VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Nossos aliados para esclarecer o papel de Cristina no Globogato
Denúncias

Nossos aliados para esclarecer o papel de Cristina no Globogato


13/07/2013 - 00h00

A foto acima é coisa de profissional

por Luiz Carlos Azenha

É notável o esforço dos internautas e tuiteiros para esclarecer o caso do processo de sonegação fiscal da Globopar, desatado a partir da denúncia do blog O Cafezinho, de Miguel do Rosário, que batizou de Globogate (Globogato, segundo o leitor Teo Ponciano).

Muitas vezes, no entanto, este esforço acaba esbarrando na falta de experiência para apurar uma notícia sem margem de erro, ou seja, sem o risco de cometer barrigas amadoras, de fazer acusações infundadas, propagar teorias falsas ou simplesmente espalhar boatos de forma irresponsável.

A título de exemplo, eu me lembro muito bem de quando se espalhou feito fogo, nas redes sociais, a notícia da morte de uma indiazinha, suposto homicídio cometido por madeireiros no Maranhão. Opinei, no Viomundo, que era preciso ter cautela. Primeiro, confirmar absolutamente a notícia, 100%. Depois, gritar.

Foi um Deus nos acuda. Ativistas me denunciaram no Facebook e no twitter. Jornalistas experientes — que continuam enganando por aí — me desancaram na maior cara de pau. A Soninha Francine — a “jornalista” Soninha! — me detonou. Depois, nenhum deles se deu ao trabalho de se desculpar. A notícia nunca foi confirmada. Não foi encontrado corpo, nem quem tenha visto o corpo, nem quem tenha testemunhado o episódio em primeira mão, além do “ouvi dizer”. O desmentido enfático da FUNAI, para todos os efeitos, se sustentou.

Por isso, é importante ter gente de altíssima qualidade profissional interessada no caso de Cristina e do Globogato.

TC é um deles. Jornalista experiente e premiado, rato de internet, é um dos melhores apuradores que conheci ao longo de 40 anos de carreira. Foi quem me passou, no início da noite de 8 de julho, as páginas do Diário Oficial com a condenação de Cristina Maris Meinick Ribeiro pelo furto do processo da Globopar de uma repartição da Receita Federal no Rio de Janeiro.

Foi a partir delas — e apenas delas — que publicamos nosso texto a respeito, com algumas horas de defasagem devido ao processo de checagem essencial para quem tem responsabilidade jornalística e não sai por aí, chutando desde o centro do planeta e, portanto, bem longe do Brasil.

LL — chamemos assim, por motivo de sigilo profissional — conhece todo o submundo do Rio de Janeiro. É um rato de cartório. Conhece gente na política, na polícia, no Ministério Público, na extinta mas atuante “comunidade de informações” da ditadura militar. LL tem duas dúzias de prêmios por investigações jornalísticas. Não, não é um homem da era Google. É de bater perna, conversar, fofocar com vizinhos e porteiros, buscar documentos, fotografar, cruzar dados e mergulhar no submundo. Respira isso. A combinação de LL com os fuçadores das redes sociais é mortal!

Nenhum dos dois — nem LL, nem TC — é ansioso. Ambos sabem que holofotes são a pior companhia para quem quer chegar à verdade.

Ah, os holofotes, como atraem os amadores!

Curiosamente, o balanço do que ambos — TC e LL —  levantaram sobre o caso, até agora, é incerto.

Não quero atrapalhá-los antes que estejam prontos para divulgar o que apuraram, mas todas as possibilidades ainda estão em aberto: Cristina atuou por conta própria? Cumpria a agenda de terceiros? Pretendia ajudar ou prejudicar a Globo? Estava a serviço de uma quadrilha de achacadores? Essa quadrilha tentou tomar dinheiro dos irmãos Marinho, bandidos da era da informação? Cristina cumpriu um papel político? Um acordo teria acontecido, como sugeriu o Rodrigo Vianna? 

Cristina não quer falar. Desconversa, foge, faz que não é com ela.

Temos — a partir do relato de TC e LL —  a certeza de que Cristina se envolvia em situações nebulosas. São vários os processos com o nome dela, sempre em benefício de empresas endividadas ou com problemas junto ao Fisco. Ponto contra a Globo, que era cobrada por uma dívida de mais de 615 milhões de reais. Sabemos, também, que Cristina — depois de ter cumprido prisão preventiva e ser solta por habeas corpus do STF (relator, Gilmar Mendes) — foi aposentada “por invalidez” pela chefe, conforme documento que nos foi enviado por TC e mencionado anteriormente pelo internauta Paulo Felipe:

Qual o motivo para uma chefe aposentar Cristina por invalidez se sabia que ela estava sendo processada e corria o risco de ser condenada, como de fato foi, em janeiro de 2013? Foi um cala-boca? Sinal de que havia mais gente envolvida?

Na sentença, diga-se, o juiz condenou Cristina à perda do cargo público — e, portanto, da aposentadoria.

É, sem dúvida, uma novela. Um desafio diante dos internautas, de gente fuçadora como Fernando Brito e Miguel do Rosário e de profissionais tarimbados como os que auxiliam o Viomundo: TC e LL, ao trabalho!

