VIOMUNDO

Diário da Resistência


Nathalia apagou a conta no Instagram. Mais um indício de que ela, que transferiu quase 100% do salário para o pai, tem muito a esconder sobre o laranjal dos Bolsonaro
Reprodução da Folha de S. Paulo
Denúncias

Nathalia apagou a conta no Instagram. Mais um indício de que ela, que transferiu quase 100% do salário para o pai, tem muito a esconder sobre o laranjal dos Bolsonaro


15/12/2018 - 11h45

A oração e o sorriso fácil; o motorista Queiroz, a filha Nathalia com clientes (à esquerda, no topo). Fotos Roberto Jayme/TSE e redes sociais

Da Redação

Nathalia Melo de Queiroz é filha do ex-policial militar Fabrício Queiroz, que serviu como motorista do deputado estadual Flávio e era amigo íntimo da família Bolsonaro.

Foi assessora no gabinete de Flávio Bolsonaro, que fez carreira de treze anos no partido com maior número de acusados na Lava Jato, o PP, e em seguida migrou para o PSC e o PSL.

Nathalia trabalhou ao mesmo tempo como recepcionista de uma academia do Rio de Janeiro, como demonstrou o repórter Marcelo Auler.

Nathalia em seguida serviu a Jair Bolsonaro na Câmara Federal, mas morando no Rio e trabalhando como personal trainer de celebridades.

Ao fazer a revelação, o diário conservador paulistano Folha de S. Paulo demonstrou que Nathalia trabalhou como personal no horário de expediente da Câmara — a carga horária para receber o salário bruto de R$ 10.088,42 é de 40 horas, mas o assessor pode trabalhar no estado de origem do parlamentar, a quem cabe contabilizar as horas trabalhadas.

Nathalia serviu a Jair Bolsonaro durante 23 meses, de dezembro de 2016 a outubro de 2018. O salário mais recente dela, bruto, foi de R$ 10.088,42.

O Conselho de Controle de Atividades Financeiras (COAF) descobriu transações atípicas na conta bancária do pai de Nathalia, Fabricio Queiroz, que movimentou R$ 1.236.838,00 entre 01/01/2016 e 31/01/2017.

Destes treze meses cobertos pelo relatório, Nathalia trabalhou 11 com Flávio Bolsonaro e 2 com Jair Bolsonaro.

Portanto, as transferências para a conta do pai atribuídas a ela, de R$ 84.110,04, referem-se majoritariamente ao período em que trabalhou na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, a Alerj, como Assessor Parlamentar I, com salário bruto de R$ 10.502,00.

Considerando um salário líquido de 7 mil reais por mês, em 13 meses Nathalia teria recebido por volta de R$ 91 mil reais como assessora de Flávio e Jair Bolsonaro.

Ou seja, ela praticamente repassou todo o salário para a conta do pai (R$ 84 mil).

Nathalia e o pai foram demitidos de seus cargos em outubro de 2018, entre o primeiro e o segundo turno das eleições.

Mas a Operação Furna da Onça, que prendeu deputados estaduais do Rio que venderam votos na Alerj em troca de benefícios do governo estadual, só aconteceu em novembro.

Por isso, deputados do PT denunciaram que a família Bolsonaro pode ter sido beneficiada com informação privilegiada, o que teria permitido que tomasse medidas preventivas — a demissão de Fabrício e Nathalia, por exemplo.

A personal trainer apagou sua conta no Instagram, o que indica que ela pretendia esconder informações embaraçosas.

Os horários de postagem e os horários em que as fotos foram feitas poderiam demonstrar que Nathalia recebeu dinheiro público sem trabalhar.

Um ex-“colega de gabinete” de Nathalia, o tenente-coronel da Polícia Militar do Rio de Janeiro Wellington Servulo Romano da Silva, passou 248 dias em Portugal enquanto “trabalhava” para Flávio Bolsonaro — metade do tempo que durou sua contratação –, conforme denúncia do Jornal Nacional. São outros R$ 86 mil cujo destino está em dúvida.

O relatório do Coaf mostra que Queiroz, o pai de Nathalia, transferiu R$ 24 mil para a futura primeira dama Michelle Bolsonaro.

