VIOMUNDO

Diário da Resistência


Especialistas denunciam aprovação de diretor da ANS: Planos de saúde transformaram a ANS em balcão de negócios
Agência Senado
Denúncias

Especialistas denunciam aprovação de diretor da ANS: Planos de saúde transformaram a ANS em balcão de negócios


24/09/2018 - 11h04

Agência Senado

O cúmulo da captura da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS)

por Marilena Lazzarini, Ligia Bahia, Mario Scheffer, via whatsapp

É notória a influência das empresas de planos de saúde na indicação de diretores para a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS).

A interferência ocorre em todas as etapas do processo de nomeação, que se inicia quando o Ministro da Saúde encaminha à Casa Civil um nome (geralmente de seu partido ou da base aliada do governo) que tenha “experiência”, ou seja, confiável para levar adiante os interesses do mercado.

A Casa Civil, após certificar-se do nome com empresários de planos de saúde, submete o candidato à avaliação do Presidente da República, que encaminha mensagem de indicação ao Senado Federal.

Neste momento ocorre a apresentação do escolhido a parlamentares também de “confiança”, para que facilitem a aprovação do indicado.

No Senado, a Comissão de Assuntos Sociais (CAS), em atenção aos padrinhos políticos e ao relatório favorável à indicação, sabatina o candidato e vota, invariavelmente, por sua aprovação.

A CAS envia então o nome ao plenário do Senado, que confirma a aprovação em meio a articulações e combinados elogios.

O encaminhamento ao Presidente da República é o último passo antes de o diretor ser nomeado e assumir uma das diretorias da ANS.

Tais práticas de escolha de dirigentes não são exclusivas para a ANS.

Ocorrem também nas indicações para Anvisa e demais agências reguladoras.

No passado havia tentativas de disfarçar a origem das indicações.

Sabatinas no Senado costumavam, no mínimo, opor parlamentares da situação a alguns da oposição.

Denúncias e documentos produzidos por entidades da sociedade civil, da saúde e da defesa do consumidor, sobre a evidente vinculação dos indicados com empresas de planos, chegaram a ser parcialmente acatadas por comissões de ética e levadas em consideração por parlamentares no momento da sabatina.

O padrão de imposição de nomes e formação de resistências minoritárias foi, no entanto, alterado.

A mais recente aprovação de um diretor da ANS, Paulo Rebello, explicitamente vinculado ao Partido Progressista (PP), não teve nenhuma contestação no Senado e obteve aprovação por unanimidade.

A decisão ocorreu após a retirada do nome de Davidson Tolentino de Almeida, antes indicado pelo PP, porém desgastado por acusação pública de envolvimento em esquema de corrupção, arrecadação e estocagem de dinheiro ilícito.

Mesmo sem qualificações técnicas para ocupar uma diretoria da ANS, Paulo Rebello teve sua indicação aceita pela oposição no Senado, o que sugere o reatamento de coalizões parlamentares incluindo PP, PT e PSDB, entre outros partidos.

Ou seja, prevaleceram interesses paroquiais mesmo em pleno contexto da disputa eleitoral de 2018.

A saúde e sua imensa relevância para a população são, portanto, objetos de arranjos domésticos e de acordos entre parlamentares de partidos de distintas tradições ideológicas.

O currículo do indicado, Paulo Rebello, chama a atenção por revelar trabalhos anteriores para o setor privado e por uma carreira de ocupação de cargos em órgãos públicos diversos.

Ele foi procurador-geral do município de Esperança (PB), assessor jurídico da Companhia de Águas da Paraíba – CAGEPA e da Fundação de Ação Comunitária do Estado da Paraíba.

Atuou como conselheiro no Conselho Nacional de Trânsito – CONTRAN, Conselho Fiscal da Companhia Brasileira de Transportes Urbanos (CBTU), e suplente no Conselho Fiscal da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba.

Trabalhou no Ministério das Cidades como gerente de projetos e assessor especial do Ministro, mesma função que exerceu no Ministério da Integração Nacional.

Recentemente tornou-se chefe de gabinete do Ministro da Saúde e membro do conselho de administração do Grupo Hospitalar Conceição.

Sua experiência é de assessor/conselheiro indicado por partidos políticos para cargos comissionados.

Consequentemente, não preenche os requerimentos para ocupar a diretoria de um órgão estratégico para a saúde cujas decisões incidem sobre aproximadamente 50 milhões de brasileiros.

