VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.

Sucesso do Carnaval de SP não foi geração espontânea

11 de fevereiro de 2016 às 18h03

Captura de Tela 2016-02-11 às 18.02.23

Por que o Carnaval de rua de São Paulo “pegou”?

A gestão Haddad liberou e deu estrutura aos blocos, antes proibidos; carnaval de rua de 2016 rendeu R$ 400 milhões à cidade

Por Marcela Petrere, Agência PT, em 11 de fevereiro de 2016 às 12:13:00

sugestão do Lino Bocchini

Quem mora em São Paulo ou acompanha o carnaval da cidade fica com a impressão de que o paulistano acordou para a folia de uns anos para cá. Não é bem assim.

Até a gestão municipal anterior, a Prefeitura autorizava apenas um pequeno número de blocos a saírem para as ruas. Os demais eram reprimidos.

A incompreensão era tamanha que um bloco como o Acadêmicos do Baixo Augusta, que este ano reuniu mais de 40 mil pessoas e teve a atriz Alessandra Negrini como sua madrinha, chegou a ser reprimido pela Prefeitura em 2012, e sequer pôde sair às ruas, ficando confinado em um estacionamento.

Logo nos primeiros dias da atual gestão, o então secretário da Cultura e hoje ministro Juca Ferreira convocou os blocos até então proibidos que desejavam sair e liberou a rua para todos.

“Nosso papel não é reprimir. Nosso papel é gerar uma infraestrutura e o sistema regulatório para garantir que a celebração do Carnaval seja aberta a todos”, disse Ferreira à época.

Ano após ano o número de blocos foi aumentando, e a estrutura fornecida pela prefeitura também.

Reclamações de sujeira, falta de banheiros e excessos de pessoas praticamente inexistiram em 2016. Isto porque a Prefeitura, agora com o secretário Nabil Bonduki à frente, mobilizou uma enorme estrutura para garantir que a folia ocorra em paz e que o restante da população também seja respeitado.

A prefeitura fornece banheiros químicos, gradis, segurança e ambulâncias, entre outros. A organização começou há seis meses e envolveu 14 secretarias municipais.

Como resultado, mais de um milhão de pessoas foram aos blocos nos primeiros dez dias de festa, de acordo com estimativa da Prefeitura. O carnaval de rua já é o evento turístico mais lucrativo da cidade, ao gerar mais receita e atrair um público de fora maior do que a Fórmula 1, que até então ocupava esse posto.

Foram 139 desfiles nos dias 29, 30 e 31 de janeiro e 147 no feriado. No final de semana pós Carnaval, acontecem mais 88 desfiles, até 14 de fevereiro. Até o final da programação, a Prefeitura espera totalizar 2 milhões de foliões.

Um dos principais diferenciais do novo carnaval de rua de São Paulo é que a participação na folia é gratuita. São proibidas cordas e a venda de abadás ou de qualquer outra vantagem ou acesso “VIP”, como acontece em outras capitais, como Salvador.

“Paulistanos podem, a custo zero, se divertir nas ruas, transformando o espaço público em lugar de festa, sociabilidade, namoro e liberdade”, disse o secretário de Cultura, Nabil Bonduki.

A política para o carnaval de rua e a atuação de Nabil são parte do projeto da gestão Haddad para o município, tornando São Paulo uma cidade em que as pessoas sejam as protagonistas do espaço público –como já acontece no caso das ciclovias, das ruas abertas à população etc.

A não cobrança em nada atrapalha a geração de renda, uma vez que hotéis, restaurantes táxis, estacionamentos, bares e toda a cadeira econômica envolvida ganham um tremendo estímulo. O Carnaval de rua já dá mais retorno à cidade até do que os desfiles no sambódromo. A SPturis, órgão municipal de turismo, estima superar a meta de arrecadação de R$400 milhões em negócios gerados pelos blocos, enquanto os desfiles oficiais devem render R$ 250 milhões.

Este ano, a prefeitura ofereceu cerca de R$ 40 milhões para as escolas de samba, blocos e cordões carnavalescos ligados à Liga das Escolas de Samba. Já os blocos independentes receberam R$ 10,5 milhões, sendo 35% verbas de patrocinadores. Em comparação com 2015, os investimentos no Carnaval de rua cresceram 66%.

Além do crescimento de 32% no número de blocos, o destaque da festa deste ano foi a descentralização das atrações. Os desfiles aconteceram por 23 subprefeituras e o número de blocos na periferia cresceu 44%. Pela primeira vez, por exemplo, a programação incluiu Sapopemba e Guaianases, na zona leste.

“É quarenta vezes mais de receita do que de despesa. A cada R$ 1,00 investido, a cidade tem R$ 40 de retorno, sem incluir o desfile”, explicou Fernando Haddad. E completa: “pessoas vieram para São Paulo e outras deixaram de sair daqui para curtir a festa. Em muito pouco tempo São Paulo será um destino turístico do Carnaval”.

“É quarenta vezes mais de receita do que de despesa. A cada R$ 1,00 investido, a cidade tem R$ 40 de retorno, sem incluir o desfile”, explicou Fernando Haddad

Nabil resume a folia paulistana: “o espírito desse Carnaval nasceu de baixo para cima, de forma espontânea, sem a paternidade e tutela do Estado”. Ou seja, o paulistano sempre gostou de Carnaval. Mas só agora a Prefeitura deixou a festa rolar.

Leia também:

Secretário de Alckmin admira o idealismo do Isis

O livro da blogosfera em defesa da democracia - Golpe 16

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.

Compre agora online e receba na sua casa!

 

2 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Sidnei Brito

12/02/2016 - 15h52

É só não deixar a Globo tomar conta que a coisa engrena.

Responder

FrancoAtirador

11/02/2016 - 19h10

.
.
Isso se chama “Quebra do Monopólio Empresarial
.
das Escolas de Samba da Mídia Jabáculê do PSDB.
.
.

Responder

Deixe uma resposta