VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.

Mais de 100 mil denunciam regime comuno-bolivariano de Dilma

03 de novembro de 2014 às 22h30

miami-cigars

Da Redação

Não, você não está no site do professor Hariovaldo Almeida Prado, nosso notório inimigo anticomunista.

A notícia que segue deveria ser levada a sério.

Ela nos fez constatar que o Brasil já dispõe de sua própria Little Havana. É o bairro de Miami que a certa altura reuniu os saudosistas do regime de Fulgêncio Batista, o ditador pró-americano derrubado por Fidel Castro em 1959.

O bairro é hoje apenas para inglês ver, já que os cubanos fugitivos de Fidel que se deram bem nos Estados Unidos fugiram uma segunda vez. Rumaram para os subúrbios endinheirados da Flórida, deixando para trás os patrícios pobretões. Classe, afinal, é classe.

Os cubanos que debandaram da ilha de Fidel formavam em Cuba a elite local generosamente alimentada por Washington.

Eram os herdeiros da Emenda Platt, imposta pelos Estados Unidos como condição para desocupar Cuba depois da guerra Hispano-Americana.

A Emenda Platt, de 1901, é ainda mais vexaminosa que aquele acordo pelo qual Fernando Henrique Cardoso pretendia ceder a base de Alcântara para uso pelos Estados Unidos, obrigando brasileiros a usar crachá emitido pelos estadunidenses em seu próprio território.

Está lá, no site do Departamento de Estado:

A Emenda Platt proibia o governo cubano de fechar qualquer tratado internacional que ameaçasse a independência cubana ou permitisse que poderes estrangeiros usassem a ilha com objetivos militares. Os Estados Unidos se reservavam o direito de intervir em assuntos cubanos para defender a independência cubana e para manter “um governo adequado à proteção da vida, da propriedade e da liberdade individual”. Outras condições da Emenda exigiam que o governo cubano implementasse planos para melhorar as condições sanitárias na ilha, abrisse mão da ilha dos Pinhos (agora conhecida como ilha da Juventude) e concordasse em vender ou alugar território para estações naval e de abastecimento de carvão dos Estados Unidos. (Esta cláusula levou ao aluguel perpétuo da base naval da baía de Guantánamo). Finalmente, a emenda exigia que o governo cubano concluisse uma tratado com os Estados Unidos para tornar o cumprimento da Emenda Platt uma exigência legal — os EUA também pressionaram os cubanos para incorporar os termos da Emenda em sua própria Constituição. 

Dispensando o linguajar pomposo do Departamento de Estado, tratou-se de uma anexação de Direito, com consequências futuras trágicas para os próprios Estados Unidos.

A Emenda Platt foi o carvão em brasas que incendiou o nacionalismo cubano e, lá adiante, resultou na correnteza que levou Fidel Castro ao poder.

Se a Little Havana de Miami foi consequência trágica deste processo, a brasileira não existe de fato.

Existe tão somente na imaginação de uma quantidade razoável de brasileiros: 112.832 deles, na contagem mais recente.

Será que aquela eleitora do Aécio que decidiu se refugiar na Flórida está entre eles?

É pouco provável que ela faça mais que assinar a petição, já que — como escreveu Gustavo Castañon — dificilmente a elite brasileira conseguirá, fora do Brasil, condições para se reproduzir em cativeiro como se reproduz aqui.

Em nossa modesta opinião, estes 112.832 brasileiros refletem uma sociopatia milenarista: formam uma seita equivalente à do Jim Jones, com a diferença de que pretendem suicidar o Brasil.

Nossa atenção para a sua existência foi chamada pelo Conversa Afiada.

Fomos conferir a petição que estes 112.832 brasileiros assinaram, diretamente à Casa Branca, sem intermediários:

 

Captura de Tela 2014-11-03 às 21.11.51

Peticionamos ao governo Obama para:

Posicionar-se contra a expansão comuno-bolivariana no Brasil promovida pelo governo Dilma Rousseff

No dia 26 de outubro Dilma Rousseff foi reeleita e vai continuar os planos de seu partido de estabelecer um regime comunista no Brasil (sic) — em moldes bolivarianos propostos pelo Foro de São Paulo.

Nós sabemos que, aos olhos da comunidade internacional, a eleição foi inteiramente democrática, mas as urnas não são confiáveis, além do fato de que os cabeças do Judiciário são em sua maior parte integrantes do partido vencedor (sic).

Políticas sociais são influenciadas pela escolha do presidente e as pessoas foram ameaçadas com a perda de sua ajuda alimentar se não reelegessem Dilma (sic).

Pedimos à Casa Branca que se posicione em relação à expansão comunista na América Latina. O Brasil não quer ser uma nova Venezuela (sic) e os Estados Unidos precisam ajudar os promotores da democracia e da liberdade no Brasil.

Como se vê, a vida para o professor Hariovaldo não anda nada fácil.

Veja também:

Caio Castor: Deputado eleito vai armado a evento pró-impeachment de Dilma

21 - jul 0

Fabiano: O adesivo

Patos

15 - jul 0

Quino: O mágico

Deram fim na CLT

14 - jul 0

Vitor Teixeira: Vamos negociar?

Depois da reforma trabalhista…

 

56 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

José

01/01/2015 - 02h22

Viva Bolívar! Viva a urna eletrônica! Brasil: exemplo de tecnologia e honestidade pá o mundo! Nem países que mandam missões a Marte acreditam na idoneidade da urna eletrônica. Nós sim ! O Brasil é bom mesmo!

Responder

Urbano

06/11/2014 - 20h00

Apenas um lote da manada de cretinos…

Responder

José Souza

05/11/2014 - 19h35

Nós estamos querendo muito. Se eles ainda não aceitaram nem a Lei Áurea como pedir que aceitem resultado de eleição? Se eles não sabem a história do próprio país como vão entender uma eleição complicada como foi a última. Sinceramente eu gostaria que, para esses perdedores, a melhor saída fosse o aeroporto mais próximo. Eu até que ajudaria a comprar algumas passagens desde que não voltassem mais para nosso país. Se essa petição fosse ao contrário ele já estariam em Guantánamo levando porrada.

Responder

Luis Felipe

05/11/2014 - 12h26

Alguém aí leu o último parágrafo? Acredito que só leram algum título ou nem leram, já partiram pros comentários, porque é só isso que sabem fazer, ladrar. Onde na petição está escrito intervenção?

