VIOMUNDO

Procurador não entendeu oitiva de Lula na Zelotes. Nós entendemos

26 de janeiro de 2016 às 13h39

Da Redação

Procurador da Operação Zelotes disse não ter entendido o motivo pelo qual a Polícia Federal pediu para ouvir o ex-presidente Lula na Operação Zelotes.

Nós entendemos perfeitamente.

Basta analisar as imagens abaixo.

A oitiva gerou manchetes e mais manchetes na mídia (montagem do GNN). Faz parte do processo de criminalização do ex-presidente da República, possível candidato do PT em 2018.

E ajuda a encobrir os verdadeiros acusados de corrupção na Zelotes (montagem do Muda Mais).

Simples assim.

Captura de Tela 2016-01-26 às 13.29.49 Captura de Tela 2016-01-26 às 13.32.53 Captura de Tela 2016-01-26 às 13.33.53

Leia também:

Paulo Pimenta: Travaram a investigação da Zelotes para não atrapalhar aliança entre PF, MP e mídia

 

4 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Urbano

26/01/2016 - 17h40

A situação política vivenciada nesse instante pelo Brasil é de uma podridão tão estúpida, que enquanto se procura, sob a lente de um microscópio eletrônico de alta potência, algum hipotético crime do Eterno Presidente Lula, há centenas e centenas de bandidos dos mais escroques livres, leves e soltos. Isso só os de dentro da política em si, porque em se englobando os demais poderes da oposição ao Brasil, o efetivo de escroques ascenderá aos milhares.

Responder

    bonobo de oliveira, severino

    27/01/2016 - 14h03

    Sob a luz da moral e da ética, bandidos são esses servidores PÚBLICOS vendidos para os interesses privados partidários do Mercado.

FrancoAtirador

26/01/2016 - 14h42

.
.
A Barata se faz de Morta e é imune à Rádio-Atividade.
.
.

Responder

Deixe uma resposta