VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.
Cartas de Minas
Cartas de Minas

Folha transforma cláusula pró-jornalistas em “avanço contra imprensa independente”

07 de novembro de 2012 às 11h48

06/11/2012 – 06h00
Cristina pode mudar estatuto de jornalistas

SYLVIA COLOMBO

DE BUENOS AIRES, na Folha

A poucas semanas do 7D (7 de dezembro), data em que os meios de comunicação que tenham licenças acima do limite permitido terão de desinvestir para adaptar-se à Lei de Mídia, o governo de Cristina Kirchner promove mais um avanço contra a imprensa independente argentina.

As senadoras kirchneristas Nanci Parrilli e Liliana Fellner apresentaram ao Congresso um projeto de lei que incorpora ao Estatuto do Jornalista Profissional uma “cláusula de consciência”.

Por meio da medida, todo jornalista que se sentir pressionado a escrever sobre um tema ou uma posição editorial que não corresponda a suas convicções éticas ou morais não terá de fazê-lo.

A empresa jornalística fica proibida de punir ou demitir o profissional.

Segundo o texto do projeto, os jornalistas poderão evocar a cláusula de consciência “quando se produza uma mudança de orientação informativa ou linha ideológica que suponha um risco para sua independência física ou ideológica no desempenho de sua atividade” ou “quando sem seu consentimento se insira ou retire sua assinatura ou autoria”.

LIBERDADE IDEOLÓGICA

As duas senadoras disseram que a nova lei garante a “liberdade ideológica e o respeito à pluralidade de pensamento dos jornalistas”.

Para Daniel Dessein, presidente da comissão de liberdade de imprensa da Adepa (Associação de Entidades Periodísticas Argentinas), a medida gera um “alerta”. “Teoricamente ela garantiria a liberdade do jornalista. Na Argentina hoje, porém, torna-se mais um instrumento de avanço contra a imprensa e os negócios jornalísticos independentes”, disse à Folha.

Ele aponta também que a medida entraria em conflito com o direito de propriedade. “Se um jornal muda de dono e o novo dono quer mudar a linha editorial, fica sem poder demitir ninguém. Num cenário em que a imprensa escrita está em crise é uma lei que prejudica os negócios.”

A medida surge num contexto de agravamento da tensão entre o governo e o grupo Clarín, principal alvo da Lei de Mídia, aprovada em 2009 e que entrará completamente em vigor no próximo dia 7 de dezembro.

Nessa data, vence a liminar obtida pelo grupo sobre a medida que obriga meios que possuem vários veículos e licenças a abrir mão de parte deles.

SIP

“O que está acontecendo na Argentina é muito grave, o governo é sofisticado ao criar novas leis e medidas para dinamitar a imprensa não alinhada. A intenção da Lei de Mídia não é democratizar as comunicações, mas debilitar um grupo inimigo”, diz Claudio Paolillo, diretor da SIP (Sociedade Interamericana de Prensa).

A SIP prepara uma comitiva que visitará o país no começo de dezembro para acompanhar os acontecimentos relativos ao 7D.

PS do Viomundo: O mais risível é que um dos entrevistados assume como direito de um novo dono de jornal demitir jornalistas que não escreverem tudo o que ele quiser!

Leia também:

Márcio Meira: Indígenas não ficam congelados no tempo

Gilberto Carvalho: “Nunca soube dessa história de chantagem em Santo André”

Britânicos choram: Thatcher entregou soberania energética aos franceses!

