VIOMUNDO

Levante: O golpismo está sendo televisionado

07 de março de 2016 às 14h41

Captura de Tela 2016-03-05 às 18.02.19

O golpismo está sendo televisionado

do Coletivo Nacional de Comunicação do Levante Popular da Juventude

Nos últimos dias vivenciamos mais uma tentativa de golpe das elites brasileiras ao Estado Democrático de Direito, e no fundo um golpe no povo brasileiro.

Mas como assim golpe? Não era apenas um procedimento jurídico para apurar a corrupção? Não, não era. Pra desmentir esta farsa jurídica vários ministros, advogadas/os e professores de Direito já emitiram notas, escreveram textos explicando por A + B os excessos cometidos pelo famoso juiz Sérgio Moro.

Mas de onde vem tanta força desse juiz? Por que ele tem esse poder de armar um verdadeiro ‘circo’, com centenas de policiais para criar um clima de guerra, de prisão de líder de grupo terrorista?

Até bem pouco tempo atrás não sabíamos quem era Sérgio Moro, mas um setor das elites brasileiras fez direitinho seu trabalho: a mídia! Em especial a rede Globo que dedica algumas horas de sua programação diária para destacar noticias vindo da operação “Lava-jato”, plim plim por plim plim, buscando criar um clima de guerra, por que finalmente “descobrimos quem inventou e quem opera a corrupção no país: o PT”.

Falando assim a gente até parece concordar, afinal nunca se sabe de onde veio e pra onde foi as grandes quantias de dinheiro do povo brasileiro desviado pelas elites desde os tempos do Brasil Império, e agora… sabemos! Esta é a sensação que a ‘grande mídia’ quer construir na população, e de que o grande responsável pelo combate à corrupção seria o juiz Sérgio Moro, uma espécie de herói, paladino da justiça.

Contudo, esse ímpeto do Juiz Moro, só se aplica nos segmentos políticos em que há interesse desconstituir. As suspeitas que envolvem os tucanos, não são dignas de investigação, pelo aparato jurídico-policial, e não são dignas de espetacularização pela mídia. Basta lembrar que Aécio Neves já foi citado em 3 delações diferentes, e qual a repercussão que isso teve?

Nunca é demais nos perguntarmos: quem são os donos da mídia? Quem escolhe o que vai ser transmitido para pelo menos 150 milhões de pessoas ao mesmo tempo?

Há anos os movimentos populares vêm denunciando a concentração da mídia nas “mãos” de 9 famílias no Brasil e de como estas famílias interferem no poder político. Uma família em especial atua como o quarto poder: os Marinho. Os comandantes das organizações Globo estiveram junto com os militares na ditadura, acobertando suas atrocidades. Após a redemocratização foram decisivos em todos os pleitos eleitorais, em especial na eleição de 1989, quando promoveram a famosa trapaça no debate entre Lula e Fernando Collor (veja aqui). A Globo sempre atuou no sentido de criminalizar toda forma de protesto e manifestação democrática que ferisse os seus interesses, das jornadas de junho até as ocupações das escolas em São Paulo.

Em síntese, não se trata de imprensa, mas de uma empresa que atua incisivamente na definição dos rumos do nosso país, sempre em favor de seus interesses, e da elite à qual representa. Portanto, o que estamos vendo na cobertura da operação Lava-Jato, não é a transmissão de uma informação, mas a construção de uma narrativa que convença a população de que alguns atores políticos podem ser eliminados, mesmo que isso viole as regras do jogo constitucional.

Independentemente das críticas que possam ser feitas a Lula, e ao projeto que ele representa, inclusive pela incapacidade de avançar na desconstituição do oligopólio da mídia, ao qual hoje o próprio Lula é vítima, não se pode deixar de denunciar que o que está em curso é a constituição de um Estado de exceção.

Essa mesma operação jurídica-midiática que hoje se abate sobre o Lula, poderá ser utilizada para criminalizar todas as expressões progressistas e populares em nosso país. A isso que estamos chamando de golpe.

O grande intelectual e militante Florestan Fernandes nos ensinou que as elites brasileiras nunca foram a favor da democracia, elas tem um sistema de Poder próprio, que exclui a classe trabalhadora de qualquer decisão. A este modo de operar das elites Florestan chamou de ‘autocracia burguesa’, um sistema que envolve os latifundiários do agronegócio, os banqueiros, os donos de indústria e os donos da mídia.