Aguardem que, com calma, juntos chegaremos à verdade.

Leia também:

Leia os documentos revelados pelo Cafezinho e o livro Afundação Roberto Marinho

Últimas unidades

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



55 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Mardones

15 de julho de 2013 às 08h44

Esse foi um dos meus assuntos do final de semana: a sonegação da Globo e a dupla moral dos irmãos Marinho.

Realmente a internete está rompendo o bloqueio da Globo. Há muita gente sabendo do globogato por causa da Record e, claro, por causa dos sujinhos indispensáveis.

Responder

H. Back™

14 de julho de 2013 às 21h27

Caramba! Ela (a Cristina) foi aposentada por invalidez? Será que certos crimes como sonegação fiscal compensam? Estou achando que sim, principalmente se o montante for elevado, pois o sonegador terá o suficiente para comprar deus e todo mundo. Se essa tese for verdadeira, e alguém quiser moralizar a justiça brasileira, o meu maior medo é que o nosso país vire um imenso presídio.

Responder

José BSB

14 de julho de 2013 às 20h29

Fico me perguntando quanto esse mulher levou para sumir com esse processo

Responder

Marat

14 de julho de 2013 às 20h10

Outro elemento importantíssimo para desvendar o mistério é o silêncio do PIG!

Responder

    FrancoAtirador

    14 de julho de 2013 às 20h50

    .
    .
    O CORPORATIVISMO EMPRESARIAL DA SONEGAÇÃO FISCAL.

    O Governo Paralelo montado para expropriar o Estado.

    O Crime Organizado para Fraudar a Economia Popular.

    E os zumbis apavorados com a notinha fiscal na mão

    manipulados por esses bandidos sonegadores apátridas.
    .
    .

    Hilario Muylaert

    14 de julho de 2013 às 21h17

    Silêncio do PIG….
    e silêncio do PT, do Lula, dos parlamentares do PT,enfim….. tá pintando pizza……geral……

    Se o próprio Executivo Federal —- que é quem tem que ter a proatividade de investigar e recuperar as centenas de milhões de R$$$ sonegados ao erário —— nada faz…….

    ……nada ocorrerá……infelizmente.

RicardãoCarioca

14 de julho de 2013 às 14h51

Para aposentar por invalidez, algum médico TEVE, OBRIGATORIAMENTE, que expedir um laudo, pois servidor público não tem poder de aposentar outro por invalidez por conta própria.

O globogate/globogato pode ter mais pessoas envolvidas numa ramificação maior.

E só de pensar que estamos fazendo o serviço que a polícia e do ministério público – aparentemente – NÃO QUISERAM fazer.

Responder

Caracol

14 de julho de 2013 às 10h41

Ô Terezinha!… Ô Terezinha!
Pintô barraco no Cassino do Chacrinha!

Vai para o trono ou não vai?!

Responder

    Luciano Bastiani

    14 de julho de 2013 às 17h02

    Alô, atenção!!!

    A discoteca do Chacrinha vai sortear o troféu abacaxi da noite de hojeee..

    Eu tenho á minha direitaaaa… José Roberto Marinho!

    Eu tenho á minha esquerdaaaa… João Roberto Marinho!

    É eleeee?

    É eleeee?

    Vai para o trono ou não vaeeeee?

    Alô, atenção!!!! o troféu abacaxi da noite de hoje vai para os dois!!!!!

    Alô, terezinhaaaaaa!!!!!

    ô terezinha, ô terezinha, é um barato a discoteca do Chacrinha…..

    (uma das poucas coisas que se aproveotava da maldita programação…)

FrancoAtirador

14 de julho de 2013 às 09h43

.
.
O DESESPERO DO ‘DUCE FÜHRER’ MARINHO

(http://www.youtube.com/watch?v=0_-2KOhdiLg)

Responder

Instinto, laranjas e podridões | TIJOLAÇO | “A política, sem polêmica, é a arma das elites.”

14 de julho de 2013 às 06h52

[…] Viomundo nos  chama de fuçadores, como um elogio, é […]

Responder

Fabio Sp

13 de julho de 2013 às 21h59

“…Depois, nenhum deles se deu ao trabalho de se desculpar…”

Por falar nisso, quando é que a Maria do Rosário vai se desculpar com a oposição????

Responder

    Luís Carlos

    14 de julho de 2013 às 11h08

    Quando a Catanhêde vai se desculpar com a Dilma pelo “apagão” que não houve?

Roberto Ribeiro

13 de julho de 2013 às 21h44

Paulo Bernardo + Helena Chagas + José Eduardo Martins Cardozo + Gleisi Hoffmann + Ideli Salvati = Os Trapalhões.

Responder

Heitor

13 de julho de 2013 às 21h44

http://www.tijolaco.com.br/index.php/mudancas-a-vista/?fb_comment_id=fbc_118324601676029_88957_118329918342164

Tomara que as especulações se tornem realidade! Só não concordo com manter Bernardo e Mercadante em outra pasta. Esses dois mereciam ser expulsos do PT por contribuirem com o inimigo rsrs

Responder

Palomino

13 de julho de 2013 às 21h15

Cara, ninguém fala nada disso na midia tradicional, nem mesmo o governo que é o maior interessado! Comenta-se que o ministro Mantega pode cair a qq momento…seria por conta disso? Será que a Dilma tb foi enganada? Eita PT que não mostra serviço mesmo, heim!!!

