VIOMUNDO

PM de Alckmin promoveu emboscada, arrancou camiseta do PSOL e quebrou os dentes de manifestante

13 de janeiro de 2016 às 16h36

Captura de Tela 2016-01-13 às 16.33.45

Depoimento de Raul Santiago, militante do PSOL que a PM obrigou a tirar a camisa do partido

da página do PSOL

Raul Santiago Rosa é militante do PSOL em São Paulo. Durante o ato desta terça-feira (12) contra o aumento das tarifas de transporte público, foi duramente reprimido pela Polícia Militar e, em meio a diversas ameaças, recebeu uma ordem de policiais para tirar a camisa que vestia, não por acaso com os símbolos do partido, que ficou como demonstra a foto. Leia abaixo o seu depoimento:

“Estava na concentração 40 minutos antes do ato ‘começar’. Mal os manifestantes se posicionaram para marchar já iniciou o bombardeio. A polícia estava visivelmente bem organizada, armada e fardada, e todas as vias foram fechadas de modo a nos encurralar.

Eu já estive em várias manifestações com repressão, mas nunca vi essa quantidade de bombas ser jogada no meio da multidão. Várias pessoas se machucaram muito seriamente.

Estava com minha namorada, que estava ajudando uma outra garota, e neste momento estávamos com as mãos para o alto quando jogaram uma bomba de estilhaço entre eu e ela. Ambos fomos atingidos, eu um pouco mais gravemente pois os estilhaços se espalharam pela perna, costas e braço. Neste momento nos perdemos.

Demorei um tempo até conseguir falar com ela, e quando consegui imediatamente fui encontrá-la. Então, quando estava no último quarteirão da Rua Haddock Lobo em direção à Av. Paulista, fui abordado por 5 policiais da PM.

O motorista tirou a arma de fogo letal de dentro do carro para me fazer parar. Joguei minha mala no chão e eles mandaram eu abrir as pernas e colocar a mão na cabeça de costas. Neste momento eles gritaram:

— Sua mala está pesada né? Tem explosivo aí? – Fiquei com muito medo de eles implantarem algo. — Você tem passagem na delegacia? O que faz da vida?

Eu respondi que não tinha, que era estudante e trabalhador de carteira assinada, que estava lá porque era contra o aumento.

– Repete para mim: você tem sorte de estar vivo – repeti – é a primeira vez que te vejo aqui, se eu te ver de novo em manifestaçãozinha de esquerda vou quebrar seus dentes e você vai cuspir um a um.

Estava com muito medo, mas tentei olhar as identificações dele. Eles não deixavam.

— Olho nos meus olhos seu vagabundo, vou dar um tapa nessa orelha com brinco até rasgar ele fora.

Depois disso eles tiraram dezenas de fotos minhas, do meu rosto com RG etc.

— Você tá no meu “book” agora, se eu te pegar de novo vou te estraçalhar.

Eles revistaram minha mala inteira, ficaram me aterrorizando. Depois que terminou eu segurava minha camiseta para cima pois ela encostava no machucado do estilhaço da bala e ardia muito.

– Tomou bala é? Isso é menos do que você merece, eu tô com vontade de te encher de porrada aqui. Tira essa camiseta do partido e põe na mala que cê tá liberado, cê entendeu?

Foi horrível, mas eu tive de tirar a camiseta que expressa minha posição política e colocar dentro da mala como se eu tivesse vergonha dela. Eu tinha outra camisa que ele me obrigou a vestir e fui embora.

Visivelmente essa equipe da PM estava destacada para ‘apavorar’ a juventude, desestimulando todo mundo a ir nas manifestações. Mas isso nos fortalece, sabemos que lutar por direitos não é crime, portanto não devemos nos intimidar. Além disso é um absurdo a repressão ideológica que sofri, mostrando o retrocesso que é essa polícia militarizada.

Estou feliz de saber que estou fazendo o certo. Se meu partido é inimigo de quem aumenta a passagem, fecha escolas, precariza a saúde e bate em trabalhadores e estudante, tenho orgulho de vestir a camisa do PSOL e tomar quantas bombas forem necessárias para deixar clara a minha posição de que sou contra a política do governo do estado e da prefeitura.”

