VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.

João Telésforo: Lula e o PT, vítimas ou algozes?

05 de março de 2016 às 11h32

Captura de Tela 2016-03-05 às 11.28.03

Lula e o PT: vítimas ou algozes?

04/03/2016

Por João Telésforo, Brasil em 5

Helipóptero, trensalão tucano e outros tantos casos evidenciam filtros de seletividade política do sistema penal, extremamente leniente (para não dizer conivente) com PSDB, Aécio, Alckmin e companhia.

Por que com o PT o tratamento não é exatamente assim? Por ter incomodado um pouco os donos do poder, mesmo que sem mexer no grosso de seu estoque de riqueza e estruturas de dominação?

Pelo fato de o PT ainda representar em parte, devido às suas origens e apesar de tudo, uma ideia de esquerda e de luta popular que se busca destruir? Talvez por um somatório dos dois fatores. A pergunta que vejo como fundamental neste cenário, porém, é outra.

Lula e o PT lambuzaram-se em suas alianças com o poder econômico, mas não é o populismo penal que trará soluções para o problema da corrupção e da captura do Estado por grandes grupos empresariais.

Não podemos aceitar o abuso evidente e a espetacularização da operação de hoje, de condução coercitiva do ex-Presidente Lula.

Seria um erro grotesco e catastrófico supor que o atropelamento de direitos e garantias fundamentais e a hipertrofia do Estado penal-policial possam nos conduzir à construção de um país mais democrático.

Porém, igualmente impotente seria tomar esse caso (e o contexto que o envolve) como isolado, como se o PT fosse a principal vítima desse sistema, e não tivesse qualquer responsabilidade por sua manutenção e recrudescimento.

Eis a pergunta, então: o que Lula, Dilma e o PT fizeram ou mesmo tentaram fazer, nesses anos todos, para frear a hipertrofia neoliberal do Estado policial e democratizar a justiça?

O brutal ritmo de crescimento da população carcerária dá uma ideia da opção petista pelo caminho de endurecimento do Estado penal-policial, e não pela ampliação de garantias cidadãs, democráticas, muito menos pelo controle popular do sistema de justiça e reversão da lógica punitivista.

Essa opção radicalizou-se no cenário de acirramento das lutas de classes cristalizado em Junho-2013: o governo petista não apenas deu as costas à demanda de desmilitarização das polícias, que as ruas apresentavam com vigor, como buscou acordos com o PSDB, o PMDB e a grande mídia para ampliar a criminalização de manifestações e lutadores/as sociais.

Aqui no DF, sentimos isso na pele durante o governo Agnelo, que chegou ao cúmulo de levar adiante processo de criminalização de uma militante do MTST por “dano contra o patrimônio”, por supostamente ter queimado pneus para paralisar uma via (a alegação era de dano ao asfalto!), em uma manifestação cidadã totalmente pacífica (e sem qualquer dano ao patrimônio), na véspera da abertura da Copa das Confederações.

No Rio, em governo que o PT não apenas apoiava, mas compunha, as violações a todo tipo de direitos e à democracia foram múltiplas. E a ofensiva segue, com a aprovação da Lei supostamente destinada a combater o terrorismo, enviada pela Presidenta ao Congresso (relembrando: atos terroristas como homicídio, sequestro e outros, já são criminalizados pela lei brasileira; não há histórico de terrorismo nas últimas décadas por aqui, a não ser o do Estado; a Lei, com seus comandos abertos, traz riscos evidentes de ser utilizada para criminalizar lutas democráticas).

Os grandes grupos midiáticos funcionam também como parte desse aparato repressor: promovem todos os dias a espetacularização do arbítrio e da violência policial, em sua rotina de disciplinamento e criminalização de comunidades da periferia, de “favelados”, da juventude negra.

Mais um enfrentamento que Lula, Dilma e o PT não fizeram: ao oligopólio da mídia, que contraria dispositivos esquecidos da Constituição de 1988, proibindo a propriedade cruzada de meios e o coronelismo eletrônico.

O PT paga o preço pela falta de projeto e de enfrentamento em torno dele, pela opção política pela conciliação conservadora com as estruturas de poder.