Responder

ma.rosa

13 de julho de 2013 às 19h31

Tá bom Azenha, a gente espera, mas que o teu texto aguça a curiosidade deixando-nos em suspense, lá isto é verdade!!!!

Responder

Scan

13 de julho de 2013 às 19h12

Invalidez permanente?
Será que ser ladrão contumaz torna uma pessoa inválida?
Quem era a chefe dela na época?

Responder

Edno Lima

13 de julho de 2013 às 17h59

“Qual o motivo para uma chefe aposentar Cristina por invalidez se sabia que ela estava sendo processada e corria o risco de ser condenada, como de fato foi, em janeiro de 2013? Foi um cala-boca? Sinal de que havia mais gente envolvida?”
Ué, se houve aposentadoria e foi por invalidez, alguma perícia atestou a invalidez; ou alguém acha que algum servidor público é aposentado por invalidez sem passar por uma junta médica???
Não entendi o espanto em relação á aposentadoria da servidora.Qualquer servidor público sabe que a aposentadoria em nada beneficia quem responde a processo administrativo ou judicial e que a perda da função pública do servidor aposentado (declarada por autoridade administrativa ou judicial) tem como consequência a cassação da aposentadoria. Se foi um cala-boca, foi um cala-boca muito mal dado.Caso alguém se dê ao trabalho de pesquisar casos semelhantes na internet, os encontrará aos montes!!

Responder

nona fernandes

13 de julho de 2013 às 17h37

Não seria até muito simples se o TC(colaborador de Azenha), procurasse saber o tipo de “invalidez” que levou a chefe de RH do Ministério da Fazenda do Rio de Janeiro, Katia de Camargo Nunes,em assinar a aposentadoria de Cristina Maris Meinick Ribeiro? Não me parece tarefa difícil. Penso que daí se extraíria bons esclarecimentos.

Responder

Marcos Coimbra: Quem topa a aventura? - Viomundo - O que você não vê na mídia

13 de julho de 2013 às 15h00

[…] Nossos aliados para esclarecer o papel de Cristina no Globogato […]

Responder

José X.

13 de julho de 2013 às 14h05

Espero que, com o tempo, apareça também as informações completas sobre a viagem que um certo membro do STF fez à Alemanha…

Responder

Luciano Prado

13 de julho de 2013 às 13h38

O Viomundo lançou uma idéia magnífica. A dedicação (investigação jornalística) a determinado tema a ser escolhido pelo internauta a partir da contribuição financeira deles.

Fenomenal! Tentei fazer o pagamento para o serviço e tive enormes dificuldades. Resumo: não o fiz, embora minha disposição de cooperar com a ideia permaneça.

Entretanto, resta ainda um fiapo de dúvida. A gente posta um comentário do Viomundo e ele só estará disponibilizado muito tempo depois. Às vezes até põe em nossas mentes a dúvida sobre o princípio da oportunidade.

Fico a pensar, então, sobre essa proposta do site: será que há mesmo disponibilidade e tempo para atender ao que oferecido?

Não tenho duvida quanto à honestidade da propositura nem dos seus autores, mas tenho quanto à estrutura para viabilizá-la.

Responder

    José X.

    13 de julho de 2013 às 20h32

    Eu acredito que o processo usado para contribuir com o Viomundo intimida bastante gente. Deve haver razões para a escolha desse processo, mas pelo que vi até agora as perguntas sobre esse processo não são respondidas.

    Quanto à “demora” para um comentário aparecer, isso é normal, acho que TODOS os comentários são revistos antes de serem publicados.

Douglas da Mata

13 de julho de 2013 às 12h52

A verdade, Azenha, é que sem uma “confissão” de Cristina, que inclusive poderá (eu disse, poderá) renegociar as bases de seu silêncio, ou de outra pessoa envolvida, que também pode estar sendo beneficiado por este súbito interesse nosso, nada ficará provado.

Os registros telefônicos (e de todos dados telemáticos vinculados a contas telefônicas) são apagados em 05 anos.

Não conheço a normatização dos dados bancários e fiscais, mas todos estes também estariam indisponíveis, pois a Cristina já foi processada e punida(ainda que aguarde o trânsito em julgado da sentença).

Não há no MPF qualquer disposição de investigar (que ironia para quem defendeu a queda da PE 37, não?) a partir do fato já consumado: o sumiço do processo fiscal, que por óbvio, favorece os sonegadores.

Parece-nos que os ilustres procuradores satisfizeram-se com o desfecho, e argumentarão, como já fizeram, que o sumiço do processo impede-os de denunciar e propor a ação penal em virtude da ausência de desfecho do processo administrativo fiscal.

Ainda mais que, como vocês mesmos já diagnosticaram, o processo sumiu antes da ciência da autuada (globo), justamente para provocar este efeito jurídico-administrativo.

Não se sabe a quantas anda o processo que foi reproduzido e reautuado. Onde está?

