VIOMUNDO

O ataque do advogado Técio Lins e Silva ao procurador-pregador

17 de janeiro de 2016 às 20h02

Captura de Tela 2016-01-17 às 20.01.03

O pregador Deltan Dellagnol

Operação Lava Jato é pior que a ditadura, diz advogado

MARIO CESAR CARVALHO
DE SÃO PAULO

na Folha

16/01/2016 02h00

O advogado Técio Lins e Silva, um dos signatários da carta que compara a Operação Lava Jato com a Inquisição, diz que o comportamento do juiz Sergio Moro no caso é pior do que na ditadura militar. “Estou falando de uma arbitrariedade como nunca se viu no Brasil, nem na ditadura”, disse.

Aos 70 anos, Lins e Silva foi um dos mais célebres advogados a defender presos políticos na ditadura militar. Agora atua na defesa de um ex-diretor da Odebrecht, Alexandrino de Alencar.

Em entrevista à Folha, ele critica o juiz Sergio Moro, responsável pela operação, os procuradores e a imprensa.

*

Folha – Por que publicar um manifesto contra a Lava Jato quando a operação está prestes a completar dois anos?

Técio Lins e Silva – Porque tudo tem um limite. O copo vai enchendo, como a paciência vai enchendo, e tem uma gota d’água. Estou falando de uma arbitrariedade como nunca se viu no Brasil, nem na ditadura. Advoguei de 1965 a 1985 intensamente na Justiça Militar, na fase mais dura dos anos de chumbo, quando não havia habeas corpus e o preso ficava incomunicável. Tenho autoridade para comparar as coisas.

Por que a Lava Jato seria pior do que a ditadura?

Há uma questão inimaginável, que viola o princípio do processo constitucional democrático: um juiz que só julga esse caso. Tem de se perguntar se ele tem poder para julgar esse caso. No regime militar, os processos eram distribuídos por sorteio. No Paraná, não. Só um juiz atua nos processos.

Isso é uma violação da Constituição. Esses processos não pertencem a ele. A mídia tem tido uma reação muito ruim a isso tudo. Ela foi contaminada por esse fundamentalismo da repressão e aplaude tudo que é contrário aos acusados.

Qual foi a gota d´água?

Todo dia há um fato. Essa é a questão. Não há uma luz no fim do túnel para que a Justiça possa colocar um freio. Ao contrário. Se há uma decisão favorável [aos investigados], há uma reação contra. Não é normal colocar fotos de investigados, fotos do prontuário, com dados sigilosos, para humilhar. Porque é a pior fotografia, com o pior ângulo do acusado. Essa pode ser a gota d´água: o desrespeito absoluto do conceito de que o réu é pessoa sagrada, da presunção de inocência.

A carta diz que “é inadmissível que o Poder Judiciário não se oponha” a esse estado das coisas. O sr. acha que o Supremo se acovardou?

O Supremo não. Ele ainda está apreciando o caso.

O Supremo tem mantido as decisões do juiz.

Meu cliente, ex-diretor da Odebrecht, foi solto por decisão do Supremo. Muitos réus foram soltos pelo Supremo.

Há uma conta da força-tarefa segundo a qual já foram impetrados mais de 300 recursos contra as decisões do juiz, e pouco mais do que uma dezena obteve sucesso. O sr. acha que o Judiciário todo está sendo manipulado pela Lava Jato?

Não respondo porque não tenho essa contabilidade.

A essência dessa conta é que os tribunais superiores têm mantido as decisões do juiz.

O Supremo já julgou favoravelmente aos réus. Muitas vezes o Supremo nega a liminar, mas concede no mérito. Como fica essa conta?

Um dos nomes mais importantes da carta, o do ex-ministro Gilson Dipp, diz que não autorizou a inclusão do nome dele no manifesto.

Isso não quer dizer absolutamente nada. É um nome em mais de 100 [105]. Isso é muito comum. Tenho certeza de que ele concorda com o teor do manifesto.

O procurador Deltan Dellagnol disse à Folha que a carta viola o princípio mais básico do direito de defesa, que é não fazer acusação genérica.

Ele não tem autoridade para fazer qualquer criticar à advocacia. Ele vai a igrejas evangélicas pregar sobre a Lava Jato, vai ao Congresso pedir alteração na lei. Confunde militância política com a função pública de procurador, que tem de respeitar o acusado. Ele não tem autoridade nenhuma, zero.

Leia também:

Gerson Carneiro: Sobre as prioridades de Alckmin

Investigação VIOMUNDO

Estamos investigando a hipocrisia de deputados e senadores que dizem uma coisa ao condenar Dilma Rousseff ao impeachment mas fazem outra fora do Parlamento. Hipocrisia, sim, mas também maracutaias que deveriam fazer corar as esposas e filhos aos quais dedicaram seus votos. Muitos destes parlamentares obscuros controlam a mídia local ou regional contra qualquer tipo de investigação e estão fora do radar de jornalistas investigativos que trabalham nos grandes meios. Precisamos de sua ajuda para financiar esta investigação permanente e para manter um banco de dados digital que os eleitores poderão consultar já em 2016. Estamos recebendo dezenas de sugestões, links e documentos pelo [email protected]

R$0,00

% arrecadado

arrecadados da meta de
R$ 20.000,00

90 dias restantes

QUERO CONTRIBUIR

 

5 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

FrancoAtirador

18/01/2016 - 20h07

.
.
Jurisprudência de Juiz de Vara Criminal em Curitiba-PR
.
“Para fins de Delação Premiada, com Extinção da Pena,
.
e para Efeito de Prisões Preventivas dos LuloPetistas,
.
entre Depoimentos Contraditórios de Dois Bandidos,
.
no Inquérito Policial dirigido pelo Procurador-Regional,
.
prevalecem ‘Ambas as Verdades’ dos ‘Colaboradores’.”
.
.

Responder

lulipe

18/01/2016 - 18h29

Querem apenas desviar o foco da “Lava jato”. É o Jus Sperniandi, nada mais que isso!!

Responder

Franco

18/01/2016 - 11h53

“Advogado” não tem opinião. O que ele fala é irrelevante, pois suas convicções são de aluguel. É só pagar e ele se esmera em eufemismos para justificar os honorários. Esses da Lava Jato então… Nem se fala. Estão acostumados com os meandros da engenharia jurídica da procrastinação e daí ” se espantam” quando a Justiça age de verdade. Por certo estão lavando a égua com dinheiro “”limpo”” dos acusados de colarinho branco. Afinal, dinheiro não fede né ? Tudo por dinheiro… coitados…

Responder

    Mauricio Gomes

    18/01/2016 - 14h39

    Eles podem estar ganhando rios de dinheiro, mas isso em nada desmente as acusações que são verdadeiras. Ou você acha normal grampos e vazamentos ilegais, prisões “preventivas” de 1 ano, delações forçadas e aramadas e prêmios para delatores corruptos? Se acha, então reveja seus conceitos.

Deixe uma resposta