VIOMUNDO

Ministro da Justiça de FHC diz que nunca viu condução coercitiva antes de convocar depoente

04 de março de 2016 às 18h59

Captura de Tela 2016-03-04 às 18.46.04

Ministro da Justiça de FHC vê ‘exagero’ em ação da PF contra Lula

Mariana Schreiber

Da BBC Brasil em Brasília

Dois juristas, ex-integrantes do governo Fernando Henrique Cardoso, criticaram, em entrevista à BBC Brasil, a condução coercitiva do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para depor à Polícia Federal na manhã desta sexta-feira. Ambos também consideram errados os recentes vazamentos de documentos sigilosos da operação Lava Jato, que investiga esquema de corrupção na Petrobras.

A medida contra Lula foi determinada pelo juiz Sérgio Moro, responsável pela condução da Lava Jato na Justiça Federal do Paraná. O ex-presidente é investigado por supostamente ter sido favorecido por empreiteiras envolvidas no esquema de corrupção da Petrobras, por meio de doações e contratações em palestras e com reformas de imóveis. Lula nega e diz que não é dono das propriedades investigadas.

No total foram expedidos 33 mandados de busca e apreensão e 11 de condução coercitiva no Rio de Janeiro, São Paulo e Bahia. São alvos desses mandatos parentes do ex-presidente e pessoas próximas a ele, como Paulo Okamotto, presidente do Instituto Lula.

José Gregori, que foi ministro da Justiça (2000-2001) e secretário de Direitos Humanos (1997-2000) de FHC, considerou a condução coercitiva um “exagero”.

Segundo ele, o correto é a aplicar essa medida apenas se a pessoa tiver previamente se recusado a atender uma convocação para depor, o que não ocorreu no caso de Lula.

“Não conheço na nossa legislação a figura da condução coercitiva sem que tenha havido antes a convocação. A praxe tem sido sempre essa: você convida a pessoa a comparecer e, se ela não comparecer, então na segunda vez vem a advertência de que ela poderá ser conduzida coercitivamente”, afirmou.

“Você (fazer) logo a condução coercitiva é um exagero. E na realidade o que parece é que esse juiz (Sergio Moro) queria era prender o Lula. Não teve a ousadia de fazê-lo e saiu pela tangente.”

A Associação Nacional dos Procuradores da República, por sua vez, rejeitou as críticas à condução coercitiva e à suposta espetacularização do caso.

“A condução coercitiva é instrumento de investigação previsto no ordenamento e foi autorizada no caso do ex-presidente Lula de forma justificada e absolutamente proporcional, para ser aplicada apenas se o investigado eventualmente se recusasse a acompanhar a autoridade policial para depoimento penal”, diz nota da entidade. “Ao contrário do que querem fazer crer algumas lideranças políticas, os procuradores da República à frente do caso – bem como a Justiça Federal, a Polícia Federal e a Receita Federal – atuaram novamente de acordo com a mais rígida e cuidadosa observância dos preceitos legais, sem violência ou desrespeito aos investigados.”

Já Walter Maierovitch, ex-secretário Nacional Antidrogas de FHC, viu “desvio de legalidade” na decisão de Moro.

“Acho que buscas e apreensões são atividades normais em investigação. Agora, o que eu eu estranho, como jurista, é a condução coercitiva do Lula. É algo surpreendente e preocupante”, notou.

“Essa vergonha está acontecendo no país é uma coisa que precisa ser apurada, mas me preocupa quando tem um desvio de legalidade”, reforçou.

Ele diferencia o caso desta sexta-feira da convocação do Ministério Público de São Paulo, da qual Lula recorreu para não comparecer semanas atrás, quando não havia decisão judicial. Segundo Maierovitch, o MP não tem autoridade prevista em lei para fazer esse tipo de convocação, de modo que Lula podia não atender ao pedido para falar.