Leitor reclama que parceria foi chamada de “corrupção”

JC: Flertando com uma teoria da conspiração

Altamiro Borges: Mídia prepara bote contra Lula

Carlos Lopes: Passadas as eleições, pressa do STF “sumiu”

Lincoln Secco: PSDB e Eduardo Campos só têm chance em 2014 se houver ”crise catastrófica”

Marcos Valério, o jogo político e a investigação do ex-presidente Lula

Vereador que fez campanha por Serra antecipa proposta de Haddad

Corrigindo o diagnóstico de Aécio Neves sobre o resultado eleitoral

Breno Altman: Quem tem domínio de fato, na democracia, é o povo

Fernando Ferro: Verba publicitária e sadomasoquismo

09 - nov 0

Vitor Teixeira: Jornazismo

Não, não somos

27 - out 0

Vitor Teixeira: Um caso de amor

Tragédia nacional

16 - out 0

Jota Camelo: Paneleiras

Com ração e tudo

 

44 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Advogado argentino: Imprensa não deve temer regulação do Estado « Viomundo – O que você não vê na mídia

28/11/2012 - 13h20

[…] Folha transforma cláusula pró-jornalistas em “avanço contra imprensa independente” […]

Responder

Altamiro Borges: Álvaro Dias ingressará na Arena? « Viomundo – O que você não vê na mídia

18/11/2012 - 18h47

[…] Folha transforma cláusula pró-jornalistas em “avanço contra imprensa independente” […]

Responder

Washington Novaes: Perdidos em meio à soja sul-mato-grossense « Viomundo – O que você não vê na mídia

09/11/2012 - 15h23

[…] Folha transforma cláusula pró-jornalistas em “avanço contra imprensa independente” […]

Responder

FrancoAtirador

08/11/2012 - 00h45

.
.
CARA DE TACHO NA GLOBONEWS

A reação constrangida dos repórteres e apresentadores da Globonews

quando um estudante brasileiro nos EUA, em entrevista ao vivo na TV,

disse que “Obama não é nenhum Lula…”:

https://www.youtube.com/watch?v=N3LKWbkBEWA

Responder

    FrancoAtirador

    09/11/2012 - 10h18

    .
    .
    Adendo:

    …um estudante brasileiro da PUC do Rio de Janeiro,
    falando sobre o resultado das eleições nos EUA…

    Estudante:
    “[Obama] mudou,
    mas não mudou tanto
    quanto a gente imaginava…
    Não é um Lula, assim…”

    Globetes:
    “Há, Há, Há…
    Realmente não é um Lula…
    Há, Há, Há…”

    http://www.viomundo.com.br/humor/ha-ha-realmente-nao-e-o-lula.html

paulo roberto

07/11/2012 - 23h32

“A intenção da Lei de Mídia não é democratizar as comunicações, mas debilitar um grupo inimigo”.

Uma clara confissão de que a tal “imprensa independente” é um grupo inimigo, tal qual aqui no Brasil, e que o governo do PT finge que não vê.

Responder

Messias Franca de Macedo

07/11/2012 - 22h50

(COLLOR DE) MELLO, PUNE !
AGORA TEM QUE PUNIR !
Os ministros agora estão com medo da História?
Publicado em 07/11/2012
(…)
Acho importante deixar claro que o fim desse julgamento não vai ser decidido pelo Supremo. Tanto o seu mérito quanto o comportamento e voto dos julgadores continuarão sob exame por muito tempo. Nem eles nem a mídia são os agentes exclusivos da História. Todos entrarão nela sem a impunidade da toga e da franquia da infâmia.
Por ‘amigo navegante’!
em http://www.conversaafiada.com.br/brasil/2012/11/07/collor-de-mello-pune-agora-tem-que-punir/

###########################################
LÁ VEM PIPOCA E CALDO DE CANA!

… Tem coisa mais patética do que o Merval Pereira com aquela [indefectível!] cara de criança chupando pirulito comentando/analisando acerca de chicanas jurídicas?!…

EM TEMPO: eu já estou ficando com pena do fim destes “supremos e supremas” que caíram no conto do vigário do Robert(o) Jefferson e do PIG porta-voz da DIREITONA [eterna e MENTEcapta] OPOSIÇÃO AO BRASIL!…

Que país é sete, sô?!…
Bahia, Feira de Santana
Messias Franca de Macedo

Responder

Francisco

07/11/2012 - 22h08

Adorei essa noticia. Colocar o safado em confronto com a própria hipocrisia! Genial!!