PS do Viomundo: O Estadão contou uma bomba a cada sete segundos por um período de 6 minutos. Um verdadeiro Choque e Espanto.

*****

NOTA DO MOVIMENTO PASSE LIVRE SOBRE A REPRESSÃO POLICIAL NO ATO DO DIA 12

Em 2013,a população mobilizada barrou o aumento da tarifa. De lá para cá, ao invés de respeitar a conquista histórica do povo, a Prefeitura e Governo do Estado aumentaram em 80 centavos a tarifa, 26% em relação aos R$3,00! Pelo segundo ano seguido o governador Geraldo Alckmin e o prefeito Fernando Haddad deram as mãos e aumentaram juntos as passagens de trens, metrôs, ônibus urbanos e interurbanos.

Esse aumento absurdo, prejudica principalmente a população mais pobre. Estudos do IPEA sugerem que mais de 400 mil pessoas podem ser excluídas do transporte público só na cidade de São Paulo por não poder pagar a tarifa. Esse aumento só interessa aos empresários do transporte, que mantém seus lucros milionários. O valor da tarifa, assim como sua própria existência, é uma decisão política, que nada tem haver com a inflação.

É a decisão de fazer a população arcar com a farra dos ricos pagando não só com a delapidação dos seus salários, mas também com seu sofrimento cotidiano nos ônibus e trens lotados! Não aguentamos mais!

O direito à cidade é a pauta básica do MPL. Ontem vimos que ainda há muito pelo que lutar. A cidade esteve sitiada pela polícia militar numa verdadeira operação de guerra contra a população, que se reunia para lutar contra mais um aumento de tarifa.

As barreiras policiais são mais uma das inúmeras catracas que enfrentamos todos os dias. Elas impediam que a população participasse da manifestação, revistando e prendendo pessoas que tentavam passar pelo bloqueio policial para chegar até o ato. Foi instalado um clima de terror impedindo nosso direito democrático de manifestação. A tática orquestrada pela Polícia era obrigar a manifestação a descer pela Consolação, onde tinha sido armada um verdadeiro matadouro, com policias da tropa de choque espalhadas ao longo do percurso.

Ao denunciarmos esta situação, e insistir em nosso trajeto original, o ato foi reprimido antes mesmo que ele começasse, situação que nunca ocorreu em um ato organizado pelo MPL. A PM cercou o ato completamente, nos impediu de seguir nosso trajeto, quis impor um trajeto que levava a manifestação para a praça de guerra montada no centro da cidade, e quando o ato tentou sair, sem descumprir nada do que havia sido informado ao Comando da Polícia, massacrou os manifestantes com bombas de estilhaço, de gás lacimogênio, balas de borrachas, spray de pimenta e porrada.

A PM continuou perseguindo os manifestantes após a implosão do ato, deixando dezenas de feridos, com fraturas expostas pelos estilhaços de bombas, atropelando manifestantes com motos, novamente atirando com bala de borracha nos olhos das pessoas.

Além dos vários detidos durante o ato na manobra conhecida como Calderão de Hamburgo, proibida em diversos países, a PM encaminhou 16 detidos as Delegacias, e 2 seguiram presos: um adolescente espera decisão da Vara da Infância para ser liberado ou encaminhado à Fundação Casa, e um maior de idade que acaba de ser liberado na audiência de custódia.

As cenas de terror que vivenciamos não foram despreparo da Polícia: são parte de uma estratégia de endurecimento da repressão. O Secretário de Segurança Pública, Alexandre de Moraes, defendeu a ação e fez uma estranha coletiva às 21h, quando a população que resistia ainda era reprimida no centro, defendendo que os movimentos sociais não tem direito de decidir o trajeto de seus atos. E a repressão que assistimos ontem não foi isolada.

A SSP mostrou que está disposta a trabalhar na ilegalidade para combater os protestos e defender as catracas: na segunda-feira, a Polícia Militar fez uma ofensiva contra os manifestantes, divulgando em tom de ameaça uma série de imagens de pessoas que teriam agredido um policial militar infiltrado durante protesto após terem presenciado o mesmo policial à paisana dando golpes em um manifestante.

