VIOMUNDO

Diário da Resistência


Ana Costa: Até quando vamos manter a cegueira e a hipocrisia em relação ao aborto?
Ana Costa/Foto: arquivo pessoal
Blog da Saúde

Ana Costa: Até quando vamos manter a cegueira e a hipocrisia em relação ao aborto?


29/09/2019 - 23h23

por Ana Maria Costa, especial para o Blog da Saúde

Em toda a América Latina e Caribe, sábado passado, 28 de setembro, foi o Dia Internacional de Luta pela Descriminalização e Legalização do Aborto.

Um dia de mobilização para dar visibilidade à nossa luta e fortalecê-la politicamente.

Essa data foi definida em 1990 no V Encontro Feminista Latino-americano e do Caribe (EFLAC), realizado em San Bernardo, na Argentina.

Àquela altura já estava mais do que evidenciado que o aborto clandestino mata as mulheres, especialmente as mais pobres, e que era questão de saúde pública.

Daí, a necessidade de acabar com a criminalização do aborto. Afinal, a penalização da sua prática constitui mutilação de direitos, particularmente os direitos sexuais e reprodutivos.

— Por que questão de saúde pública? – certamente há leitores questionando.

Dizemos que um tema é questão de saúde pública quando a sua presença causa malefícios e danos à população atingida e eles podem ser revertidos por medidas factíveis.

É o caso do aborto clandestino. Mulheres que, em vez de atendimento em serviços de saúde seguros, usam métodos inseguros colocam as suas vidas e saúde em risco.

E o perigo é imenso. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS). 95% dos abortos realizados na América Latina são ilegais e inseguros.

A ilegalidade direciona à prática clandestina, colocando em risco a vida das mulheres.

Por isso, a legalização do aborto é medida urgente a favor da vida das mulheres.

— Que mulheres se submetem a aborto?

De todas as classes sociais.

Explico. Mulheres de todos os níveis sociais, escolaridade, etnias, urbanas, rurais, religiosas ou não estão sujeitas a uma gravidez indesejada.

Aliás, muitas mulheres que já têm outros filhos perdem suas vidas ao fazer um aborto arriscado, desmontando a estrutura de apoio familiar a essas crianças.

Portanto, despenalizar o aborto é importante para as famílias e não somente para as mulheres.

No Brasil, especificamente, o aborto é permitido em três situações: quando há ameaça à vida materna devido a determinadas doenças e a gravidez é fator agravante que acarreta riscos à mulher; estupro; e fetos com anencefalia, ou seja, sem cérebro.

Porém, há mulheres que não querem levar a gravidez adiante por diferentes razões.

Independentemente de qual seja, há sobejas evidências de que a gravidez indesejada conduz ao aborto inseguro, ceifando a vida de tantas mulheres pobres.

Por que então manter a cegueira e a hipocrisia?

As mulheres que têm recursos financeiros a gravidez indesejada é resolvida sem riscos e elas não morrem.

Já com as que são pobres isso não acontece.

Temos aí uma questão bioética, de justiça social, criada no emaranhado de moralidades e valores que conduzem essas mulheres ao abandono e à morte. Por que o desprezo e a omissão de apoio a essas mulheres?

— Mas isso é apologia ao aborto, é adotá-lo como método para evitar filhos, planejar a família! – alguns devem estar reagindo.

Nem uma coisa nem outra.

Trata-se de admitir uma realidade: a gravidez indesejada ocorre e o problema será resolvido com a interrupção dela.

Muitos dizem: sou contra o aborto e a favor de planejamento familiar!

Claro que é muito importante o planejamento familiar com a disponibilização de todos os métodos contraceptivos, com oferta de informação e garantia da autonomia decisória das mulheres.

Mas oferecer planejamento familiar, por melhor cobertura e qualidade que venha a ter, não exclui a necessidade de despenalizar o aborto que continuará ocorrendo e sendo resolvido na clandestinidade.

Continuará matando e constituindo um risco para a vida cotidiana das mulheres.

E isso pode ser diferente se o aborto deixar de ser penalizado, permitindo segurança àquelas que decidem por ele.

Somos regidas por leis muito antigas e inadequadas que precisam ser atualizadas, de acordo com a prática e modos de vida do povo e das mulheres.

O mesmo Código Penal, de 1940, define aborto como crime e penaliza, facultado apenas nos casos de risco de vida e de estupro:

Art. 128 – Não se pune o aborto praticado por médico: I – se não há outro meio de salvar a vida da gestante; II – se a gravidez resulta de estupro e o aborto é precedido de consentimento da gestante ou, quando incapaz, de seu representante legal.

É muito recente a legalização da interrupção da gravidez dos casos de fetos anencefálicos.

Celebramos. Foi uma conquista.

É importante que mulheres não tenham que vivenciar o sofrimento de prosseguir uma gravidez de um feto inviável para a vida.

O Brasil, porém, precisa avançar mais.

Uruguai, Argentina e México – para ficarmos em países da América Latina — têm dados passos firmes e seguros para garantir os direitos sexuais e reprodutivos das mulheres.

Por isso, pergunto. Como em pleno século 21 sejam regidas por um código de 1940?

Até quando os legisladores vão se manter cegos à situação que traz tanto sacrifício à vida e à saúde das mulheres e das famílias?

*Ana Maria Costa é médica sanitarista, doutora em Ciências da Saúde, professora universitária e diretora executiva do Centro Brasileiro de Estudos em Saúde (Cebes) 

Últimas unidades

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



Nenhum comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.