perguntas-mais-frequentes/aspectos-economicos/aspectos-economicos.asp – mas o ponto crucial do comentário da pessoa que se chama Tina, é que a pesquisa só mostrava contaminação por Round Up, e não TAMBÉM pelo milho, o que é mentira! Basta ler o post. Nem pra trollar direito… Era só ler os comentários da matéria no Observateur e ver que já tem gente ( http://www.newscientist.com/article/dn22287-study-linking-gm-crops-and-cancer-questioned.html ) atacando a pesquisa.

    Guilherme Macedo

    24 de setembro de 2012 às 09h45

    Rodrigo,
    “segundo a Monsanto” é uma boa hehehe
    Mas para complementar, vale a pena ver o documentário “O Mundo Segundo a Monsanto”:
    https://www.youtube.com/watch?v=D6-YkHO3kPY

    Maria Libia

    29 de setembro de 2012 às 12h45

    TINA, se este for realmente seu nome, pois a Monsanto paga pessoas só para revidar as acusações, pegue seu filhinho e dê a ele milho trangênico durante um ano. Caso não aconteça nada a criancinha tão bonitinha, nos informe, pois você demonstra saber tudo.

Christian Moreno

20 de setembro de 2012 às 22h48

O Brasil é o segundo produtor mundial de transgênicos. Uma notícia como essa tinha que ser destaque em TODA a mídia.
Mas pelo visto não é isso o que veremos.
Monsanto e cia desaprovariam…

Responder

Deixe uma resposta para H. Back™

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!