É uma pena que aqui no Brasil o PT não esta no poder…

PS. a proposta de uma lei assim, no Brasil, seria derrotada, claro, mas seria a chance de termos uma lista dos deputados que votassem contra ela. Os que são a favor da “sacrossanta liberdade de inprensa” e que… votam contra a liberdade de inprensa!

Seria melhor que a lista de Furnas…

Responder

luiz mattos

07/11/2012 - 21h09

Quem viu o discurso da presidente dilma?LULA 2014!

Responder

Messias Franca de Macedo

07/11/2012 - 20h28

SEN-SA-CI:)-NAL! SENSACI:)NAL! O ‘CIRCO’ ESTÁ PEGANDO FOGO! A TOTAL DES-M-RA-LI-ZA-ÇÃO DO “supremoTF”! IM-PER-DÍ-VEL! IMPERDÍVEL – E LAPIDAR -, ‘O DOMÍNIO DO FATO’! ENTENDA O :)(!)

http://tvuol.uol.com.br/assistir.htm?&q=mensalao&time=all&orderBy=mais-recentes&edFilter=editorial&video=marco-aurelio-da-bronca-por-barbosa-debochar-em-julgamento-04024C9B376AD4A13326

Que país é sete, sô?!…

Bahia, Feira de Santana
Messias Franca de Macedo

Responder

Bonifa

07/11/2012 - 19h56

Isto significará transferência de poder do empresário de jornal para o jornalista. Trocando em miudos, já não se poderá dizer que na Argentina o jornal é um negócio capitalista como outro qualquer. Será um negócio diferenciado, que incorpora deveres de lisura informativa e onde o jornalista deixa de ser uma máquina a mais dentro de um complexo industrial que, ao produzir informação, está condenado a obedecer estritamente aos interesses políticos do empresário. É como um químico que se recusa a assinar a fórmula do alimento industrial que contém veneno.

Responder

Messias Franca de Macedo

07/11/2012 - 19h46

[‘a veja’ ENQUADRADA EM SEU DEVIDO LUGAR! ENTENDA]

Deputado Rogério Correia sai em defesa de Lula e contra a revista Veja
em http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=6diqaKE2Rp4

BRASIL NAÇÃO
Bahia, Feira de Santana
Messias Franca de Macedo

Responder

Eduardo Guimarães

07/11/2012 - 19h18

Impressiona que, nos tempos que correm, o jornalista não existe mais – ao menos nos grandes conglomerados de mídia do Brasil. O que existe é a peça (humana) de uma máquina. Um ser sem alma, sem opinião, sem brios, que, para essa gente, deve funcionar como um robô. A situação do jornalismo, no Brasil, não para de piorar. E com o aval do governo que é a principal vítima desse “jornalismo”. E quando se atribui o papel de vítima ao governo, entende-se-o como manifestação legítima da vontade da maioria da sociedade, o que a torna, por sua vez, vítima da “imprensa”. E lá se vai a democracia brasileira para o buraco.

Responder

FrancoAtirador

07/11/2012 - 19h02

.
.
SUPREMAS VESTAIS ou SAFOS BESTIAIS

“Não admito que vossa excelência
suponha que aqui todos sejam salafrários
e só vossa excelência seja vestal.”

Ministro do STF Marco Aurélio Mello
para o ministro-relator Joaquim Barbosa,
na sessão de julgamento de hoje (7/11).
.
.
(http://aposentadoinvocado1.blogspot.com.br/2012/11/ministro-do-stf-marco-aurelio-disse-que.html)