Claro que a caríssima banca de advogados vai utilizar esta chicana jurídica para postergar qualquer ação, até o prescrição que ocorre em pouco tempo para o crime do artigo 1º, incisos, da lei 8137/90 (pena máxima de 5 anos), cujo prazo é de 12 anos.

Outro argumento que utilizarão para esvaziar a ação é que todos os crimes praticados tinham a sonegação como fim, ou seja, os crimes-meio(fraude, lavagem, quadrilha ou bando) seriam desconsiderados caso prescreva o crime principal, a sonegação!

A pressão não pode ser feita em cima do MPF, que já está “vendido”, neste caso!

O correto é exigir que o Ministro da Justiça determine a abertura de Inquérito Policial na PF.

É este é um caminho!

Outro seria dar uma olhada na lei de concessões públicas de rádio e TV, e verificar se ali há algo que mencione a perda ou suspensão da licença s em casos desta natureza!

Um abraço.

Responder

    simas

    14 de julho de 2013 às 01h08

    Pois é, Douglas; mas, em meu trabalho, mesmo não sendo em órgão público, qdo aparecia algo da máfia, jornalística, global, as pessoas corriam pra atender. Particularmente, consequência de minha má vontade, mesmo, eu me prendia ao fato e me intrigava com esse comportamento. Era, assim, um misto de querer agradar, misturado com medo… da peste.
    Claro, q nada leva a crer q a tal da Cristina tenha agido nos moldes. Parece q a mulher tinha já, o hábito, como praxe. Contudo, existe, sim, uma correlação entre o simples desejo de agradar e fazer média, com o fato da corrupção, em si.
    Outra situação nebulosa, seria essa aposentadoria por invalidez… Pq, um processo de invalidez no serviço público, requer uma burocracia mto rígida e severa. Não é, assim, um chefe aposentar por invalidez, qq um, e pronto… O mais provável, seria o dito processo já vir se movimentando, fazia bem mais tempo.
    Agora, disso tudo, eu já percorro outros vários caminhos… junto-os e concluo num tremendo argumento de ação e conspiração…
    A ação se desenvolve nos doze anos de governo petista, contrariando interesses, de sempre. E esses governos se esforçaram por não melindrar as elites dirigentes, de sempre; de antigamente. E mais, se esses governos se transformaram em realidade e existiram, foi por vênia dessas próprias elites… Mas, a persistência em se manter contrariedades e reais possibilidades de se perpetuar tais governos: novas formas de se buscar influir e mudar as estruturas do jogo político foi buscada… Esse novo formato de fazer política, da parte dos conservadores, não se resume a um agora: e sim, um processo q vem evoluindo e envolvendo atitudes mais… eficazes. Fácil observar, como a cada publicação estatística, da avaliação de governo, petista, a mídia, já terrorista, reage… E a própria mídia, no exterior, contribui com o cerco; transparecendo testemunhar, positivamente, as sacadas infelizes, de suas co-irmãs, nacionais… Já tentam influir, na maior, em uma troca do Ministro da Fazenda, o responsável, aparente, de Políticas e Diretrizes Econômicas, governamentais…
    O poderio e desqualificação de quem pauta, internamente, as oposições partidárias – falo das organizações, mafiosas e terroristas, “grobu”, se resume no escândalo junto à Receita.
    A existência de atividade de inteligência, externa, ao nível terrorista, está nestas manifestações, espontâneas e sem unidade de organização, nas ruas das principais cidades, brasileiras. E a prova, disso, está nas revelações de espionagem, via telefonia e internet.
    As reações, conservadoras, nenhuma, é d’agora. Elas acontecem, na medida em q seus braços de influência se tornam, incapazes e inoperantes. Mas, o momento das manifestações são aquele d’agora, mostrados pelas manifestações de rua… Igual a tantos outros, q ocorrem pelo mundo afora…
    Qdo o PT não dá respostas, plausíveis; qdo a Dona Dilma nos manda usar o controle remoto; é pq se sabe, mto bem, a força e o poder da real oposição, entre nós… Ou os partidos de oposição não são pautados pela mídia, mafiosa e corrupta… agora já terrorista?
    Douglas: Parece-me q Deus é mesmo, brasileiro. Ele está nos colocando todas as pedras, em nossas mãos, uma após a outra… Cabe, pois, cumprir o nosso papel de cidadão e ficar alerta, como demonstramos, estar. Acho q logo, seremos chamados à ordem. Qto à CA’s; duvido q elas, por seus Chefes na ATIVA, se prestem à aventuras; já q vivemos um futuro, como nação livre e progressista. Duvido.
    Abraço, fraterno

    Douglas da Mata

    14 de julho de 2013 às 14h16

    Simas,

    Longe de mim querer esgotar este debate: Não tenho condições teóricas para tanto, mas permita-me:

    É bom entender que os processos políticos não são lineares, e portanto são, por natureza, polimórficos, com diversas causas e efeitos.

    Via de regra, é correta sua percepção de que os governos petitas centrais (desde 2002 para cá) e outros em outras esferas (desde a década de 80 do século XX) foram “concessões” do estamento político conservador!

