VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.

Santayana: Se não se convocar a razão e o bom senso, o Brasil terá a cara de Moro e Bolsonaro

14 de janeiro de 2016 às 15h59

moro, o diabo e bolsonaro

O diabo e a garrafa. Os riscos da ascensão da antipolítica

Mauro Santayana, na Rede Brasil Atual, via seu blog

Em pleno processo de impeachment, e de julgamento no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), das ações envolvendo a chapa vitoriosa nas últimas eleições, a situação da República tem sido marcada pela espetacularização de um permanente “pega para capar” jurídico-policial, a ascensão da “antipolítica”, o aprofundamento da radicalização e a fascistização do país.

Políticos e empresários têm sido presos —  muitos por ilações frágeis ou exagerado rigor cautelar –, enquanto outros homens públicos e bandidos e delatores premiados apanhados com milhões de dólares na Suíça circulam livremente ou estão em prisão domiciliar.

Milhares de brasileiros acreditam piamente que o Brasil é um país quebrado e destruído, quando temos as sextas maiores reservas internacionais do mundo e somos o terceiro maior credor individual externo dos Estados Unidos.

Que um perigoso “bolivarianismo” pretende implementar uma ditadura de esquerda na América Latina, quando, seguindo os ritos democráticos normais, e sob amplo acompanhamento de observadores internacionais, a oposição liberal acaba de ganhar, pelo voto, as eleições na Venezuela e na Argentina.

Que o Brasil é um país comunista quando pagamos juros altíssimos, e somos, historicamente, dominados, na economia e na política, por um dos mais poderosos sistemas financeiros do mundo, pelo agronegócio e o latifúndio, por bancos e empresas multinacionais.

Discutindo na mesa de pôquer da sala de jogos do Titanic, envolvidos por suas disputas, e por uma rápida sucessão de fatos e acontecimentos, que têm cada vez mais dificuldade em digerir e acompanhar, os homens públicos brasileiros ainda não entenderam que a criminalização da política, criada por eles mesmos, como parte de uma encarniçada e deletéria disputa pelo poder, há muito extrapolou o meio político tradicional, espalhando-se, como o diabo que escapa da garrafa, como uma peste pela sociedade brasileira, na forma de uma profunda ojeriza, preconceito e desqualificação do sistema político, e daqueles que disputam e detêm o voto popular.

Se não se convocar a razão e o bom senso, para reagir ao que está acontecendo, e se estabelecer um patamar mínimo de normalidade político-institucional, tudo o que restará será o confronto, o arbítrio e o caos.

Está muito enganado quem acha que o mero impedimento de Dilma Rousseff resolverá a questão.

No final da década de 20, os judeus conservadores comemoravam, da varanda de suas mansões, na Alemanha, o espancamento, nas ruas, de esquerdistas e socialistas, pelos guardas de grupos paramilitares nazistas como as SS e as SA, e se regozijavam, em seu íntimo, por eles os estarem livrando da ameaça bolchevista.

Depois também viram passivamente — achando que estariam resguardados por suas fortunas —  passar sob suas janelas, as filas de operários e pequenos comerciantes judeus a caminho dos campos de concentração — até chegar a sua vez de ocupar, como sardinhas em uma lata, o seu lugar nas câmaras de gás.

Poucas vezes, na história, o efeito bumerangue costuma poupar aqueles que, como aprendizes de feiticeiro, se atrevem a cutucar o que está dentro da caixa de Pandora.

Depois de Dilma e do PT, seria a vez de Temer, e depois de Temer virão os outros — todos os partidos e lideranças que tenham alguma possibilidade de alcançar o poder, por via normal.

Parafraseando Milton Nascimento, na política brasileira “nada será como antes amanhã”.