Responder

    Messias Franca de Macedo

    07/11/2012 - 20h03

    Prezado FrancoAtirador, ainda sobre “o nosso” “supremoTF”!…

    CENAS supremas(!) de uma “suprema” Corte!…

    … O Joaquim Barbosa se comporta como um sujeito atrevido, insolente e impertinente!… Hoje (07/11/12), voltou a desrespeitar o ínclito ministro doutor Ricardo Lewandowski! Um dos momentos:
    – O ministro revisor quer transformar os réus em santos!
    – ministro relator , Joaquim Barbosa, o senhor me respeite! Não fique criando frases de efeito! A partir de agora, eu não irei mais aceitar desacatos do senhor!
    – Ah, não vai aceitar?! [Que cinismo e petulância, adendo nosso!]
    – Não, não irei aceitar deboches! Nós estamos numa Corte Suprema! Nós estamos envolvidos num julgamento sério, que decide sobre a liberdade e a vida das pessoas!…

    (Ao lado, os indefectíveis “assopros dos ‘beiços’” do [impoluto!] Gilmar Mendes; também na cena, o “supremo” Marco Aurélio Mello, o mesmo que afirmou: “A ditadura militar, no Brasil, foi um mal necessário!”… À propósito, se o tal ‘domínio do fato’ não fosse recurso seletivo e de exceção, este senhor deveria ser condenado, sumariamente, pela Comissão da Verdade!)

    RESCALDO: no julgamento do mensalão tucanoDEMoníaco [Ação Penal 536], aposto que a ‘Vossa Inclemência’ irá se abster de votar, alegando a condição de presidente do “supremoTF” – e as recorrentes dores na coluna vertebral provocadas pelos bicos de tucanos – perdão, ato falho -, pelos bicos de papagaios!…

    Que país é este, sô?! República de ‘Nois’ Bananas, responde, “na lata”, o matuto ‘bananiense’!

    Bahia, Feira de Santana
    Messias Franca de Macedo

Jair de Souza

07/11/2012 - 18h25

A lei proposta por parlamentares da base de apoio de Cristina Kirchner é importante. Com esta lei, nenhum meio de comunicação precisa perder sua linha editorial. Os que querem continuar sendo vende-pátrias podem continuar sendo.

A lei também não obriga aos meios de comunicação publicar matéria que vaá contra o que os donos dos meios defendem, por isso é bestial a tentativa de torná-la semelhante a uma provável não aceitação dos donos da Tv Record de máteria favorável a N. S. Aparecida em seu canal.

O que a lei estipula é que um jornalista não pode ser obrigado a escrever (ou difundir por meio radial ou televisivo) opiniões que vão contra sua forma de crer. No caso específico deste artigo da FSP, se a lei estivesse em vigor no Brasil, a tal Sylvia Colombo poderia se recusar a escrever em defesa de algo que qualquer jornalista de bom senso sabe que não fere em nada a liberdade de expressão. Ela só escreveria (como acredito que de fato o faria) se não se sentisse ultrajada moralmente com isso.

Será que os defensores das máfias midiáticas conseguem entender isto? Ou será que eles também se propõem a defendar qualquer coisa em nome de seus patrões, por mais sórdida que seja?

Responder

Messias Franca de Macedo

07/11/2012 - 18h20

A hora é essa!

em http://maureliomello.blogspot.com.br/2012/11/a-hora-e-essa.html#more
06 NOVEMBRO 2012
Texto repercutido em http://altamiroborges.blogspot.com.br/2012/11/regulacao-da-midia-hora-e-essa.html#more

##################################

… Concordo com vocês, egrégios, lúcidos e intrépidos jornalistas: o PIGolpista/terrorista ‘está apostando tudo nas últimas consequências’: portanto, não haverá limites para toda sorte(?!) de inventivas, calúnias, baixarias, safadezas abjetas, factóides… E seja o que o ‘Diabo’ quiser e/ou permitir!…

… O golpismo está sempre à espreita!…

AS RUAS, BECOS E AVENIDAS ESPERAM – E CLAMAM -, ANSIOSAS, POR VOZES! OU NÃO?!…

NOTA: este governo hesita temendo mais o quê?!… Ou este governo não enxerga que são mais do que retaliações e represálias, os confrontos diuturnos exemplificados pela “torcida contra”, “o mas, porém, entretanto, todavia,…” imediatamente após o anúncio de alguma ação positiva do governo, as acusações e impropérios aplicados abaixo da linha da cintura contra as instituições e os membros dos governo Lula e Dilma Rousseff?!…

LEI DOS MEIOS JÁ passou da hora!…

Hasta la Victoria Siempre!