Responder

Henrique from Curitiba-PR

05/11/2014 - 06h32

Esse negócio está me cheirando traição, agressão à nacionalidade, alguma infração à Lei de Segurança Nacional. Esse negócio de apelar para os EUA, etc e tal, será que não tem ninguém enquadrado nessa Lei que está em vigor?

LEI Nº 7.170, DE 14 DE DEZEMBRO DE 1983.
Define os crimes contra a segurança nacional, a ordem política e social, estabelece seu processo e julgamento e dá outras providências.
O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL decreta e eu sanciono a seguinte Lei:
TÍTULO I
Disposições Gerais
Art. 1º – Esta Lei prevê os crimes que lesam ou expõem a perigo de lesão:
I – a integridade territorial e a soberania nacional;
Il – o regime representativo e democrático, a Federação e o Estado de Direito;
Ill – a pessoa dos chefes dos Poderes da União.
Art. 2º – Quando o fato estiver também previsto como crime no Código Penal, no Código Penal Militar ou em leis especiais, levar-se-ão em conta, para a aplicação desta Lei:
I – a motivação e os objetivos do agente;
II – a lesão real ou potencial aos bens jurídicos mencionados no artigo anterior.
Art. 3º – Pune-se a tentativa com a pena correspondente ao crime consumado, reduzida de um a dois terços, quando não houver expressa previsão e cominação específica para a figura tentada.
Parágrafo único – O agente que, voluntariamente, desiste de prosseguir na execução, ou impede que o resultado se produza, só responde pelos atos já praticados.
Art. 4º – São circunstâncias que sempre agravam a pena, quando não elementares do crime:
I – ser o agente reincidente;
II – ter o agente:
a) praticado o crime com o auxílio, de qualquer espécie, de governo, organização internacional ou grupos estrangeiros;
b) promovido, organizado ou dirigido a atividade dos demais, no caso do concurso de agentes.
Art. 5º – Em tempo de paz, a execução da pena privativa da liberdade, não superior a dois anos,
pode ser suspensa, por dois a seis anos, desde que:
I – o condenado não seja reincidente em crime doloso, salvo o disposto no § 1º do art. 71 do Código Penal Militar;
II – os seus antecedentes e personalidade, os motivos e as circunstâncias do crime, bem como sua
conduta posterior, autorizem a presunção de que não tornará a delinqüir.
Parágrafo único – A sentença especificará as condições a que fica subordinada a suspensão.
Art. 6º – Extingue-se a punibilidade dos crimes previstos nesta Lei:
I – pela morte do agente;
Il – pela anistia ou indulto;
III – pela retroatividade da lei que não mais considera o fato como criminoso;
IV – pela prescrição.
Art. 7º – Na aplicação desta Lei, observar-se-á, no que couber, a Parte Geral do Código Penal Militar e, subsidiariamente, a sua Parte Especial.
Parágrafo único – Os menores de dezoito anos são penalmente inimputáveis, ficando sujeitos às normas estabelecidas na legislação especial.
TíTULO II
Dos Crimes e das Penas
Art. 8º – Entrar em entendimento ou negociação com governo ou grupo estrangeiro, ou seus agentes, para provocar guerra ou atos de hostilidade contra o Brasil.
Pena: reclusão, de 3 a 15 anos.
Parágrafo único – Ocorrendo a guerra ou sendo desencadeados os atos de hostilidade, a pena aumenta-se até o dobro.
Art. 9º – Tentar submeter o território nacional, ou parte dele, ao domínio ou à soberania de outro país.
Pena: reclusão, de 4 a 20 anos.
Parágrafo único – Se do fato resulta lesão corporal grave, a pena aumenta-se até um terço; se resulta morte aumenta-se até a metade.
Art. 10 – Aliciar indivíduos de outro país para invasão do território nacional.
Pena: reclusão, de 3 a 10 anos.
Parágrafo único – Ocorrendo a invasão, a pena aumenta-se até o dobro.
Art. 11 – Tentar desmembrar parte do território nacional para constituir país independente.
Pena: reclusão, de 4 a 12 anos.
Art. 12 – Importar ou introduzir, no território nacional, por qualquer forma, sem autorização da autoridade federal competente, armamento ou material militar privativo das Forças Armadas.
Pena: reclusão, de 3 a 10 anos.
Parágrafo único – Na mesma pena incorre quem, sem autorização legal, fabrica, vende, transporta,
recebe, oculta, mantém em depósito ou distribui o armamento ou material militar de que trata este artigo.
Art. 13 – Comunicar, entregar ou permitir a comunicação ou a entrega, a governo ou grupo
estrangeiro, ou a organização ou grupo de existência ilegal, de dados, documentos ou cópias de documentos, planos, códigos, cifras ou assuntos que, no interesse do Estado brasileiro, são classificados como sigilosos.
Pena: reclusão, de 3 a 15 anos.
Parágrafo único – Incorre na mesma pena quem:
I – com o objetivo de realizar os atos previstos neste artigo, mantém serviço de espionagem ou dele participa;
II – com o mesmo objetivo, realiza atividade aerofotográfica ou de sensoreamento remoto, em qualquer parte do território nacional;
III – oculta ou presta auxílio a espião, sabendo-o tal, para subtraí-lo à ação da autoridade pública;
IV – obtém ou revela, para fim de espionagem, desenhos, projetos, fotografias, notícias ou informações a respeito de técnicas, de tecnologias, de componentes, de equipamentos, de instalações ou de sistemas de processamento automatizado de dados, em uso ou em desenvolvimento no País, que, reputados essenciais para a sua defesa, segurança ou economia, devem permanecer em segredo.
Art. 14 – Facilitar, culposamente, a prática de qualquer dos crimes previstos nos arts. 12 e 13, e seus parágrafos.
Pena: detenção, de 1 a 5 anos.
Art. 15 – Praticar sabotagem contra instalações militares, meios de comunicações, meios e vias de transporte, estaleiros, portos, aeroportos, fábricas, usinas, barragem, depósitos e outras instalações congêneres.
Pena: reclusão, de 3 a 10 anos.
§ 1º – Se do fato resulta:
a) lesão corporal grave, a pena aumenta-se até a metade;
b) dano, destruição ou neutralização de meios de defesa ou de segurança; paralisação, total ou parcial, de atividade ou serviços públicos reputados essenciais para a defesa, a segurança ou a economia do País, a pena aumenta-se até o dobro;
c) morte, a pena aumenta-se até o triplo.
§ 2º – Punem-se os atos preparatórios de sabotagem com a pena deste artigo reduzida de dois terços, se o fato não constitui crime mais grave.
Art. 16 – Integrar ou manter associação, partido, comitê, entidade de classe ou grupamento que tenha por objetivo a mudança do regime vigente ou do Estado de Direito, por meios violentos ou com o emprego de grave ameaça.
Pena: reclusão, de 1 a 5 anos.
Art. 17 – Tentar mudar, com emprego de violência ou grave ameaça, a ordem, o regime vigente ou o Estado de Direito.
Pena: reclusão, de 3 a 15 anos.
Parágrafo único.- Se do fato resulta lesão corporal grave, a pena aumenta-se até a metade; se resulta morte, aumenta-se até o dobro.