O Brasil que se seguirá à batalha sem quartel e sem piedade, levada a cabo pela oposição nos últimos anos e meses tendo como fim a destruição e total aniquilamento do PT —  cujas principais vítimas não serão esse partido, mas o Estado de Direito, o presidencialismo de coalizão, a governabilidade e a própria Democracia — não terá a cara do Brasil do PSDB de Serra, de Aécio, ou de FHC, mas, sim, a de Moro e a de Bolsonaro.

A do messianismo, da vaidade, da onipotência e do imponderável, e a do oportunismo e do fascismo — e aqui não nos referimos ao velho fascio italiano — em seu estado mais puro, ensandecido e visceral.

Leia também:

Contra o Brasil de Fato, Aécio tenta a censura pelo bolso

O livro da blogosfera em defesa da democracia - Golpe 16

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.

Compre agora online e receba na sua casa!

 

18 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Acyr Ramos

20/01/2016 - 02h01

O que vejo aqui em Curitiba é bem preocupante, o “homem de preto” virou herói, vai em supermercados, é visto, anunciado por alguém, logo em seguida, ovacionado, aplaudido, a turba fica histérica, faz corrida de manhã em
parques, para ser reconhecido, aplaudido. Pobre do país que precisa de heróis. Lembro de 1986, ainda assinante
da Veja, a capa da revista ” O caçador de Marajás” e a figura de jovem governador de um estado pequeno do nor-
deste (Alagoas), daí em diante as reportagens da revista e outras mídias, construindo o mito, o salvador da pátria.
E assim foi, o resto todos sabemos. Hoje a história se repete, o magistrado em plena campanha política, o Collor
de toga.Aqui na replubica do Parana, temos desvios monstruosos de verbas de construções de escolas, verbas estas
do governo federal, e onde o M.P.F. a Justiça Federal, como envolve o governo do P.S.D.B. não vem ao caso. Existe
um caso interessante que retrata bem como aqui é provinciano. Houve o assassinato de 2 jovens atropelados por
um ex-deputado, filho de tradicional família. O cidadão, embriagado, dirigia a 170 km, participava de um racha
com alguém importante na política local. No dia seguinte os radares da via onde foi o acidente, desapareceram
o posto de gasolina que havia na esquinado local do acidente, desapareceu. Certos fatos aqui lembra o oeste
americano, ou então os coronéis do nordeste. Aqui, ainda imagina ser uma cidade de primeiro mundo.
Pobre Curitiba, pobre povo curitibano

Responder

Rafael

19/01/2016 - 12h14

Muito bonito o texto, o juiz é midiatico, há toda uma seletividade e direcionamento no processo, mas a corrupção na empresa é um fato sim senhor e lugar de bandido é a cadeia, a analogia com os judeus vale no momento,pois esses metódos sempre foram presentes com o andar de baixo, agora que virou absurdo?

Responder

Mário SF Alves

18/01/2016 - 23h39

“Mallanaga

17/01/2016 – 21:14″
______________________
17/01/2016? Falando sozinho, Mállaga?
___________________________________________
Que vácuo, não? Ah, sim, de fato, a corrupção é o mal maior que sempre assolou esse real e potencialmente riquíssimo país de – até 2003 – 70% de sua população constituída por excluídos. Sim, é isso que atualmente e diuturnamente vem pregando a “límpida” e “transparente” mídia corporativa oposicionista.
____________________________________________________
E precisa ser esquerdista para entender isso?

Responder

Robson

15/01/2016 - 22h26

Há alguns meses atras, o advogado, ex-presidnte da OAB/RJ e deputado federal Wadith Damous ja tinha dado o recado sobre o fascismo do magistrado instalado na Republiqueta de Curitiba!!! https://youtu.be/ZuxvgfGMat4

Responder

Rodrigo

15/01/2016 - 17h22

“Milhares de brasileiros acreditam piamente que o Brasil é um país quebrado e destruído, quando temos as sextas maiores reservas internacionais do mundo e somos o terceiro maior credor individual externo dos Estados Unidos.”