República de ‘Nois’ Bananas
Bahia, Feira de Santana
Messias Franca de Macedo

Responder

    FrancoAtirador

    07/11/2012 - 20h26

    .
    .
    Cada vez mais hilários.

    Virou Sessão Comédia.

    Aliás, se observarmos bem,
    eles já frequentaram todas as páginas
    aqui do sítio Viomundo:
    HOME
    DENÚNCIAS
    POLÍTICA
    ENTREVISTAS
    OPINIÃO DO BLOG
    VOCÊ ESCREVE

    E, agora, acabaram aqui, na página de

    HUMOR !!!
    .
    .

    FrancoAtirador

    08/11/2012 - 00h56

    .
    .
    Camarada Messias.

    Apenas para registro, eu deveria ter postado esta resposta ao seu comentário “CENAS supremas(!) de uma “suprema” Corte!”

    Fica o registro.

    Um abraço libertário.
    .
    .
    PS: Como dizem na minha terra:

    “Essa gente de toga é muito ‘maula’ mesmo.”
    .
    .

sandro

07/11/2012 - 17h38

Diversão garantida!

Maria Amélia Martins Branco

Vejam a entrevista do FHC na BBC, o repórter o encurralou, foi hilário, se divirtam…

http://www.obroguero.com/2012/11/bbc-ensina-ao-pig-como-de-faz-uma.html

Responder

De Paula

07/11/2012 - 17h16

Jornalista chamando chefe de colega?!!! E se o “colega” não for jornalista formado? Alguem estará fraudando e desonrando a profissão Ah, me esqueci que os pavões do Supremo ajeitaram as coisas pros “colegas”, prá ganhar simpatia e espaço.

Responder

Dr. Rosinha: “Rua Delegado Fleury, torturador e matador” « Viomundo – O que você não vê na mídia

07/11/2012 - 17h06

[…] Folha transforma cláusula pró-jornalistas em “avanço contra imprensa independente” […]

Responder

Hans Solo

07/11/2012 - 16h41

Quer dizer então que podemos considerar como sendo fantoches os jornalistas da Folha, Veja, Jornal Nacional, Globonews? Sim, claro. Os colunistas (colonistas) são um caso diferente, são contratados aqueles que vestem a casaca do PIG, logo nunca serão coagidos a falar mal de um governo trabalhista, pois já fazem de bom grado. Já os demais jornalistas, aqueles que assinam matéria, mas teoricamente não podem exprimir sua opinião sim. Na Globo sei que aconteceram fatos bizarros, como a vaia coletiva dos jornalistas depois a edição do perito Molina da bolinha do Serra ou as incansáveis reuniões diárias de pauta na busca ‘do que podemos falar mal do Edir Macedo’, pouco depois dele comprar a Record. O que rola é um silêncio absoluto. Na época áurea do Roberto Marinho no O Globo era divertido e exótico se manter ‘comunistas’ na empresa – “Não mexam com os meus comunistas!” dizia Roberto Marinho. Isso aconteceu porque a ditadura isolou e matou o pesado da esquerda – o resto ‘aberto’ era Caetano, Baby Consuelo e Raul Seixas (Jovem Guarda foi enaltecido para alienar os jovens). Fato é que hoje a Globo procura profissionais que compactuem com a sua visão elitista, porém o grande problema é o Roberto Marinho era mais safo e os seus filhos foram criados pelo motorista particular… Sim, estamos vendo uma atrofia da nossa direita (e do PIG) porque o esperma da ditadura era ralo e produziu frutos acéfalos. Quer saber o que pensam os novos Marinhos? Basta saber que eles aprenderam com as impressões que tinham do pai – ele nunca passou para eles o pulo do gato. Daí sofrerem de náuseas a cada eleição.