“Precipitação”

Para Maierovitch, houve certa precipitação na decisão, já que no momento a ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal, analisa um pedido de Lula para esclarecer se a investigação deveria ser conduzida na Justiça Federal, em Curitiba, ou no Ministério Público de São Paulo, que também vem apurando o caso.

Em nota, do Instituto Lula citou essa questão e disse que a “Lava Jato desrespeita o Supremo e compromete sua credibilidade” com a ação desta sexta.

“Ao precipitar-se em ações invasivas e coercitivas nesta manhã, antes de uma decisão sobre estes pedidos (ao STF), a chamada força-tarefa cometeu grave afronta à mais alta Corte do país, afronta que se estende a todas as instituições republicanas”, disse a nota.

O comunicado afirmou ainda que a ação foi uma “violência” com intuito de “submeter o ex-presidente a um constrangimento público”.

“Nada justifica um mandato de condução coercitiva contra um ex-presidente que colabora com a Justiça, espontaneamente ou sempre que convidado. Nos últimos meses, Lula prestou informações e depoimentos em quatro inquéritos, inclusive no âmbito da operação Lava Jato”, disse também o Instituto.

Vazamentos

Os dois juristas ouvidos pela BBC Brasil também criticaram os vazamentos de documentos sigilosos da Lava Jato, como trechos de depoimentos de delatores.

Nesta quinta-feira, por exemplo, a revista IstoÉ publicou o que seriam as primeiras revelações de um acordo de delação premiada firmado entre o senador Delcídio do Amaral (PT-MS) e a Procuradoria-Geral da República (PGR). A existência do acordo não foi oficialmente confirmada pelas duas partes, nem homologada pelo Supremo Tribunal Federal.

A reportagem atribui ao senador acusações à presidente Dilma Rousseff e a Lula, dizendo que ambos sabiam do esquema de corrupção da Petrobras e teriam atuado para interferir na Lava Jato.

“Tendo em vista a importância que está tendo na conjuntura nacional, essas investigações precisam dar uma prova diária de equilíbrio, de isenção. Então, não pode haver nenhum tipo de tolerância com o que não seja rigorosamente ortodoxo, rigorosamente equilibrado, rigorosamente dentro da lei”, disse Gregori, ao criticar os vazamentos.

Maierovitch não vê motivação partidária na condução da operação pela Polícia Federal e o Ministério Público, mas considera que os vazamentos acabam sendo usados nesse sentido.

“O vazamento de informações é gravíssimo, porque até prejudica a investigação. E também pode ter um vazamento para a imprensa, para criar tumulto partidário. Aí sai do campo técnico e entra no campo do espetáculo”, opinou.

“Há um clima no país de fla-flu, o que é muito ruim, porque na democracia não é a torcida que ganha o jogo, são as regras legais. O que se viu ontem (quinta-feira), uma oposição que se reúne para fazer barulho, que diz vai jogar (a suposta delação) do Delcídio para o impeachment, tem toda uma especulação, precipitações, toda uma pobreza de argumentos”, acrescentou.

Importância da Lava Jato

Apesar das críticas, os dois juristas consideram que a Lava Jato tem sido uma ação importante no combate à corrupção.

Para Maierovitch, agora “não existe dono do poder” e “está se vendo que todos são iguais perante a lei, o que é um princípio republicano”.

Na visão de Gregori, “os fatos têm mostrando que houve realmente casos que escaparam completamente ao padrão legal e têm que ser investigados”. Ele reforça, porém, a necessidade de submeter “as pessoas envolvidas ao devido processo legal”.

“A minha preocupação é que não se escape nem um milímetro do quadro legal, esteja se tratando de A, de B, ou de C”, disse.