Art. 18 – Tentar impedir, com emprego de violência ou grave ameaça, o livre exercício de qualquer dos Poderes da União ou dos Estados.
Pena: reclusão, de 2 a 6 anos.
Art. 19 – Apoderar-se ou exercer o controle de aeronave, embarcação ou veículo de transporte coletivo, com emprego de violência ou grave ameaça à tripulação ou a passageiros.
Pena: reclusão, de 2 a 10 anos.
Parágrafo único – Se do fato resulta lesão corporal grave, a pena aumenta-se até o dobro; se resulta morte, aumenta-se até o triplo.
Art. 20 – Devastar, saquear, extorquir, roubar, seqüestrar, manter em cárcere privado, incendiar, depredar, provocar explosão, praticar atentado pessoal ou atos de terrorismo, por inconformismo político ou para obtenção de fundos destinados à manutenção de organizações políticas clandestinas ou subversivas.
Pena: reclusão, de 3 a 10 anos.
Parágrafo único – Se do fato resulta lesão corporal grave, a pena aumenta-se até o dobro; se resulta morte, aumenta-se até o triplo.
Art. 21 – Revelar segredo obtido em razão de cargo, emprego ou função pública, relativamente a planos, ações ou operações militares ou policiais contra rebeldes, insurretos ou revolucionários.
Pena: reclusão, de 2 a 10 anos.
Art. 22 – Fazer, em público, propaganda:
I – de processos violentos ou ilegais para alteração da ordem política ou social;
II – de discriminação racial, de luta pela violência entre as classes sociais, de perseguição religiosa;
III – de guerra;
IV – de qualquer dos crimes previstos nesta Lei.
Pena: detenção, de 1 a 4 anos.
§ 1º – A pena é aumentada de um terço quando a propaganda for feita em local de trabalho ou por meio de rádio ou televisão.
§ 2º – Sujeita-se à mesma pena quem distribui ou redistribui:
a) fundos destinados a realizar a propaganda de que trata este artigo;
b) ostensiva ou clandestinamente boletins ou panfletos contendo a mesma propaganda.
§ 3º – Não constitui propaganda criminosa a exposição, a crítica ou o debate de quaisquer doutrinas.
Art. 23 – Incitar:
I – à subversão da ordem política ou social;
II – à animosidade entre as Forças Armadas ou entre estas e as classes sociais ou as instituições
civis;
III – à luta com violência entre as classes sociais;
IV – à prática de qualquer dos crimes previstos nesta Lei.
Pena: reclusão, de 1 a 4 anos.
Art. 24 – Constituir, integrar ou manter organização ilegal de tipo militar, de qualquer forma ou natureza armada ou não, com ou sem fardamento, com finalidade combativa.
Pena: reclusão, de 2 a 8 anos.
Art. 25 – Fazer funcionar, de fato, ainda que sob falso nome ou forma simulada, partido político ou associação dissolvidos por força de disposição legal ou de decisão judicial.
Pena: reclusão, de 1 a 5 anos.
Art. 26 – Caluniar ou difamar o Presidente da República, o do Senado Federal, o da Câmara dos Deputados ou o do Supremo Tribunal Federal, imputando-lhes fato definido como crime ou fato ofensivo à reputação.
Pena: reclusão, de 1 a 4 anos.
Parágrafo único – Na mesma pena incorre quem, conhecendo o caráter ilícito da imputação, a propala ou divulga.
Art. 27 – Ofender a integridade corporal ou a saúde de qualquer das autoridades mencionadas no artigo anterior.
Pena: reclusão, de 1 a 3 anos.
§ 1º – Se a lesão é grave, aplica-se a pena de reclusão de 3 a 15 anos.
§ 2º – Se da lesão resulta a morte e as circunstâncias evidenciam que este resultado pode ser atribuído a título de culpa ao agente, a pena é aumentada até um terço.
Art. 28 – Atentar contra a liberdade pessoal de qualquer das autoridades referidas no art. 26.
Pena: reclusão, de 4 a 12 anos.
Art. 29 – Matar qualquer das autoridades referidas no art. 26.
Pena: reclusão, de 15 a 30 anos.
TíTULO III
Da Competência, do Processo e das normas Especiais de Procedimentos
Art. 30 – Compete à Justiça Militar processar e julgar os crimes previstos nesta Lei, com
observância das normas estabelecidas no Código de Processo Penal Militar, no que não colidirem com disposição desta Lei, ressalvada a competência originária do Supremo Tribunal Federal nos casos previstos na Constituição.
Parágrafo único – A ação penal é pública, promovendo-a o Ministério Público.
Art. 31 – Para apuração de fato que configure crime previsto nesta Lei, instaurar-se-á inquérito policial, pela Polícia Federal:
I – de ofício;
II – mediante requisição do Ministério Público;
III – mediante requisição de autoridade militar responsável pela segurança interna;
IV – mediante requisição do Ministro da Justiça.
Parágrafo único – Poderá a União delegar, mediante convênio, a Estado, ao Distrito Federal ou a Território, atribuições para a realização do inquérito referido neste artigo.
Art. 32 – Será instaurado inquérito Policial Militar se o agente for militar ou assemelhado, ou quando o crime:
I – lesar patrimônio sob administração militar;
II – for praticado em lugar diretamente sujeito à administração militar ou contra militar ou assemelhado em serviço;
III – for praticado nas regiões alcançadas pela decretação do estado de emergência ou do estado de sítio.
Art. 33 – Durante as investigações, a autoridade de que presidir o inquérito poderá manter o indiciado preso ou sob custódia, pelo prazo de quinze dias, comunicando imediatamente o fato ao juízo competente.
§ 1º – Em caso de justificada necessidade, esse prazo poderá ser dilatado por mais quinze dias, por decisão do juiz, a pedido do encarregado do inquérito, ouvido o Ministério Público.
§ 2º – A incomunicabilidade do indiciado, no período inicial das investigações, será permitida pelo prazo improrrogável de, no máximo, cinco dias.
§ 3º – O preso ou custodiado deverá ser recolhido e mantido em lugar diverso do destinado aos presos por crimes comuns, com estrita observância do disposto nos arts. 237 a 242 do Código de Processo Penal Militar.
§ 4º – Em qualquer fase do inquérito, a requerimento da defesa, do indiciado, de seu cônjuge, descendente ou ascendente, será realizado exame na pessoa do indiciado para verificação de sua integridade física e mental; uma via do laudo, elaborado por dois peritos médicos e instruída com fotografias, será juntada aos autos do inquérito.
§ 5º – Esgotado o prazo de quinze dias de prisão ou custódia ou de sua eventual prorrogação, o indiciado será imediatamente libertado, salvo se decretadas prisão preventiva, a requerimento do encarregado do inquérito ou do órgão do Ministério Público.
§ 6º – O tempo de prisão ou custódia será computado no de execução da pena privativa de liberdade.
Art. 34 – Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.
Art. 35 – Revogam-se a Lei nº 6.620, de 17 de dezembro de 1978, e demais disposições em contrário.
Brasília, em 14 de dezembro de 1983; 162º da Independência e 95º da República.
JOãO FIGUEIREDO
Ibrahim Abi-Ackel
Danilo Venturini