Após a divulgação dessas imagens, SEM NENHUM MANDADO DE PRISÃO, a Polícia Militar foi na casa de duas pessoas que dizem que nem sequer participavam da manifestação, e supostamente teriam sido identificadas nessas imagens, e de forma absolutamente ilegal as levou presas para o 3o DP. A partir daí uma série de coações e ilegalidades se seguiram, diferentemente da versão apresentada pela polícia militar, eles foram obrigados a ir para a delegacia.

Como comprova o boletim de ocorrência, a chegada ao DP ocorreu as 20:13. Na delegacia, uma série de abusos ocorreu, a começar pelo fato de que as pessoas estavam detidas ilegalmente sem ordem judicial, e sem que aquilo configurasse um flagrante. No 3o DP, argumentou-se que essas prisões estariam dentro de um boletim de ocorrência por roubo registrado no 2o DP na sexta-feira, dia 08/01, mais de 72 horas antes.

Para buscar legitimar essa atuação absolutamente ilegal da polícia militar, o delegado da polícia civil conseguiu um mandado judicial decretando a prisão temporária dessas três pessoas em plena madrugada, que foi emitido às 01:48, ou seja, muito depois da PM ter prendido as pessoas em suas próprias casas.

Os dois seguem presos temporariamente, tendo sido a prisão decretada por um prazo de 5 dias. Além disso, outra pessoa foi presa em flagrante na sexta-feira, também no 2o DP, acusada de roubo da mochila do policial infiltrado. Ao todo, nesse momento, ao menos 5 pessoas seguem presas em virtude das manifestações contra o aumento da passagem.

Ao invés de discutir o transporte, o governo mostra que o único diálogo é a repressão. E a única prioridade também: os tanques blindados para conter as manifestações custaram R$30 milhões de dinheiro público, e cada uma das centenas de bombas lançadas contra a população chega a custar R$800. A munição que nos ataca é tarifa zero, bancada pelos impostos, mas a tarifa do transporte não! Não vamos nos intimidar! Resistiremos até o fim de todas as catracas!

R$3,80 NUNCA!
Movimento Passe Livre – São Paulo

*****

Os vídeos e gráficos abaixo foram disseminados pelo Território Livre no Facebook:

 

FullSizeRender

GoPro no Ato: fui abordada pela primeira vez durante uma cobertura do atoデモにGoPro:撮影中にデモ隊と一緒にとっ捕まったのは初めての経験。

Publicado por Narumi Tsuruta em Terça, 12 de janeiro de 2016

Veja também:

30 segundos da repressão da PM

Investigação VIOMUNDO

Estamos investigando a hipocrisia de deputados e senadores que dizem uma coisa ao condenar Dilma Rousseff ao impeachment mas fazem outra fora do Parlamento. Hipocrisia, sim, mas também maracutaias que deveriam fazer corar as esposas e filhos aos quais dedicaram seus votos. Muitos destes parlamentares obscuros controlam a mídia local ou regional contra qualquer tipo de investigação e estão fora do radar de jornalistas investigativos que trabalham nos grandes meios. Precisamos de sua ajuda para financiar esta investigação permanente e para manter um banco de dados digital que os eleitores poderão consultar já em 2016. Estamos recebendo dezenas de sugestões, links e documentos pelo [email protected]

R$0,00

% arrecadado

arrecadados da meta de
R$ 20.000,00

90 dias restantes

QUERO CONTRIBUIR

 

28 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Milani

14/01/2016 - 15h59

Alto lá, não foi bem assim não! Trabalho na Rua da Consolação e o que se viu no final daquela tarde foi a via totalmente deserta e liberada, nos dois sentidos, para que os manifestantes descessem por ela. É óbvio que a PM iria refutar qualquer outro traçado, afinal, interditaram a via e desviaram o trânsito à toa? Faltou compreensão por parte dos líderes do MPL, custava terem descido a Consolação, que estava deserta só pra que eles marchassem? Não sou favorável ao Alckmin (Deus me livre) e também acredito que a PM é deveras truculenta na maioria dos casos, mas vitimizar os manifestantes dessa forma chega ser patético. Eles também foram intransigentes, forçaram a barra para descer a Rebouças e aí… deu no que deu!

