VIOMUNDO

Diário da Resistência


Denúncias

Delegado mineiro denuncia maquiagem de boletins de ocorrência


04/08/2011 - 23h48

Olá Azenha,

Não é só na área de educação que o Governo de Minas encobre a realidade do que vem ocorrendo em todo o Estado. No âmbito da segurança pública acontece o mesmo. A mídia sempre noticia a diminuição dos índices de violência que, paradoxalmente, só vem aumentando. Isso se deve ao artifício da deturpação dos dados estatísticos feitos pela Polícia Militar, com a conivência da Secretaria de Defesa Social.

A origem da notícia abaixo é de um jornal da cidade de Juiz de Fora. Como Delegado de Polícia em outra região, entretanto, posso assegurar que essa é a realidade em todo o Estado, o que pode ser confirmado através de contato com os Sindicatos da Polícia Civil (http://www.sindepominas.com.br/ ou http://www.sindpolmg.org.br/portal/).

[Nome suprimido a pedido]

4 de Agosto de 2011 – 07:00

Crimes violentos ganham outra versão em boletins de ocorrência

Casos de assaltos são tipificados como extorsão e tentativas de homicídios, como lesão corporal

Por Guilherme Arêas, na Tribuna de Minas

Pouco mais de um ano após a Tribuna revelar que os boletins de ocorrência elaborados pela Polícia Militar e lançados no Registro de Eventos de Defesa Social (Reds) estariam tendo sua natureza modificada – o que poderia representar infidelidade dos índices de criminalidade divulgados no estado – o problema parece se manter. Crimes graves, como homicídios, entram para as estatísticas como encontro de cadáver. Já ocorrências de assalto à mão armada e tentativa de homicídio se transformam em extorsão e lesão corporal, respectivamente.

Não é difícil perceber a incongruência nos registros. No início de julho, uma casa de frangos no Bairro Santa Cândida, Zona Leste, foi invadida por um homem armado, que levou R$ 90 do caixa. Embora o próprio policial militar tenha relatado que o suspeito “anunciou o assalto”, o crime foi registrado como extorsão. No mês anterior, um taxista de 63 anos foi rendido por dois homens, um deles com revólver calibre 22. Conforme o boletim de ocorrência, o suspeito apontou a arma contra o rosto do trabalhador e disse: “Não reage que eu não te mato”. Não vendo outra alternativa, o taxista entregou R$ 110. A ação de entrega do dinheiro provavelmente motivou os policiais militares a registrarem a ocorrência como extorsão, embora especialistas ouvidos pela Tribuna não vejam o caso com outra natureza a não ser roubo à mão armada.

Casos se multiplicam

Envolvido em uma briga generalizada ocorrida em uma festa, no Bairro Ipiranga, Zona Sul, um adolescente de 16 anos foi golpeado com uma facada nas costas, no mês passado. Ele foi socorrido em estado grave ao HPS, onde precisou passar por cirurgia. Ainda em julho, um homem de 20 anos foi baleado, em Benfica, na Zona Norte, tendo o projétil atravessado seu braço esquerdo, atingido o pulmão e saído pelas costas. No mês anterior, ainda na Zona Norte, desta vez no Milho Branco, um homem de 32 anos levou dois tiros pelas costas, sendo que as balas atingiram a perna e as nádegas do rapaz. O que une essas três ocorrências é o fato de que os crimes foram tipificados como lesão corporal e não como tentativa de homicídio: um erro na visão do advogado criminalista e professor de direito penal do Instituto Vianna Júnior, Luiz Alexandre Velloso Botelho. “Na lesão corporal, o autor age com o ânimo de apenas lesionar e não matar. Ninguém dá tiro ou facada pelas costas ou atira várias vezes contra uma pessoa sem a intenção de matar.”

Outro equívoco ocorreu no final do mês passado, no Bairro Nossa Senhora Aparecida, Zona Leste. A Polícia Militar foi acionada para averiguar a suspeita de que um homem, 25 anos, estaria disparando tiros contra um rapaz, 23. Conforme relato dos próprios policiais, o suspeito “confessou ter sido ele o autor dos disparos e que os teria feito pois queria matar um indivíduo conhecido do mesmo.” Apesar da própria confissão do suspeito, o crime foi tipificado como lesão corporal.

