VIOMUNDO

Diário da Resistência


Blog da Saúde

Sexo: Distribua carícias à vontade. Sem a menoooooooooooooooooor… pressa


27/08/2012 - 00h14

por Conceição Lemes

Em tempos de internet banda larga, muitos querem tudo na base do pá-pum: objetivo, rápido e competente. Isso inclui a sexualidade. Tanto que sexo virou sinônimo de penetração; competência sexual é penetrar e ser penetrado. Se não houver, o restante do contato não vale nada. O “negócio” é ir logo para os “finalmentes”. Mero encontro de genitais. Uma pena.

“O prazer não é só genital, tem de integrar tudo”, argumenta a ginecologista e obstetra Fátima Duarte, com base no atendimento de mulheres de todos os níveis sociais e faixas etárias, em 30 anos de profissão. “A grande jogada para ter e dar prazer é distribuir carícias à vontade – sem pressa.

Isso mesmo. Sem a menooooooooooooooooooooooooor… pressa. Imagine-se num restaurante divino comemorando uma data especial. Você prefere que o chefe de cozinha prepare o seu prato em dois minutos, tirando-o do freezer, ou que demore para fazer algo especial? No sexo, é parecido. Você quer um prato feito rapidinho ou se dispõe a caprichar nos temperos, e depois saborear o manjar dos deuses? Pois as carícias são os temperos.

Por isso, aqui vai uma dica do livro   Saúde — A hora é agora, capítulo Relacionamento — O corpo inteiro para amar: invista mais nas preliminares.

Em geral, não utilizamos nem 30% do potencial erótico do nosso corpo. E os receptores de sensações estão nele inteiro. Basta você e seu (sua) parceiro(a) se tocarem bastante para os seus pontos preferidos aflorarem. Por falar nisso, você sabe quais são os seus?

“Quanto mais tempo o casal se dedica às preliminares, maiores tendem a ser a carga erótica e o prazer”, abre o jogo a psiquiatra e especialista em medicina sexual Carmita  Abdo,  professora livre-docente e coordenadora do Projeto Sexualidade  (ProSex) da  Faculdade de Medicina da USP.  “A mulher fica mais lubrificada e a penetração mais fácil, o que ajuda, ainda, a atingir o orgasmo. Para o homem saudável, cria condições para boas ereções.”

INFORME O QUE E COMO GOSTA — SEM ACANHAMENTO

Aproveitando a brecha, algumas e alguns desabafam:

– Ah… Mas meu parceiro não sabe do que eu gosto…

– Adoro meu marido, só que de uns tempos para cá não sinto desejo.

– Quando estou de TPM, meu tesão vai pra cucuia.

– Minha ex-namorada ia às nuvens; a atual, eu tento, tento, e ela não tem orgasmo. Será que se o meu pênis fosse maior…?

– Há um tempo saí com uma menina só porque ela me deu mole. Falhei! Desde então, perco o controle direto. Quando me dou conta, já gozei; minha companheira fica uma fera, diz que não ligo para o prazer dela. Juro que me importo.

Calma. Praticamente tudo em sexualidade tem explicação e – o melhor – solução. Na maioria das vezes, é questão de informação. Frequentemente, a mulher espera que o homem nasça sabendo fazer sexo, para que ela não precise comunicar o que gosta. O homem, por seu lado, habitualmente acha que as carícias que uma mulher adora a outra também vai amar, certo?

Ambos errados. Nem o homem é o “professor” nem a mulher a “aluna”. Cada pessoa é uma pessoa. Para descobrir onde “mora” o prazer do(a) parceiro(a), o casal tem de fazer tentativas. A mulher não deve se envergonhar de comunicar o que lhe agrada, assim como o homem também não.

No Brasil, 3,4% dos brasileiros nunca se masturbaram, contra 34% das brasileiras. Portanto, se você ainda desconhece todas as suas áreas erógenas, sempre é tempo de elas serem exploradas. Prazer é questão de foco, duração e intensidade.