Leia também:

Veja o discurso de Lula depois de ser ouvida pela PF

Investigação VIOMUNDO

Estamos investigando a hipocrisia de deputados e senadores que dizem uma coisa ao condenar Dilma Rousseff ao impeachment mas fazem outra fora do Parlamento. Hipocrisia, sim, mas também maracutaias que deveriam fazer corar as esposas e filhos aos quais dedicaram seus votos. Muitos destes parlamentares obscuros controlam a mídia local ou regional contra qualquer tipo de investigação e estão fora do radar de jornalistas investigativos que trabalham nos grandes meios. Precisamos de sua ajuda para financiar esta investigação permanente e para manter um banco de dados digital que os eleitores poderão consultar já em 2016. Estamos recebendo dezenas de sugestões, links e documentos pelo [email protected]

R$0,00

% arrecadado

arrecadados da meta de
R$ 20.000,00

90 dias restantes

QUERO CONTRIBUIR
Captura de Tela 2016-06-26 às 23.56.35
27 - jun 3

Rogério Correia: Por que denúncias contra Aécio só vieram depois do impeachment?

Aécio e sua turma: Eduardo Azeredo, Marcos Valério, Oswaldinho e os Perrella, passando por Furnas e a Cidade Administrativa Da Redação O deputado estadual Rogério Correia, do PT de Minas, lamentou em sua página no Facebook: “Aécio está em toda denúncia de corrupção. Avisei e denunciei às autoridades desde o início. Por que só após […]

21 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Denner

05/03/2016 - 20h31

Qdo muita gente que perdeu o emprego ou faliu se der conta que o culpado por isso é o psdb de Aecio Neves, a mídia e o judiciário, certos políticos dificilmente se elegerão para cargos no executivo.
É fato que a crise política instaurada pelo psdb destruiu a economia brasileira com um único objetivo: tomar a presidência da república. Para o psdb fod-se o povo.
O povo é simples, mas não é burro, psdb !
Todo mundo se lembra da comida no prato, do carro na garagem na época do Lula. Lula é amado pelo povo.
Muitos da classe média ainda não se deram conta (a ficha ainda não caiu ) que perderam o emprego por culpa de um candidato que perdeu a eleição presidencial: Aecio Neves. A Dilma tb tem culpa, mas o maior culpado por tudo o que o Brasil atravessa no momento e o senador Aecio Neves. Antes desse circo político orquestrado pelo psdb a economia táva boa. Não era ótima, mas todo mundo conseguia se colocar no mercado, viajar etc.
Espero que o povo veja a luta do psdb do poder pelo poder e dane-se o povo.
Artificialmente a rede globo infla os números mirrados nas manifestações contra a Dilma, Lula, pt e o governo e subestima a participação popular pró Lula, Dilma.
Ontem vimos a força de um presidente popular. O único presidente que saiu do povão mesmo, da peonzada.
Aecio Neves tá se lichando pra quem perdeu o emprego por causa dele e do psdb, pra ele só interessa uma única coisa: a presidência e só.

Responder

Sidnei Brito

05/03/2016 - 18h05

“na realidade o que parece é que esse juiz (Sergio Moro) queria era prender o Lula. Não teve a ousadia de fazê-lo e saiu pela tangente.” Frase de ex-ministro de FHC (FHC, se-nho-res, como diria um ministro do STF).
O Sergio Moro da frase, parece claro, foi incluído pelo jornalista. Gregori referiu-se à figura como “esse juiz”. Provavelmente já não o respeitava antes. Atos como o de sexta-feira podem tê-lo feito baixar ainda mais no conceito de um ex-ministro de… FHC, se-nho-res.

Responder

Bacellar

05/03/2016 - 13h43

Parece um consenso a ilegitimidade jurídica dessa ação entre os operadores de direito minimamente sérios. Isso não é motivo para exonerar uma batelada de agentes e juízes envolvidos nessa bizarra ação?

Medo de fazer de Moro um mártir? Mártir pra quem? Esses esquizofrênicos pró-ditadura? Melhor dar a eles esse “argumento” de cerceamento da justiça do que continuar permitindo que um grupelho de Curitiba siga, perdão, limpando o rabo com a CF.

Responder

henrique de oliveira

05/03/2016 - 11h28

A lava jato esta institucionalizando os corruptos.

