VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Denúncias

Dr. Rosinha: A caça do gay


10/04/2012 - 12h26

A caça do gay

DR. ROSINHA, para o VioMundo

Li o artigo “La caza del gay” e não posso me conter, sou obrigado a divulgá-lo.

O escritor Mario Vargas Llosa, preocupado com os direitos humanos e a defesa da vida, escreveu no último dia 8 de abril, no “El País” (Espanha), um texto contra o preconceito e a impunidade. “La caza del gay” é um grito que Llosa dá, denunciando o assassinato de homossexuais na América Latina.

Conta ele que, na noite do último dia 3 de março, “quatro ‘neonazistas’ chilenos, liderados por um sujeito de apelido Pato Core, encontram deitado próximo ao Parque Borja, de Santiago, um jovem de nome Daniel Zamudio, ativista homossexual de 24 anos, que trabalhava como vendedor em uma loja de roupas. Durante seis horas, enquanto bebiam e se divertiam, dedicaram a dar socos e pontapés em Daniel, a apedrejá-lo e a desenhar-lhe, com cacos de vidro, suásticas no peito e nas costas.”

Ao amanhecer, Daniel foi levado para o hospital, onde veio a falecer após agonizar por 25 dias.

Este é mais um crime homofóbico. Homofobia esta que, pela discriminação e ódio aos homossexuais, tem se multiplicado em toda a América Latina.

Informa Vargas Llosa que Sebastián Piñera, presidente do Chile, além de reclamar uma punição exemplar aos criminosos, pediu ao parlamento para que aprove com urgência um projeto de lei que vegeta há sete anos no legislativo chileno. Está parado nas comissões por “temor de certos legisladores conservadores de que, aprovada esta lei, abrirá o caminho para o matrimonio homossexual”.

No Brasil também há um projeto de lei que condena a homofobia, e que tramita no Congresso Nacional há mais de 10 anos. No momento, pela mesma razão chilena, está parado no Senado da República. Enquanto isto, homossexuais são diariamente assassinados e agredidos, física e psicologicamente, em todo o país.

E, sobre estes crimes, os “homens (parlamentares) de boa fé”, que se opõem à aprovação do projeto, se calam. Qualquer semelhança entre Brasil e Chile, neste caso, não é mera coincidência.

“O mais fácil e o mais hipócrita é atribuir a morte de Daniel Zamudio só aos pobres diabos que se autodenominam neonazistas sem saberem sequer o que foi o nazismo. Esses tipos de crimes são frutos da repelente cultura de antiga tradição que apresenta o gay e a lésbica como enfermos ou depravados que devem ser mantidos a distância dos seres normais porque corrompem o corpo social e induzem o pecado e a desintegração moral e física.”

“A ideia contra os homossexuais e o homossexualismo é instalada, ou melhor, é ensinada na escola, é alimentada no seio das famílias, se predica nos púlpitos, se difundem nos meios de comunicação, aparece nos discursos dos políticos, nos programas de rádio e televisão e nas comédias teatrais, onde os gays e lésbicas são sempre personagens grotescos, anômalos, ridículos e perigosos, merecedores do desprezo e de rechaço dos seres decentes, normais e corretos.”

Llosa acerta no diagnóstico: a homofobia começa dentro de casa, no seio sagrado da família, é ensinada nas escolas e alimentada dentro de grande parte das igrejas.

Aparece semanalmente nos discurso e prática de muitos políticos, por isso não se aprova o projeto que criminaliza a homofobia, nem tampouco se permite a execução de políticas públicas de combate à homofobia.

Em seu artigo, Llosa relata também um fato ocorrido em Lima. Yefri Peña foi atacado na capital peruana por cinco ‘machos’ que lhe desfiguraram o rosto e o corpo, com o bico de uma garrafa quebrada. Por ser um(a) travesti, os policiais negaram auxílio e, no hospital para onde foi levado(a), os médicos também se negaram a atendê-lo(a), por considerá-lo(a) ‘um foco infeccioso’.

Sem dúvida, este e outros são casos atrozes, mas “seguramente o mais terrível de ser lésbica, gay ou transexual nesses países é a condenação cotidiana, a insegurança, medo, a consciência permanente de ser considerado (e chegar a sentir-se) um réprobo, um anormal, um monstro”.

“Quantos jovens atormentados por esta censura social de que são vitimas os homossexuais são empurrados ao suicídio ou a padecer de traumas que arruinaram suas vidas?”, pergunta Llosa. Com certeza, milhares no mundo.

Caro leitor ou cara leitora, as frases entre aspas e em itálico foram traduzidas por mim, mas, pela importância das próximas e por medo de distorcê-las, reproduzo-as em castelhano.