    No entanto, esta não é apenas uma questão “moral”. Estão impregnadas em nossa História, onde abolimos a escravidão por último e sublimamos conflitos raciais até hoje, negociamos a transição do Império a República, fizeram a Revolução de 30 antes que o povo a fizesse, e nosso “cordialidade” nada mais é que nossa expressão máxima do patrimonialismo, como ensinou Buarque de Hollanda.

    A eleição de Lula não foi uma ruptura institucional, foi um arranjo entre as forças políticas, é verdade, mas que significou um inédito panorama, imposto pela decisão popular, que exigiu antes um PT e um Lula “paz e amor”.

    Mas estas concessões são eventos de mão-dupla, e se é verdade que a esquerda se domestica para chegar ao poder, a direita também cede espaço para acomodar e cumprir as regras do jogo que domina.

    Este encaminhar das coisas não é pacífico, nem possibilita que uma parte fique estática assistindo a outra progredir!

    Ora, se fosse absolutamente verdade que a direita aparelhou os governos petitas, há de perguntarmos: Por que insistem em bater, humilhar a esquerda, e manipular tanto a realidade?

    O que está em questão é muito mais que as possíveis inflexões a direita, cedendo ao peso desta facção em coalizões governistas, ou a tentação a radicalização à esquerda para aprofundarmos as mudanças estruturais que julgamos necessárias!

    E a pergunta chave é: Em que ponto da História a Democracia se descolou da realidade?

    Os brutais movimentos de reciclagem de capitais, já sinalizados pelo FED, o entendimento dos demais países sobre a total loucura de lastrear o mundo a uma moeda que é emitida pelo país que hegemoniza a produção (mas também seu próprio déficit e seu auto-financiamento), nos dizem que teremos nuvens negras e beligerantes no horizonte, sabe-se lá em que escala.

    Nossa ansiedade é natural.

    Porém, uma olhadela ao redor: PRISMAGATE nos EEUU, Globogate no Brasil, golpe em Honduras e Paraguai, o resultado apertadíssimo na Venezuela, etc, etc, etc, apontam que é preciso muita firmeza nos princípios, mas muito mais flexibilidade na ação!

    E mais que isto: é preciso não misturá-los (princípios e ação).

Prudêncio de Araújo

13 de julho de 2013 às 12h16

Bem. Parece-me que a notícia acerca da aposentadoria da Cristina não está completa. Creio que ela teve a sua aposentadoria casada. Está no Portal da Transparência CGU, link: http://www.transparencia.gov.br/expulsoes/detalheServidor?codigoPunicao=14304

Responder

Luciano Prado

13 de julho de 2013 às 12h00

“Qual o motivo para uma chefe aposentar Cristina por invalidez se sabia que ela estava sendo processada e corria o risco de ser condenada, como de fato foi, em janeiro de 2013? Foi um cala-boca? Sinal de que havia mais gente envolvida?”

Vamos com calma.

O indivíduo só será considerado culpado após o trânsito em julgado de uma ação penal. Enquanto isso todos os seus direitos continuam inalterados. Inclusive o de solicitar aposentadoria, caso os requisitos e condições sejam preenchidas (tempo de serviço etc.)

Deste modo, nem a administração pública nem ninguém pode impedir quem quer que seja de exercer seus direitos. Essa história de que “se sabia que ela estava sendo processada e corria o risco de ser condenada” não vale para o Direito. Presumia-se, isso sim. Não havia certeza. É por isso que existe o instituto da “cassação” da aposentadoria. A certeza só vem com o trânsito em julgado, gostemos ou não.

Certamente a servidora, e agora condenada (com direito ainda a recurso), há época da aposentadoria preenchia os requisitos para tal. Aposentadoria por invalidez certamente seguiu o rito processual adequado. Se não, cabe revisão e punição para os envolvidos que a aposentaram ilegalmente.
Entretanto, o fato de se saber que alguém responde a algum processo não é motivo legal para se impedir o exercício de um direito. Aliás, estaria cometendo ilegalidade aquele que impedisse alguém de exercer seu direito com base em presunção de culpa.

Essa polêmica tem se dado com frequência porque muitos acham que a culpa pode se dá antes do trânsito em julgado de uma ação penal. Não pode. E é bom que seja assim.

Responder

    Douglas da Mata

    13 de julho de 2013 às 16h37

    Não é tão simples assim.

    Durante a vigência do PAD (processo administrativo disciplinar), que ela deve ter respondido, em paralelo a ação penal, ela estaria impedia de se aposentar.

    É bom lembrar que os servidores públicos estão sujeitos a estatutos que preveem a demissão como sanção administrativa, exceto, é claro, “vossas realezas” os juízes e promotores.

    A dúvida é: Houve PAD, qual foi o resultado?

    Aí é que pode estar o “cala boca”, ou seja, uma possibilidade de recorrer da sentença recebendo mais uns anos dos nossos tributos que ela ajudou a sonegar.

