VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.

Ponte para o passado coloca Brasil na primeira fila dos condenados

30 de março de 2016 às 20h54

Captura de Tela 2016-03-30 às 20.53.24

Mãos ao alto!

Uma ponte para o passado – o ardil de conferir um caráter programático ao golpe do impeachment

Por Silvia Camurça, Carmen Silva, Verônica Ferreira e Paula de Andrade (da equipe do SOS Corpo)

No ardil de conferir um caráter programático ao golpe do impeachment, lideranças do PMDB – que estão à frente das manobras, elaboraram o documento Uma ponte para o futuro. Ainda que rapidamente, nós nos demos ao trabalho de olhar a proposta: trata-se do programa mais antipopular e antijustiça social dos últimos tempos.

Os autores partem do pressuposto liberal de que inserir-se no processo de globalização é o destino de nossos países. Para estes senhores, um país como o Brasil não poderia remar contra a maré, como estamos tentando desde 2003. Devemos seguir para o abismo junto com outros, mesmo que sejamos os primeiros na fila dos condenados.

Na mais pura expressão de um pensamento submisso e covarde, o documento nada aponta em termos de soberania nacional. Ou seja, esta ‘ponte’ que arquitetam pode nos levar de volta aos anos 1990, quando a política internacional do Brasil era a de inserção subordinada na globalização.

Após duas décadas de hegemonia neoliberal, ciclo do qual ainda não saímos, sabemos bem os resultados que provocaram na América Latina: pobreza em altos patamares, violência, desmonte de serviços públicos por meio da privatização e precarização do trabalho. É a este passado que esta “ponte” (ou seria cadafalso?) nos levará.

Na rota da inserção preconizada pelo PMDB, o programa certamente vai desmontar o Mercosul, a Unasul e, pior, vai desmontar os BRICS – aliança do Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul. Será o fim do banco dos BRICS e da moeda alternativa ao dólar, que estes países vinham construindo.

Para a crise orçamentária tão alardeada, que tem relação com superávit e crise econômica internacional, o programa propõe um ajuste fiscal ainda mais rigoroso que o atual. As coisas sempre podem piorar, sabemos. O método é cortar nos gastos sociais via desvinculação de receitas da saúde e educação.

Ou seja, a proposta é tirar mais dinheiro da saúde e da educação públicas, favorecendo a economia das empresas privadas dos dois setores. Nada de taxar fortunas, como prevê a Constituição, para financiar o SUS. Na proposta da “ponte”, saúde e educação deixam de ser direito de todos, para ser apenas de quem pode pagar.

Na previdência, o programa “ponte” retoma a proposta derrotada em 2004, a de desvincular o salário mínimo do valor das aposentadorias. Ou seja, a maior parte das pessoas aposentadas poderão receber menos que um salário mínimo. Isso é o que vai ocorrer na prática: rebaixamento dos valores da aposentadoria dos que recebem menos.

Ao longo do que está proposto no programa, há muito mais em termos de ajuste, inclusive aumento de superávit, mas o pior é o projeto de uma reforma da Constituição para “corrigir disfuncionalidades”. Com este Congresso? Com parlamentares que não foram eleitos para tal tarefa?

Ao analisarem a Constituição brasileira, os problemas selecionados por estes senhores são a excessiva intervenção do Estado nas empresas, ou seja, querem liberdade para os empresários não terem de responder nem a legislação fiscal, nem trabalhista; e propõem que acordos privados de negociação trabalhista possam ser feitos desconsiderando a lei.

Esta ponte vai enterrar a CLT e nos levará a um Brasil anterior ao tempo de Getúlio Vargas.

O texto propõe o aprofundamento das restrições aos licenciamentos ambientais, de modo sub-reptício a impedir qualquer questionamento em termos de devastação ambiental ou de crimes contra as populações dos territórios ambicionados por algum megaempreendimento.

Enfim, o único futuro que esta ponte nos mostra é o futuro do ultraliberalismo, coisa que ainda não conhecemos, mas que está sendo viabilizado entre vários governos sob influência de corporações poderosas e famílias milionárias.

Já são sabidas as relações de apoio financeiro dos Irmãos Koch às articulações e mobilizações de direita no Brasil. Agora, vemos o ideário ultraliberal desta família de petroleiros americanos, que sabe bem defender seus negócios, inspirar a proposta destes que querem governar o Brasil sem ter sido eleitos.

Por isso, reafirmamos: o golpe do impeachment tem por objetivo implantar no governo do Brasil uma orientação política que foi derrotada nas últimas eleições: o ultraliberalismo. O processo de impeachment nada tem a ver com combate à corrupção.

Se assim fosse, deveriam os autores da “ponte” estar nas fileiras dos que lutam pelas investigações de todos os acusados e pelo julgamento justo para todos e todas.

Leia também:

O partido mais secreto do mundo é o dos irmãos Koch

O livro da blogosfera em defesa da democracia - Golpe 16

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.

Compre agora online e receba na sua casa!

 

8 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

jefferson

19/04/2016 - 12h26

Impedimento NÃO DIRETAS JÁ
E o povo quem escolhe seus governantes não partidos não podemos ser impostos a engolir o que querem ninguém ali e apto para tal

Responder

Urbano

31/03/2016 - 16h08

Bem que a oposição ao Brasil poderia usar a gazua como logomarca de sua república bandida.

Responder

Eduardo Guimarães

31/03/2016 - 10h25

A foto acima foi tirada em reunião do PMDB ou foi na portaria de entrada da penitenciaria da papuda?

Responder

FrancoAtirador

31/03/2016 - 08h08

.
.
“Governos Anteriores [SIC] Controlavam Instituições de investigação”
.
diz Procurador da República do Paraná, Carlos Fernando Santos Lima.
.
(https://twitter.com/VIOMUNDO/status/715199909641785345)
(https://twitter.com/bobjackk/status/715192218898849792)
.
Curiosidade
.
Os “Governos Anteriores”, aos quais o Lima
.
e a Mídia Jabáculê do PPSDemB se referem,
.
são os de Dom Pedro I e Marechal Deodoro?
.
.

Responder

Julio Silveira

31/03/2016 - 06h38

Nesta foto de muitos ratos ocultos, aparecem três a descoberto, desses, dois são ex ministros que estiveram no atual governo, e também nos dos tucanos. Que governo é esse que aceitou essas aberrações a seu lado? Será que era para aprender com a expertise que possuem?

Responder

Sérgio

31/03/2016 - 04h37

Cunha e os evangélicos:
https://www.youtube.com/watch?v=7CAUv5QCcb0

Responder

Sérgio

31/03/2016 - 04h33

Surreal. Suplanta qualquer ficção!

Responder

FrancoAtirador

31/03/2016 - 00h54

.
.
braZil sob o Domínio da Umbrella Corporation dos Koch
.
Milhões de Zumbis Contaminados pelo Vírus Ultraliberal
.
vagando pelas Ruas, Praças e Avenidas de São Paulo,
.
rasgando panos Vermelhos e praticando o Canibalismo.
.
(http://residentevil.com.br/wiki/umbrella-corporation)
.
.

Responder

Deixe uma resposta