Responder

Cláudio

05/11/2014 - 04h13

Eu não sei se eu rio ou se choro (da estupidez e servilismo humano-?-) mas esse peçonhal já está passando de qualquer limite tolerável: é preciso fazer alguma coisa. Deixar por isso mesmo e eles fazendo e fazendo mais vai dar em m… É preciso tomar uma atitude séria mesmo que isso, esse tipo de ação idiota, idiotesca (idiotosca) pareça algo inócuo, ridículo e que se acabe por si só (o que não ocorrerá). Que se faça algo para evitar problemas maiores posteriores.

♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥ Dilma, Vamos Para Cima. Vamos Fazer Política: Reformas Constituinte Exclusiva e do Judiciário, Urgentes; Lei da Mídia e “Paper Track” na Urna Eletrônica Já! Seja Legal; seja Livre. Use Linux.

Com Dilma, a verdade VENCEU a mentira assim como a esperança já venceu o medo (em 2002 e 2006) e o amor já venceu o ódio (em 2010). ****:D:D . . . . ****:L:L:D:D ****:D:D . . . . ****:L:L:D:D . . . . Lei de Mídias Já!!!! ****:L:L:D:D ****:D:D … “Com o tempo, uma imprensa [mídia] cínica, mercenária, demagógica e corruta formará um público tão vil como ela mesma” *** * Joseph Pulitzer. ****:D:D … … “Se você não for cuidadoso(a), os jornais [mídias] farão você odiar as pessoas que estão sendo oprimidas, e amar as pessoas que estão oprimindo” *** * Malcolm X. … … … Ley de Medios Já ! ! ! . . . … … … …:L:L:D:D

Responder

Edir

04/11/2014 - 20h56

Eles estäo usando robô até para assinar peticäo.
Aprenderam rápido .

Responder

Fabio Passos

04/11/2014 - 20h15

É a militância do PiG.
Nem parece verdade que há mais de 100 mil brasileiros assim… tão estúpidos.

Não consegui evitar o riso, mas eles se consideram sérios.

O PiG é uma máquina de idiotizar brasileiros.
Sem democratizar a mídia vamos continuar convivendo com estes indigentes intelectuais. O lixo-branco adestrado pelo PiG.

Responder

roberto

04/11/2014 - 20h09

Se a direita raivosa e espumante,disseminadora do vírus zumbi,da qual o PSDB quer fugir inútil e desesperadamente, continuar na sua escalada de ataques de estupidez, o Lula vai ter mais de 80% dos votos em 2018.
Continuem assim, por favor, seus nervosinhos da raça Homo-Burrus.

Responder

C.Paoliello

04/11/2014 - 19h21

O grande Senador Roberto Requião fez hoje um discurso histórico em defesa da participação popular:

http://www.robertorequiao.com.br/requiao-defende-participacao-popular-previsto-em-decreto-de-dilma/

Responder

Sidnei Brito

04/11/2014 - 19h02

Existem mesmo 112.832 pessoas que realmente levam isso a sério, ou a maioria assinou sem ler?

Responder

Jair de Souza

04/11/2014 - 17h18

É difícil acreditar até que ponto a mentalidade servilista pode chegar. Mas, o ódio ao povo humilde é capaz de tudo, e aí temos uma prova.

Quanto aos comentários de colegas que não veem motivos para preocupação já que essas pessoas não passam de idiotas do maus baixo nível, eu gostaria de trazer à tona uma frase que ouvi de um professor meu há muitos anos: “Precisamos ter muito cuidado em épocas de crise, pois é nesses períodos que os palhaços são levados a sério. Para refletir, pensamos no surgimento do fascismo com Mussolini, do nazifascismo com Hitler e, mais recente, do berluconismo com o próprio Berlusconi.

Quase todos os que assinaram a tal petição devem ser de veras imbecis, mas os que estão por trás deles, ao contrário, são muito inteligentes e sabem muito bem explorar para proveito das oligarquias o ódio enceguecedor que corrói o espírito e a mente desses signatários da entrega.

Responder

Sharia

04/11/2014 - 16h08

LOUCOS SAO VOCES ADORANDO FIDEL CASTRO DITADORES COMUNISTAS BEBADO DO LULA
O trabalho de Lobaczewski é fundamental, porque fornece uma chave para a compreensão da realidade brasileira e da América Latina – dominada pelos herdeiros e cultuadores dos psicopatas e das anomalias descritas pelo psiquiatra polonês.