A mulher tem de aprender a identificar suas áreas prediletas de carícias e o homem a detectar novas. Seria o clitóris ou a vagina? O abdome, o pescoço ou os seios? Os lábios ou a sola do pé? Por acaso a cabeça ou o corpo do pênis? A região do umbigo ou a da nuca? Os lábios ou as costas? É tudo junto? Ou junto com o quê? Pegue a mão do(a) parceiro(a) e o(a) oriente. Você é que tem de lhe dizer: Está ótimo aí, continue!; Aqui, não!

Agora, não é fazer um carinho rápido e pronto. É preciso um tempo para o estímulo sair das terminações nervosas existentes nas áreas externas do corpo, chegar ao cérebro, informar que algo prazeroso está sendo feito e voltar sob a forma de sensação agradável. Além disso, você tem de informar sobre a intensidade dos toques naquele instante. São os movimentos lentos ou rápidos? Mais superficiais ou profundos? Em circular ou ziguezague?

“Se você silenciar, acabará entrando e saindo da relação sem a menor excitação, provavelmente não sentirá prazer, e o sexo se tornará desagradável”, observa Carmita. Se o(a) parceiro(a) for realmente legal, ficará feliz em tomar conhecimento das suas preferências para lhe satisfazer.

Portanto, nada de acanhamentos. Informe-o(a) das suas predileções, pois ninguém tem bola de cristal. Só assim o prazer de ambos poderá ser explorado ao máximo.

Livro do Luiz Carlos Azenha
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

A Trama de Propinas, Negociatas e Traições que Abalou o Esporte Mais Popular do Mundo.

Por Luiz Carlos Azenha, Amaury Ribeiro Jr., Leandro Cipoloni e Tony Chastinet



5 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Adilson

11 de setembro de 2012 às 16h23

Excelente artigo, Conceição.

Um grande abraço,

Adilson

Responder

Rovena França

28 de agosto de 2012 às 19h41

Conceição Lemes;

Gostei do texto!

O “negócio” é invetir nas preliminares, sim! Ótimo remédio para TPM,também. Chega de chocolote!rsrs

Responder

Hans Bintje

27 de agosto de 2012 às 15h31

Conceição Lemes:

Sabores, sabores, sabores. Estou gostando da linha do site.

Começou esta manhã com a reclamação – justa – sobre o milho mexicano.

Qual a diferença entre o milho industrial e o milho indígena?

Infinitas cores, infinitos e deliciosos sabores para quem se dispõe a cultivá-los e prepará-los “sem a menooooor… pressa”.

Eis a imagem:

E aqui estamos falando novamente “sem a menooooor… pressa”, dessa vez sobre sexo.

Sem padronização, difícil de cultivar, altamente recompensador para quem topa o desafio de “navegar mares desconhecidos”.

E divertido.

Responder

Roberto Locatelli

27 de agosto de 2012 às 09h03

Tudo é uma questão de atitude. Estamos na época da pressa, e as pessoas – principalmente os homens – querem logo ter orgasmo.

Acho que a repressão sexual também é culpada pela pressa. Já que sexo é uma coisa proibida, que vovó dizia que leva ao inferno, que é pecado, etc, então vamos fazer no escuro e terminar logo.

Há, nas artes antigas, formas de encontro íntimo bem diferentes dos nossos conceitos atuais. Nessas práticas do passado, o casal podia ficar algumas horas no intercurso sexual. Só que, para isso, muito carinho é a lei, nada de pressa. E diálogo, sempre. É hora de revermos nossas ideias “avançadas”.

Responder

Gerson Carneiro

27 de agosto de 2012 às 08h54

Esse post me encheu de tesão.
Hoje à noite nem vou tuitar.

Graaaande retorno do Blog da Saúde!!!!

Responder

Deixe uma resposta para Rovena França

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!