Responder

Francisco

14/01/2016 - 15h37

O povo tem culpa de ter eleito Alckmin?

Sim, tem alguma culpa.

Mas o povo joga com as cartas que tem na mão e com as informações que tem acesso.

Quem teve quatorze ANOS (terá 16, no total) para democratizar o acesso à informação no Brasil?

Foi o PT. E Dilma. E Lula.

Responder

manoel

14/01/2016 - 15h17

Esse MPL sonha em repetir 2013. E diria que não é só ele. O Geraldo também.
Ahh, o millenium, a opusdei, e todos os conservadores também. Muito cuidado com tudo isso. No final sabemos quem fica criminalizado. A democracia. E isto interessa a golpistas.

Responder

Bacellar

14/01/2016 - 14h01

Deem uma olhada lá no facebook do MPL…Uma forçada de barra geral pra botar o Haddad no mesmo bojo que o Alckmin….Aliás postaram mais memes do Haddad que do Alckmin.
Esse movimento não me representa.
Lógico que a pm é grotesca e nada justifica a violência. Mas eu sou paulistano e sei muito bem a diferença entre um prefeito progressista e um conservador…Quem lembra dos incêndios em favela? Eu tava lá…Haddad é aberto ao diálogo e não merece ser tratado pior que o Alckmin (que efetivamente tem o controle sobre a pm).
Mesmo sabendo que pode render fotos impactantes não vou nessa manifestação de hoje. Serve apenas à pauta da desestabilização…Tirar votos do Haddad pra por quem em outubro? Dória Jr? Datena? Não, obrigado.
Boto muito mais fé na Frente Brasil Popular, que agrega movimentos e dialoga, que tem pessoas que sabem que luta democrática é negociação. Não vamos cair na esparrela do conservadorismo; o caos só interessa a eles nesse momento.
Hoje o MPL organiza atos espalhados por SP? Qual é a lógica disso senão gerar caos?
Nunca apoiarei os atos da PM mas não me peçam também para apoiar um movimento tão ingênuo (ou mal intencionado).

Responder

Murilo Costa

14/01/2016 - 13h14

É mais um capítulo da franquia “Estratégia de dor e sofrimento”.

Responder

Maria Aparecida Jubé

14/01/2016 - 11h42

Esse é o modo PSDB de governar para a população que ainda insiste em mantê-lo no poder. Tá satisfeita Luciana Genro? Esse é o PSDB que você quer ver governando o país, enquanto você mantem encontro amistoso com o capo FHC e, prega o golpe contra a presidenta DILMA, para viabilizar a chegada de Aécio ao poder, a polícia do mesmo PSDB massacra participante de manifestação lícita, só por estar vestido com uma camiseta do seu partido.

Responder

Euler

14/01/2016 - 10h50

É impressionante como há cegueira nos dois lados da trincheira – esquerda x direita. Da direita já se espera mesmo total dogmatismo. Mas, da esquerda, não, a gente sempre espera que haja sensibilidade para ouvir e para se solidarizar com as justas demandas. E a luta contra os aumentos das tarifas de ônibus é uma luta justa, sim. É um direito dos cidadãos protestarem, organizarem manifestações pacíficas em defesa dos interesses da população. É vergonhoso como algumas pessoas debocham dos manifestantes e apoiadores, dizendo que eles fazem o jogo da direita, como se todos devessem obedecer o calendário eleitoral que interessa a este ou a aquele partido. Todos nós sabemos o absurdo que é esta máfia do transporte coletivo, que financia políticos de vários partidos e com isso consegue vantagens e altos lucros. Não há qualquer transparência nas tais planilhas que cobram aumentos abusivos, enquanto a população de baixa renda é privada do direito de ir e vir. É preciso rever a política de transporte coletivo, o que deveria ser um dos objetivos centrais de qualquer cidadão, e especialmente de quem se considere de esquerda. Os manifestantes que ocupam as ruas de SP e outras cidades do Brasil estão exercendo um direito conquistado com muita luta, direito este que vem sendo abolido paulatinamente, e literalmente a pauladas, por governos de direita, como o de Alckmim em SP. Não transformemos os movimentos de protesto em defesa de um transporte coletivo de qualidade e tarifa zero, que seria o desejável, em agentes da direita. Não são. Eles estão fazendo aquilo que muitos de nós não têm coragem.