Como é possível que tipos tão grotescos tenham conseguido ascender até os altos escalões do poder público ou ocupar posições de referência intelectual e moral para a sociedade? Um Luiz Inácio, alçado à Presidência da República; um Dirceu, que se tornou símbolo da juventude idealista e revolucionária; um Betto e um Boff, tomados – inclusive por sacerdotes e autoridades eclesiásticas – como modelos de santidade.
Não. Não é possível reduzir o problema a um fator eleitoral ou solucioná-lo apontando um intenso e febril trabalho de militância política – nem denunciar o esforço de rebaixar e adequar a fé a um projeto de poder totalitário. Não. Nenhuma destas tentativas esclarece completamente a questão. O que poderia ser justificado apenas como resultado da confusão dos tempos, o psiquiatra polonês Andrew Lobaczewski – sob a perspectiva da bio-psicologia – aponta como efeito da ação e da influência dos psicopatas.
Em “Ponerologia: Psicopatas no poder” (1), Lobaczewski apresenta as linhas gerais para a fundação de uma nova disciplina: a ponerologia. “Poneros”, em grego, quer dizer “o mal” – sendo a ponerologia um estudo sobre a gênese do mal (p. 81). Porém, não se trata de um estudo amarrado às categorias morais. A ponerologia, esclarece o psiquiatra polonês, deve estar assentada nos avanços objetivos da biologia, da medicina e da psicologia clínica.
O foco da ponerologia é a pesquisa da psicopatologia. Descrever os fenômenos patológicos característicos de determinadas pessoas que, apesar de formarem um grupo reduzido dentro do conjunto total da população, podem afetar de forma negativa a vida de centenas, milhares, milhões de seres humanos. São pessoas que apresentam desvios psicológicos herdados ou adquiridos, anomalias na percepção, no pensamento ou no caráter – causados por alguma lesão no tecido cerebral ou por uma perturbação comportamental.
Lobaczewski então apresenta os traços essenciais da caractereopatia – da esquizoidia – e, sobretudo, da psicopatia essencial. Faz a descrição dos tipos patológicos e demonstra o “processo ponerogênico”, a forma como estes tipos avançam o seu domínio sobre as outras pessoas – por exemplo, confeccionando “ideologias” como “máscara de sanidade”. Neste grau de influência, o fenômeno atinge a escala macrossocial. Um período de histeria generalizada, de crise espiritual da sociedade: o esgotamento dos valores morais, religiosos e ideativos que alimentavam as pessoas até então; o aumento do egoísmo, que quebra a ligação entre a obrigação moral e sua referência social; o domínio de assuntos sem importância nas mentes humanas; a atrofia da hierarquia de valores; e um governo paralisado (p. 152).
Eis o que produz uma PATOCRACIA. Um sistema de governo forjado por uma minoria psicopata que assume o controle da vida de pessoas normais. Ocupam não só cargos políticos, mas posições de referência moral e intelectual – incluindo-se aí as salas de aula e cátedras universitárias, como os “pedagogos da sociedade”: pessoas fascinadas por suas idéias grandiosas, frequentemente limitadas e com alguma mácula derivada de processos de pensamento patológico, que se esforçam para impor suas teses e métodos, empobrecendo a cultura e deformando o caráter das pessoas (p. 55).
Lobaczewski viveu na Polônia subjugada pelo comunismo. O seu trabalho – que contou com a colaboração de outros pesquisadores do leste europeu – é o resultado desta experiência. Da observação direta, das transformações geradas pelo totalitarismo soviético na vida e na mente dos seus compatriotas, e da análise dos ícones e líderes daquele projeto de poder totalitário. É assim que Karl Marx aparece como um exemplo de psicopatia esquizóide; Lênin, uma amostra de caracteropatia paranóica e Stálin de caracteriopatia frontal. Nestes termos, o trabalho de Lobaczewski é fundamental, porque fornece uma chave para a compreensão da realidade brasileira e da América Latina – dominada pelos herdeiros e cultuadores dos psicopatas e das anomalias descritas pelo psiquiatra polonês. A influência deles sobre o conjunto da sociedade está à mostra: degradação cultural e intelectual; corrupção dos valores morais; desorientação e histeria generalizada; consumo desenfreado de drogas; taxa de homicídios exorbitante; caos social e o império da criminalidade. Isto é o suficiente para reconhecer a importância do trabalho de Lobaczewski. Não para se produzir uma atmosfera tenebrosa e fomentar o desespero. É um passo inicial no esforço para amenizar este estado de coisas, pois a compreensão – semelhante ao processo da psicoterapia – é o princípio da cura da personalidade humana. E para recuperar um senso comum saudável – na esperança de destituir uma patocracia – a busca da verdade é o melhor remédio.

Responder

    Mário SF Alves

    15/11/2014 - 23h02

    Tá. Agora, contextualize.

    ——————————

    Esses intelectuais de proveta… humm… aonde quererão ir? Será que sabem de onde partiram?

Péricles

04/11/2014 - 15h56

Por enquanto fantásticos 0,05 % da população brasileira. Obama deve estar rindo as bandeiras despregadas. Falar nisso, alguém sabe o que são bandeiras despregadas?

Responder

MINDUIN

04/11/2014 - 15h47

TA NA HORA DA PRESIDENTA LANÇAR O “PERDEDORES SEM FRONTEIRAS” DANDO UMA BOLSA (AÍ É MÉRITO E NÃO VAGABUNDAGEM) PARA QUEM QUER “LIBERDADE”. QUERIA VER ALGUEM ENDEREÇANDO UM BALA À OBAMA. JÁ ESTARIA PRESO (QUE NEM NA VENEZUELA). E LÁ NOS STATES VAI TER UM PLEBISCITO (QUE NEM NA VENEZUELA). NOS STATES O STF É APARELHADO PELO OBAMA (QUE NEM NA VENEZUELA). QUEM TA FICANDO BOLIVARIANO MESMO ? HAHAHHAHAHHAHA.

Responder

    Luiz Carlos Azenha

    04/11/2014 - 16h00

    Minúsculas, por favor. abs

mineiro

04/11/2014 - 15h15

eu ate achava que eles eram perigosos ate ver os videos , depois de ver eu comecei foi a rir kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk nao tem como um bando de imbecis como esses nao derrubam nem prefeituras, é so olhar para eles , so falam , xingam , esbravejam , arrancam os cabelos , mas nao passa disso. a menos que tem alguem de mente perigosa por tras patrocinando essa palhaçada , ate ai tudo bem. mas desses idiotas ai , nao precisam ter medo. o problema lunaticos imbecis é que estao agredindo gente bem a torto e a direito com a conivencia da policia , ai é perigoso. o perigo mesmo ta escondido para dar o bote, o perigo esta na cia, no congresso de agora , no pig , nos politicos vendedores de patria, ai sim mora o perigo. agora nesses borra botas , esses ai é motivo de gozaçao. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk de novo.

