VIOMUNDO

Rico: Onde foi que eu errei?

05 de março de 2016 às 11h52

 

3 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Robertinho De Ilhéus

07/03/2016 - 07h53

Infelizmente para vocês a serviço do PSDB o tiro saiu pela culatra o que ouço as pessoas falar que não vota em ninguém e ator vota em Lula, pessoas que não vota em Dilma e no PT, agora dizendo que vota em Lula, era segundo turno, hoje acredito com sabedoria divina, que é primeiro turno de goleda, então trate de inviabilizar a candidatura dele para 2018 e outra sem ele do PT sem candidato vai ser a maior abstenção devoto no Brasil, com essa ganância pelo poder de vocês vai colocar o Brasil numa escuridão tão profunda que nem tanque de guerra e baionetas vai segurar a população, pense nisso me devolva o meu país, não podemos ser refém de vocês.

Responder

FrancoAtirador

05/03/2016 - 12h52

.
.
Humor Sarcástico
.
“Cuidados foram tomados para preservar,
durante a diligência, a imagem do ex-Presidente”
.
JUIZ SERGIO MORO
13ª VARA FEDERAL DE CURITIBA-PR
.
Nota oficial da 13ª Vara Federal de Curitiba
.
A pedido do Ministério Público Federal, este juiz autorizou a realização de buscas e apreensões e condução coercitiva do ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva para prestar depoimento.
Como consignado na decisão, essas medidas investigatórias visam apenas o esclarecimento da verdade e não significam antecipação de culpa do ex-Presidente.
Cuidados foram tomados para preservar, durante a diligência, a imagem do ex-Presidente.
Lamenta-se que as diligências tenham levado a pontuais confrontos em manifestação políticas inflamadas, com agressões a inocentes, exatamente o que se pretendia evitar.
Repudia este julgador, sem prejuízo da liberdade de expressão e de manifestação política, atos de violência de qualquer natureza, origem e direcionamento, bem como a incitação à prática de violência, ofensas ou ameaças a quem quer que seja, a investigados, a partidos políticos, a instituições constituídas ou a qualquer pessoa.
A democracia em uma sociedade livre reclama tolerância em relação a opiniões divergentes, respeito à lei e às instituições constituídas e compreensão em relação ao outro.
Curitiba, 05 de março de 2016.
SERGIO FERNANDO MORO
.
.

Responder

Deixe uma resposta