VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.

Delação de Delcídio ainda precisa de provas. Mesmo quando denuncia prejuízo de R$ 1 bi em negociatas na Petrobrás sob Joel Rennó

15 de março de 2016 às 20h53

Captura de Tela 2016-03-16 às 09.49.18

FHC estava no Planalto quando o tucano Delcídio era diretor da Petrobrás: ele narrou corrupção na compra da P-36, que afundou, e na atuação da empresa Marítima, contratada por Joel Rennó

Da Redação

Lemos com atenção toda a delação premiada do senador Delcídio do Amaral, que hoje deixou o PT.

O senador é a síntese do tucano-petismo ao qual nos referimos seguidamente: todos os escândalos iniciados no governo de FHC sobreviveram e às vezes floresceram sob o governo Lula.

Sanguessugas, vampiros, mensalão, petrolão…

Não foi falta de aviso de uma tendência do PT, que tentou barrar a filiação de Delcídio, como denunciamos aqui.

Sem moralismo: o incentivo está na necessidade do financiamento de campanha, com as sobras dirigidas ao enriquecimento pessoal.

A delação do senador nos fez lembrar de um episódio que vivemos na Globo: a denúncia de que policiais rodoviários federais do Rio cobravam propina de motoristas que eram parados e descobertos com irregularidades em seus automóveis ou documentos, num posto de uma rodovia que cortava o estado.

A reportagem foi ao ar, com imagens de motoristas que deixavam o dinheiro para que fosse recolhido pelos policiais.

Porém, na Justiça, os acusados contestaram: argumentavam que não havia imagens dos policiais recolhendo o dinheiro da propina. Da última vez que tivemos notícia do caso, os acusados esperavam absolvição e pretendiam processar a emissora em busca de indenização. Alegavam que nunca foram filmados recolhendo o dinheiro e, portanto, não havia prova material do pagamento de propina.

Nosso ponto: na Justiça, diferentemente do jornalismo investigativo, é preciso mostrar a cadeia de provas que une o motorista corruptor ao policial corrupto: o dinheiro ou a vantagem precisa passar direta ou indiretamente entre um e outro.

Na delação de Delcídio, isso claramente não acontece. Foram acrescentadas “provas” para corroborar a delação de Delcídio, mas até agora são bastante frágeis: agendas, viagens realizadas pelo senador, etc.

Explicamos: Delcídio diz que teve uma conversa com a presidente Dilma nos jardins do Alvorada, destinada à nomeação de um juiz que soltaria réus da Lava Jato.

Porém, fica a palavra dele contra a dela. A não ser que fosse exibida uma gravação de áudio do encontro, mesmo que os dois tenham de fato se reunido na data e hora mencionadas pelo delator, isso não significa absolutamente nada.

Podem ter conversado sobre o que Delcídio denunciou, ou sobre bicicletas e gatos.

Isso não vale apenas para Lula ou Dilma. Vale também para as denúncias de Delcídio contra Aécio Neves ou Fernando Henrique Cardoso.

O presidente do PSDB teria pedido ao senador Delcídio um tempo para “maquiar” os documentos enviados pelo Banco Rural à CPI dos Correios, de forma a livrar aliados do tucano.

Esta declaração não vale absolutamente nada, a não ser que a Polícia Federal requisite novamente os dados do banco e os compare com aqueles oferecidos à CPI.

Se de fato houver discrepância, será batom na cueca.

Também não dá para sustentar a versão de Delcídio segundo a qual Aécio teria recebido propinas através da estatal Furnas.

É preciso requisitar formalmente a delação premiada do operador Nilton Monteiro, que está disposto a colaborar com autoridades federais.

Nilton, que foi preso por agentes ligados a Aécio durante a campanha eleitoral de 2014, é capaz de fornecer o mapa da mina para todos os esquemas de financiamento tucano através de caixa dois em Minas Gerais, inclusive a famosa lista de Furnas do diretor de Engenharia da estatal Dimas Toledo, que incrivelmente sobreviveu no cargo depois que Lula ascendeu ao Planalto. Foi, mesmo, uma indicação de Aécio a Lula?

Captura de Tela 2016-03-15 às 21.05.54
a-delao-de-delcdio-78-638Da mesma forma, Delcídio apenas forneceu indícios de um prejuízo que soma U$ 270 milhões à Petrobras durante a gestão de Joel Rennó na Petrobrás.