Jair Bolsonaro disse que, se os investigadores olharem no período anterior ao do relatório, vão encontrar um total de R$ 40 mil em transferências.

O presidente eleito alega que seria o pagamento de um empréstimo feito ao motorista supostamente milionário.

Bolsonaro justificou as transações na conta da futura primeira dama dizendo que não tem tempo de ir ao banco.

O motorista Queiroz está sumido e só deve emergir depois que Jair Bolsonaro assumir o Planalto, quando fica livre de investigações.

O caso está sendo investigado pelo Ministério Público Estadual do Rio de Janeiro, que é combativo mas mais sujeito a pressões políticas.

Hoje O Globo mostrou que além da ex-mulher, da atual mulher e de duas filhas, Queiroz indicou outros dois assessores de Flávio Bolsonaro:  a enteada Evelyn Mayara de Aguiar Gerbatim e o ex-marido da atual esposa, Márcio da Silva Gerbatim.

O pai de Evelyn disse ao diário conservador carioca que a filha estuda de manhã e trabalha numa farmácia à tarde.

Ou seja, já há indícios fortes de que ao menos três laranjas trabalhavam para a família Bolsonaro — Nathalia, Wellington e Evelyn Maiyara.

Para completar, a revista IstoÉ demonstrou que um militar que trabalhou durante cerca de 20 anos no gabinete de Jair Bolsonaro,  o capitão do Exército Jorge Francisco, já falecido, fez doações para campanhas da família nos anos de 2002, 2004, 2012, 2014 e 2016.

Isso não é proibido, mas eram valores relativamente altos.

“Em 2004, doou R$ 10 mil para a primeira eleição de Carlos Bolsonaro (PSL-RJ) à Câmara Municipal do Rio de Janeiro. Naquele ano, Carlos recebeu R$ 34,5 mil em doações para a sua campanha. Ou seja, apenas José Francisco foi responsável por aproximadamente 30% das doações recebidas por Carlos na sua primeira investida, vitoriosa, para a Câmara. Em valores atualizados, esses R$ 10 mil doados por Francisco seriam equivalentes a aproximadamente R$ 22 mil em 2018”, informou a revista.

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



11 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

carrasco

16 de dezembro de 2018 às 21h12

Mas quero saber o que o cafajeste que era juiz e virará ministro vai fazer. Os funcionários aí citados, os filhos e o próprio Bolsonaro não conseguem explicar nada e o cafajeste ex-togado não toma providência nenhuma. Aliás, certamente ele perdoará como perdou o Ônix do chuveiro. Umas maracutaiasinhas não fazem mal nenhum…..assim como não fizeram as doAécio, do Serra, do padrinho Zucoloto e da própria mulher/APAE. Isso pra não falar do que foi denunciado pelo Tacla Duran envolvendo corrupção na Lava Jato. E também para não falar que o criminoso Sérgio Moro, conforme o disseram os ministros Teori e Marco Aurélio, também deve ser assassino, duplamente assassino: da mulher do Lula, que ele levou ao estresse com tanta perseguição e daí veio o avc…….e o assassinato do Teori, quando deram um jeito do avião se espatifar no mar……Afinal, seo Moro, quem tinha mais motivos que você para nunca mais levar outro puxão de orelhas como aquele que o Teori lhe aplicou e você pediu desculpas (admissão de culpa). Se tivesse que levar outro puxão de orelhas ia acabar afastado do julgamento de Lula…….e daí, será que foi sorte sua o avião do Teori ir pras cucuias? Conta pra nós, conta, Moro, o que você fez com o avião………mas, se fez foi sabotagem e daí você é duplamente assassino (Marisa Leticia e Teori……..a gente não tem prova mas tem convicção…..foi o Dalagnol que nos ensinou isso…….C O N V I C Ç Ã O…………..E VOCÊ TEM CARA DE ASSASSINO MESMO……..FDP.

Responder

Julio Silveira

16 de dezembro de 2018 às 10h05

Mas para a turma bolsonariana nada disso importa, ficando comprovado que houve treta, conforme as evidencias indicam, basta fazer uma tatuagem de arrependimento, do tipo da que o Onix fez para ser oculta mas nunca deixar de lembrar seu pecado, que estarão perdoados. Para esses bolsonarianos, corrupção, estupro, falsidade, inclusive ideologica, nada disso é mais importante no Brasil do que o Lula ser mantido preso. O problema mais importante no Brasil não é corrupção, que leva a uma serie de crimes, mas ideologia, a que lutava contra tudo isso.

