VIOMUNDO

Juliana Cardoso: Projeto corrige grave violação dos direitos das servidoras da Prefeitura de SP

21 de fevereiro de 2016 às 22h43

2 - Vereadora Juliana Cardoso

Servidoras da Prefeitura terão afastamento reconhecido

da Assessoria de Imprensa do Mandato Vereadora Juliana Cardoso (PT-SP)

A Câmara Municipal aprovou em segunda votação nesta quarta-feira, dia 17 de fevereiro, projeto de lei do executivo que corrige problema histórico das funcionárias gestantes durante o estágio probatório. Essa fase corresponde aos três anos iniciais da carreira das servidoras quando elas são avaliadas para conseguir a estabilidade. Por lei, as gestantes têm direito a seis meses de licença maternidade. Esse tempo de afastamento, porém, não entra na contagem.

Hoje quando retornam ao trabalho as servidoras municipais gestantes são obrigadas a repor o período de afastamento em virtude da concessão de licença, provocando atrasos no desenvolvimento de suas carreiras em comparação às demais servidoras.

Além da licença maternidade, o projeto do executivo também passa a validar os períodos de afastamentos como licença paternidade e a licença adoção também chamada de guarda.

A reivindicação foi encaminhada ao prefeito Fernando Haddad pela vereadora Juliana Cardoso (PT) e atendeu aos pedidos formulados pela ONG Artemis e pela Associação dos Auditores Fiscais da Prefeitura. “Esse projeto de lei encaminhado pelo prefeito Haddad corrige uma grave violação dos direitos das mulheres que hoje são punidas por engravidarem e que são prejudicadas na evolução das suas carreiras públicas”, declarou a vereadora Juliana Cardoso.

A Constituição Federal considera a proteção à maternidade e à infância como direito social e estabelece como direito da trabalhadora a licença à gestante sem prejuízo do emprego e do salário.

Na esfera estadual a reivindicação foi aprovada na Assembléia Legislativa, mas o governo do estado vetou o artigo da inclusão da licença maternidade no cálculo do estágio probatório. Os deputados estaduais derrubaram o veto e o governo Alckmin entrou com recurso para barrar esse dispositivo no Supremo Tribunal Federal (STF) que ainda não se pronunciou.

Leia também:

Kenarik Boujikian: STF assumiu para si a desumanização desenfreada do sistema penitenciário

Investigação VIOMUNDO

Estamos investigando a hipocrisia de deputados e senadores que dizem uma coisa ao condenar Dilma Rousseff ao impeachment mas fazem outra fora do Parlamento. Hipocrisia, sim, mas também maracutaias que deveriam fazer corar as esposas e filhos aos quais dedicaram seus votos. Muitos destes parlamentares obscuros controlam a mídia local ou regional contra qualquer tipo de investigação e estão fora do radar de jornalistas investigativos que trabalham nos grandes meios. Precisamos de sua ajuda para financiar esta investigação permanente e para manter um banco de dados digital que os eleitores poderão consultar já em 2016. Estamos recebendo dezenas de sugestões, links e documentos pelo [email protected]

R$0,00

% arrecadado

arrecadados da meta de
R$ 20.000,00

90 dias restantes

QUERO CONTRIBUIR

 

Nenhum Comentário escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Deixe uma resposta