VIOMUNDO

Lista de brasileiros correntistas do HSBC na Suíça será entregue à CPI

14 de janeiro de 2016 às 18h05

HSBC

Lista de correntistas brasileiros do HSBC na Suíça será entregue à CPI

Karine Melo – Repórter da Agência Brasil

O governo francês aceitou o pedido da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do HSBC, do Senado, e decidiu que vai compartilhar os dados de correntistas brasileiros do banco na Suíça, vazados no escândalo conhecido como SwissLeaks.

O material já está com a Receita Federal e a Procuradoria-Geral da República.

“Ao contrário do que diziam, a CPI está renascendo das cinzas. A partir das informações oficiais, a investigação pode avançar com segurança”, afirmou o relator da comissão Ricardo Ferraço (PMDB-ES).

Em julho de 2015, as autoridades francesas negaram o acesso da CPI aos dados sob o argumento de que a comissão não teria poder criminal, prerrogativa do acordo de cooperação com o Brasil para o compartilhamento de dados.

Sem sucesso nos requerimentos para obter os dados, no mês passado os senadores, que compõe a grupo, decidiram antecipar o fim  dos trabalhos.

Ferraço, no entanto, por discordar da medida, não havia apresentado ainda o relatório final dos trabalhos, cuja votação oficializaria o fim dos trabalhos da CPI.

Para o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), autor do requerimento de criação da comissão, os dados darão uma sobrevida aos trabalhos do grupo, que tem até o dia 30 abril para serem concluídos.

“Foi uma CPI péssima, onde a maioria de seus membros só se dedicou a obstruir as investigações. Ocorre que a principal argumentação que se fazia para que as investigações não avançassem era que a CPI não tinha dados oficiais da França. Essa desculpa, desde ontem, está sepultada. Agora não tem mais desculpa para não convocarmos e avançarmos nessas investigações”, disse.

“Isso era o que estávamos perseguindo desde o início da CPI para dar prosseguimento às investigações. Agora, com essa legalização da lista, temos como aprofundar e avançar na análise dos dados e nas quebras de sigilos necessárias”, disse o presidente da CPI, senador Paulo Rocha (PT-PA).

A CPI do HSBC foi instalada em 24 de março de 2015, depois que arquivos vazados da filial suíça do banco mostraram a movimentação de mais de US$ 100 bilhões.

Parte desse valor, US$ 7 bilhões, foi distribuída em 5.549 contas abertas por clientes brasileiros.

Edição: Maria Claudia

Santayana: A garrafa, o diabo e  o risco da ascensão da antipolítica

 

6 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Benedito 17

15/01/2016 - 12h02

Vazou um nome, o apresentador Carlos Massa, o Ratinho do SBT, por ai vcs concluem, um analfabeto e iguinorante desses foi horientado a evasão de divisas, deve ter cido por profisionais imaginem o Fausto Silva, só para se ter uma idéia. E grandes empresas estão com a puga atrás da orelha.

Responder

Mineirim

14/01/2016 - 21h27

Não acredito em CPI. Vai dar em nada. As forças contrárias são muito fortes. Basta ver o que deu aquilo que chamaram (em outra instância, claro) inicialmente de operação zelotes: mudaram o rumo e o que ela se propunha foi para o saco.

Responder

FrancoAtirador

14/01/2016 - 21h07

.
.
Entrementes, acaba de ser Sancionada a Lei do REFIS das Contas Secretas no Exterior.
.
.

Responder

Deixe uma resposta