Responder

Sonia Beligerante

04/11/2014 - 13h40

Meus caros, este deve ser o número de brasileiros que devem estar interessados em ir trabalhar lá e fazer a America. Não posso negar, viver lá é muito melhor do que viver no BRASIL quando voce tem poucos recursos.

Responder

Rose PE

04/11/2014 - 12h46

Corja de débil mental, por que não ficam por lá? País colonizado é assim, total falta de patriotismo e servidão ao Império. Essa gente só este País como enriquecimento próprio e resto que se dane. Dá nojo!

Responder

clodoaldo

04/11/2014 - 11h37

Caramba muchachos, será que esses 112.832 imbecis não tem vergonha de viajarem assim? Os estadounidenses devem estar morrendo de rir agora, só protocolaram essa imbecilidade para rirem depois, ou será que esses cidadãos não sabem que os EUA tem pessoas estudando todos os assuntos políticos mundo afora, ainda mais no Brasil que de doze anos para cá existe transparência na administração pública. Eu fico envergonhado desses brasileiros(?).

Responder

    FERRETTI

    04/11/2014 - 12h23

    Então,naquele reduto o psdb ganhou a eleição.rsrsrsrsrsrsrsr

Rodrigo

04/11/2014 - 11h31

Não é por nada não, mas se esse pessoal é visto como simples aloprados, por que diabos se dá tanta atenção a eles nesse espaço?

Será possível que os progressistas tem, lá no fundo, tanto medo assim de “meia dúzia” de extremistas anti-PT?

Relaxem um pouco, não vai acontecer nada contra o querido governo Petista pelos próximos 8 anos(já conto com a volta do Lula em 18).

Responder

    evair da costa nunes

    04/11/2014 - 11h55

    Rodrigo, porque os loucos podem comandar um motim e tomar o manicômio, todo cuidado é pouco com a grande mídia dando destaque em seus boletins eletrônicos pode tornar-se febre e alta!!!!!!

Maria Paula

04/11/2014 - 11h02

Se “exigem intervenção americana” por que não se mudam para lá?

Responder

Flavius

04/11/2014 - 10h51

Em minha opinião, a lista com os nomes das pessoas que assinaram essa petição deveria ser encaminhada à Polícia Federal para investigação e posterior estabelecimento de um processo de alta traição ao Estado Brasileiro.

Responder

    Juarez

    04/11/2014 - 11h48

    Apoiado, não passam de traidores, gente servil, pulhas, dejetos.

    Flavio de Oliveira Lima

    04/11/2014 - 15h54

    Se rolasse coisa parecida la dentro, com norte-americanos pedindo a intervenção da Alemanha (não precisa nem ser Russia ou China) para derrubar o governop deles, rolaria sim um belíssimo processo por alta traição ao país.
    Sem a menor sombra de duvida.

Leo F.

04/11/2014 - 09h40

Duas constatações em um só texto à Casa Branca :
Loucura e Servilismo

Aliás, cabe questionarmos se essa petição digital (observando o teor do texto com uso de bodes expiatórios como o “Foro de SP” e de um suposto judiciario aparelhado), não foi obra de alguma figurinha carimbada da grande mídia

No mais, só nos resta uma profunda tristeza, pelo fato de termos tantos brasileiros cujo conceito de democracia só vale, quando o seu grupo ganha. Caso contrário, qualquer ajuda para um golpe é bem-vinda.

Responder

jose carlos lima

04/11/2014 - 09h31

Só fico pensando como seria a manchete do Professor Hariovaldo Prado para esse caso:
Exército dos bons se refugia em Orlando

Parte boa da maçã quer se separar da parte podre…rsss

Responder

Humberto

04/11/2014 - 09h11

Atenção Universidades e Faculdades do País! Abram mais vagas para formação de psicólogos, psicanalistas e psiquiatras. O Brasil vai precisar muito!!! Mais de 100 mil brasileiros perderam sua identidade!

Responder

Pedro Luiz

04/11/2014 - 09h07

Acho um enorme tratar essa gente como louca,são na verdade perigosos
São essas pessoas que se deixarmos bateram na nossa porta de madrugada ,armados e sedentos de sangue.
Foi assim na Alemanha e em outras partes ,acham eles loucos e ridículos e deu no que deu. Precisamos “vigiar e reagir antes que seja tarde.
Pedro Luiz

Responder

mz

04/11/2014 - 08h41

Quem está patrocinando este ato? Gilmar? Merval? FHC? CIA? “Desonfio huius actus.” O tucanato é o propagador deste discurso sobre bolivarianismo. A mídia repete o termo à exaustão. Falta agora incluir o termo no corretor ortográfico porque ele ainda não existe no português.

Responder

Julio Silveira

04/11/2014 - 08h12

Pois é, lí essa informação aberração no blog do PH. Mas isso serve para ficarmos atentos com o nivel de brasilidade e cidadania que nutre os corações de alguns adversários do PT e de qualquer partido que opte pelo Brasil e seu povo de maneira mais clara. Disse lá que acredito que para esses, traidores da patria naturais, os States poderiam presenteá-los com passagens só de ida, e um bom quinhão de suas verdinhas para alegrar seus corações, coisa facil para eles reprodutores da moeda que torna o mundo por cnvenções dependentes. Essa gente tem maior apreço pelo país dos yankes que pelo país dos brasileiros, são gente que vivem num limbo de frustração e covardia, acham que o unico estado com direito a soberania são os States, mas suas motivações refletem apenas suas mesquinhas, egoisticas e fracas personalidades.

Responder

alvaro

04/11/2014 - 08h06

Realmente anda difícil a vida do Professor Hariovaldo. Além da concorrência direta de seu inspirador, o ínclito jornalista (sic) Merval Pereira, ex-cineastas, ex-roqueiros, ex-presidentes, ex-juízes e ex-comunistas andam fustigando sua incontestável liderança.

Responder

Leandro_O

04/11/2014 - 08h04

A propósito, pessoal do Viomundo, vocês talvez gostariam de investigar quem foi o deputado (a mando de quem?) que ‘enfiou’ na pauta da SESSÃO EXTRAORDINÁRIA do DIA 13/06/2013, o Projeto de Decreto Legislativo 1446/01. (Vide: http://www2.camara.leg.br/camaranoticias/noticias/RELACOES-EXTERIORES/444939-PLENARIO-PODE-VOTAR-ACORDO-COM-EUA-PARA-LANCAMENTO-DE-FOGUETES-EM-ALCANTARA.html)

Enviei questionamento, porém, só recebi a vaga resposta abaixo:

“A Câmara dos Deputados agradece seu contato.