“Ante la homofobia, las ideologías políticas se funden en un solo ente de prejuicio y estupidez. Porque, en lo que se refiere a la homofobia, la izquierda y la derecha se confunden como una sola entidad devastada por el prejuicio y la estupidez.

El asunto no es político, sino religioso y cultural. Fuimos educados desde tiempos inmemoriales en la peregrina idea de que hay una ortodoxia sexual de la que sólo se apartan los pervertidos y los locos y enfermos, y hemos venido transmitiendo ese disparate aberrante a nuestros hijos, nietos y bisnietos, ayudados por los dogmas de la religión y los códigos morales y costumbres entronizados. Tenemos miedo al sexo y nos cuesta aceptar que en ese incierto dominio hay opciones diversas y variantes que deben ser aceptadas como manifestaciones de la rica diversidad humana. Y que en este aspecto de la condición de hombres y mujeres también la libertad debe reinar, permitiendo que, en la vida sexual, cada cual elija su conducta y vocación sin otra limitación que el respeto y la aquiescencia del prójimo.

Las minorías que comienzan por aceptar que una lesbiana o un gay son tan normales como un heterosexual, y que por lo tanto se les debe reconocer los mismos derechos que a aquél —como contraer matrimonio y adoptar niños, por ejemplo— son todavía reticentes a dar la batalla a favor de las minorías sexuales, porque saben que ganar esa contienda será como mover montañas, luchar contra un peso muerto que nace en ese primitivo rechazo del “otro”, del que es diferente, por el color de su piel, sus costumbres, su lengua y sus creencias y que es la fuente nutricia de las guerras, los genocidios y los holocaustos que llenan de sangre y cadáveres la historia de la humanidad.”

Pois bem, enquanto predominarem a estupidez e a hipocrisia entre a maioria dos “homens de boa fé”, homossexuais continuarão sendo assassinados.

Dr. Rosinha, médico com especialização em Pediatria, Saúde Pública e Medicina do Trabalho, é deputado federal (PT-PR). No twitter: @DrRosinha

Leia também:

Cordão da Mentira: Um grito que se move no ar



Ajude o VIOMUNDO a sobreviver

Nós precisamos da ajuda financeira de vocês, leitores, por isso ajudem-nos a garantir nossa sobrevivência comprando um de nossos livros.

Rede Globo: 40 anos de poder e hegemonia

Edição Limitada

R$ 79 + frete

O lado sujo do futebol: Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

R$ 40 + frete

Pacote de 2 livros - O lado sujo do futebol e Rede Globo

Promoção

R$ 99 + frete

A gente sobrevive. Você lê!


32 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Alípio de Sousa Filho: Quantos artistas perderemos mais? « Viomundo – O que você não vê na mídia

25 de maio de 2012 às 14h46

[…] Leia também: Dr. Rosinha: A caça do gay […]

Responder

Henrique Neves

11 de abril de 2012 às 10h24

O escritor afirma que a Homofobia tem crescido na América Latina, mas não aponta nenhum dado estatístico que sustente sua afirmação.

Responder

    Christian Schulz

    12 de abril de 2012 às 00h27

    O quase meio milhar de homossexuais mortos ESSE ANO no Brasil serve?

    Henrique Neves

    12 de abril de 2012 às 16h48

    Meio milhar!!! Por um momento achei que vc tinha escrito meio milhão! É tanta gente que vc tenta distorcer para parecer muito. É muita coisa? Onde vc pegou esses dados?

    abolicionista

    14 de abril de 2012 às 08h12

    abolicionista

    14 de abril de 2012 às 08h17

    "Segundo dados do Governo Federal e de ONGs que trabalham com a causa LGBT, a cada ano, os crimes ditos homofóbicos têm vindo a crescer de maneira assustadora. Nos últimos 5 anos, o número de assassinatos motivados pelo ódio a essa minoria teve um crescimento de 113%, com o ano de 2010 vendo a morte de pelo menos 260 gays, travestis e lésbicas.

    Em 2009, foram 198 homicídios com motivação homofóbica, segundo o jornalista Renato Rovai, citando a Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transexuais.