De acordo com o art. 5º da lei nº 9.986/2000, um diretor da ANS deve ter reputação ilibada, formação universitária e elevado conceito no campo de especialidade do cargo.

Para um profissional com tal trajetória, a diretoria da ANS significa uma promoção de cargo, um posto melhor do que os anteriores e não a perspectiva de dedicação ao trabalho para assegurar direitos à saúde e interesses da coletividade.

O partido responsável pela indicação foi o PP, o mesmo que ficou com o Ministério da Saúde na partilha para a composição da maioria parlamentar do governo Temer.

Por isso, o relator para a aprovação do nome de Rebello foi o Senador Roberto Muniz (PP/BA).

Dezesseis senadores, entre os quais parlamentares vinculados ao PT, aprovaram por unanimidade a indicação.

No plenário do Senado esse quórum se estendeu para 43 parlamentares.

O novo diretor, indicado pelo PP e apoiado unanimemente, se soma àqueles que, segundo informações veiculadas na imprensa, foram apadrinhados por Eunício Oliveira (MDB/CE), Romero Jucá (MDB/RR) e Renan Calheiros (MDB/ AL).

Assim, quatro diretores atuais da ANS teriam possivelmente o carimbo das relações entre empresas do setor e parlamentares.

A submissão aos acordos empresariais e políticos tornou-se um padrão para a nomeação de diretores da ANS, o que inverte a direção das soluções para a saúde.

A prioridade passou a ser o atendimento de interesses de empresários da saúde intermediados por políticas públicas.

As empresas impõem regras à ANS e não o contrário.

Esse modus operandi impede que o órgão regulador tenha autonomia para definir e executar políticas regulatórias relativas a coberturas, qualidade e preços ajustadas às necessidades e problemas de saúde.

É o que está por trás de processos de desregulamentação propostos pela ANS, inspirados pelas acepções empresariais, tais como a liberação de cobranças de franquias e coparticipação, neste caso sustada pelo Supremo Tribunal Federal.

Tudo isso resulta numa instituição pública de saúde que não tem credibilidade e custa muito caro para os contribuintes.

Embora a ANS conte com corpo de técnicos qualificados, esses não conseguem avançar proposições para uma regulamentação não capturada.

Constituiu-se um ciclo vicioso: a ANS é fraca e a regulação serve aos interesses das empresas.

A debilidade institucional da ANS é consequência da rarefação do debate técnico, acadêmico e político.

A regulação necessariamente requer transparência e discussões intensas.

Portanto, a aprovação de nomes da diretoria da ANS, sem debates e sem polêmicas, é extremamente preocupante.

A sabatina, por exemplo, do diretor nomeado antes de Paulo Rebello foi controversa (pelo fato de o indicado ter sido sócio de escritório de advocacia que defendia empresas junto à ANS) e a votação (nove a favor, três contra) expressou contradições.

A unanimidade agora é assustadora, sinaliza que nem sequer é necessário disfarçar o consentimento das instâncias partidárias à captura da ANS e não há pudor algum em reduzir a sabatina do Senado Federal a um grotesco teatro de favas contadas e cartas marcadas.

Empresas de planos de saúde e partidos políticos transformaram a ANS, definitivamente, em um escritório para despachar seus negócios.

*Marilena Lazzarini é presidente do Conselho Diretor do IDEC, Ligia Bahia, professora da UFRJ e Mario Scheffer, professor da USP.

Leia também:

Pedro dos Anjos: Adesão do MBL ao #EleNão é manobra; Katiguiri é filhote do Bolsonaro

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



2 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

RONALD

24 de setembro de 2018 às 15h44

Essa corrupção sistêmica sequer é visualizada pelo público. Esse pessoal do Estado mínimo adora um Estado Máximo quando é para servir aos seus interesses privados !!!!

Responder

Julio Silveira

24 de setembro de 2018 às 12h25

Eles estão correndo para subtrairem do povo o maximo no menor tempo possivel, por que as coisas não ficarão como estão quando a democracia plena voltar. Aí vai ser um tal de fugirem para Miame com o que amealharam do povo e serem recebidos de braços abertos pelo Strumpicio, que recebe bem este tipo de gente de bem que agrega na ideologia de seu estado.

Responder

Deixe uma resposta para Julio Silveira

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.