Mas o problema mais grave é que as maiorias sociais pagam um preço muito maior, diante da rotina de violência, segregação, desigualdade, negação de direitos. Se o governo Dilma não apresenta qualquer saída para essa crise estrutural, retomar os anos Lula tampouco seria solução.

O PT já escancarou os limites de sua virtude política mudancista, já aceitou até mesmo, como ficou mais nítido depois de Junho, atuar como algoz das lutas populares, quando necessário para a manutenção da ordem da qual é um dos pilares de sustentação (ainda que sua posição nessa ordem, mesmo após quatro vitórias presidenciais, não seja tão cômoda quanto a das velhas oligarquias). Se não nos cabe, portanto, festejar abusos contra Lula e o PT – muito pelo contrário, é preciso denunciá-los -, não podemos novamente referendá-los como alternativa de enfrentamento à ordem que resolveram compor organicamente.

Se a experiência petista de governo nos ensina algo nesse aspecto, inclusive em seus tons dramáticos, é que não se pode construir um projeto popular de país sem enfrentar os aparatos autoritários, classistas, racistas e patriarcais do sistema penal-policial.

As alternativas “amarelas” que imaginam ser possível, mais uma vez, apenas utilizar esse aparato a “nosso favor” (de quem?), estão condenadas a fracassar novamente nesse intento. A reprodução obsessiva da lógica do inimigo, o fetiche da cadeia como solução, mais cedo ou mais tarde apareceria para cobrar a conta.

Para construir um Brasil de suas gentes, é necessário apostar em outra qualidade de poder, inclusive no que diz respeito ao sistema de justiça e à polícia, e não apenas investir na (aparente) tomada dos velhos aparatos que aí estão.

Leia também:

Fernando Morais se apresenta a Moro como testemunha de palestras

O livro da blogosfera em defesa da democracia - Golpe 16

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.

Compre agora online e receba na sua casa!

 

14 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Fulvio Costa

06/03/2016 - 17h49

Perfeito o texto, um oásis nessa polarização insuportável da política brasileira. O Viomundo é um dos únicos sites progressistas que não estão investindo no “nós contra eles” vigente desde 2013, que só despolitiza e simplifica a realidade. Parabéns Viomundo pela honestidade intelectual de não tratar os leitores como membros de torcidas organizadas, cada dia mais respeito e admiro o querido Azenha pelo conteúdo desse site.

Responder

mineiro

06/03/2016 - 11h02

o fantoche de pres. o lula e o pt tem que olhar bem essa e parar para pensar quem sao eles de verdade. de que lado estao esses vermes ai abraçado com o lula , é uma coisa para pensar , refletir e tirar muitas conclusoes e tambem pedir desculpas ao povo , aos movimentos sociais que muitos do pt bundao covarde perseguiu para defender esses mesmos vermes que hoje quer o poste fora do governo e o lula preso. se o pt e o lula nao aprendeu nada com isso tudo , nao aprende mais nao. o povo esta com o lula , mas o lula nos deve desculpas pelas coisas que ele fez em prol do pacto desgraçado ,facista , nazista de classe. isso ele deve desculpas a todos nos por isso.

Responder

Sérgio

06/03/2016 - 03h07

Se o PT e o Lula tivessem feito aquilo que todos queremos e queríamos, não teria durado dois anos no poder. Feliz, ou infelizmente, o Brasil não é um pequeno País sem riquezas, é um continente extremamente rico em todos os sentidos. Tem que ser mesmo pelas beiradas, devagar. Não será de outra maneira. Entre os muitos pecados do PT no governo (as alianças com os capetas), o maior foi não ter investido tudo na educação fundamental. Esperamos que o Lula e o Partido tenham aprendido isso e voltem para fundamentar as mudanças que tiveram um pequeno começo, mas já foi um começo. Os interesses externos, principalmente estes, não vão largar esse osso fácil, não. A classe média brasileira ficou de cabelos em pé por muito pouco. Não é uma coincidência as panelas Inox estarem fazendo tanto barulho.
Quero repetir também a frase do João Sem Medo Saldanha: _ A esquerda brasileira só se reune na cadeia.