Responder

Bel

16 de dezembro de 2018 às 00h20

Parece que não é só o governo de Cuba que fica com parte do salário dos funcionários.
A nova carteira de trabalho deveria ser verde e cor de laranja. O losango da bandeira deve deixar de ser amarelo e passar a ser alaranjado. Pobre, Brasil!

Responder

    Jardel

    17 de dezembro de 2018 às 22h12

    aaah se fosse assessor do Lula… Já tava em cana desde a divulgação do relatório do COAF, até o dia em que resolvesse fazer uma delação premiada contra o ex-presidente.
    Tem muito coxinha perguntando onde estava o COAF anos atrás…
    Ora! Estava onde sempre esteve! Foi a partir de informações fornecidas pelo COAF que o PF deflagrou a Operação Zelotes, na qual, inclusive, tentam envolver o Lula. Há acusações contra ele, advindas da O. Zelotes.
    Então não adianta querer dizer que o COAF é petralha. Isso é papo de coxinha cego e ignorante que está num cabresto psicológico.

SANDRA OLIVEIRA

15 de dezembro de 2018 às 20h57

“Alguém já pensou em checar os outros filhos do Presidente eleito e ver se a prática de receber parte do salário de funcionários de gabinete era compartilhada por toda família?
Ñ seria uma boa idéia?”

https://twitter.com/MiguelNicolelis/status/1074018143515873280

Responder

SANDRA OLIVEIRA

15 de dezembro de 2018 às 20h41

“Está ficando evidente que os Bolsonaro usavam os gabinetes para a apropriação de $, enriquecimento e aumento patrimonial. Os Bolsonaro tinham como prática empregar funcionários fantasmas e usar “laranjas” que repassavam parte ou todo salário recebido”

https://twitter.com/RodP13/status/1074010749159260160

Responder

Admar

15 de dezembro de 2018 às 17h50

O Mito é um Mito mesmo!????????

Responder

Zé Maria

15 de dezembro de 2018 às 14h13

Fabrício Queiroz era um homem de cabeça aberta.
Também colocou no gabinete de Bolsonaro
o marido da ex-mulher e mais a enteada.

Jornalista Gilberto Dimenstein

https://twitter.com/GDimenstein/status/1073910508598767616

Dallagnol diz que o pepino do motorista que movimenta 1,2 milhão
e pede emprestado 24 mil é “papel do MP do Rio”.
Sabe-se disso.
Dallagnol sabe que o que se queria saber era a opinião dele,
sempre tão opinativo sobre moralidade.
Ao nada dizer, disse tudo.

Jornalista Bob Fernandes

https://twitter.com/Bob_Fernandes/status/1073679249696010240
.

Responder

Zé Maria

15 de dezembro de 2018 às 13h05

íííííí… O Cordão de Fantasmas cada vez aumenta mais…

A Turma d’O Globo descobriu até que o Gerbatim,
Pai de uma das Evelyn (Enteada do Queiroz)
é Sobrinho do Barbeiro do Jair Bolsonaro.

É um Enorme Pomar de Laranjas da Família Bolsonaro!

Chama o Beato Dalanhól pra fazer um Páuer Pointi!
.
https://twitter.com/Pitty/status/1063105368035864576

Responder

Barnabé Vecchi

15 de dezembro de 2018 às 12h30

Meu partido é o 17. 17 milhões. Rsrsrsrsrs. Uma vez camisa amarela sempre camisa amarela. Se o Lula fizesse isso seria queimado em praça pública.
Isso não é corrupção não. É só um engano, corrupto só o PT.
MInTO MUITO.
Alias, se não me engano o mito declarou a justiça eleitoral possuir 2,3 milhões em bens. 1,2 milhão é mais de 50% de corrupção.
O motorista sumiu e ninguem sabe se ainda está vivo.
PQ será que o motorista sumiu ?

Responder

Deixe uma resposta para Bel

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.