VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.
Cartas de Minas
Cartas de Minas

Pela 2ª vez, CCJ barra abertura de processo contra Temer no Supremo; confira votação

19 de outubro de 2017 às 01h42

Crédito das fotos: Cleia Viana / Câmara dos Deputados

Da Redação

Mais uma vez a Comissão de Constituição de Justiça (CCJ) da Câmara barra a abertura no Supremo Tribunal Federal (STF) de processo contra o presidente da República, Michel Temer.

Só que desta vez foram incluídos os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria-Geral), com base na denúncia apresentada pela Procuradoria-Geral da República. Os três são acusados de formação de quadrilha e obstrução de Justiça.

Por 39 votos contra 26, prevaleceu o parecer do deputado Bonifácio de Andrada (PSDB-MG), para quem a denúncia não tem prova do crime de obstrução de Justiça e interpreta mal o crime de organização criminosa. Ele classificou como “criminalização da política” a denúncia, porque fatos cotidianos de negociações entre partidos e a nomeação de ministros foram indicados como prova de atos ilícitos.

Orientaram votação a favor do parecer do aliado do senador Aécio Neves (PSDB-MG) os seguintes partidos: PMDB, PP, PSD, PR, DEM, PRB, PTB, SD, PSC e Pros,

PT, PSB, PDT, Pode, PCdoB, PPS, PHS, Rede e Psol foram contrários.

PSDB e PV liberaram suas bancadas para votar como quisessem.

O resultado da votação foi similar ao da primeira denúncia, cujo placar foi 40 contra 25, porque foi praticamente mantida a composição da CCJ, quando foram trocados 11 deputados do PMDB, do PP, do PR, do PRB, do PSD e do SD.

Nos últimos dias, quatro deputados titulares foram trocados na comissão, dois no PSD e dois no PSB. O PSB chegou a trocar seu líder nesta quarta-feira, assumindo o deputado Júlio Delgado (MG). Ele trocou os deputados que votariam a favor do relatório por outros que são contrários.

“Viemos há muito tempo passando o constrangimento de votações, na grande maioria, serem destoantes da orientação da liderança e, agora, vamos tentar encontrar a uniformidade, que se encontra com a decisão do diretório nacional”, disse.

O próprio relator chegou a ser trocado pelo PSDB e fez seu relatório em uma vaga cedida pelo PSC, partido do líder do governo no Congresso, deputado Andre Moura (SE), que defendeu o relatório durante a reunião.

Foram 5 votos contra 3 na bancada do partido na CCJ, vencendo os votos contra o relatório.

Agora, o parecer vai a plenário, que dará a decisão final.

A previsão do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), é de que a votação definitiva da denúncia aconteça até o fim de outubro.

Como votaram os deputados na CCJ

SIM, a favor do relatório que barra a denúncia contra Temer:

Alceu Moreira (PMDB-RS)
Antonio Bulhões (PRB-SP)
Arthur Lira (PP-AL)
Beto Mansur (PRB-SP)
Bilac Pinto (PR-MG)
Bonifácio Andrada (PSDB-MG)
Carlos Bezerra (PMDB-MT)
Carlos Marun (PMDB-MS)
Cleber Verde (PRB-MA)
Cristiane Brasil (PTB-RJ)
Daniel Vilela (PMDB-GO)
Darcísio Perondi (PMDB-RS)
Del. Edson Moreira (PR-MG)
Domingos Neto (PSD-CE)
Edio Lopes (PR-RR)
Edmar Arruda (PSD-PR)
Evandro Gussi (PV-SP)
Evandro Roman (PSD-PR)
Fausto Pinato (PP-SP)
Francisco Floriano (DEM-RJ)
Genecias Noronha (SD-CE)
Hildo Rocha (PMDB-MA)
José CarloAleluia (DEM-BA)
Juscelino Filho (DEM-MA)
Luis Tibé (AVANTE-MG)
Luiz Fernando (PP-MG)
Magda Mofatto (PR-GO)
Maia Filho (PP-PI)
Marcelo Aro (PHS-MG)
Milton Monti (PR-SP)
N. Marquezelli (PTB-SP)
Osmar Serraglio (PMDB-PR)
Paes Landim (PTB-PI)
Paulo Abi-Ackel (PSDB-MG)
Paulo Maluf (PP-SP)
Rodrigo de Castro (PSDB-MG)
Rogério Rosso (PSD-DF)
Ronaldo Fonseca (PROS-DF)
Thiago Peixoto (PSD-GO)

NÃO, contra o relatório que barra a denúncia contra Temer:

Alessandro Molon (Rede-RJ)
Betinho Gomes (PSDB-PE)
Chico Alencar (Psol-RJ)
Daniel Almeida (PCdoB-BA)
Danilo Cabral (PSB-PE)
Fábio Sousa (PSDB-GO)
Félix Mendonça Jr
Gonzaga Patriota (PSB-PE)
Hugo Leal (PSB-RJ)
João Gualberto (PSDB-BA)
José Mentor (PT-SP)
Júlio Delgado (PSB-MG)
Luiz Couto (PT-PB)
Major Olimpio (SD-SP)
Marco Maia (PT-RS)
Marcos Rogério (DEM-RO)
Maria do Rosário (PT-RS)
Patrus Ananias (PT-MG)
Paulo Teixeira (PT-SP)
Pompeo de Mattos
Rocha (PSDB-AC)
Rubens Bueno (PPS-PR)
Sergio Zveiter (PODE-RJ)
Silvio Torres (PSDB-SP)
Valmir Prascidelli (PT-SP)
Wadih Damous (PT-RJ)

 

 

3 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

RONALD

20/10/2017 - 11h50

Esta lista acima e as que vierem na votação na Câmara devem ser guardadas com todo o “carinho” para as eleições de 2018. Eles vão tentar se esconder, mudando o nome dos antros partidários, mas não podemos esquecê-los ou perder seus rastros… inimigos do povo !!!!!

Responder

Regina Maria de Souza

19/10/2017 - 11h17

Bem, estão muito seguros de que nada lhes acontecerá, certo? A imunidade parlamentar está sendo lida como impunidade parlamentar. Neste Brasil de incertezas, eu não me sentiria tão segura. Contra a MP da venda do pré-sal.

Responder

lando carlos

19/10/2017 - 05h49

perdi a esperança,esperar o que de um supremo golpista que ajuda liberta o Aécio,nada fugiram da responsabilidade de defender a constituição,acabou o brasil soberano somos comandados por uma casta privilegiada pau nos pobres

Responder

Deixe uma resposta