Responder

j. cordeiro

05/03/2016 - 10h28

Pessoal, se toca. Isto, como diz o Assis, não foi pra prender Lula. Foi, apenas, um balão de ensaio para medir a reação. O Verdugo de Curitiba já tem tudo, documentos etc, só não encontrou uma ligação definitiva ou motivo verdadeiro para mandar por data no já expedido Mandado de Prisão contra o ex-presidente. Aliás, estão dizendo que do gabinete de um certo ministra do STF, onde o Dr. Mora foi lotado por bom tempo, estão com os julgamentos suspensos só para se dedicarem a dar caráter definitivo a sentença contra Lula. A dúvida é se repetem o domínio do fato, do Barbosão, ou se, em invencionice tupiniquim, criam o fato do domínio. Acho melhor Lula botar as barbas de molho, que vem chumbo grosso, depois deste balão de ensaio. A Globo botou uma equipe de plantão.

Responder

FrancoAtirador

05/03/2016 - 09h52

.
.
OS REAIS TERRORISTAS NÃO SERÃO ATINGIDOS PELA LEI ANTI-TERRORISMO
.
Tijolaço do Jornalista Fernando Brito:
.
“Este blog pratica, ao exagero, a tolerância com trolls, provocadores, coxinhas em geral.
.
Acha que fazem parte da vasta fauna humana.
.
Desde ontem, porém, passou a receber mensagens, através de seu formulário de e-mails, contendo ameaças a sua família.
.
‘Estamos de olho em vc e na sua familia’… ‘estamos investigando td sua familia’.
.
De cara, informo que isso não faz medo a quem, 40 anos atrás,
recebia cartas do Comando de Caça aos Comunistas.
.
E que os IPs dos remetentes, devidamente rastreados, vão ser objeto de queixa-crime, amanhã, na Delegacia de Repressão a Crimes de Informática.
.
Sei que, provavelmente, trato com um ou dois covardes que não resistiriam ao merecido bofetão nas fuças, embora não tenham sequer a coragem de dar a cara a tapa.
.
Meu método, será, apesar disso, o de tratar nos limites da lei.
.
O que me entristece, essencialmente,e que este tipo de facínoras seja estimulado pela mídia e por uma atuação “justiceira” do poder Judiciário.
.
Terroristas, porém, só conseguem resultados quando amedrontam.
.
E, aqui, não põe medo a ninguém.”
.
(http://tijolaco.com.br/blog/porque-este-blog-vai-a-policia-amanha)
.
.

Responder

Antonio

05/03/2016 - 07h07

Instituto Lula dá as respostas aos obreiros da Lava Jata
O Jornal de todos Brasis
Instituto Lula dá as respostas aos obreiros da Lava Jata
SAB, 05/03/2016 – 06:55

http://jornalggn.com.br/noticia/instituto-lula-da-as-respostas-aos-obreiros-da-lava-jata

Jornal GGN – Depois da condução coercitiva do ex-presidente Lula para explicações na Lava Jato do juiz de primeira instância de Curitiba, Sérgio Moro, os obreiros da operação deram uma entrevista coletiva. A entrevista colocou vários pontos em evidência na tentativa de explicar a condução coercitiva sem motivos de Lula. O Instituto Lula, então, preparou respostas à coletiva, respondendo um a um todos os pontos ‘duvidosos’ levantados pela força-tarefa responsável pela condução coercitiva ilegal de Lula. E já que todos os grandes veículos interessantes ao show da operação receberam a informação tão antes, se os obreiros da Lava Jato tivessem enviado as perguntas ao ex-presidente Lula teriam tido respostas prontas, sem precisar se valer deste show que envergonha o país e a justiça. Eis as respostas do Instituto Lula.

do Instituto Lula

Respostas à coletiva de imprensa da Lava Jato

Respostas às suposições levantadas na coletiva de imprensa da Operação Lava Jato, na manhã de hoje (4).

