VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.

Ministro do PSDB, investigado na Lava Jato, ameaçou deixar o governo Temer mas recuou; levou 200 mil em dinheiro da JBS

18 de maio de 2017 às 22h45

Da Redação

O deputado federal pernambucano Bruno Araújo apareceu com destaque pela primeira vez na mídia nacional quando bateu panela na tribuna da Câmara dos Deputados, assim que o delator Pedro Barusco disse ter desviado dinheiro da Petrobras (ver a cena acima).

Depois, tornou-se celebridade: deu o voto de número 342 na Câmara, garantindo a abertura do processo de impeachment contra Dilma Rousseff.

Foi o suficiente para guindá-lo ao cargo de ministro das Cidades do governo golpista de Michel Temer.

Hoje, logo cedo, depois das revelações do jornal O Globo, Bruno vazou que deixaria o cargo.

Mas, aparentemente pressionado pelo PSDB, recuou. Os tucanos querem as reformas a qualquer custo e talvez tenham a esperança de aprová-las no Congresso antes de abandonar o navio.

Temer, claramente, não quer perder o foro privilegiado. Nem ele, nem seus dois ministros do coração, Moreira Franco e Eliseu Padilha. Fora do governo, os três poderiam ser presos em pouco tempo.

No governo, podem contar com o perdão da mídia corporativa, que quer as reformas, não quer eleições diretas e não quer Lula presidente em 2018.

Além disso, o governo conta com a rapidez do ciclo de notícias. E se a Lava Jato fizer busca e apreensão na casa de Dilma Rousseff, por exemplo?

A escandalosa conversa de Temer com Joesley Batista, do grupo JBS, na qual o usurpador ouviu uma narrativa de cometimento de crimes sem nem mesmo se espantar, será logo esquecida.

Sob a presidência do hoje presidiário Eduardo Cunha, Bruno Araújo deu o voto decisivo contra Dilma afirmando: “Quanta honra o destino me reservou de, da minha voz, sair o grito de esperança de milhões de brasileiros!”

Ele também celebrou o futuro. No caso dele, o futuro foi revelador.

Delator ligado à Odebrecht revelou pagamentos por fora a campanhas eleitorais de Bruno: “Consoante o Ministério Público, um dos colaboradores informa que, diante da influência do parlamentar, decidiu-se manter com ele boa relação, sendo realizados vários repasses financeiros nos anos de 2010 e 2012, como doação eleitoral, no valor total de R$ 600 mil, soma não contabilizada e paga pelo setor de operações estruturadas”, escreveu o ministro Edson Fachin ao abrir inquérito contra o tucano.

Ele é suspeito de lavagem de dinheiro, corrupção ativa e passiva.

O ministro, investigado pela Lava Jato, aparentemente decidiu dar uma segunda chance ao inatacável governo de Michel Temer. Talvez um novo grito de esperança…

PS do Viomundo: Na delação de Joesley Batista o agora ministro está na lista dos políticos que receberam dinheiro da JBS por fora: foram 200 mil em dinheiro vivo, de acordo com o empresário.

Leia também:

A conversa pornográfica entre Joesley e Temer

 

3 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Vilma Ribeiro

18/06/2017 - 19h40

São tantos bandidos nos altos padrões não há Como proteger ninguém​ Dilma Lula Temer,,, congresso nacional,, quem é confiável só tem transações perigosas isto é meu Brasil…..

Responder

a.ali

18/05/2017 - 23h19

SE o usurpador não quer perder a boquinha esse outro cafajeste vais querer ?

Responder

Barítono

18/05/2017 - 22h54

O papel da Globo e da Lava Jato na ascensão dos bandidos ao poder
Escrito por Pedro Breier

http://www.ocafezinho.com/2017/05/18/o-papel-da-globo-e-da-lava-jato-na-ascensao-dos-bandidos-ao-poder/

É surreal.

A Lava Jato alimentou a Globo e demais integrantes da máfia midiática brasileira desde 2014 com vazamentos criminosos contra o PT. Estes vazamentos eram milimetricamente calculados para virarem manchetes sempre no momento político mais adequado para os interesses dos que queriam derrubar o governo eleito democraticamente.

A Globo e a Lava Jato são, inegavelmente, as responsáveis por colocar no poder o PMDB e o PSDB, liderados por seus bandidos-mor, Michel Temer e Aécio Neves.

A Globo blindou Aécio e Temer até exatamente ontem. Premiada com mais um vazamento privilegiado, oriundo de sua relação espúria com integrantes da Lava Jato, deu o furo sobre os seus crimes para tentar manter o controle da narrativa.

É óbvio que a Globo não queria isto. Temer, repito, foi blindado desde o momento em que assumiu a presidência. Apoiado entusiasticamente nos seus projetos de desmonte do Estado e ataque aos direitos da população.

Mas quando surgem provas como essas, não há o que fazer. A única opção possível para a Globo é jogar os bandidos ao mar e fingir que não tem nada a ver com isso.

Temer foi protegido também por Sérgio Moro, que impediu Cunha de fazer perguntas comprometedoras ao (ex-)presidente.

Entretanto, e aqui está a surrealidade a qual me refiro na primeira linha deste post, muitos coxinhas continuam comprando a narrativa da Globo de que a Lava Jato é a salvadora da pátria. Justamente as duas responsáveis pela ascensão dos maiores criminosos ao poder!

Michel Temer foi gravado pedindo para um cidadão manter a mesada de Cunha, o bandido já preso que foi essencial para o golpe, para que este permaneça em silêncio.

Aécio “Underwood” Neves é simplesmente um gângster. Foi gravado falando em matar receptor de dinheiro antes que este possa fazer uma delação.

Pois a dobradinha Lava Jato/Globo trabalhou arduamente, durante o processo eleitoral de 2014 e depois o de impeachment, para colocar no poder estes honoráveis cidadãos.

As pessoas votaram em Aécio para acabar com a corrupção, vejam só que coisa linda.

Já contra Lula e Dilma (a presidenta eleita democraticamente, não esqueçamos) não há absolutamente nada a não ser histórias mirabolantes – desacompanhadas de qualquer prova – de delatores torturados com prisões preventivas eternas. Contra Lula tentam usar como prova um apartamento no Guarujá, sem qualquer documento assinado e no qual o ex-presidente não dormiu uma noite. É patético.

Colocar Dilma e Lula no mesmo saco de bandidos que parecem saídos de um filme da máfia é ou inocência ou cegueira ideológica das bravas. Há coxas que não cansam de ser enganados.

O tweet postado no perfil oficial da série House of Cards se aplica perfeitamente aos crimes dos que eram protegidos da Globo até ontem, Michel Temer e Aécio Neves: “tá difícil competir”.

Responder

Deixe uma resposta