    E não é pouco, considerando os anos que já se passaram, e o enorme “poupança” que trocou pelo seu cargo público…

Paula Portela

13 de julho de 2013 às 09h42

Todo este Globogato me lembrou aquelas duas Veronicas (a Dantas e a Serra) da tal empresa Decidir.com. Aquelas duas que andaram xeretando mesmo o quê? Que obtiveram informação privilegiada de quê mesmo? Com as informações que sonegaram por acaso não chantagearam ninguém?

Responder

Uélintom

13 de julho de 2013 às 07h35

E o terreno que a Globo tomou “emprestado”? Aquele que fica ao lado da emissora e vale MILHÕES. A Globo pagou impostos pelo uso do terreno ou sonegou isso também? O Governo do Estado (dono do terreno) liberou esse patrimônio público? Fariam uma escola técnica no lugar, mas e aí, ela existe? E o restante do grande terreno, ainda é área de cooper para funcionários da Grande Sonegadora?

Responder

Bras Telles

13 de julho de 2013 às 07h11

Grande Azenha, que consegue, em poucas linhas, ensinar princípios e táticas profissionais
que parecem perdidos no atual jornalismo de celebridades e conspirações golpistas.
Isso servirá até orientar para minhas incursões detetivescas. Também sempre desconfio de
grandes fortunas pois aprendi, e isso na experiência profissional, que por trás de uma grande
fortuna tem sempre um crime. Nem sempre um cadáver, pois assassinatos de reputação são
mais comuns e, infelizmente, um dos crimes mais aceitos socialmente, principalmente quando
a vítima é: mulher ou pobre ou cabra de outra região. Às vezes a loucura ou o suicídio se encarregam de
terminar a saga, que mídia nenhuma vai contar.
Mas minha santa simplicidade e retidão herdados de um pai obcecado em pedir nota fiscal
e retribuir cada favor ou presente, assim como praticar caridade em segredo, nunca me fizeram
aceitar uma sonegação de imposto, um calote. E olhe que sou 1 cara com dívida contraída por motivo
de doença na família, que não me mudo para outra cidade enquanto não puder sanar até o último dinheiro que devo e periodicamente ligo ao credor para dizer minha situação, mesmo ele estando, agora podre de rico, por uma dessas misteriosas “sortes grandes” que faz grana multiplicar-se, como em paraíso fiscal. Ele é um cara simpático até, mas
burlou fisco e justiça quando começou sua firma: roubou umas listas de clientes do antigo sócio e buscou os mesmos
fornecedores para começar um negócio concorrente. E o cinismo foi tão grande que montou uma firma com os mesmos
investidores do outro negócio, sem alardear na praça. Quando o concorrente descobriu a concorrência, entrou na justiça
mas essa mandou investigar a primeira firma, que rompera o contrato, por desconhecer a existência da segunda e, claro, o cara foi absolvido e riu da própria engenhosidade, posando-se de vítima de perseguição do ex-sócio e angariando simpatia no mercado em que atuava, por parecer o “bonzinho” da estória. Hoje nem a gente que ainda lembra bem desse início comenta algo pois quem tentou fazê-lo foi moído e caiu em maldição.
Essa moça aí dificilmente vai falar. Melhor investigar pois a verdade vai acabar aparecendo. Deve ter gente louca para falar o que sabe.
Falô aí, chapa, bom final de semana!

Responder

Cláudio

13 de julho de 2013 às 04h13


“Com o tempo, uma imprensa [mídia] cínica, mercenária, demagógica e corruta formará um público tão vil como ela mesma.” >>> Joseph Pulitzer


“Se você não for cuidadoso, os jornais [mídias] farão você odiar as pessoas que estão sendo oprimidas, e amar as pessoas que estão oprimindo” >>> Malcolm X



Ley de Medios Já ! ! !



Responder

FrancoAtirador

13 de julho de 2013 às 01h10

.
.
Não é por aí.

1) Quando essa servidora falcatrua da Receita Federal foi aposentada por invalidez permanente (doença ou acidente), nenhuma sentença judicial condenatória contra ela havia transitado em julgado.

2) No serviço público, a delegação e a subdelegação de competência por meio de Portaria é legal.

(http://www.portaltransparencia.gov.br/expulsoes/detalheServidor?codigoPunicao=12926)

(http://www.dji.com.br/constituicao_federal/cf039a041.htm)

(http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/lei/l10.887.htm)

Responder

Brasil

13 de julho de 2013 às 00h57

O que falta para as autoridades competentes tomarem providências sobre esse caso?

Responder

    simas

    14 de julho de 2013 às 01h32

    Poxa!… Nós estamos aqui, fazendo e exercendo nosso dever de cidadão, pressionando. Qto mais nós ficarmos comentando, expondo resultados de nossas pesquisas. estaremos cumprindo nosso papel político de cobrar das autoridades… respostas.
    No mais, aquele abraço, A

Rivaldo Moraes

13 de julho de 2013 às 00h36

Azenha,

Desconheço os colaboradores que você citou, mas encontrei em outro blog o link abaixo que mostra os processos da servidora condenada.

http://www.transparencia.gov.br/expulsoes/entrada?pesquisa=Cristina+Maris+Meinick+Ribeiro

Certamente há mais pessoas envolvidas dentro da RFB.