Responder

mineiro

14/01/2016 - 10h46

e as emissoras facistas , com todo o respeito e voce nao faz parte de lixo de emissora que é a record. principalmente ela com jornalismo rasteiro e sensacionalista incentivando a policia , nao so ela é claro band outro lixo e o pig mor tambem. todos esse lixos de emissora incentivando o policia a bater nos manifestantes. é de dar nojo , cobertura partidarizada , que mostra um lado so.

Responder

mineiro

14/01/2016 - 10h41

enquanto o povo nao se concientizar de verdade e ver quem é quem , vai ser isso ou pior do que isso. nao tem como por odio a esse partido covarde o pt, apesar que eu estou odiando esse b………………………..m…………………de partido , mas votou nesses facistas tucanos de jeito nenhum. o que aconteceu no pr e sp acontece sempre , é porque esse partido demoniaco dos quintos dos infernos , é facista, nazista e ditador e so gosta da elite. quando o povo aprender isso , as coisas melhoram. eu disse melhoram , porque as m………………………………de outros partidos estao indo para o mesmo caminho , mas os demonios tucanos sao os piores. entao povo brasileiro que vota nesse partido , aprendam uma coisa , o voto é sagrado e nao pode ser jogado na lata de lixo . se nao aprender isso , é isso que vao receber em troca.

Responder

Nelson Menezes

14/01/2016 - 10h33

O MPL.que são uma organização de direita, faz com que jovens incaltos de esquerdas se jutam a eles ,mas quem vão as ruas são o de esquerdas enquanto a direão ficam em camarotes assistindo os manipulados a tomarem porradas.parecem que já se esqueceram das balas de borrachas de 2013 que fizeram a direita serem eleita nas maiorias das cidades e Capitais,;Apanharam gritando abaixo a corrupção e elegeram o Serra do PSDB,gritaram abaixo a repreção e elegeram o Allckimin também do PSDB,então vem a lógica,se em 2013 bateram pra caramba nos manifestantes e praticamente aumentaram suas bancadas em todas as esferas e praticamente arrasaram com as esquerdas (pelo menos em SP) e com todos este resultados positivo da direita em 2013 ,nada mais lógico do que meter a borracha novamente,desta vez com mais violencia,o resultado deverá ser o mesmo, a acenção da Direita,2013 garante isto.

Responder

José Eduardo

14/01/2016 - 01h28

Essa é só uma pequena amostra do que acontecerá ao país se os nazi-tucanos voltarem ao poder em Brasília. A prévia já vem ocorrendo na Argentina!

Responder

    Julio Silveira

    14/01/2016 - 09h49

    Exatamente, nazi tucanos, nomenclatura exata, para a forma como esses imitadores tupiniquins agem.
    E trabalham diuturnamente num conluio nacional com justiça politica, policia politica e mídia corporativa nazicapitalista politica, para fazer retornar ao poder esse grupo politico, corrupto até na alma.

    mineiro

    14/01/2016 - 10h33

    do que adianta protestar , pois quando chega a eleiçao tdo mundo vota nesses demonios tucanos. é so chegar as eleiçoes e estao eles de novo no poder para massacrar os mesmos que votaram neles, ia nao da ne. e sobra a argentina por conincidencia ou nao , sao os mesmo que trocaram o candidato da antiga pres. por esse facista ditador e sp fez a mesma coisa. entao, ou muda ou muda , caso contrario vai ser essa ditadura a vida inteira. no caso de sp ,so tinha candidato borra botas e covades , entreguista. mas na argentina nao , la tinha opçao , votou nesse ditador facista porque o povo burroooooooooooooooooooooooooooooooooooo mais burroooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooo quis, votou nele porque o povo quissssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssss bando de imbecissssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssss o povo tem culpa no cartorios sim , se tem um ditador facista eleito pelo voto , é porque o povo pos la e fim de papo , agora aguenta.