Ele dirigiu a empresa nos governos Itamar e no primeiro mandato de Fernando Henrique Cardoso, quando Delcídio era tucano e diretor da Petrobras (veja documentos).

Por valores de hoje, seria cerca de R$ 1 bilhão, sem considerar a inflação.

Como poderia agir a Polícia Federal neste caso? Fazendo uma devassa na vida de Joel Rennó, German Efromovich e na empresa Marítima.

Além disso, seria preciso analisar as relações dos acusados por Delcídio aos presidentes da época. Não havendo provas, é puro disse-me-disse de Delcídio.

Que fique claro: isse vale para o PT, para o PSDB e para qualquer partido denunciado na Lava Jato.

Leia também:

Veja o depoimento completo de Delcídio

O livro da blogosfera em defesa da democracia - Golpe 16

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.

Compre agora online e receba na sua casa!

 

13 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Sidnei Brito

16/03/2016 - 15h40

E quem vai ressuscitar o Paulo Francis?

Responder

Julio Silveira

16/03/2016 - 13h08

Quando o Brasil tiver justiça, e ela for isonômica, eu passo acreditar na punição dos grandes, inclusive dos Marinho, que fazem do Brasil sua casa de bonecas.

Responder

FrancoAtirador

16/03/2016 - 13h08

.
.
Curiosidade
.
Afinal de Contas,
o Delator é o Delcídio
ou o “Marzagão”?
.
.

Responder

Orlando Bernardes

16/03/2016 - 11h22

Tudo muito correto, muito bonito mas a nossa justiça atual, para prender petistas, não precisa de provas. Vide o que aconteceu com o chamado processo do ” mensalão ” e o que vem acontecendo com a ” Lava Jato “. Exemplo: O tesoureiro do PT – Vaccari, foi preso e condenado pelo ” juiz ” Moro, a 19 anos de prisão só porque um delator, dono de empreiteira, disse que os valores dados e registrados no TSE, para a campanha do PT, era propina. Simples assim. O mesmo empreiteiro doou mais dinheiro até, para o PSDB ( Aécio ), mas o juiz não quis saber ( ” Não vem ao caso ” ) se era também propina. Pausa para gargalhadas…..

Responder

augusto

16/03/2016 - 09h31

Basicamente a velha mídia faz acusação e dão veredito e ficam na porta pra ver a policia cumprir as suas ordens. Se for PT é culpado, se PSDB e afins,inocente, tudo invenção de procuradores lulo-petistas. O nazi-fascismo ao alcance de todos.

Responder

Leo

15/03/2016 - 23h19

Azenha, acho muito improvável que Delcídio esteja mentindo. Note que ele delatou a propina de Aécio em Furnas, coisa que o Viomundo vem denunciando há séculos!
.
É! O Delcídio disse a verdade e a corrupção no Brasil leva um duro golpe.

Responder

ADEMAR RAMOS BRILHANTE

15/03/2016 - 22h45

Tá dominado, tá tudo dominado, pela sujeira, que loucura!

Responder

    augusto

    16/03/2016 - 09h28

    Concordo. mais ou menos isto. Uma guerra sem fim de disse me disse.

Fabio Nogueira

15/03/2016 - 21h45

RECADO PARA LULA
Teori Zavaski mandou hoje um recado para o presidente Lula ao tomar sua decisão sobre a família de Eduardo Cunha. Mulher e filha de Eduardo Cunha não têm foro privilegiado, portanto, quem vai julga-las é Sérgio Moro. Lula decide hoje (coincidência, né Teori?) se vira ministro de Dilma e escapa de Curitiba, e vai ter que levar em consideração a possibilidade de Dona Marisa e Fabio Lula serem atirados aos porcos, para que roam até os ossos.

Responder

ana s.

15/03/2016 - 21h27

Muito bem, Azenha. É isso mesmo que tenho dito. Não podemos relativizar as denúncias contra quem apoiamos e considerar verdade as denúncias contra os do outro lado. Estou sempre dizendo, seja qual for a denúncia: delação NÃO É prova, é só um ponto de partida para investigações. Se não restar provado…

Responder

Deixe uma resposta