VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.

Bohn Gass: Investigação sobre possível uso de paraísos fiscais por FHC não pode ser abortada

24 de fevereiro de 2016 às 13h15

O direito de saber. Versão 2016Captura de Tela 2016-02-18 às 22.35.17

da Assessoria de Imprensa da Liderança do PT na Câmara

por Elvino Bohn Gass

Dezembro de 1989. O jornal O Globo faz editorial sobre a campanha presidencial. Título: “Direito de saber”.

Trata da acusação levada ao ar pelo programa de Fernando Collor de que Lula teria tentado induzir sua ex-mulher, Mirian Cordeiro, a abortar.

Diz o texto: “…a primeira reação do público terá sido de choque…” 

E segue: “…se for verdadeiro, cabe indagar se o eleitor deve ou não receber um testemunho que concorre para aprofundar o seu conhecimento sobre aquela personalidade que lhe pede o voto…”

A personalidade que pedia voto era Lula. E a verdade que O Globo considerava importante o eleitor aprofundar-se  era se ele havia, mesmo, sugerido um aborto à mulher.

Passaram-se quase 30 anos…

Uma ex-amante de Fernando Henrique conta à Folha de São Paulo que ele pagou não um, mas dois abortos. E que, ora vejam, ele lhe mandava dinheiro por meio de um paraíso fiscal através de uma empresa que detinha concessões públicas federais.

Abro parênteses, aqui, para concordar com FHC. Quando a Folha pergunta se era verdade que pagara para a ex-repórter da Globo, Mirian Dutra, fazer dois abortos, ele disse: “Questões de natureza íntima, minha ou de quem sejam, devem se manter no âmbito privado a que pertencem.”

É isso mesmo! Os abortos da amante de FHC não são tema da política.

Daí que não é disso que se deve falar, mas da diferença de tratamento que se deu ao caso de Lula em 1989 e o de FHC, agora.

Onde está o editorial de O Globo? O povo brasileiro não tem mais “o direito de saber a verdade”?

Teria a imprensa brasileira evoluído ao ponto de não tornar abortos pauta da política? Bom se fosse assim. Mas, sinceramente, penso que não mudou a imprensa, mas mudou o personagem.

Imaginem se Lula tivesse uma ex-amante e ela declarasse a um jornal: “…aí tem uma história muito cabeluda nisso tudo, que ele, por meio de uma empresa, mandava um dinheiro para mim. Tenho como provar. Tenho contrato. Tenho tudo guardado aqui. É muito sério. Porque ninguém nunca investigou as contas que ele tem aqui fora (do país)?” Ou se Lula tivesse uma ex-amante que houvesse perguntado: “…como ele  deu, em 2015, um apartamento de 200 mil euros (cerca de 900 mil reais) para o filho que ele agora diz que não é dele?”

Tenho certeza: não teríamos apenas vários editoriais, mas, prontamente, algum procurador chamaria a imprensa e, em tom acusatório, declararia: – Estamos abrindo uma investigação sobre as contas de Lula no exterior. Queremos saber de onde ele tirou dinheiro para comprar um apartamento de um milhão de reais.

Na mesma noite, veríamos algum prócer da oposição enchendo a boca no Jornal Nacional: — Consideramos grave que um ex-presidente tenha sido acusado de ter contas no exterior e, o que é pior, de ter repassado dinheiro a uma ex-amante por meio de um paraíso fiscal.” Também posso imaginar a manchete do dia seguinte: Empresa que Lula usou para pagar ex-amante tinha concessões públicas.

É disso que se trata: da diferença de tratamento da imprensa. E o direito que temos de saber é se Fernando Henrique usou paraísos fiscais para mandar dinheiro à amante. Essa investigação não pode ser abortada.

Deputado Federal (PT-RS) e Secretário Nacional Agrário do PT 

Leia também:

Saiba como votou cada um dos senadores para manter a urgência no projeto de Serra do pré-sal 

O livro da blogosfera em defesa da democracia - Golpe 16

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.

Compre agora online e receba na sua casa!

 

2 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Urbano

25/02/2016 - 18h52

Como ser abortada se já foi ontem, está sendo hoje e do amanhã não escapará? Os que fazem a exceção e, por conseguinte, a parte mínima do contingente tem mais o que fazer e não pode se imiscuir em picuinhas, não. Já imaginaram o trabalho que se tem para desenlaçar um nó górdio, em cujo conteúdo se esconde um triplex construído na sexta dimensão?

Responder

L. Souza

25/02/2016 - 03h16

O problema é que os Marinhos mandam no país.
A RBS corrompeu membros do conselho de auditores da Receita e ninguém fez nada.
A Rede Globo se envolveu com a corrupção do futebol Fifa/CBF e ninguém fez nada.
Manteve um contrato de fachada para prender a ex-amante de FHC no exterior enquanto este lhe fazia remessas mensais às escondidas do Banco Central, infringindo e cag…ndo para o primeiro artigo da lei de lavagem de dinheiro. Que vale prá nós, claro. Você já experimentou comprar dólares para levar ao exterior? Até a banca mais chinfrim vai te exigir documento. Mas o FHC e a Globo não tão nem aí.
A família usufrui de um imóvel completamente desautorizado de 1.000 m2 na Mata Atlântica de Paraty e ninguém faz nada. Experimenta derrubar uma árvore no teu terreno. Mesmo se ela não for nativa você vai ter que arcar com uma legislação ambiental que se não te levar prá cadeia, te quebra. Mas a Globo não tá nem aí. E prá completar a canalhice, ainda põe a propriedade em nome de uma fabricante de empresas off-shore. Prá “disfarçar”. Não. Até porque não tão nem aí pro Brasil. Prá enganar a Receita. A boboca da hora.
Agora, experimenta você errar a sua declaração de renda.

Responder

Deixe uma resposta