Grandes bos*** ter reserva ou ser credor americano enquanto o desemprego assola grande parte das familias, que não aguenta mais pagar luz, água, gasolina e ônibus.

Quer defender o governo, defenda, é seu direito. Mas não venha querer enganar a população com números que no fundo não dizem nada.

Responder

Urbano

15/01/2016 - 14h38

Só que a razão e o bom senso estão que não se sustentam nas pernas, prestes a se borrarem… Caso haja alguma outra conclusão, até agora não encontrei, por mais que eu prense ao máximo os parcos neurônios.

Responder

Sidnei Brito

15/01/2016 - 10h01

Alemanha? Década de 1920? Judeus? Nazismo? Que nada! O autor poderia ter lembrado aos amigos do PSDB e seus satélites é do Brasil de 1964.
A velha UDN era a chamada “vivandeira de quartéis”, sempre pronta a apoiar a intervenção militar com o único objetivo de “limpar a política” dos que realmente tinham votos, só para deixar o campo livre para gente como Carlos Lacerda, candidatíssimo a presidente após a realização do “saneamento” pelos militares.
Adhemar de Barros e mesmo Juscelino também sonhavam em se dar bem com a “intervenção cirúrgica” dos militares que iriam, em meses, devolver alegremente o poder para os políticos de verdade.
Não somente os militares ficaram vinte anos, como a UDN e demais partidos foram extintos e Lacerda, Juscelino e Adhemar foram cassados e perseguidos. Em poucos anos, o algoz Lacerda estava buscando se unir até à sua vítima Jango para lutar contra o arbítrio.
Não é razoável supor que todo esse ativismo de Moro, MPF e PF em conluio com a mídia seja só com o objetivo de jogar o poder central nas mãos do PSDB ou políticos em geral. Com o diabo fora da garrafa, não vai ser nada difícil para esses meninos em dois tempos destruir os tucanos – lembrando que, de acordo com dados oficiais (lista TSE, ficha suja etc.), a tal corrupção do PT chega, em alguns casos, a ser quase residual perto da do PSDB e de seus principais aliados.

Responder

Lukas

14/01/2016 - 21h26

Anos atrás, o perigo era Joaquim Barbosa.

Responder

    FrancoAtirador

    15/01/2016 - 15h56

    .
    .
    Ficou melhor pra tua KKK.
    .
    Agora vocês têm um Juiz
    .
    Branco da Raça Ariana.
    .
    .

FrancoAtirador

14/01/2016 - 20h56

.
.
NUNCA ANTES NA HISTÓRIA DO MUNDO
.
FOI TÃO VÁLIDA A APLICAÇÃO DO DITADO:
.
‘A PROPAGANDA É A ALMA DO NEGÓCIO’
.
Se não for cortada a Cabeça Midiática da Hidra do Capital Financeiro,
.
de nada adiantará cortar a Cabeça Política Partidária, pois renascerá.
.
.

Responder

Messias Franca de Macedo

14/01/2016 - 19h18

Um pouco sobre vazamentos e ‘vazamentos’!

… Vazamento de gás é um risco imensurável!
Vazamento de óleo no oceano é um perigo ao meio ambiente!
Vazamento de água, um desperdício abominável!
Vazamento de ‘pum’ num elevador, “um desastre”!
Vazamento num telhado, é pingueira, que perturba “pra Dedel”!
(…)
‘O vazamento’ dos nomes dos correntistas brasileiros do Suiçalão não deverá contar com a celeridade e diligência do PIG!
(…)
Mas, ‘os vazamentos [seletivos]’ “das delações que estão sob segredo de Justiça” no Petrolão dos golpistas… Aí, pode!
Pasme: a Ilegalidade ‘vazada’ nas barbas da Legalidade!
Tudo em nome do ‘golpe jurídico-midiático que se arrasta desde o antanho do Mentirão’!