Lembremos que a RFB agora é também Previdência Social e havia(?) uma quadrilha no RJ bem estruturada chefiada pela advogada Jorgina de Freitas

No caso de sonegação da Globo envio algumas reflexões que podem ajudar os blogueiros investigativos ou o Centro Barão de Itararé para cobrar investigação do MPF/RJ.

Quanto ao MPF acho melhor aguardar a saída do PGR no próximo mês agosto, pois ele pode engavetar uma nova investigação.

Algumas reflexões sobre o que li nos blogs a respeito do caso da Globo.

Li que o proc da Globo tinha 10 mil folhas (equivalente a 20 pacotes de 500 folhas). Logo, seria impossível uma pessoa sozinha levar em uma sacola, como consta nos autos do proc criminal. Os órgãos público tem escala diária dos motoristas e veículos, com itinerários realizados e horários.

O MPF denunciou que a servidora foi filmada tirando os autos da repartição em uma sacola. Caso tenha realmente 10 mil folhas foi preciso até carrinho para carregar os autos do processo da Globo de um local para outro.

É preciso o MPT investigar e/ou denunciar também o motorista que transportou os autos e/ou quem os recebeu na RFB, pois ele é responsável pelos autos do processo até a entrega na RFB. Talvez ele entregue o resto do bando.

A condenada estava de férias e não podia ter recebido e assinado no livro de carga a entrega dos autos do processo. Quem recebeu ou não foram entregues na RFB?

Caso tenha sofrido assalto ou extraviado os autos no caminho, o motorista deveria ter feito B.O. na polícia federal e deveria ter sido aberto sindicância contra ele.

Todas os sócios das demais empresas que se beneficiaram da corrupção, com criação pela servidora pública de processos virtuais de crédito com a RFB foram réus condenados nos processos criminais.

No caso da Globo o modus operandi (com autos do processo em papel) foi diferente devido às circunstâncias, mas a empresa Globopar e seus sócios não foram denunciados pelo MPF, por que?

Um abraço,

Rivaldo Moraes

Responder

    Ricado

    13 de julho de 2013 às 01h37

    Parabéns Rivaldo !

    Não é que o portal da transparência está servindo para alguma coisa ?

    Viva a internet !

    anac

    13 de julho de 2013 às 03h28

    MPF do gurgel está TODO DOMINADO pela globo.

    Marat

    13 de julho de 2013 às 22h55

    Imaginem o estrago que já foi feito pelo Gurgel… Pior, imaginem se entra em seu lugar outro igual a ele (menos o Jô, por favor!)… Ali é preciso gente séria e honesta, para tentar dar credibilidade ao nosso Judiciário!

Marat

13 de julho de 2013 às 00h30

Azenha, o texto foi primoroso… Sobre os holofotes, quem sabe se, longe eles, haja luz de enorme grandeza, para TC e LL desvendarem o quebra-cabeças, não é mesmo?
Sobre os ratos fuçadores, tenho certeza que encontrarão muitas coisas nos inúmeros desvãos de seus caminhos!
Força, sabedoria, coragem e calma!!!!!!!!!!!!!

Responder

Teo Ponciano

13 de julho de 2013 às 00h27

Podíamos dar uma abrasileirada na palavra globogate.
Acho que ficaria melhor como globogato.

Afinal é uma ligação clandestina.

Responder

    Saulo Wanderley

    14 de julho de 2013 às 02h21

    Isso! Globogato é o bicho.
    Sou pelo ato de dar nome aos bois, mesmo que sejam boys de passeata, os Globoys.
    Abraço, Teo!

FERNANDA

13 de julho de 2013 às 00h24

Aposentadoria por invalidez de um lado e perda do cargo, de outro. E ela foi solta por Gilmar Mendes. Acho que não há dúvidas que esta pessoa sabe demais, e sumiu com o tal processo, senão por que a tirariam de circulação, inclusive da cadeia onde seria um alvo localizável? Sempre o Gilmar Mendes… podres poderes… Estamos nas mãos de bandidos de capa preta, bandidos no congresso, bandidos por todo lado. Acho que vou me mudar para o Uruguai…

Responder

    Abel

    14 de julho de 2013 às 00h04

    Boa escolha! Acho que também vou para a Banda Oriental…

Sonia

13 de julho de 2013 às 00h22

Peço que me esclareça uma dúvida: Gerente de Recursos Humanos tem competência para aposentar alguém por invalidez?

Responder

    Luiz Carlos Azenha

    13 de julho de 2013 às 00h28

    Estamos procurando a funcionária…

    Fernando

    13 de julho de 2013 às 00h42

    É só ler a “Portaria” que o texto publicado se refere.

    constantino kaváfis

    13 de julho de 2013 às 15h32

    A Junta médica oficial faz a perícia, dá o parecer favorável à aposentadoria e o gestor administrativo competente manda publicar no Diário Oficial. É um ato administrativo com o respaldo de um parecer de Junta Médica Oficial

