VIOMUNDO

Diário da Resistência


Entrevistas

A entrevista de Rafael Correa, com legendas em português


27/05/2012 - 14h26

Coisas da rede. Enquanto eu escrevia um post a respeito desta entrevista o Jair de Souza colocava legendas em português. Obrigado, Jair.

Livro do Luiz Carlos Azenha
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

A Trama de Propinas, Negociatas e Traições que Abalou o Esporte Mais Popular do Mundo.

Por Luiz Carlos Azenha, Amaury Ribeiro Jr., Leandro Cipoloni e Tony Chastinet



18 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Rafael Correa: “Aqui já não mandam as oligarquias” « Viomundo – O que você não vê na mídia

17 de fevereiro de 2013 às 23h46

[…] Julian Assange entrevista Rafael Correa […]

Responder

Lei de meios do Equador depende do resultado das eleições « Viomundo – O que você não vê na mídia

16 de fevereiro de 2013 às 22h08

[…] Uma entrevista de Julian Assange com Rafael Correa […]

Responder

“Campanha permanente para desacreditar presidentes” « Viomundo – O que você não vê na mídia

19 de dezembro de 2012 às 18h06

[…] Assange entrevista Rafael Correa […]

Responder

Laurindo

21 de agosto de 2012 às 10h57

Azenha, belo presente seu blog nos dá com esta entrevista. Conhecemos mais o Correia, o Cara! jovem liderança da sudamérica: inteligente, bem informado, bem humorado, corajoso, com uma visão que extrapola as fronteiras de seu país, já que seu sentimento de sulamericano é latente. Confirma que o grande inimigo dos cidadãos trabalhadores da América Latina, a ser combatido, é a “imprensa” que não informa, apenas age em função de seus interesses mercantis e de seus associados.
Obrigado.

Responder

Unasul se solidariza com Equador e rechaça ameaças do Reino Unido « Viomundo – O que você não vê na mídia

19 de agosto de 2012 às 20h37

[…] A entrevista de Rafael Correa, com legendas em português […]

Responder

    Laurindo

    21 de agosto de 2012 às 11h17

    Fábio, outra coisa que me agradou nessa entrevista, foi saber da rapidez de resposta da Unasul e de perceber que até a Colômbis teve representante na reunião. Estou começando a achar que a América Latrina não existe mais ou está fechada p/ novas defecções elitistas.

Assange: EUA precisam parar de perseguir aqueles que revelam os seus crimes secretos « Viomundo – O que você não vê na mídia

19 de agosto de 2012 às 20h12

[…] A entrevista de Rafael Correa, com legendas em português […]

Responder

Jotace

28 de maio de 2012 às 20h39

ENTREVISTA DE CORREA E O PERIGOSO EXERCÍCIO DA FUTUROLOGIA (1)

Caro Azenha, magnífica a entrevista! Pois nela, Rafael Correa discorre com maestria sobre a luta épica que desenvolve no Equador e a favor do seu povo, contra a grande imprensa corrupta aliada ao capital sem fronteiras. Tal aliança de criminosos tem situado a ‘grande’ mídia acima de qualquer outro Poder constituído democraticamente na quase totalidade dos países da América Latina e do Caribe. E responde em grande parte pela pobreza dos povos dessas regiões inclusive o do Brasil. Assim, no meu modesto entender não há que descambar para certas conclusões prenhes de negativismo, e extremamente pessimistas a partir do que tem acontecido na história da humanidade. De minha parte, não vejo porque não possa ser reconhecida a Revolução Francesa como o grande evento que foi, pelas mudanças irreversíveis que ocasionou a curto e médio prazo quanto aos privilégios da monarquia, do feudalismo, da igreja. Que o diga o ‘droit de seigneur’ extinto (Cont.)

Responder

Jotace

28 de maio de 2012 às 20h38

ENTREVISTA DE CORREA E O PERIGOSO EXERCÍCIO DA FUTUROLOGIA (2)

na França desde então e que ainda perdura em muitos campos caribenhos e sul-americanos…Da mesma forma, se diria das grandes e irreversíveis mudanças que ocorreram na China, até então pasto das potências coloniais, que após o movimento libertário conduzido ainda nos idos de 40. Impossível pensar noutra Guerra do Ópio… Quanto à primavera árabe creio que muitas águas devem rolar ainda, antes que possamos considerá-la um movimento falido. Até mesmo porque as grandes potências ocidentais que a ela se opõem (de maneira frontal ou disfarçada), se vêem agora na maior crise das suas histórias. Finalmente, por que considerar-se perto do fim o poder da blogosfera que, a cada dia, abre brechas na ‘fortaleza’ dita invencível da grande, corrompida e corruptora mídia? Um cordial abraço, Jotace

Responder

augusto2

28 de maio de 2012 às 10h52

equilibrada, mas indignada e vibrante.
Tem luzes, drama e risos. Aquela do consenso SEM uoxington é otima.
Correa tem lado.
Mas gostei que pela 1ª vez vi assange – de cuja parceria com cinco corporaçoes midiaticas internacionais a gente desconfiava e ainda nao tem certeza- assange diz na bucha que elas cortaram e manipularam seus textos de wikileaks.
imperdivel aula de america latina pra nativos e gringos verem.