Responder

mineiro

05/03/2016 - 21h19

que o pt e o lula ta pagando um preço caro pela conivencia com o conservadorismo , a elite e o pig ,isso nao a menor duvida disso. agora ele sentiu na pele o que sao esses facistas de verdade , se é que depois dessa crise ele nao voltar a pactualizar-se com eles de novo, nao pode duvidar de mais. que o pt e o lula vendeu a alma ao diabo para se manter no poder , tambem nao menor duvida disso e que a pior coisa que fez depois de enfiar a sathiagara naquele lugar foi fabricar esse poste maldito de pres. os golpistas botou as mangas de fora foi quando , para agradar os vermes , ele proprio o lula , demitiu o lacerda , o protogenes e o d’ sanctis . se a quem se responsabilize por isso tudo e o poste em primeiro lugar , depois o lula e o pt , eles sao responsaveis por isso tudo que esta acontecendo agora. agora so falta retomar o caminho de volta e tambem a credibilidade , porque ta dificil acreditar nisso.

Responder

claudius

05/03/2016 - 16h24

Perfeito !!!

Responder

FrancoAtirador

05/03/2016 - 13h34

.
.
Humor Sarcástico
.
“Cuidados foram tomados para preservar,
durante a diligência, a imagem do ex-Presidente”
.
JUIZ SERGIO MORO
13ª VARA FEDERAL DE CURITIBA-PR
.
.
PIADA MACABRA DE FIM-DE-SEMANA
.
Nota oficial da 13ª Vara Federal de Curitiba
.
A pedido do Ministério Público Federal, este juiz autorizou a realização de buscas e apreensões e condução coercitiva do ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva para prestar depoimento.
Como consignado na decisão, essas medidas investigatórias visam apenas o esclarecimento da verdade e não significam antecipação de culpa do ex-Presidente.
Cuidados foram tomados para preservar, durante a diligência, a imagem do ex-Presidente.
Lamenta-se que as diligências tenham levado a pontuais confrontos em manifestação políticas inflamadas, com agressões a inocentes, exatamente o que se pretendia evitar.
Repudia este julgador, sem prejuízo da liberdade de expressão e de manifestação política, atos de violência de qualquer natureza, origem e direcionamento, bem como a incitação à prática de violência, ofensas ou ameaças a quem quer que seja, a investigados, a partidos políticos, a instituições constituídas ou a qualquer pessoa.
A democracia em uma sociedade livre reclama tolerância em relação a opiniões divergentes, respeito à lei e às instituições constituídas e compreensão em relação ao outro.
Curitiba, 05 de março de 2016.
SERGIO FERNANDO MORO
Juiz Federal
.
https://pbs.twimg.com/media/Ccy24K8WAAAZ0Z-.jpg
.
.

Responder

Caracol

05/03/2016 - 13h21

E tem outra coisa:
JAMAIS em minha vida fui prejudicado, acossado, enganado, roubado, assaltado e nem mesmo ameaçado por um marginal, um favelado, um traficante, um bicheiro ou qualquer bandido pé-rapado.
JAMAIS.
No entanto, TODOS os dias sou enganado, prejudicado e roubado por alguns dos representantes da classe média pra cima, sejam eles médicos, industriais, engenheiros, advogados, empresários, comerciantes e principalmente políticos.
Tutto buona gente. Na verdade um bando de bandidos brancos, ricos, afluentes, gente fina, tudo educado e com diploma, na verdade um bando de cafajestes.
E ta tudo solto por aí.

Responder

    Caracol

    06/03/2016 - 08h19

    Esqueci de relacionar os jornalistas e comentaristas cafajestes.

Bacellar

05/03/2016 - 13h18

Reserva de pluralidade, Viomundo? Hehehehe…

Responder

henrique de oliveira

05/03/2016 - 11h50

O PT acreditou nas merdas dos partidos coligados.

Responder

    lulipe

    05/03/2016 - 17h00

    Acreditou porque convinha a ele, pelo poder, o PT se alia a Fernandinho Beira-Mar e Marcola, sabe de nada inocente!!!

Deixe uma resposta