Em atenção ao solicitado, informamos que o Projeto de Decreto Legislativo (PDC) 1446/2001 não foi inserido em pauta por requerimento de Deputado, conforme mostra a ficha de tramitação do projeto: http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=36249

A inclusão de proposições na pauta de votação do Plenário é disciplinada pelo Regimento Interno da Câmara dos Deputados (RICD) – artigo 17, alíneas ‘s’ e “t”. A norma prevê que a organização da agenda de votações é atribuição do Presidente da Câmara dos Deputados, após ouvir o Colégio de Líderes. Esse procedimento visa garantir o entendimento entre os partidos para que haja consenso de prioridade – característica de um regime democrático.

Caso alguma dúvida persista, não hesite em nos procurar.”

Responder

Gerson Carneiro

04/11/2014 - 07h24

A direita reacionária de hora em hora rotula Governos populares de Esquerda. Ao lado do clássico “populismo” temos o “chavismo”, e mais recentemente o “bolivarianismo”.

Afinal, o que é bolivarianismo?

Em síntese:

(a) Democracia protagônica: Venezuela, Equador e Bolívia passaram por fortes mobilizações populares que levaram governos de esquerda ao poder. Todos esses governos, de formas diferentes, promoveram uma ampla reorganização do sistema político – o processo de refundação do Estado. Essa reorganização criou um sistema político com forte democracia participativa, secundarização da representação, fortalecimento do Executivo (para combater as oligarquias locais) e intensa participação popular. Tomando a Venezuela como exemplo, lá temos revogação de mandatos em todos os níveis, amplo uso de plebiscitos e referendos, a divisão do Estado é feita em cinco poderes e um deles (poder eleitoral) é responsável por promover a democracia em amplas esferas sociais (como organizar eleições de associação de bairro para profissionalizá-las e evitar fraldes, etc.) e forte participação popular na elaboração e execução de políticas públicas. A Venezuela tem as “Comunas” que muitas vezes ficam responsáveis por executar orçamentos, definir e executar projetos (por exemplo: uma favela vai ser urbanizada, a Comuna local organiza os trabalhadores, faz as obras, compra os materiais, etc., e o Estado oferece a assistência técnica e o orçamento necessário). As Comunas são muito mais avançadas que o orçamento participativo do Brasil. Com certas variações, o mesmo pode ser dito para Bolívia e Equador. A representação não é descartada. Contudo, existe um esforço institucional de usá-la ao necessário e dotar o povo de poder real de decisão.

(b) Nacionalismo econômico e igualitarismo: outro elemento importante do bolivarianismo é seu nacionalismo econômico e a defesa de um projeto de igualdade social. Por ter como base social a população mais pobre das favelas e a classe trabalhadora, os governos bolivarianos investem fortemente em programas sociais de distribuição de renda, ampliação e melhoramento dos serviços públicos e ampliação dos direitos sociais. Essa política é possível devido à nacionalização de setores estratégicos da economia (petróleo, mineração, gás natural, etc.) e o uso da renda advinda desses setores para os investimentos sociais. De novo tomando a Venezuela como exemplo, ela é o país com menor índice de desigualdade social da América Latina (segundo dados da CEPAL).

(c) Anti-imperialismo cultural: a América Latina tem uma longa história de dominação cultural, negação das tradições culturais locais e assimilação do eurocentrismo. Os governos bolivarianos, de novo em graus e formas diferentes, promovem uma ampla política cultural e educacional de valorização dos saberes locais, da cultural local e de enfrentamento ao colonialismo cultural e científico. Normalmente, essa política de valorização passa pelo fortalecimento da cultura indígena e do seu modo de viver. A Bolívia parece ser o símbolo maior nessa área: A McDonalds e a Coca-Cola fecharam suas filiais no país, o Estado investe na criação de faculdades indígenas e na valorização da produção artística local.
Por fim, podemos dizer, na forma de síntese, que o bolivarianismo representa: um sistema político com forte participação popular direta, uma política econômica voltada a um nacionalismo e a um igualitarismo social e uma cultura fortemente anti-imperialista, de valorização dos saberes e formas de viver locais. Portanto, bolivarianismo é uma coisa muito boa e felizes seríamos nós se os governos do PT [Brasil] fossem bolivarianos. A direita que acusa de bolivarianismo o menor sinal de participação popular é como os liberais e conservadores descritos por José Murilo de Carvalho:

É possível ser bolivariano no Brasil?

“Pelo lado da direita, o golpismo não é novidade. Desde 1945, liberais e conservadores vinham tentando eliminar da política nacional [Getúlio] Vargas e sua herança. O liberalismo brasileiro não conseguiu assimilar a entrada do povo na política. O máximo que podia aceitar era a competitividade entre setores oligárquicos. O povo, representado na época pela prática populista e sindicalista, era considerada pura massa de manobra de políticos corruptos e demagogos e de comunistas liberticidas. O povo perturbava o funcionamento da democracia dos liberais. Para eles, o governo do país não podia sair do controle de suas elites esclarecidas” (Cidadania no Brasil – O longo caminho. Civilização Brasileira, 2010, p.151).

Jones Makaveli é graduando em História pela Universidade Federal do Pernambuco/Brasil.

Fonte: http://www.diarioliberdade.org/america-latina/batalha-de-ideias/52220-afinal,-o-que-%C3%A9-bolivarianismo.html

Responder

    Objete

    04/11/2014 - 10h18

    Achei bem pedagógicos os informes acima aludidos. Continue brindando-nos com tais ensinamentos.

    Isabela

    04/11/2014 - 13h30

    Pois estou pensando seriamente em assumir o termo, dizer que sou bolivariana..rss.. principalmente depois de ler o artigo do Pondé ontem na folha…

sergio

04/11/2014 - 01h14

Antes eram só vira-latas. Agora são vira-latas, golpistas e ridículos.

Responder

jacó

04/11/2014 - 00h51

LEMBRO que nós BRASILEIROS somos 200.000.000(DUZENTOS MILHÕES) e apoiamos DILMA LULA e o PT, querem mais é o BRASIL.

