VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.

Helena Wolfenson: Trinta segundos da repressão da PM paulista a manifestantes em SP

13 de janeiro de 2016 às 12h17

Do historiador Murilo Cleto, que postou no twitter o vídeo de Helena Wolfenson:

“A PM agiu e continuará agindo pra garantir a liberdade de manifestação e o direito de ir e vir. Vandalismo é crime”

do Vermelho:

PM paulista volta a reprimir ato contra aumento da tarifa

Voltaram a se repetir, nesta terça (12), as cenas de violência vistas na última sexta (8) na capital paulista. Policiais militares usaram novamente bombas de efeito moral e gás de pimenta durante mais um ato contra o aumento da tarifa. Desta vez os policiais ainda sitiaram uma das áreas mais movimentas da cidade. A ação violenta atingiu pedestres que não participavam da manifestação e jornalistas. Em seus perfis do Facebook alguns internautas relataram as agressões policiais.

Antes do ataque aos manifestantes mais de 100 policiais cercavam a concentração do ato que aconteceu na praça do Ciclista. No início da ação plicial foram presas duas pessoas sob ” acusação” de portarem uma corrente e uma tesoura na mochila.

Segundo relatos da Folha On line e do Uol, os policiais começaram a usar as bombas e o gás ainda quando os manifestantes estavam cercados na concentração. Além dos manifestantes, a polícia também direcionou as bombas, que são “muitas”, segundo jornalistas, contra os pedestres que estavam nas ruas próximas e também contra jornalistas que cobriam o ato.

O estopim dos ataques da PM foi a discordância em relação ao trajeto planejado pelos manifestantes que desceriam a avenida Rebouças rumo ao largo da Batata, em Pinheiros, zona oeste da cidade.

“PM quis forçar um novo trajeto (Consolação até República), mas os manifestantes entendem que isso é uma violência policial arbitrária”, escreveu no twitter o Movimento Passe Livre.
Segundo o porta-voz do MPL, Vitor dos Santos, o movimento planeja novas manifestações para a próxima quinta (14) no Largo da Batata e no bairro de Santo Amaro. “Nossa ideia é pulverizar os protestos”, disse.

No último sábado (9), o preço da passagem de ônibus, trem e metrô em São Paulo subiu para R$ 3,80, contra o valor anterior de R$ 3,50. Segundo a Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos, 25 cidades já anunciaram aumentos nas tarifas de ônibus e metrôs para este ano, com índices médios que variam de 8% a 13%.

Gás lacrimogênio em casa



Eduardo Araújo, que mora próximo da Avenida Paulista, por volta das 23 horas,  relatou em sua página no Facebook o que viu.

Os amigos de São Paulo que moram longe aqui do Centro não fazem ideia do terror que foi mais esse fim de tarde de repressão policial. Não sei que história está sendo contada na grande mídia, mas o que vi “de camarote” hoje da minha janela foi, de novo, feio demais. A polícia jogou muita bomba pra cima de uma rua lotada de gente que passava, gente claramente voltando do trabalho, da escola, gente comendo alguma coisa na lanchonete, gente carregando sacola de compra do mercado, gente abastecendo no posto de gasolina… Foi grande a correria. Passei mal com o gás lacrimogêneo dentro do meu apê, ainda sinto dor de cabeça — imagine quem estava na rua! Não consigo encontrar justificativa para essa ação atabalhoada, porque nada de anormal estava concretamente acontecendo, ao menos por aqui. Tampouco nutro fetiche por violência promovida pelo Estado, sobretudo porque cada uma daquelas bombas, cada tanque de gasolina das motos e dos caminhões da tropa de choque custam nosso dinheiro! Por isso, fico preocupado e horrorizado com essas cenas lamentáveis e é por isso que faço questão de compartilhar com vocês o que eu vi.


Leia também:

Adriano Benayon: Brasil dá prioridade total aos banqueiros

 

10 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Roberto Locatelli

14/01/2016 - 21h45

Os manifestantes não foram ao Palácio dos Bandeirantes. Segundo um manifestante, é porque “de Alckmin não esperamos nada, mas de Haddad esperávamos mais”.
Ainda segundo alguns meninos do tal “mpl”, a repressão é “resultado da política de Alckmin e Haddad”.
Então tá, não cobram nada de Alckmin, mas jogam a repressão no colo de Haddad.

Responder

    Sérgio

    14/01/2016 - 23h24

    A garotada está de parabéns. Só não podem fazer o jogo do adversário. Nada de esconder o rosto. Quem estiver com o rosto coberto está infiltrado e deve ser denunciado pelos próprios manifestantes. E não podem se esquecer que o aumento das passagens é só um sintoma.

marcio ramos

13/01/2016 - 20h15

MPL e os de paninho na cara tudo a ver…

Responder

Joaquim

13/01/2016 - 18h10

Por que será que só quando tem manifestação do Passe Livre os black blokcs aparecem?

Responder

Ninguém

13/01/2016 - 14h34

Como disse um outro comentarista num outro blogue: “Eleito no primeiro turno.”

Já mais que passou da hora de desmilitarizarmos a polícia. Basta de PM!

Responder

Otto

13/01/2016 - 13h46

Mostrar momentos que antecedem a ação da polícia (que tem excessos a serem punidos) ninguém tem honestidade para fazer. Vários “ativistas” já estavam intencionalmente preparados para o confronto, com soco inglês, coquetel molotov etc. Os “Black Bostas” filhinhos de papai também estavam mais interessados em sangue do que em demonstrar preocupação com o transporte público.

Responder

Assis

13/01/2016 - 13h39

Não precisa ler Maquiavel para entender esta história, o Governador não é burro. Mandou a PM descer o cacete nos filhos da classe média. Em breve, haverá uma revolta da classe média, aí aparecerá o MPL falando que é uma manifestação sem partidos.

Neste momento, deixa de ser uma manifestação pelos R$ 0,30 e entra diversas outras demandas. O PT e a corrupção viram o foco das reclamações. Ó MINISTÉRIO PÚBLICO que não é bobo, começa falar da sua proposta (o 11* mandamento do Dagnol). Todo mundo apoia, mesmo sem entender. Logo em seguida, surge o grupo Não vai ter Olimpíadas… O Governador?Rindo atoa no Palácio.

Responder

Ramon

13/01/2016 - 13h27

Que imagens terríveis. A violencia do Estado é pesada.

Responder

Mauricio Gomes

13/01/2016 - 12h42

Essa é a Gestapo do Führer do Tucanistão. Se isso não é um estado totalitário e fascista, então não sei o que é….

Responder

Sidnei Brito

13/01/2016 - 12h36

O desfecho da história é previsível.
No final, a culpa vai ser do Haddad. Provavelmente já estão repetindo isso por aí.
Em virtude da violência policial, mais manifestantes sairão às ruas.
Aproveitando a ida às ruas, grupos se organizarão para tomar carona no movimento. Tais grupos, desnecessário dizer, serão formadas justamente por aquelas pessoas que gostam de tirar “selfie” com PMs(!).
Blogs progressistas terão medo de serem tachados contra o “povo na rua” e demorarão para admitir o rumo esquisito que as coisas tomaram.
Os “meninos” do MPL, se bobear, vão até ganhar uma entrevistinha laudatória.

Responder

Deixe uma resposta