VIOMUNDO

Ponte para o passado coloca Brasil na primeira fila dos condenados

30 de março de 2016 às 20h54

Captura de Tela 2016-03-30 às 20.53.24

Mãos ao alto!

Uma ponte para o passado – o ardil de conferir um caráter programático ao golpe do impeachment

Por Silvia Camurça, Carmen Silva, Verônica Ferreira e Paula de Andrade (da equipe do SOS Corpo)

No ardil de conferir um caráter programático ao golpe do impeachment, lideranças do PMDB – que estão à frente das manobras, elaboraram o documento Uma ponte para o futuro. Ainda que rapidamente, nós nos demos ao trabalho de olhar a proposta: trata-se do programa mais antipopular e antijustiça social dos últimos tempos.

Os autores partem do pressuposto liberal de que inserir-se no processo de globalização é o destino de nossos países. Para estes senhores, um país como o Brasil não poderia remar contra a maré, como estamos tentando desde 2003. Devemos seguir para o abismo junto com outros, mesmo que sejamos os primeiros na fila dos condenados.

Na mais pura expressão de um pensamento submisso e covarde, o documento nada aponta em termos de soberania nacional. Ou seja, esta ‘ponte’ que arquitetam pode nos levar de volta aos anos 1990, quando a política internacional do Brasil era a de inserção subordinada na globalização.

Após duas décadas de hegemonia neoliberal, ciclo do qual ainda não saímos, sabemos bem os resultados que provocaram na América Latina: pobreza em altos patamares, violência, desmonte de serviços públicos por meio da privatização e precarização do trabalho. É a este passado que esta “ponte” (ou seria cadafalso?) nos levará.

Na rota da inserção preconizada pelo PMDB, o programa certamente vai desmontar o Mercosul, a Unasul e, pior, vai desmontar os BRICS – aliança do Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul. Será o fim do banco dos BRICS e da moeda alternativa ao dólar, que estes países vinham construindo.

Para a crise orçamentária tão alardeada, que tem relação com superávit e crise econômica internacional, o programa propõe um ajuste fiscal ainda mais rigoroso que o atual. As coisas sempre podem piorar, sabemos. O método é cortar nos gastos sociais via desvinculação de receitas da saúde e educação.

Ou seja, a proposta é tirar mais dinheiro da saúde e da educação públicas, favorecendo a economia das empresas privadas dos dois setores. Nada de taxar fortunas, como prevê a Constituição, para financiar o SUS. Na proposta da “ponte”, saúde e educação deixam de ser direito de todos, para ser apenas de quem pode pagar.

Na previdência, o programa “ponte” retoma a proposta derrotada em 2004, a de desvincular o salário mínimo do valor das aposentadorias. Ou seja, a maior parte das pessoas aposentadas poderão receber menos que um salário mínimo. Isso é o que vai ocorrer na prática: rebaixamento dos valores da aposentadoria dos que recebem menos.

Ao longo do que está proposto no programa, há muito mais em termos de ajuste, inclusive aumento de superávit, mas o pior é o projeto de uma reforma da Constituição para “corrigir disfuncionalidades”. Com este Congresso? Com parlamentares que não foram eleitos para tal tarefa?

Ao analisarem a Constituição brasileira, os problemas selecionados por estes senhores são a excessiva intervenção do Estado nas empresas, ou seja, querem liberdade para os empresários não terem de responder nem a legislação fiscal, nem trabalhista; e propõem que acordos privados de negociação trabalhista possam ser feitos desconsiderando a lei.

Esta ponte vai enterrar a CLT e nos levará a um Brasil anterior ao tempo de Getúlio Vargas.

O texto propõe o aprofundamento das restrições aos licenciamentos ambientais, de modo sub-reptício a impedir qualquer questionamento em termos de devastação ambiental ou de crimes contra as populações dos territórios ambicionados por algum megaempreendimento.

Enfim, o único futuro que esta ponte nos mostra é o futuro do ultraliberalismo, coisa que ainda não conhecemos, mas que está sendo viabilizado entre vários governos sob influência de corporações poderosas e famílias milionárias.