Em momentos de crise de Poder estas elites buscam definir os rumos do país sem se preocupar e nem consultar a população e nem respeitar as instituições da democracia. E para combater esta autocracia burguesa é necessário unificar todo o povo brasileiro, fazer grandes manifestações de rua, organizar-se por território e disputar corações e mentes. Uma boa briga que quebra um desses alicerces do poder da burguesia é: construir nossos próprios meios de comunicação e lutar pela democratização do acesso à comunicação!

Leia também:

Instituto Lula: Globo fraudoy informações enviadas ao Jornal Nacional 

Investigação VIOMUNDO

Estamos investigando a hipocrisia de deputados e senadores que dizem uma coisa ao condenar Dilma Rousseff ao impeachment mas fazem outra fora do Parlamento. Hipocrisia, sim, mas também maracutaias que deveriam fazer corar as esposas e filhos aos quais dedicaram seus votos. Muitos destes parlamentares obscuros controlam a mídia local ou regional contra qualquer tipo de investigação e estão fora do radar de jornalistas investigativos que trabalham nos grandes meios. Precisamos de sua ajuda para financiar esta investigação permanente e para manter um banco de dados digital que os eleitores poderão consultar já em 2016. Estamos recebendo dezenas de sugestões, links e documentos pelo [email protected]

R$0,00

% arrecadado

arrecadados da meta de
R$ 20.000,00

90 dias restantes

QUERO CONTRIBUIR

 

7 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

MAAR

07/03/2016 - 21h46

Manifestações populares de natureza política são, em si mesmas, algo muito positivo, quando são pautadas por princípios democráticos. E para adquirirem e manterem tal característica as referidas manifestações devem, necessariamente, ter a capacidade de permanecer longe de manipulações e de posicionamentos equivocados.

Assim, diante das evidências de que a exaltação de ânimos e a promoção de confrontos interessa à construção do caos patrocinada pela direita golpista, resulta recomendável a adoção de medidas prudentes, que evitem colocar lenha na fogueira.

Ademais, quando manifestações de direita são convocadas com o objetivo de utilizar o poder político para ‘resolver’ questões jurídicas, fica evidente a pretensão de defender pseudo soluções incompatíveis com a democracia. Ceteris paribus…

A forma de buscar o saneamento deste esdrúxulo estado de exceção patrocinado pelos construtores do caos é exigir a restauração do Estado Democrático de Direito através dos meios democráticos institucionais, tais como OAB, CNBB, sindicatos, etc.

Os doutos julgadores da suprema corte devem ser lembrados de que devem exercer sua função social de modo isento e isonômico, a fim de zelar pela ordem constitucional.

E tal lembrança precisa ser apresentada de maneira formal, rigorosa, através das muitas instituições democráticas representativas da sociedade civil organizada.

Além disso, vale lembrar que a prudência é condição básica para garantia dos direitos democráticos, não apenas de investigados e acusados, mas sim de toda a sociedade. Pois quando temerários acenam com pseudo soluções à margem da lei, todos correm perigo.

Resulta então que a mobilização progressista deve priorizar a difusão das noções e informações necessárias para embasar a conscientização de amplos setores da sociedade quanto às múltiplas evidências das distorções praticadas na Lava Jato.

E há meios mais eficazes de promover a consciência política e de mobilizar iniciativas de instituições democráticas, sem os riscos existentes em grandes manifestações.

Responder

Sérgio

07/03/2016 - 21h05

Se nada grandioso acontecer até o dia 13, a casa cai. Seremos governados, sabe-se lá até quando, pelo o que de pior o Brasil já produziu. A imensa quadrilha tomará o Planalto e o País.
Enquanto isso: …Tá vendo tudo e fica aí parado com essa cara de viado que viu caxinguelê… – Raulzito

Responder

Sérgio

07/03/2016 - 19h50

Esse tal de PT é mesmo uma f#@*. Quem levou a borracha do Brasil? Foi o PT.
Quem levou todo o ouro Das Minas Gerais? Foi o PT!
Morte então ao PT!

Responder

mz

07/03/2016 - 17h45

A nossa autocracia se julga acima das leis também, exemplo gritante é o triplex na reserva ambiental de Paraty e a própria operação lava jato que atropela o processo legal. O rigor da lei é para a classe trabalhadora e os inimigos políticos.

Responder

FrancoAtirador

07/03/2016 - 14h57

.
.
Lei do Fascismo
.
Artigo Único:
“Toda Pessoa é Culpada,
ainda que prove o Contrário”
.
.

Responder

Deixe uma resposta