Tentativas de homicídio também estão ganhando outras interpretações, como ocorreu ainda no mês passado, quando um homem de 45 anos foi alvo de vários tiros dentro da casa disparados pelo cunhado, no Bairro Progresso, Zona Leste. A ocorrência foi oficializada como disparo de arma de fogo. No entanto, pela lei 10.826, o crime de disparo de arma de fogo é válido “desde que essa conduta não tenha como finalidade a prática de outro crime”. “Como uma pessoa dispara vários tiros em outra e não quer matar?”, questiona o professor.

As alterações podem ser apenas equívocos no momento da elaboração do boletim de ocorrência (BO), mas o fato é que naturezas criminosas, como a extorsão e o encontro de cadáver, por exemplo, não são consideradas crimes violentos, ficando de fora das estatísticas oficiais de criminalidade violenta, cujos índices apresentam queda nos últimos anos em Minas.

Conforme a Fundação João Pinheiro, o Índice de Criminalidade Violenta (ICV) leva em conta apenas homicídio, tentativa de homicídio, roubo e estupro. “A Fundação João Pinheiro não tem acesso aos dados primários ou às rotinas de produção ou registro destes dados e, portanto, não pode responsabilizar-se pela sua factibilidade”, explicou a assessoria de comunicação da FJP.

Homicídio registrado como encontro de cadáver

No dia 4 de junho, o aposentado Milton Francisco de Souza, 58 anos, foi encontrado morto em uma fazenda na MG-133, em Coronel Pacheco. O laudo de necropsia apontou que ele morreu por asfixia após aspiração de sangue por hemorragias na cavidade oral, devido a fraturas no crânio e na face, após ser agredido com instrumento contundente, provavelmente barra de ferro. O exame concluiu ainda que a morte se deu por meio cruel, devido à multiplicidade de ferimentos. Conforme informações do boletim de ocorrência da Polícia Militar, a esposa da vítima, 49, relatou que, ao chegar na residência, verificou que o relógio de energia elétrica estava desligado. Em seguida, ela teria escutado o marido gritar pelo seu nome. A mulher teria pedido ajuda a uma vizinha, que encontrou o aposentado caído no chão, desacordado, com ferimentos na cabeça. Uma ambulância chegou a ser acionada, mas a vítima já estava morta. Apesar de todos os indícios apontarem para um assassinato, o caso não entrou para a estatística oficial de homicídio, pois foi registrado como encontro de cadáver.

“O delegado de plantão desconfiou que poderia ser um homicídio e mandou uma equipe na casa, onde foram feitas as perícias de local e de necropsia”, informou a titular da 4ª Delegacia Distrital de Juiz de Fora, delegada Sheila Aparecida Oliveira, que preside o inquérito do caso. Quatro pessoas já foram presas e assumiram participação no assassinato.

A delegada alerta que a elaboração correta de um boletim de ocorrência, principalmente em crimes mais graves, é fundamental para o bom andamento das investigações. “A presença da Polícia Civil no local do crime após ocorrer um homicídio é de extrema importância para as investigações. Se a ocorrência chega como encontro de cadáver, nós não fazemos a varredura necessária no local.”

Situação preocupa

Ao analisar, à pedido da Tribuna, cerca de 15 ocorrências policiais com naturezas supostamente mascaradas, a titular da 3ª Promotoria de Justiça, Maria Auxiliadora Souza de Assis, mostrou-se preocupada com a situação. Ela afirma ter havido equivoco na elaboração de boa parte desses BOs. A promotora criminal opinou como “exagero de interpretação” classificar casos genuínos de roubo à mão armada como extorsão, embora “as diferenças entre os crimes sejam frágeis”. “A partir do momento em que esses dados são usados como base para elaborar programas de combate à violência, isso é preocupante.”

A promotora criminal lembra ainda que, com a nova lei de fiança (que entrou em vigor em junho e aumenta a lista de infrações afiançáveis), um crime cuja natureza foi mal interpretada – propositadamente ou não – pode fazer com que, da mesma forma, a fiança seja arbitrada equivocadamente.

Equívocos podem ser corrigidos

O assessor de comunicação da 4ª Região da Polícia Militar (RPM), major Sebastião Justino, afirma que a tipificação do crime realizada pelo policial militar é dada conforme a percepção do profissional, sendo que, em caso de interpretação errônea, a classificação pode ser retificada pela autoridade policial (delegado) e até pelo Promotor de Justiça. “Muitos policiais não têm curso de formação em direito, apesar de aprenderem as noções em algumas cadeiras durante o curso de formação de soldado. Quando ele interpreta um crime de forma equivocada, o delegado e o Ministério Público podem corrigir.”