    A SaferNet Brasil, uma associação civil de direito privado, divulgou a lista de denúncias que recebidas em 2011. A homofobia ficou em quarto lugar, totalizando 4,5 mil notificações enviadas pelos internautas à entidade. As denúncias de crimes homofóbicos ficaram à frente de denúncias contra racismo, foco de 3,7 mil notificações. "
    http://www.midianews.com.br/conteudo.php?sid=3&am

Diniz

11 de abril de 2012 às 04h10

Pré-conceito é quando vc diz que a homossexualidade não é natural, sem se perguntar o porque, como fazem muitos religiosos. Mas o que é natural ? Natural vem de natureza. E na natureza milhares de espécimes de animais praticam a homossexualidade, principalmente entre os mamíferos, e mais ainda entre os primatas. E nós, humanos, somos mamíferos primatas. Agora, nenhuma espécime da natureza vai a missa ou reza, donde se conclui que a prática humana da religiosidade é, esta sim, anti-natural.

Responder

    Renato

    11 de abril de 2012 às 15h20

    Diniz, eu concordo contigo.
    Então vamos perguntar como é que os seres humanos se reproduzem? O Ser-Humano Macho produz óvulos e femea deposita o seu semen dentro do macho para procriar? Resposta não. Então por isso que eu encaro a homossexualidade como fato não natural e sim um desvio de carater. Todos temos desvios de carater, pois não somos perfeitos. Então convivo com as diferenças. Se o meu visinho quer viver na homossexualidade eu o respeitarei, assim como quero que respeitem a minha religiosidade cristã.

    Sabedoria é saber conviver com as diferenças. Cristo nos ensinou isso.

    Diniz

    11 de abril de 2012 às 20h22

    Renato, a homossexualidade está longe de ser um desvio de caráter, porque a vida não se resume apenas em se reproduzir. O que você não consegue entender é que a excessiva reprodução pode ser algo maléfico. Talvez a homossexualidade seja a forma de sabedoria da natureza em evitar a explosão demográfica que aniquilaria com a vida no mundo. No séc XIX a média era de 8 filhos por casal. Se mantivessem esta taxa "de machões" o mundo estaria hoje com 600 bilhões de habitantes, ou seja, o apocalipse. Como vê talvez a "epidemia" de homossexuais pode estar salvando o planeta !! Na história humana há muitos gênios homossexuais que deram contribuição valiosa para o desenvolvimento humano. E a razão é que uma vida de solteiro, ou de homossexual, permite a estes seres se dedicarem exclusivamente ao estudo e ao trabalho, pois não tem uma prole que desviaria seu foco de atenção. Me parece outra sabedoria da natureza, não ?? Observe que Jesus não quis seguir o caminho da reprodução, desposar uma mulher, constituir família, ter filhos !! Você acharia que ele tinha um desvio de caráter ?? Um outro gênio é o Alan Turing, homossexual, é o idealizador do primeiro computador. Sem ele talvez não estivéssemos aqui neste debate pois a internet não existiria. Sabe o que aconteceu com Turing ? Foi condenado por ser homossexual (sim, era crime até pouco tempo na Inglaterra !!) e obrigado a tomar hormônios masculinos se quisesse escapar da cadeia !! Turing entrou então em profunda depressão que o levou ao suicídio. Em nome do tal "desvio de caráter" a humanidade, e principalmente as instituições religiosas, tem perseguido sistematicamente os homossexuais.

    Renato

    12 de abril de 2012 às 09h26

    Diniz, eu discordo em genero, número e grau. Não concordo que a homossexualidade poderia ser uma forma de sabedoria da natureza. Vai contra o fator natural, o fator continuidade da espécie humana, fator genético.
    Agora, disse que todos nós temos desvio de carater, eu também tenho os meus, você também tem os seus.
    ..Continua

    Renato

    12 de abril de 2012 às 09h26

    Paulo comentava em uma de suas cartas que seria mais interessante o ser humano ser solteiro porém vivendo realizando as obras de Cristo, contudo se o ser humano não consegue se segurar na sua sexualidade(homem e mulher) é melhor que se casem.
    Repare que parte do que comentaste é bíblico. Porém a homosexualidade não é bíblico (não quero falar disso por aqui, até porque não convenço ningúém do erro) e tampouco natural para o ser-humano, é um desvio de carater e se eu fosse homossexual procuraria tratamento. Repare que eu faria isso. Porém, caso você seja eu te respeito. Um dia podemos ser amigos, respeitando as diferenças(Exemplo, eu respeitando a sua opção sexual e você respeitando a minha opção religiosa). Na minha consciência é errado, porém não vou condenar, nem tampouco perseguir uma pessoa que o é. Quero e vou respeita-la.