Responder

    Jorge

    07/11/2012 - 17h03

    “”porém o grande problema é o Roberto Marinho era mais safo e os seus filhos foram criados pelo motorista particular””. NÃO entendi! foram CRIADOS ou GERADOS pelo motorista particular? Aí tem coisa……

FrancoAtirador

07/11/2012 - 16h39

.
.
“PSB não é Viagra do PSDB”

(Roberto Amaral, vice-presidente do PSB)

http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/psb-nao-e-viagra-do-psdb-diz-roberto-amaral

Responder

Hans Bintje

07/11/2012 - 16h31

O texto da Sylvia Colombo é uma fina ironia.

Recado para os leitores da própria Folha:

– O que vocês estão lendo não é, necessariamente, o que os jornalistas vivenciaram, mas a opinião do dono do jornal que está sendo publicada.

É apenas uma versão, tão distante da realidade quanto o dono do jornal queira.

Foi isso que matou o Jornal da Tarde ( fonte: http://noticias.r7.com/blogs/nirlando-beirao/2012/10/17/jornal-da-tarde-1966-2012/ )

“Ser o jornal de São Paulo parecia, para os Mesquita, uma mixaria.

Foi minha primeira escola de jornalismo. E também escola de vida. Convivi com figuras magníficas e profissionais de superior extração.

De vez em quando, em conversas com estudantes de jornalismo, me flagro em crise de saudosismo.

Besteira minha: não dá para comparar. Os tempos mudaram, só os donos da big media é que não mudam.

A gente, no Jornal da Tarde, praticava jornalismo com paixão e com afeto. A gente se iludia com o sonho de um ofício ético e socialmente solidário.

Hoje, o jornalismo da big media recomenda tédio, ódio e deboche. Os robozinhos de hoje não hão de acreditar: no JT, nós éramos felizes, e sabíamos.”

Responder

Marcelo de Matos

07/11/2012 - 15h03

Vejam bem: não venho aqui para fazer provocações, mas, gostaria de saber o que o Viomundo e os comentaristas têm a dizer sobre a declaração do prefeito eleito de Macapá. Clécio Luiz disse que o PSOL tem de se aproximar do PT: http://tvuol.uol.com.br/assistir.htm?video=psol-deve-se-aproximar-do-pt-diz-clecio-luis-053-04020D993168D4A13326&tagIds=95581&orderBy=mais-

Responder

Ricardo Otoni

07/11/2012 - 14h33

Que inveja da Argentina

Responder

Fabio Passos

07/11/2012 - 14h22

Hilário.
O PiG é piada pronta.
É evidente que o frias acredita que os leitores da fsp são imbecis.

Será que alguém leva a sério e acredita numa “reporcagem” deste nível?

Responder

    Caio

    07/11/2012 - 16h24

    Opa… você tem dúvida? é pouca gente, mas que tem, tem! É um probleminha de cognição, mas não deve passar de uns 13% da população brasileira.

    vinícius

    07/11/2012 - 18h14

    Percebo que tem gente que diz não acreditar em mídia.
    Mas usa os mesmos argumentos da mídia em conversas entre amigos.
    Às vezes penso que são poucos, porém percebo que são muitos.

    Hoje me surpreendi ao navegar no site abaixo:

    http://www.midiasemmascara.org/

    O fato que mais me surpreende é perceber que a tal da “direita” está mais atuante, forte e unida do que nunca esteve nos últimos 20 anos.

    Por incrível que pareça, as últimas vitórias do Lula e Dilma serviram para unir e reorganizar a direita de uma forma surpreendente.

    PS. chego a pensar que o pessoal do STF se inspira nos redatores do site acima para elaborarem discursos e teses.