André Monteiro

14/01/2016 - 01h14

Eles levam surra e depois vão colocar a culpa no Haddad. Acho que eles ainda vão levar muita surra, mas não vai repetir o movimento de 2013. As coisas não acontecem sempre da mesma forma, assim como também não vai colar que a culpa é só do Haddad. Tem que ter muita diarreia mental para acreditar nisso, apesar de que foi ele quem deu aumento, mas também houve aumento dos trens e dos metrôs,…e creio que esses tem como responsáveis o estado. Além do mais quem está dando a surra nesses mascarados não é a prefeitura, mas o governo. Se ele pensa que vai ficar imune, que vai fazer e acontecer e depois vai vir com essa cara de Madre Teresa de Calcutá para se passar por bonzinho ele que tire o cavalinho da chuva. Um raio pode cair duas vezes no mesmo lugar, mas não é em todo lugar.

Responder

    Ivete Rui

    14/01/2016 - 16h56

    Então André, concordo com você, mas me pergunto:
    Não haverá consequência jurídica para tudo que aconteceu? O Alckmin não deveria responder a processo por tomar uma atitude inconstitucional? Os policiais que foram flagrados por varias câmeras, não serão presos por abuso da autoridade? Os homens que ainda estão presos, aqueles 5 sitados da acima, vão continuar presos? não serão indenizados pelo que aconteceu? E por ai vão as minhas perguntas. Você ainda diz que não adianta o Alckmin vir com cara de santo, Quer dizer que você não acha que todos deveriam ser processados e ficarem de fora da politica por irem contra os Direitos Humanos?

Bacellar

14/01/2016 - 00h42

Porra mas é o mesmíssimo M.O. de 2013…Manifestação pequena, amplamente coberta pela mídia, reprimida com extrema violência e de maneira premeditada pela pm, imagens fortes sendo divulgadas via rede social…

Nem pra mudar um pouco a tática…

Tudo pela desestabilização e tentativa de atingir a massa crítica necessária para o impedimento.

Não vou entrar na onda de xingar o mpl e, evidentemente, acho, não é de hoje, a pm (em especial a paulistana) um troço medonho…Mas vamos ter calma. Cair na mesma duas vezes não dá.

Quem acompanha os comentários aqui sabe que tem anos que eu falo que 2016 seria de tentativa de golpe, mas não pensei que já iriam começar em Janeiro. Do jeito que a coisa anda pode até chegar a ter manifestação com morte…Tudo pra mostrar um Brasil ingovernável. Tudo para gerar o caos…Gene Sharp na veia.

Responder

Gerson

13/01/2016 - 22h53

As manifestações de junho de 2013 só pegaram “corpo” após a PM paulista ter “baixado a lenha” no MPL. O PSDB está tentando utilizar a mesma tática para “encorpar” as passeatas usando o sentimento de indignação das pessoas contra a PM. O segundo passo é a direita tomar conta das passeatas e correr o MPL das manifestações, e por último, transformar o protesto pelo aumento das passagens em protesto contra o governo federal. Exatamente como em junho de 2013. Alckmin saiu ileso e se reelegeu em primeiro turno, já a Presidenta Dilma….

Responder

    Sidnei Brito

    14/01/2016 - 11h28

    Quem vai acabar tomando carona nisso, caro Gerson, são justamente aqueles que tiram “selfies” com PM.
    Ironia pouca é bobagem.

Guimarães Roberto

13/01/2016 - 22h14

Espero que a população não o eleja para mais nada.

Responder

Mauricio Gomes

13/01/2016 - 20h27

“Parabéns” aos paulistas que elegeram esse governador FASCISTA da Opus Dei, finalmente realizaram o sonho de uma intervenção militar. Só lamento pelos que não votaram nesse escroque covarde, pois o que se passa hoje em SP é o mesmo que ocorreu na Alemanha nas décadas de 20 e 30 antes da subida de Hitler ao poder. Onde está o MP, que nada faz ou nada comenta a respeito? E a PF, não tem nada a dizer sobre o uso indiscriminado de munição letal (letal sim, essa história de que não é letal é mentira!)? E a OAB?