14 de janeiro de 2016!
E até hoje ‘nois’ não sabemos, afinal, que país é esse!…

Responder

    Mallanaga

    17/01/2016 - 21h14

    Parece que não leram a nota da Associação dos Juízes Federais do Brasil sobre a Operação Lava Jato.

    Resumo geral:

    Sobre os que estão acostumados com a impunidade:
    “A quebra de um paradigma vigente na sociedade nunca vem desacompanhada de manifestações de resistência. Gritam e esperneiam alguns operadores desse frágil sistema que se sentem desconfortáveis com a nova realidade nascente.”

    Referente aos que criticam a lisura do processo:
    “Aqueles que não podem comprovar seu ponto de vista pela via do Direito só têm uma opção: atirar ilações contra a lisura do processo. Fazem isso em uma tentativa vã de forjar na opinião pública a impressão de que a prisão é pena excessiva para quem desviou mais de R$ 2 bilhões”

    Para os que pensam se tratar de um “processo de inquisição político-partidário”:
    “A Lava Jato não corre frouxa, isolada, inalcançável pelos mecanismos de controle do Poder Judiciário. Além de respaldada pelo juízo federal de 1º grau, a operação tem tido a grande maioria de seus procedimentos mantidos pelo Tribunal Regional Federal da 4ª região (TRF4), pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) e pelo Supremo Tribunal Federal (STF).”

    Essa é para quem pensa que o Juiz é “midiático”:
    “Sobre os supostos “vazamentos” de informações sigilosas, destaca-se que os processos judiciais, em regra, são públicos e qualquer pessoa pode ter acesso, inclusive às audiências, salvo nas hipóteses de segredo de justiça de acordo com as previsões legais dos artigos 5º, LX, e 93, IX da Constituição.A publicidade dos processos e das decisões judiciais visa exatamente a garantir o controle público sobre a atividade da Justiça.”

    Finalizando:
    “Os magistrados não sucumbirão àqueles que usam o Direito e Justiça para perpetuar impunidades sob o manto do sagrado direito de defesa.”

    PS – O choro é livre (zero)esquerdistas!!!

    http://www.ajufe.org/imprensa/notas-publicas/nota-publica-da-associacao-dos-juizes-federais-do-brasil-sobre-a-operacao-lava-jato/

    Fernando Cavalcanti

    18/01/2016 - 15h21

    Sou a favor de todo e qualquer vazamento. É preciso saber o que andaram fazendo com nosso dinheiro. E se roubaram, que paguem. É simples assim.

Mauricio Gomes

14/01/2016 - 18h10

Terá? Olhem o que está ocorrendo em SP e digam se já não estamos em uma república boçalnariana de extrema direita e fascista…

Responder

roberto

14/01/2016 - 18h00

A mistura de Moro com Bolsonaro, vai dar o generalíssimo BolsoMoro, mesclando as demências de Hermann Goering e Adolph Hitler, mas, subdesenvolvidos e com sangue mameluco.

Responder

CaRLos

14/01/2016 - 17h22

Eu sinto a mesma coisa. Mas é aquela história: o povo está se deixando levar pela mídia perversa, mal sabendo que a maior regressão virá na vida dele. Tantas conquistas sociais a população mais pobre e média tiveram. Perderão tudo isso. A nova dona do salão de cabeleireiro, voltará a ser empregada doméstica e se desfazer de seu carrinho; o pedreiro, virará um biscateiro dos ricos; os afrodescendentes verão tardiamente a importância das cotas raciais; os imóveis comprados na faixa dos 25/30 anos, não passará de um sonho impossível. O pobre terá que voltar a “se colocar em seu devido lugar”. Hoje eu estava vendo um caixa de uma padaria, um gari e um balconista, xingando a presidente e o ex-presidente, dizendo que eles acabariam com a aposentadoria do pobre e que o pobre ia ter que trabalhar até morrer. Quem envenenou de tal maneira essas pessoas? E olha que eles estavam empregados. Imagine o ódio daqueles que perderam o empregado.

Responder

Deixe uma resposta