Responder

Edvaldo

04/11/2014 - 00h46

Tupiniquins

Responder

FrancoAtirador

04/11/2014 - 00h39

.
.
Em 2003, eram só 112,832 (cento e doze vírgula oitocentos e trinta e dois)

Muares da Extrema-Direita que assinavam essas Petições de Intervenção Estrangeira.

Depois de 12 anos, os 4 Clãs das FamíGlias das Organizações Mafiosas G.A.F.E.*

multiplicaram por Mil o número de Fascistas da Manada de Equus Cabalus Asinus.
.
.

Responder

    Mancini

    04/11/2014 - 00h54

    Uai, Conceiçao e Azenha, eu pensara que a capitá fosse uma tar maiamí…Que dizer, a cpitar do nos usa. Corram todos para lá. Bom seria um bom controle no trânsito da moeda, mas deve ser tudo caixa dois. Anta eu! http://rf10consumidorsabido.blogspot.com.br/ e sempre aqui também: http://refazenda2010.blogspot.com.br/

    FrancoAtirador

    04/11/2014 - 01h02

    .
    .
    Enquanto isso, no Império do Norte:

    Nova York 31 OCT 2014 – 14:41 BRST
    El País

    “EUA DECLARAM SEU ORGULHO POR TRABALHAR COM CUBA CONTRA O EBOLA”

    Por Vicente Jimémez

    A Embaixadora dos Estados Unidos nas Nações Unidas,

    Samantha Power, Elogiou a Ajuda Fornecida por Cuba

    na Luta Contra a Epidemia de Ebola na África Ocidental.

    A Diplomata, durante um encontro organizado pela agência Reuters

    na sexta em Nova York, fez outras Significativas Menções à Ilha:

    “Estamos muito agradecidos a Cuba,
    que já tem 265 médicos na região,
    e mais 200 estão por vir.
    Ainda que não seja um esforço integrado,
    estamos trabalhando ombro a ombro”.

    O regime de Havana é um dos poucos países
    que, na opinião de Power, fazem muito,
    ao contrário de muitos outros
    que, denunciou, não fazem quase nada.

    Em Havana, o Ministro das Relações Exteriores Britânico,
    Hugo Swire, também elogiou o esforço do regime castrista
    na primeira visita de alto escalão do Reino Unido na Ilha,
    em uma década. As palavras de Power chegam 24 horas depois
    de uma delegação norte-americana participar de uma reunião técnica
    contra o ebola realizada em Havana, convocada pelos países
    integrantes da Aliança Bolivariana dos Povos da América (ALBA).

    (http://brasil.elpais.com/brasil/2014/10/31/internacional/1414769756_983090.html)
    .
    .

    Mancini

    05/11/2014 - 21h12

    Conceição, Azenha, com todo respeito e a ajuda que o sítio de vocês me dão, creio sinceramente que teria outras matérias que mereceriam estar na capa! Mas eu, pequeno, e sem anúncio, nem de banco oficial, pois banco é banco! Bem, publiquei na íntegra um matéria de vocês, o que não a minha praxe, Por causa dessa minha ética muita coisa sumiu, até um determinado vídeo!
    Em: http://refazenda2010.blogspot.com.br/
    Mas também tem coisa muito importante em: http://rf10consumidorsabido.blogspot.com.br/
    E escusas ao Franco!

Euler

04/11/2014 - 00h33

Esse pessoal não cansa de ser ridículo. Tá bom, vamos considerar que o Brasil tenha se tornado uma “nova Venezuela” – como essa gente gosta de Chávez e de Fidel! Impressionante. Ok, agora somos todos bolivarianos. E daí? O quê que Obama vai fazer? Vai mandar os marines invadirem o Brasil? Ou vai mandar navios para recolher os 112 mil e poucas almas penadas que odeiam os pobres, os nordestinos, os negros, o povo brasileiro, enfim? Até que a segunda possibilidade seria muito bem vinda. Vão pra Miami, amigos do Lobão, e sejam felizes por lá. Mas, por favor, não voltem. Estamos muito felizes assim, caminhando para nos tornar comuno-bolivarianos.

Responder

Lucia Coelho

04/11/2014 - 00h18

é piada, né?

Responder

Paulo Roberto Gomes

04/11/2014 - 00h13

Difícil acreditar que uma coisa assim pudesse acontecer. Que vexame inacreditável que estas pessoas estão fazendo. Mais de cem mil idiotas, fazendo talvez a maior vergonha da história de nosso país. Não se trata de meia dúzia, é uma quantidade espantosa de energúmenos, poucos países do mundo devem possuir um contingente tão grande de imbecis em sua população.

Responder

    Paulo

    04/11/2014 - 00h58

    Parabéns pela lucidez. Que vexame! Abs.

Paulo Roberto Gomes

04/11/2014 - 00h11

Difícil acreditar que uma coisa assim pudesse acontecer. Que vexame inacreditável que estas pessoas estão fazendo. Mais de cem mil idiotas, fazendo talvez a maior vergonha da história de nosso país. Não se trata de meia dúzia, é uma quantidade espantosa de energúmenos, poucos países do mundo devem possuir um contingente tão grande de imbecis em sua população. Quem diria, os 7 a 1 da Copa seriam fichinha perto do que a direita mentecapta está aprontando.

Responder

ccbregamim

03/11/2014 - 23h48

é a casa branca conspirando contra nós?

golpe de estado aqui?

nem aécio nem never.

aqui não.
não. não.

Responder

Marat

03/11/2014 - 23h45

Se essa escumalha não parar com essa crise absurda de idiotice, creio que tenhamos de fazer uma petição pedindo ajuda aos russos, chineses, cubanos e venezuelanos – rsrsrsrsrsrs

Responder

Marat

03/11/2014 - 23h38

Azenha, há tantas vagas assim nos sanatórios??? Essa corja de Monikos Lewinskos, poderia, por hora, aplicar-se supositórios em forma de Tomahawk, pintadinho com a bandeira do Império do IV Reich!

Responder

C.Paoliello

03/11/2014 - 23h13

Por falar em bolivariano, não custa dar uma refrescada na memória sobre o grande líder latino-americano:

“Simón Bolívar é considerado na América Latina como um herói, visionário, revolucionário, e libertador. Durante seu curto tempo de vida, liderou a Bolívia, a Colômbia, Equador, Panamá, Peru e Venezuela à independência, e ajudou a lançar bases ideológicas democráticas na maioria da América Hispânica. Por essa razão, é referido por alguns historiadores como “George Washington da América do Sul”. (Extraído de Wikipedia).

Responder

Deixe uma resposta