Já são sabidas as relações de apoio financeiro dos Irmãos Koch às articulações e mobilizações de direita no Brasil. Agora, vemos o ideário ultraliberal desta família de petroleiros americanos, que sabe bem defender seus negócios, inspirar a proposta destes que querem governar o Brasil sem ter sido eleitos.

Por isso, reafirmamos: o golpe do impeachment tem por objetivo implantar no governo do Brasil uma orientação política que foi derrotada nas últimas eleições: o ultraliberalismo. O processo de impeachment nada tem a ver com combate à corrupção.

Se assim fosse, deveriam os autores da “ponte” estar nas fileiras dos que lutam pelas investigações de todos os acusados e pelo julgamento justo para todos e todas.

Leia também:

O partido mais secreto do mundo é o dos irmãos Koch

Investigação VIOMUNDO

Estamos investigando a hipocrisia de deputados e senadores que dizem uma coisa ao condenar Dilma Rousseff ao impeachment mas fazem outra fora do Parlamento. Hipocrisia, sim, mas também maracutaias que deveriam fazer corar as esposas e filhos aos quais dedicaram seus votos. Muitos destes parlamentares obscuros controlam a mídia local ou regional contra qualquer tipo de investigação e estão fora do radar de jornalistas investigativos que trabalham nos grandes meios. Precisamos de sua ajuda para financiar esta investigação permanente e para manter um banco de dados digital que os eleitores poderão consultar já em 2016. Estamos recebendo dezenas de sugestões, links e documentos pelo [email protected]

R$0,00

% arrecadado

arrecadados da meta de
R$ 20.000,00

90 dias restantes

QUERO CONTRIBUIR
8 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

jefferson

19/04/2016 - 12h26

Impedimento NÃO DIRETAS JÁ
E o povo quem escolhe seus governantes não partidos não podemos ser impostos a engolir o que querem ninguém ali e apto para tal

Responder

Urbano

31/03/2016 - 16h08

Bem que a oposição ao Brasil poderia usar a gazua como logomarca de sua república bandida.

Responder

Eduardo Guimarães

31/03/2016 - 10h25

A foto acima foi tirada em reunião do PMDB ou foi na portaria de entrada da penitenciaria da papuda?

Responder

FrancoAtirador

31/03/2016 - 08h08

.
.
“Governos Anteriores [SIC] Controlavam Instituições de investigação”
.
diz Procurador da República do Paraná, Carlos Fernando Santos Lima.
.
(https://twitter.com/VIOMUNDO/status/715199909641785345)
(https://twitter.com/bobjackk/status/715192218898849792)
.
Curiosidade
.
Os “Governos Anteriores”, aos quais o Lima
.
e a Mídia Jabáculê do PPSDemB se referem,
.
são os de Dom Pedro I e Marechal Deodoro?
.
.

Responder

Julio Silveira

31/03/2016 - 06h38

Nesta foto de muitos ratos ocultos, aparecem três a descoberto, desses, dois são ex ministros que estiveram no atual governo, e também nos dos tucanos. Que governo é esse que aceitou essas aberrações a seu lado? Será que era para aprender com a expertise que possuem?

Responder

Sérgio

31/03/2016 - 04h37

Cunha e os evangélicos:
https://www.youtube.com/watch?v=7CAUv5QCcb0

Responder

Sérgio

31/03/2016 - 04h33

Surreal. Suplanta qualquer ficção!

Responder

FrancoAtirador

31/03/2016 - 00h54

.
.
braZil sob o Domínio da Umbrella Corporation dos Koch
.
Milhões de Zumbis Contaminados pelo Vírus Ultraliberal
.
vagando pelas Ruas, Praças e Avenidas de São Paulo,
.
rasgando panos Vermelhos e praticando o Canibalismo.
.
(http://residentevil.com.br/wiki/umbrella-corporation)
.
.

Responder

Deixe uma resposta