Responder

Cláudio

13/01/2016 - 19h13

:
.:.
: * * * * 19:13 * * * * .:. Ouvindo A Voz do Bra♥♥S♥♥il e postando:
.:.
♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥
* * * * * * * * * * * * *
* * * *
.:.
Por uma verdadeira e justa Ley de Medios Já ! ! ! ! Lula 2018 neles ! ! ! !
.:.
* * * *
* * * * * * * * * * * * *
♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥

Responder

Sidnei Brito

13/01/2016 - 18h55

PM do Alckmin fez isso.
O problema é que em dois tempos vão estar dizendo que a culpa de tudo é do Haddad (já há relatos de que analfabetos funcionais – ou gente inteligente demais – já estão dizendo isso).
E estou quase certo que nem PSOL, PSTU, MPL etc. virá a público para botar os pingos nos “ii”.
Espero, é claro, estar redondissimamente enganado.

Responder

    Helena/S.André SP

    13/01/2016 - 21h35

    Não, vc não está enganado, Sidnei Brito. A intenção dessas manifestações do MPL é essa mesma: prejudicar a reeleição de Haddad. Há um plano para Haddad levar a culpa por tudo que está acontecendo. A ala ultra-esquerda do PSOL, PSTU se aliam à direita para prejudicar o PT. Foi assim nas manifestações de 2013 em que a direita saiu fortalecida e “saiu do armário” e o PT, desde então, está se enfraquecendo no cenário político.

    Pablo

    14/01/2016 - 00h00

    Quem assinou o aumento foi a Prefeito, portanto a responsabilidade é sim dele. Porque o povo indignado deveria poupar o Prefeito?

    Nem todos se enquadram nessa lógica simplista e governistas de muitos militantes do PT, que é: ou está conosco ou está com à direita. Existe muita direita dentro do próprio PT, e a própria ideia de manter o poder com peleguismo acima de qualquer insatisfação popular é uma ideia bem conservadora.

    Esse foi o grande erro do PT em 2013. Em vez de ajudar a politizar o debate e dar uma guinada à esquerda, resolveu demonizar as manifestações como algo da “direita”, e elas acabaram se tornando isso mesmo. Palco da direita.

    A direita não é o MPL. Quem está à direita neste caso é mais uma vez o próprio PT na sua lógica de nos apoie fique quietinho porque a “direita é pior”.

    Sidnei Brito

    14/01/2016 - 11h33

    Caro Pablo, o que eu quis dizer é que já há relatos de gente afirmando que o Haddad é quem mandou a polícia bater.
    Que ele tem responsabilidade pelo aumento das passagens dos ônibus municipais de São Paulo, é claro que tem.
    Que pode haver manifestações contra ele, é claro que pode.
    O que não dá é ter gente pensando (ou fingindo pensar) que ele é que comanda a polícia.
    E o que não dá para engolir é que depois a revolta contra os desmandos da polícia comandada pelo governador se transforme em revolta contra Haddad, Dilma etc. e todo mundo ache normal.

Mosqueteiro Bagual

13/01/2016 - 16h51

Cada dia tenho menos dó quando um PM paulistano é assassinado.

Responder

Mauricio Gomes

13/01/2016 - 16h49

Esse governador safado deveria sofrer impeachment por conta dessa violência tanto física quanto ideológica. Essa merda de PM, além de não proteger os direitos básicos do cidadão, ainda por cima é fascista, corrupta e assassina. Alguém precisa tomar uma providência ou logo eles irão exigir que manifestantes de esquerda usem estrelas amarelas para fins de identificação. Tenho minhas críticas ao MPL, mas nada justifica essa selvageria dessa corporação nazifascista que acaricia os riquinhos e brancos enquanto apavora estudantes, negros e manifestações da esquerda.

Responder

    Wyllison

    14/01/2016 - 11h32

    Excelente!

Deixe uma resposta