    Renato

    12 de abril de 2012 às 09h27

    …COntinuando
    Em relação ao um crime de assassinato de homossexuais provocados por animais vestido de humanos, tipificado o crime. Homicídio Triplamente Qualificado Por motivo torpe e sem direito a defesa.
    Agora, não quero que o fato de eu dizer que homossexualismo é desvio de carater e tampouco natural seja qualificado como crime, que é a intenção da lei da homofobia.
    O fato de existir cristãos que perseguem os homossexuais é grave, pois demonstram que não conhecem a bíblia na sua excência, por exemplo, o Pastor que fale que a pessoa que adotou o homossexualismo na sua sexualidade é pecadora está contanto meia verdade, pois Paulo em uma de suas cartas é categórico, todos pecaram (idenpendente do erro) e portanto estão destituídos da graça.

beattrice

11 de abril de 2012 às 00h14

A questão da homofobia na AL e no BRASIL em particular é tão grave e tão escandalosa internacionalmente, que muitos homossexuais tem demandado asilo político em diversos países em razão de ameaças concretizadas ou não, e ao contrário do que pensam os hoomofóbicos o asilo tem sido concedido, devido ao entendimento e à jurisprudência firmadas.

Responder

Fabio_Passos

10 de abril de 2012 às 22h59

Sempre bom ver um conservador como Mario Vargas Llosa indignar-se com a bárbara violência cometida pelos homofóbicos.

Responder

Sônia Gutierrez

10 de abril de 2012 às 22h13

Inodoro? A coisa lá está cheirando a demos-tenes e cia. e nem é cheiro, é fedor mesmo.

Responder

Lenin

10 de abril de 2012 às 21h07

Violência é violência;a questão é q homofobia,como racismo,são ódios aos diferentes,são direcionados.Tém q ter Lei sim!P/ finalizar,"preferência" e "orientação" n são as mesmas coisas;ninguém "opta" por ser discriminado,espancado…-tbém n deve ser visto (ou se vê) como coitadinho,tém q ser respeitado.Ponto final.

Responder

renato

10 de abril de 2012 às 15h36

E os caras foram presos! Quantos anos!

Responder

Mariac

10 de abril de 2012 às 14h21

Li, dia desses, que é crime desrespeitar os mortos, seu culto. Então gays e lésbicas já valem menos que mortos, e o Congresso nada faz. Sem falar que o Bullyng reclama uma pena de cadeia urgentemente, pois tem provocado mortes.

Responder

externo

10 de abril de 2012 às 14h13

ahhhh para com isso… mais um chorão a favor dos gays… que saco hein… estamos sendo expostos diariamente a essa perversão da homosexualidade, é rede globo, é band, é rede tv, é sbt… enfim, querem homofobizar a sociedade… sai pra lá… é por essas e por outras que sou a favor do Bolsonaro… querem ser gays, podem até ser… mas sem essa de querer convencer meu filho de que isso é normal… sou contra a violência, mas acho que certas brincadeiras são naturais e quem é gay mesmo tem q aceitar isso…

Responder

    renato

    10 de abril de 2012 às 15h35

    EX- TERNO, é o que, paletó ou só calça, ou cuequinha.
    Ué, não gostou! È só uma brincadeirinha!

    bene bugrão

    10 de abril de 2012 às 17h41

    As vezes, quem muito combate… Gostaria de estar no lugar deles…

    Abel

    10 de abril de 2012 às 22h46

    É o que eu acho do Bolsonaro ;)

    mfs

    10 de abril de 2012 às 19h13

    Mas se você acha que "certas brincadeiras são naturais" e quer fazer as tais brincadeiras naturais com os gays isso é problema seu.
    O que não pode é achar que lutar contra a violência é obrigar alguém a assumir determinado comportamento.
    Então por acaso os homens que combatem o estupro contra as mulheres são candidatos a operação de mudança de sexo?
    Os homens que combatem a pedofilia são retardados sonhando em voltar à infância?

    Fabio_Passos

    10 de abril de 2012 às 23h01

    O que o conservador Mario Vargas Llosa está explicando neste texto é exatamente que a violência (que vc diz ser contra…) é causada por esta cultura atrasada que considera equivocadamente a homosexualidade uma perversão.
    Sugiro ler mais uma vez para tentar entender.

    Christian Schulz

    12 de abril de 2012 às 00h29

    "homofobizar a sociedade"?

    Torná-la MAIS homofóbica do que já é?

    E você é contra? Meus parabéns, então!

    abolicionista

    14 de abril de 2012 às 08h18

    Como é que deixaram esse comentário entrar aqui, é claramente discriminatório, abertamente fascista e incita à violência.