Willian

07/11/2012 - 14h10

Escreve um texto elogioso sobre a fé em Nossa Senhora Aparecida na Record que eu quero ver…rs

Responder

    Ricardo JC

    07/11/2012 - 19h56

    Vai Wiilian, escreve aqui que a lei fere a liberdade de expressão e/ou a livre imprensa!!! Não é isso que eles querem fazer!! Surpresa…a lei quer justamente garantir a liberdade de expressão. Acho que agora você deve estar entendendo o que significa regular a “atividade jornalística”. E não vai dar para ser contra. Ou vai?

    paulo roberto

    07/11/2012 - 23h40

    Willian, você é a favor ou contra a regulamentação da mídia?

CNunes

07/11/2012 - 13h41

O que mais essa ditadura da Argentina vai inventar?
Daqui a pouco não vai nem mais poder chicotear empregado que faz corpo mole..

Responder

FrancoAtirador

07/11/2012 - 13h27

.
.
Quer dizer que os jornalistas da Folha

são peões da Estância dos Frias ?
.
.

Responder

[email protected]_2

07/11/2012 - 13h06

uma lei de evidente interesse do JORNALISTA é rebatida e atacada como ditatorial por uma suposta ‘jornalista’ e ainda é corroborada por um famigerado diretor da inacreditavel SIP.

É muito pra mim. Um mundo assim, uma imprensa assim, só pode fazer muito mal à saúde!

Deus nos livre e guarde…

Presª. Dilma, a LEI DE MEIOS do FRANKLIN em PAUTA, pelamor!!!!

Responder

Rodrigo Leme

07/11/2012 - 13h03

“Segundo o texto do projeto, os jornalistas poderão evocar a cláusula de consciência “quando se produza uma mudança de orientação informativa ou linha ideológica que suponha um risco para sua independência física ou ideológica no desempenho de sua atividade””

Eu quero ver comprovar isso…isso vai valer pra jornal de sindicato também? Pra emissora estatal?

Responder

    Lucas Gordon

    07/11/2012 - 16h06

    a lei está a serviço de todos. Basta que o judiciário a aplique bem, coisa que não faz nem de perto aqui em nossas terras.

    A questão é: você desaprova a lei, acha que ela não faz sentido ou que é ruim? Ou o problema seria mesmo do judiciário?

    Ricardo JC

    07/11/2012 - 19h53

    É este o seu comentário? Justo você, sempre tão crítico com aqueles que dizem “ah, mas o PSDB também fez…”, usando do mesmo expediente. Chega a ser engraçado.
    No mais, é óbvio que isto vale para todos. O que você não compreendeu é que a lei regula a “atividade jornalística”, não “o jornalista”. Ou agora vai alegar que esta lei fere a liberdade de expressão ou a livre imprensa? Faz-me rir…vai!!!

    paulo roberto

    07/11/2012 - 23h44

    Campanha: “Não alimente um troll”.

Thomaz

07/11/2012 - 12h50

Teremos então que os jornalistas contratados não precisam seguir, por exemplo, a linha ideoógica dos veículos. O dono do jornal manda criticar algo no governo, no clube de futebol, que o papa tenha dito, e o jornalista pode não fazer o trabalho, alegando cláusula de consciência. Um editorialista pode alegar cláusula de consciência para não esvrever o editorial político que o dono do jornal está mandando? No jornal do Palmeiras pode recusar editorial malhando o Coringão, alegando cláusula de consciência, porque é corintiano? Arredondando, a linha editorial de um jornal passa a depender da “consciência” dos empregados e não do dono? Esses argentinos da Kirchner ainda vão chegar à conclulsão que jornal, revista, emissoras, não podem ter dono. Em seguida concluirão que a ação da imprensa não se passa no campo da vida privada. É questão de Estado. Como em Cuba.

Responder

João Luiz

07/11/2012 - 12h16

É o que dá chamar o chefe de colega, como diz o Mino.

Responder

Deixe uma resposta