1) O financiamento do Instituto Lula é semelhante ao de instituições ligadas a outros ex-presidentes no Brasil e em outros países, exceto por jamais recebido doações de empresas públicas, diferentemente do que ocorre, por exemplo, com a Fundação FHC.

2) Pessoas físicas e empresas fizeram doações legais e declaradas às autoridades desde que o Instituto Lula foi criado, em agosto de 2011, e não antes, como ocorreu, por exemplo, com a instituição vinculada ao ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que recolheu fundos em plena vigência de seu mandato, conforme reportagem da revista Época:

http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,EDR53647-6009,00.htm

3) Os fundos do Instituto Lula são aplicados em suas finalidades – como projetos e ações de incentivo à integração latino-americana, à cooperação com países africanos e o combate à fome no mundo, além da promoção de debates, conferências, seminários, pesquisas e documentação sobre a democracia e as conquistas sociais no Brasil, e da preservação do acervo do ex-presidente Lula, conforme determina a Lei.

4) Lula é o presidente de honra e nada recebe por sua participação nas atividades do Instituto (mais informações no relatório de atividades: http://www.institutolula.org/historia)

5) Pessoas físicas e empresas as mais diversas prestaram ou prestam serviços ao Instituto Lula, regularmente contratadas. A empresa G4, citada pelos procuradores da Operação Lava Jato, é responsável pela manutenção do site do Instituto Lula e trabalhou nos projetos Brasil da Mudança e Memorial da Democracia, presta serviços ao instituto desde 2011, ou seja ao longo de 5 anos, e o faz rigorosamente dentro de sua capacitação técnica. Não há transferência indevida de recursos. Há, sim, ilações irresponsavelmente divulgadas pelo Ministério Público antes de qualquer procedimento investigatório sério.

6) A empresa LILS Palestras e Eventos LTDA. foi criada em 2011, tendo como sócios o ex-presidente Lula e Paulo Okamotto, para gerenciar, dentro da lei, as atividades do ex-presidente Lula como palestrante. Mais uma vez, trata-se de algo em tudo semelhante ao que fazem outros ex-presidentes no Brasil e em outros países, bem como personalidades de reconhecimento público: artistas, cientistas, desportistas, escritores, jornalistas etc.

7) Desde que deixou o governo, Lula fez 72 palestras para 40 empresas do Brasil e do exterior, dos mais diversos setores, como a Microsoft, Bank of America, Nestlé, Iberdrola, INFOGLOBO (que edita os jornais da Família Marinho) e grandes empresas brasileiras, algumas delas investigadas no âmbito da Operação Lava Jato. Leia a lista completa: http://www.institutolula.org/as-palestras-de-lula-a-violacao-de-sigilo-b

8) Algumas das empresas investigadas contratam palestras de outros ex-presidentes da República no Brasil. Todas elas são grandes anunciantes dos meios de comunicação e financiam cursos de formação de jornalistas. Mais uma vez, houve a divulgação irresponsável de ilações em referência ao ex-presidente Lula, antes de qualquer investigação séria. Da mesma forma não seria correto supor, apenas a partir disso, que outros ex-presidentes ou os grandes meios de comunicação brasileiros tenham recebido, por esta via, dinheiro roubado da Petrobrás.

9) A informação de que palestras contratadas por estas empresas e doações feitas ao Instituto Lula têm os valores apresentados pela Lava Jato, é sensacionalista, porém, velha. Os números exibidos hoje correspondem rigorosamente aos divulgados no ano passado pela revista Veja, no que constituiu quebra e vazamento ilegal de sigilo bancário. Exceto pelo vazamento ilegal, não há crime algum nesses valores. Todos os valores foram recebidos com o devido registro e impostos pagos.