Fabio

10 de abril de 2012 às 14h11

E no entanto, salve Jean Willis, um dos nossos guerreiros solitários, e um dos ÚNICOS políticos a fazer abertamente alguma coisa sobre o assunto. Olha isso: http://www.cartacapital.com.br/sociedade/dep-jean

Responder

Carlos Lima

10 de abril de 2012 às 13h56

Sempre deparo com o ativismo gay e não vejo muita lógica para o resultado a obter, se o a pessoa é gay ou não, isso não tem importância na vioência, qualquer pessoa que for agredida e com atenuates de crueldade, quem cometeu tem que pagar exemplarmente, o gay, o hetero, a mulher, a criança, a lésbica, somos todos seres humanos que devem ser regidos pela mesma lei, em qualquer parte do mundo. A busca to ativismo gay ao se auto incluir como diferente torna caminhada mais difícil. Agredir símbolos religiosos, caracteristicas organicas, culturais, é uma tolice só. O homem ou mulher ter preferência sexual pouco convencional não é motivo para a agreção, a agreção ocorreu por falta de educação e porque o agressor é um mostro, não pode tipificar uma mesma agreção em seres humanos com uma lei para gay e outra para hetero. Qual terá a pena menor, um vai poder ser agredio e ter tipo de pena e o outro vai ser agredido e ter outra pena, não tem lógica jurídica. Não devemos separar os seres humanos por questão sexual, cor, dinheiro, torcedor de time tal ou tal. A lei tem que ser dura com quem agride qualquer ser humano. Acho que tem muita gente buscando notoriedade por uma causa que tem que ser ganha buscando a maturidade e a tolerância humana e não de preferência sexual. Os mesmos que defendem vida para os gays, defendem o aborto de crianças é uma meia lógica, será que defederão o feto gay diante do aborto? Temos que defender a vida de qualquer ser humano independente se é gay ou não. Se é religioso ou não, se é negro ou branco, vermelho verde, seja o que for, A vida humana é que é motivo de defesa, é a ética da perpetuação.

Responder

    renato

    10 de abril de 2012 às 22h42

    Falô bonito, Parabéns!

    Fabio_Passos

    10 de abril de 2012 às 23h09

    Errado. Assim como criminalizar o racismo é ação correta, também é correto criminalizar a homofobia.
    A cultura não deve ser vista como algo imutável. É bom combater os atrasos culturais. É exatamente assim que se avança.
    O que Mario Vargas Llosa está explicando é que devemos lutar contra os atrasos culturais, que desqualificam, difamam e ofendem os homosexuais, para combater e evitar esta violência absurda que é dirigida especificamente contra os homosexuais.

    abolicionista

    14 de abril de 2012 às 08h21

    Desculpe, mas você está equivocado. Leia o texto abaixo com atenção e acho que vai mudar de ideia:
    http://www.plc122.com.br/homofobia-numeros-interp

    Trecho: "O PL 122 é apenas uma equiparação à Lei contra o Racismo. Se for a criação de uma casta especial, o que dizer do Estatuto da Criança e do Adolescente, do Estatuto do Idoso e o da Igualdade social? Criaram grupos melhores que os outros? Não. São tentativas de trazer a dignidade para estes grupos desprotegidos.
    O diferencial do PLC 122 é que ele criminaliza esses preconceitos cotidianos, que não são contabilizados em dados estatísticos e que também são tão prejudiciais quanto às agressões que resultam em morte. Quem sofreu algum tipo de preconceito por causa da orientação sexual sabe o que eu falo. Talvez por isso que haja tanta oposição das pessoas que enxergam isto: “se o PLC122 for aprovado, não vou poder mais falar mal dos gays“. O “falar mal dos gays” não é criticar um gay ou lésbica corrupta, falsa, de conduta duvidosa. É atacar uma característica intrínsceca sua, da mesma forma que atacam origem de nascimento, gênero, cor da pele."

    Leia Mais Em: http://www.plc122.com.br/homofobia-numeros-interp

bene bugrão

10 de abril de 2012 às 13h00

A homofobia, como todos os outros tipos de preconceitos nada mais são do que o fruto da ignorância, da burrice, da incapacidade de pensar, de raciocinar. E pior ainda o preconceito, quase sempre é um aprendizado feito dentro das arcaicas igrejas tradicionais, e dentro das familias cuja cabeça(geralmente o pai), já foi de alguma forma, violentado muitas vezes, sexualmente e não teve o devido apio psicológico, transformando sua revolta em ódio gratuito. No entanto a razão imediata maior, ainda é a IMPUNIDADE, que reina absoluta em toda a América Latina, sendo o Brasil o maior exemplo desse CÂNCER, cujo remério está nas mãos de quem? Eu vou lhes dizer Deputado Dr. Rosinha: está nas mão dos políticos, mais especialmente nas mãos do Insípdo, Inodoro e Incolor Congresso Brasileiro. Tá bom ou quer mais? Grande abraço

Responder

Deixe uma resposta para bene bugrão

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!