Ainda conforme o assessor, a política de metas adotada pelo Governo do estado serve como um incentivo ao trabalho dos policiais, e a redução nos índices de criminalidade é apenas consequência de planejamento das ações. “A meta é colocada para que os profissionais sejam focados em desempenhar seu trabalho com qualidade, tudo dentro da lei.”

O especialista em segurança pública pela UFMG e associado ao Fórum Brasileiro de Segurança Pública, Robson Sávio, acredita que os equívocos na classificação das ocorrências fragilizam a análise policial, peça fundamental no planejamento das ações de segurança pública. Como o Registro de Eventos de Defesa Social (Reds) é peça de um sistema mais complexo de registro de ocorrências, após o processo de integração das polícias, o especialista crê que falta maior treinamento aos policiais militares. “O Reds tem uma série de especificações técnicas e exige conhecimento especializado para que as informações sejam preenchidas de forma correta, o que nem sempre é feito, por falta de pessoal e estrutura da polícia, mas, principalmente, de capacitação e treinamento do policial militar.”

Robson Sávio enxerga, no entanto, com certa naturalidade, as distorções durante os primeiros anos de funcionamento do Reds, adotado em Juiz de Fora desde o início de 2009. “Não diria que se trata de ação deliberada de má-fé dos policiais”, opina, lembrando que, em Belo Horizonte, pouco tempo depois da implantação do Reds, também eram comuns erros desse tipo nas ocorrências.

Já o advogado criminalista e professor de direito penal Luiz Alexandre Velloso Botelho acredita que as alterações nas naturezas das ocorrências sejam influenciadas pela política de metas estabelecida pelo Governo estadual. “A sociedade deve ficar atenta aos índices de criminalidade violenta, pois eles não representam a realidade da violência no estado.”

Deputado Rogerio Correia escreve sobre a greve dos professores de Minas Gerais

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



21 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

miro

27 de abril de 2012 às 09h43

comentario de ocorrencia em minas cambui,em uma desinteligencia aprocimadamente quinze individuos partiram para agressao contra o policial militar de sp aposentado o qual foi covardemente agredido e se apropriaram de sua arma [pistola 380] e efetuaram um disparo; a policia militar foi chamada e ao tomar ciencia dos fatos fez o relato dos fatos totalmente contrario ao ocorrido fazendo com que o policial da mesma corporaçao[reserva militar do EB] fosse preso em flagrante por ameaça e disparo de arma;este policial de minas naõ è capaz para funçaõ que tem,pm de minas tem q se reciclar e muito.

Responder

Paulo Metri: O exército neoliberal deixou minas terrestres no Rio | Viomundo - O que você não vê na mídia

06 de agosto de 2011 às 12h24

[…] Veja aqui como Minas Gerais encontrou uma solução criativa para “reduzir” os crimes vi…   […]

Responder

Ricardo_Alves

06 de agosto de 2011 às 12h17

come e triste ver o meu estado governado por esta gente.

Responder

GilTeixeira

06 de agosto de 2011 às 11h40

Uma coisa a gente tem que respeitar nos tucanos: é a unidade de feitos:
Destruir a educação. privatizar ate´o ar que respiramos. Usar a polícia pra resolver problemas sociais. odiar o povo, maquiar dados pra mudar as estatísticas. e prinicipalmente se dizerem competentes!

Responder

@walterthe

06 de agosto de 2011 às 07h20

uma pequena lição de tucanês aplicado as ocorrências policiais

Responder

Jason

05 de agosto de 2011 às 22h10

Isso não é novidade. Aqui em São Paulo, até pouco tempo, um corpo encontrado com um tiro na cabeça era registrado na policia civil como encontro de cadáver. É muita mquiagem.

Responder

heber pinheiro

05 de agosto de 2011 às 20h18

papel aceita tudo ainda mais o papel de jornais comprados como o ESTADO DE MINAS ,O TEMPO E SUPER todos comprometidos com o plano politico da familia NEVES.seria bom se investigassem o pedagio da mg 050, que é uma fraude pois nao tem beneficos para os motoristas e ainda cobram um dos km rodados mais caros do Brasil.os meninos estao falando que o pedagio e do AECIO,e de um tal deputado chamado DOMINGOS SAVIO.isso é que é roubo a mao desarmada