10) É de pleno conhecimento, não só dos investigadores da Lava Jato, mas da imprensa e da sociedade brasileira, que nem o apartamento do Condomínio Solaris nem o Sítio Santa Bárbara em Atibaia pertencem ou pertenceram, direta ou veladamente, ao ex-presidente Lula. A persistência nessa tese, desmontada pelos documentos e pelos fatos, é um atestado da parcialidade que orienta a investigação, claramente voltada para “encaixar” o nome do ex-presidente nas teses dos procuradores, mesmo que seja na marra. http://www.institutolula.org/documentos-do-guaruja-desmontando-a-farsa

11) É absolutamente falsa a notícia, atribuída pela GloboNews à Polícia Federal do Paraná, de que a mudança do ex-presidente Lula de Brasília para São Paulo teria sido paga por uma empresa, e que parte dos objetos teria sido levada para o apartamento do Guarujá que não pertence e nunca pertenceu ao ex-presidente Lula. A mudança, como ocorre com todos os ex-presidentes, foi providenciada pela Presidência da República. A maior parte foi levada para uma empresa de guarda-móveis, parte para o apartamento de Lula e São Bernardo e parte para o Sítio Santa Bárbara, com anuência dos proprietários.

A legislação brasileira (Lei 8.394/91 e Decreto 4.344/2002) determina que os ex-presidentes são responsáveis pela guarda e preservação do acervo que acumularam no exercício do cargo. O artigo 3o. do Decreto 4.344/02 define: “Os acervos documentais privados dos presidentes da República são os conjuntos de documentos, em qualquer suporte, de natureza arquivística, bibliográfica e museológica, produzidos sob as formas textual (manuscrita, datilografada ou impressa), eletromagnética, fotográfica, filmográfica, videográfica, cartográfica, sonora, iconográfica, de livros e periódicos, de obras de arte e de objetos tridimensionais.” Ao final de seu governo, a Presidência da República providenciou triagem e entrega do acervo documental privado do ex-presidente Lula, da mesma forma como procedeu com seus antecessores, nos termos da lei 8.394/91 e do decreto 4.344/2002. Parte deste acervo está em processo de catalogação e tratamento para cumprir a legislação, em projetos coordenados pelo Instituto Lula, a exemplo do que é feito com o acervo privado de outros ex-presidentes brasileiros.

Tags

Responder

mineiro

04/03/2016 - 22h11

parece piada se nao fosse verdade , a troco de que esses imbecis , golpistas, facistas , nazistas da pf com todo esse arsenal , para que esse poder de fogo para levar o lula para depor. olha grau de cinismo ,golpismo e idiotice que chegou esse imbecis golpista, tem que rir se a situaçao nao fosse tragica. isso prova o que os blogs vinham falando , que iria chegar a isso e chegou mesmo. os babacas , imbecis da pf queriam impressionar é o pig golpista, so pode. tem que dar o troco e nao pode demorar muito , tem que mobilizar o povo para lutar pela democracia, mesmo que seja essa democracia de fachada com o verso de ditadura.

Responder

Dan

04/03/2016 - 21h19

Acho que desta vez o tiro saiu pela culatra.

Responder

    Gersier

    05/03/2016 - 10h09

    Como todos os “tiros” que deram antes. Hoje em uma padaria próxima a minha residência, dois senhores lascavam o bambu no Lula e elogiavam ” o combate à corrupção do moro”. Um outro senhor observava e pouco depois disse pros dois: “os senhores deveriam parar de assistir a globo e se informarem melhor. Se esse juiz realmente estivesse combatendo a corrupção, o cunha, o aécio já estariam presos, e o fernando henrique cardoso pelo menos teria sido intimado, porque contra todos eles existem provas e contra o Lula é só suposições divulgadas pela imprensa. E gostei quando ele acrescentou, “sou advogado e se os senhores tiverem alguma prova concreta contra o Lula me procurem porque me disponho a envia-las para a justiça. O que aconteceu ontem foi um espetáculo deprimente que envergonha qualquer juiz sério nesse país.” Os dois ficaram caladinhos enquanto algumas pessoas batiam palmas.