    FrancoAtirador

    14 de julho de 2013 às 22h52

    .
    .
    E HOUVE RESPALDO DA JUNTA MÉDICA DA RECEITA

    FrancoAtirador

    15 de julho de 2013 às 00h25

    .
    .
    O único fato digamos ‘estranho’ nisso tudo é que o Processo Administrativo Disciplinar (PAD) nº 15374.000846/2007-53, isto é, a Sindicância instaurada em 14/05/2007 na Receita Federal, para apurar as infrações cometidas pela servidora falcatrua, foi arquivada em 11/03/2009 depois de ter ficado cerca de um ano e meio (desde 31/08/2007) na Delegacia da Receita Federal do Rio de Janeiro (DRF-RJ1), sem que aparentemente houvesse penalização administrativa determinando a perda do cargo público.
    Tanto que a funcionária falcatrua requereu aposentadoria em 18/02/2010 que foi deferida e efetivamente concedida pela Portaria Nº 267 do Ministério da Fazenda, datada de 23/04/2010 e publicada no DOU de 27/04/2010.
    Portanto, até essa data, ainda estava no exercício do cargo.

    Observe-se que o mesmo PAD nº 15374.000846/2007-53 instruiu a Ação Penal Nº 0806856-31.2007.4.02.5101 ajuizada pelo Ministério Público Federal na Justiça Federal do Rio de Janeiro, cuja sentença condenatória em instância de 1º grau foi publicada no DOU de 25/06/2013, e somente aí a funcionária falcatrua foi punida com a perda do cargo e à pena de prisão, pelos crimes praticados contra a Administração Pública, inclusive pela ocultação e supressão de documentos públicos, porquanto restou comprovado pelas filmagens do circuito interno de câmeras da Receita Federal, e depois ratificado pelos depoimentos das testemunhas colhidos pela Comissão de Sindicância no PAD, que a servidora falcatrua efetivamente subtraiu de dentro da repartição pública, os autos do Processo Administrativo Fiscal nº 18741.000858/2006/97 bem como do apenso nº 18471.001126/2006-14 (Representação Fiscal para Fins Penais) instaurados contra a GLOBO por crime contra ordem tributária.



    .
    .
    Quanto a intenção da servidora falcatrua da Receita, alguns excertos da sentença prolatada pelo Juiz Federal no Processo Nº 0806856-31.2007.4.02.5101 (AP) dizem tudo:

    “Em memoriais, O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL aduz que os ilícitos penais perpetrados pela ré restaram cabalmente comprovados pela farta prova documental adunada aos autos.

    Em síntese, aduz que, em relação ao processo fiscal nº 18741.000858/2006/97 e seu apenso nº 18471.001126/2006-14, instaurado em desfavor da GLOBOPAR, RESTOU CLARO QUE A RÉ OS OCULTOU,
    COM O EVIDENTE PROPÓSITO DE OBSTAR O DESDOBRAMENTO DA AÇÃO FISCAL QUE NELE SE DESENVOLVIA, CUJO MONTANTE ULTRAPASSAVA 600 MILHÕES DE REAIS.

    Aduz, ainda, que a servidora compareceu no setor processual da Receita Federal no dia 02.01.2007, a despeito de estar em período de férias, oportunidade em que foi capturada pelas câmeras de segurança da Receita Federal, restando inconteste que a servidora adentrara o prédio com uma bolsa e voltara portando os processos acima referidos (fls. 301/316), o que foi corroborado pelo depoimento das testemunhas Elcio Luiz Pedroza, Célia Regina Andrade Ribeiro, Neuza Vasconcellos Ramos e Simone de Bem Barbosa Torres, todos auditores fiscais da Receita Federal, os quais confirmaram que foi a acusada quem apareceu no vídeo de fls. 301/16, carregando uma bolsa com volume considerável, no mesmo dia em que sumiram os autos físicos do processo administrativo em questão, qual seja, 02.01.2007.”

    “Segundo o Chefe da Dipol [Divisão de Programação e Logística da Receita] Valtair Gusmão da Silva, o referido processo foi movimentado da DRF/DRJ-I para o CAC/Ipanema, através da Relação de Malote nº 10003, de 29.12.06, recebida no Setor de Protocolo da Dipol em 02.01.2007 (fls. 27/28 do anexo 1), contudo, não chegou ao seu local de destino.
    No mesmo dia 02.01.2007, foram recebidos vários processos da DRF/DRJ-I para vários CAC’s e todos foram relacionados na Relação de Malote e devidamente entregues, com exceção do processo acima citado, que nem chegou a ser registrado na Relação de Malote, os quais se encontram extraviados desde 02.01.2007.
    Instaurada a Comissão de Sindicância, cujos atos e fatos apurados foram consignados no processo administrativo nº 15374.000846/2007-53,
    bem como foi determinada a reconstituição dos referidos autos pela referida Comissão.”


    FrancoAtirador

    15 de julho de 2013 às 00h38

    .
    .
    Correção:

    Tanto que a funcionária falcatrua requereu aposentadoria em 18/02/2010
    que foi deferida e efetivamente concedida pela Portaria Nº 262 do Ministério da Fazenda, datada de 19/03/2010 e publicada no DOU de 22/03/2010.

    Portanto, até essa data, ainda estava no exercício do cargo.

    (http://www.jusbrasil.com.br/diarios/1588083/dou-secao-2-22-03-2010-pg-25)


Deixe uma resposta para José BSB

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.