VIOMUNDO

Diário da Resistência


Denúncias

Promotoria apura se Serra sabia de cartel fraudador


27/02/2014 - 14h13

Fernando Gallo – O Estado de S.Paulo

O Ministério Público de São Paulo abriu inquérito para apurar se o ex-governador José Serra (PSDB) se omitiu ou não no combate à atuação do cartel de trens durante sua gestão (2007- 2010).

O inquérito por suspeita de improbidade administrativa foi instaurado pelo promotor Sílvio Marques em 9 de novembro de 2013 após representação apresentada por quatro deputados estaduais do PT: João Paulo Rillo, Carlos Neder, Adriano Diogo e Francisco Campos Tito. O promotor, responsável por outros inquéritos que apuram fraudes em licitações do setor metroferroviário paulista envolvendo as multinacionais Alstom e Siemens, além de corrupção de agentes públicos, já pediu informações a Serra.

Segundo Marques, o documento petista afirma que o ex-governador “supostamente sabia que as empresas do ramo metroferroviário, entre elas a Alstom e a Siemens, teriam fraudado as referidas licitações (no Metrô e na CPTM), do superfaturamento dos preços ofertados e do pagamento de propinas a funcionários públicos, tendo, inclusive, sido alertado pelo Ministério Público do Estado e pelo Tribunal de Contas, mas, mesmo assim, não teria tomado as medidas cabíveis”.

Na representação, os deputados do PT afirmam que três alertas legais dando conta de irregularidades – dois deles feitos pelo Tribunal de Contas (TCE) e um pela Promotoria – foram ignorados pelo ex-governador.

Os petistas citam como exemplo o fato de que em maio de 2007, no primeiro ano da gestão Serra, o Metrô aditou um contrato firmado em 1992 com a Mafersa (posteriormente incorporada pela Alstom), quando a lei de licitações só permite aditivos até cinco anos após a assinatura dos contratos.

Os petistas dizem que licitação promovida nos anos de 2008 e 2009 para reforma dos trens das Linhas 1 e 3 do Metrô contém indícios da atuação das empresas do cartel.

Cobrança. Em outro inquérito do cartel tocado pelo Ministério Público Estadual, o promotor de Justiça Marcelo Milani deu às oito empresas que executam os serviços de reforma das Linhas 1 e 3 do Metrô desde 2008 um prazo de 10 dias para que digam se pretendem entrar em acordo com a Promotoria para pagar os R$ 800 milhões de sobrepreço que ele sustenta haver nos contratos. Milani, que se reuniu com as empresas na quarta-feira, afirma que, caso as empresas não paguem o valor, entrará com ação por dano coletivo e pedirá ressarcimento de R$ 2,4 bilhões.

A Alstom afirmou que “confia em uma solução que não venha a prejudicar os empregos gerados por estes contratos e a população que precisa dos trens”. A Siemens disse que colabora com as investigações e quer “apuração de eventuais responsabilidades, caso qualquer desvio de conduta seja comprovado”. A Tejofran disse que solicitará perícia para demonstrar “que seus preços originais de proposta eram módicos e que o resultado econômico até o momento do contrato é inferior ao previsto”. A Temoinsa declarou ter 10 dias para formar convicção sobre o caso.

A Bombardier não se manifestou. Iesa, MPE e Trans Sistemas não foram localizadas ontem pela reportagem.

Leia também:

Cartel fraudador: Petistas pedem que MP investigue Serra por omissão

Propinoduto tucano: Contratos com o governo chegam a R$ 40 bilhões

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



8 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Delano

28 de fevereiro de 2014 às 21h41

Sabemos bem que a midia familiar tucana golpista e sonegadora nao vai falar que Cerra sera investigado na corrupçao bilionario do trensalao.
Ate a Record nao fala nada.
E aqui faço uma critica: Azenha voce esta fazendo uma serie de reportagens sobre o transporte publico de SP e nao cita com profundidade a corrupçao do caso e o envolvimento de Cerra neste brutal caso de corrupçao que atravessa as fronteiras nacionais.
Ah se o Trensalao fosse de governo do PT!
Publiquem meu comentario por favor.

Responder

    Luiz Carlos Azenha

    28 de fevereiro de 2014 às 21h47

    Acho engraçado vc achar que tenho medo de críticas… Elas nos aprimoram. abs

marcosomag

28 de fevereiro de 2014 às 13h32

As “frestas” abertas na cobertura midiática de “tucanos de alta plumagem” e seus malfeitos onde “governam” dão a entender que a mídia corporativa tenta incomodar estes elementos com “fogo amigo” pontual que tem objetivos claros.

Acenam com o “fantasma” Eduardo Campos (talvez com Marina como cabeça de chapa, caso fique desenhada a vitória de Dilma em turno único), e com a “carta na manga” chamada Barbosa. A mensagem é clara: façam tudo o quisermos que façam pois agora temos alternativas a vocês.

É um jogo perigoso pois a “operação abafa” no caso do heliPÓptero deixou a mídia com o “rabo de fora” mesmo para o cidadão mais despolitizado. Apesar dos decibéis cada vez mais ensurdecedores na campanha anti-PT doentia que pratica, a mídia vai perdendo força para impulsionar Campos, Marina ou Barbosa.

Então, são muitos os “pontos de fratura” que podem fazer o jogo eleitoral da mídia desmoronar caso os blogueiros independentes possam ataca-los com mais força e argumentos racionais para contrabalançar a histeria anti-PT por ela disseminada.

Por exemplo: onde está a Ministra Maria do Rosário que não critica publicamente as tentativas de intimidações judiciais que a direção de jornalismo da Globo faz contra os blogueiros?

Um esforço institucional do partido para neutralizar o jogo sujo (e apoiado claramente em táticas importadas de ONGs “filhas” da CIA, como a CANVAS) da oposição via redes sociais/sms/correntes de e-mails certamente neutralizaria os planos da oposição para as eleições.

Responder

rita

27 de fevereiro de 2014 às 21h19

segundo o que eu li na mídia o ex governador jose serra não só sabia da existência do cartel como dirigia as fraudes. a denuncia é de um ex diretor da siemens para o ministério publico de sp..

Responder

Marat

27 de fevereiro de 2014 às 21h12

MP-SP? – kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Responder

José X.

27 de fevereiro de 2014 às 20h45

Ministério Público de São Paulo…alguém tem dúvida do que vai acontecer ? Resposta: nada. Vão inocentar todos os tucanos.

Responder

Bacellar

27 de fevereiro de 2014 às 19h45

Será Serra?

Homenagem do http://cartunssujos.wordpress.com ao “caso alstrom-Siemens”…

Responder

Urbano

27 de fevereiro de 2014 às 18h23

A coisa está melhorando um tiquinho, pois antes era tão-somente depurar… e já com maior idade de estrada.

Responder

Deixe uma resposta para José X.

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.