anac

04/03/2016 - 21h03

A ignorância do coxinha é CAVALAR. Só no Brasil um coxinha é capaz de Relinchar. O Blog não faz defesa de NADA até porque não foi contratado para fazer defesa de Lula. O coxinha é tão ignorante que ainda não entendeu que quem tem que apresentar PROVAS das acusações são os acusadores, no caso os procuradores e o Juiz moro justiceiro acusador.
Coxinha, o ônus da prova é de quem acusa. Cabe à acusação o ônus de provar a existência não só do fato típico, como também da ilicitude e da culpabilidade. O acusado pode ficar até CALADO, porque IN DUBIO PRO REO. É assim aqui, nos USA e na Europa.

Responder

FrancoAtirador

04/03/2016 - 19h44

.
.
“Há maior prova de q estamos lidando c/ um Circo
do q comparar o tratamento dado a Gerdau e a Lula
por alguns veículos?”
.
MANUELA D’ÁVILA
.
(https://twitter.com/jornalSul21/status/705825678248255488?lang=pt
.
.

Responder

Leo Oliveira

04/03/2016 - 19h32

Se há provas contra o Lula, que as apresente. O que não pode é um procurador dizer que o ex-presidente é criminoso por causa de pedalinhos; o que não pode é haver acusação porque o “zelador e o porteiro disseram”.

O Moro e o direito consuetudinário vão levar o país ao caos.

Arbítrio e necessidade de destruir moralmente, matar a pessoa em vida, transformá-lo num pária, através duma acerbidade que faz a grei e o seu sentimento grupal irem ao êxtase.

Um juiz equilibrado e que mantivesse a equidistância, jamais agiria dessa maneira.

Centenas de agentes do Estado mobilizados para um homem de 70 anos prestar esclarecimentos. Além do desperdício de dinheiro público, dá a impressão e fica claro que o único objetivo das instituições no país é molestar a esquerda.

A Guerra Civil Espanhola aconteceu por conta de inconformismos com a vontade popular. Pode-se discutir os erros e abusos de ambos os lados, mas o fator chave foi a incapacidade da plutocracia espanhola aceitar o surgimento duma nova força política.

A continuar esse clima no país, onde um só juiz vale por todo o Estado de Direito, vamos inevitavelmente para um conflito armado, onde vizinhos vão entrar em disputa simplesmente por terem opiniões distintas.

A responsabilidade para inibir o arbítrio, evitar a desintegração do país, está com o STF, a presidente, PGR.

Depois, do primeiro tiro, da primeira morte importante de algum dos lados, não vai haver volta, e o país, como o conhecemos, não vai mais existir.

Responder

Mauricio Gomes

04/03/2016 - 19h27

Atenção!!!!!! O PT do Rio de Janeiro, a Central Única dos Trabalhadores (CUT) e o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) estão organizando um ato contra o impeachment da presidente Dilma a ser realizado na porta da Rede Globo no próximo domingo; nesta sexta-feira 4, dia em que a Operação Lava Jato cumpriu um mandado de condução coercitiva contra o ex-presidente Lula, a Globo foi alvo de protestos, que acabou sendo transmitido ao vivo pela própria emissora; nas redes sociais, o termo “Fora Rede Globo” virou pauta mundial.

Responder

FrancoAtirador

04/03/2016 - 19h23

.
.
“Tirar manu militari, de madrugada,
de casa, para depoimento coercitivo,
uma pessoa que não foi intimada
nem se recusou a depor
é sequestro”
.
ROBERTO REQUIÃO
(https://twitter.com/requiaopmdb/status/705868865356562433?lang=pt)
.
(https://twitter.com/cartamaior)
.
.

Responder

FrancoAtirador

04/03/2016 - 19h15

.
.
Paraty House (Mansão na Praia dos Marinho) ao Vivo na Globo News
.
Vídeo Imperdível!
.
(http://jornalggn.com.br/noticia/placa-mansao-dos-marinho-paraty-aparece-em-link-ao-vivo-da-globonews)
.
.

Responder

Deixe uma resposta