Responder

Jairo Medeiros

28 de maio de 2012 às 09h41

Azenha, essa independencia política e a soberania que muitos querem e alguns governos almejam, creio eu, já estão com os dias contados. Fazendo um retrospecto e um exercício de futurologia, percebe-se que os poderosos que controlam o que querem e a quem querem não ficarão e nunca ficaram inertes a esses movimentos.
A histórica revolução francesa terminou quando foi empossado o imperador Napoleão e após isso os mesmos continuaram no poder, pois simplesmente deixaram os holofotes p/ quem o quis e com a guerra de Napoleão puderam se firmar financeiramente. Método usado pelos EUA até hoje nos governos que lhes interessam.
A primeira guerra mundial foi um ensaio p/ a verdadeira guerra contra quem detinha o dinheiro mas não o poder. Discute-se até hoje, mas 90% do dinheiro dos judeus europeus simplesmente sumiu nos bancos, os mesmos que financiaram a guerra. Ninguem viu ou pediu de volta, mas quem estaria vivo p/ faze-lo?
A primavera tcheca, já esquecida foi brutalmente vilipendiada e massacrada. Poucos ainda vivem p/ contá-la. A liberdade daqueles dias era ensusrdecedora e bem parecida com a de hoje. A diferença é que temos a blogosfera. E essa pretensa liberdade infelizmente está com os dias contados. Vc é jornalista e já deve ter percebido isso. Vários projetos pipocam p/ calar e fatos concretos já foram devidamente tomados, um ensaio p/ medir a repercussão de tais atitudes foi o fechamento do site Megaupload e a alguns anos o Napster(seu criador aprendeu a lição e mostrou o caminho das pedras p/ que o Facebook seja hoje esse fenomeno).
a primavera árabe é um desastre, mas já era esperado. Os testas de ferro tem de ser mudados de tempo em tempo e nada melhor do que escolher democraticamente aqueles que farão com liberdade e soberania o que os caudilhos imaginavam mas não tinham o apoio da população e da mídia (Israel que coloque a barba de molho, o cerco está se fechando novamente e agora serão combatidos por governos soberanos e escolhidos democraticamente. Se serão vitoriosos já é outra história). Tendemos p/ o autoritarismo, aqueles que quiserem me questionar, antes leiam sobre as leis que estão sendo fabricadas p isso, SOPA e PIPA são apenas os ensaios, dizem que é contra a pirataria, mas o real é o controle total da internet. Impensável, dizem alguns, mas os mesmos que sempre controlaram e controlam não ficarão inertes. George Orwell e Orson Wells já visualizavam isso. O presidente do Equador não é uma voz solitária nem será a única, mas veremos num futuro breve o desenrolar de tanta liberdade…

Responder

Juan

27 de maio de 2012 às 23h23

Ele fala Consenso de São Paulo e não sem consensos!!

Responder

Fabio Passos

27 de maio de 2012 às 20h53

Esta postura de independência em relação aos eua e de reafirmar a soberania é o que deixa as “elites” mais raivosas.
Além da falta de escrúpulos em acumular privilégios indecentes e maltratar o próprio povo com enorme perversão, ser capacho ianque é característica generalizada entre as “elites” mofadas da AL.

Responder

Fabio Passos

27 de maio de 2012 às 20h35

Excelente entrevista.
Também no Brasil o poder midiático quer se sobrepor aos poderes democraticamente constituidos do Estado.
Oligarquias carcomidas representando interesses de grandes grupos econômicos não tem o direito de sabotar a democracia.

Responder

Mineirim

27 de maio de 2012 às 20h28

“Se vierem os mesmos de sempre a dominarem nossos países”: essa frase é muito forte e a que me deu mais medo!

Responder

Rodolfo Segabinazzi

27 de maio de 2012 às 20h24

Não consigo imaginar liberdade de imprensa quando seus meios são controlados quer por banqueiros, igrejas ou governos.

Responder

waldez

27 de maio de 2012 às 19h18

alguém mais achou que a última metade do segundo trecho foi uma indireta para o brasil?

Responder

    Fabio

    28 de maio de 2012 às 00h04

    Acabou sendo. Não estamos nem perto desse enfrentamento. Pra piorar, o nosso digníssimo vice-presidente do governo “de coalisão” é o mais novo chanceler do pig.


Deixe uma resposta para “Campanha permanente para desacreditar presidentes” « Viomundo – O que você não vê na mídia

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!