Responder

Ex-Febético

05 de agosto de 2011 às 17h35

Saudações, Azenha.
Pois é, trabalho numa fundação estadual de sp e aqui tb encontramos este tipo de maquiagem. Não temos mais rebeliões. É o jeito dos pássaros bicudos resolverem seus problemas, administração tapetista, manja, aquela que empurra todo lixo pra baixo do tapete. Os caras aqui tem até calo na barriga de tanto empurrar os problemas com ela.
Isso só muda se os eleitores quiserem.
abç

Responder

Gersier

05 de agosto de 2011 às 14h11

Na minha cidade,uma das maiores de Minas,já ocorreram até agora muito mais assassinatos (cerca de 70) e assaltos à mão armada que todo o ano passado e a polícia continua mentindo dizendo que a violência diminuiu. O atual prefeito(PMDB), outro grande demagogo que prometeu em campanha instalar postos policiais nas áreas mais violentas da cidade,não moveu uma palha sequer para diminuir a violência que está associada ao tráfego de entorpecentes.

Responder

Hiena

05 de agosto de 2011 às 12h45

Ainda bem que é só em Minas. hehehe

Responder

Panambi

05 de agosto de 2011 às 11h23

O "choque de gestão" do Aecim, já imaginou isto no Brasil todo?? Saravá, meu nego!!!!

Responder

carlao75

05 de agosto de 2011 às 11h00

em SP usam a mesma estratégia, faz parte da cartilha tucana de governo.

Responder

MataTrolls

05 de agosto de 2011 às 10h38

Ditadura voltou… ou nunca terminou em MG. Esse é o governo (?) do Aócio/Aébrio.

Responder

Samuel Velasco

05 de agosto de 2011 às 09h54

Entrei pra ler esperando a ver a "maquiagem de estatísticas". Encontrei maquiagem de Boletins de Ocorrência. Por que sempre batem na Estatística? É culpa de quem faz o levantamento os dados estarem adulterados?

Responder

    Luiz Carlos Azenha

    05 de agosto de 2011 às 09h58

    Já mudados. Obrigado. Desculpe nossa falha. abs

    operantelivre

    06 de agosto de 2011 às 10h50

    Boa sua observação, muito boa. Uma sutileza por onde a linguagem pode passar o que não queremos.
    E sabemos também que a pessoa que trata os dados pode espremer por diversos lados. Pode ser por falta de conhecer estatística (que não se equipara com a matemática) , mas também pela má-fé de quem se presta a estas imposturas.Como ocorre em outros campos de conhecimento, inclusive o experimental.
    Imagino que sejas, como eu, um apaixonado por estatística. Eu, por hobby, não de formação. Sou um psicólogo que defende o uso parcimonioso da estatística e da genética na compreensão do comportamento. Abraço

    carlos

    06 de agosto de 2011 às 17h53

    Samuel, se os BO´s são maquiados as estatísticas acabam sendo destorcidas. é claro !!!!!

operantelivre

05 de agosto de 2011 às 07h05

Brincadeira isto!!! Só falta dizer que o cadáver se suicidou.
As estatísticas em SP dizem que há queda de homídios em letras GRANDES e que houve aumento de latrocínios em letrinhas de contratos. Até a próxima eleição deve zerar homicídios e latrocínios e ter uma aumento espantoso de suicídios. É esperar e ver.

Responder

    Taiguara

    05 de agosto de 2011 às 10h51

    Não falta não, caro operantelivre, você está lembrado daqueles 35 poresos que viraram churrasco nas dependências de duas delegacias do interior de Minas? Pois é! O Baladeiro do baixo Leblon e seus cupinchas, em um inquérito que faria corar de vergonha o Coronel Job Lorena – aquele do Riocentro – tentaou nos impor a conclusão pelo suicicídio coletivo. Mas, também a gente deve dar um desconto. O fato, se não me engano, ocorreu no momento em que o Menino do Rio (dependente cínico das drogas da dissimulação e do engodo) estava tentando uma "carreira" internacional, lá na Colômbia. O PERIGO MORA EM MINAS E, pior:…..dirige bêbado.

    Leider_Lincoln

    05 de agosto de 2011 às 20h30

    Klauuuuuuuuuuuuuuusssssssssssssss, cadê você?

Rogerio Correia: Entre o contracheque e o “choque de gestão” | Viomundo - O que você não vê na mídia

05 de agosto de 2011 às 00h42

[…] Delegado mineiro denuncia a maquiagem de estatísticas […]

Responder

Deixe uma resposta para Samuel Velasco

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.