VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.

Leitores: Privatização do Maracanã, por R$ 7 milhões anuais, sob suspeita de favorecimento

07 de novembro de 2012 às 11h30

da Frente Nacional dos Torcedores e de GM, via e-mail

07/11/2012 06h00

Empresa de Eike discute novo Maracanã em reunião com governo antes de licitação

Vinicius Konchinski


Do UOL, no Rio de Janeiro

O governo do Rio de Janeiro ainda não lançou o edital de licitação do Maracanã, mas um represente seu já participou de uma reunião com a IMX, companhia do bilionário Eike Batista, e dirigentes esportivos para discutir o que será feito do complexo esportivo do estádio após sua privatização. O vencedor da licitação administrará o Maracanã por 35 anos.

A IMX já declarou que quer assumir o Maracanã. A companhia é parceira da multinacional IMG Worldwide. Formalmente, o consórcio formado pela IMX e a IMG disputará o controle do espaço com qualquer outra empresa que atender requisitos do edital da privatização.

Contudo, enquanto o governo prepara esse edital, a IMX participou de uma reunião com gente do próprio governo justamente para falar sobre seus projetos para o Maracanã. Essa reunião foi realizada na tarde de sexta-feira, dia 26, no Parque Aquático Julio Delamare. O parque fica ao lado do estádio e também será privatizado.

O encontro contou com a presença do presidente da IMX, Alan Adler, o presidente da CBDA (Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos), Coaracy Nunes, e o presidente da Farj (Federação Aquática do Rio de Janeiro), Marcos Firmino. Coaracy Nunes e funcionários do parque confirmaram ao UOL Esporte a presença de um representante do Estado, mas o nome dele não foi revelado. O governo estadual nega a participação no encontro (leia nota abaixo).

Vídeo cedido ao UOL Esporte pelo Comitê Popular da Copa do Rio mostra Alan Adler deixando o Julio Delamare após esse encontro. No vídeo, ao ser questionado sobre a reunião, o executivo evita dizer que trabalha no grupo EBX, de Eike Batista. Afirma que se reuniu com Coaracy na condição de ex-atleta.

Adler foi campeão mundial de iatismo em 1989 e 2006, e medalha de prata nos Jogos Pan-Americanos de 2003, em Santo Domingo, República Dominicana. Como esportista, o agora executivo foi vinculado à CBVM (Confederação Brasileira de Vela e Motor). Coaracy preside a confederação responsável pela natação, nado sincronizado, saltos ornamentais e outros.

Em entrevista ao UOL Esporte, Coaracy disse, a princípio, que não tinha informações sobre a privatização do Maracanã e do Julio Delamare. Contou que havia passado alguns dias fora do país e que não havia tido a oportunidade de se inteirar sobre a proposta de concessão do complexo esportivo.

O UOL Esporte, então, recordou o dirigente sobre a reunião do dia 26 de outubro. A lembrança refrescou a memória de Coaracy, que disse não ter falado sobre esportes com Adler na ocasião. O dirigente afirmou que tratou do futuro do Julio Delamare após a privatização do Maracanã.

“Recebi o pessoal do governo e da IMX rapidamente. Eles vieram nos dar uma satisfação sobre o que vai ser feito do Julio Delamare”, revelou o dirigente.

Questionado sobre o fato de representantes do governo do Rio de Janeiro tratarem da privatização do Maracanã na presença do presidente da IMX sabendo que a empresa é declaradamente concorrente no processo que definirá o administrador do complexo, Coaracy respondeu: “prefiro não ver fantasma onde não há fantasma. Não vi nada anormal.”

Marcos Firmino, da Farj, também confirmou o encontro com o pessoal do “consórcio que deve ficar com o Maracanã”. Segundo ele, gente ligada à atual administração do estádio, que ainda é tocado pelo Estado, também esteve na reunião.

PRIVADO POR R$ 7 MILHÕES POR ANO

O governo do Rio de Janeiro divulgou as primeiras informações sobre o processo de privatização do Maracanã. A administração do estádio será repassada à iniciativa privada no ano que vem, antes da reinauguração da arena. Pela concessão, o Estado ganhará cerca de R$ 7 milhões por ano.

A IMX, em nota, confirmou a reunião. Informou também que considera “natural” a empresa participar de encontros com “envolvidos” na privatização do Maracanã já que ela quem fez os estudos de viabilidade econômica do projeto.

“A IMX foi a única empresa a apresentar um estudo de viabilidade para o complexo do Maracanã, fato que já é público. Nessa condição, é natural que representantes da empresa consultem envolvidos no projeto”, informou a companhia.

O referido estudo foi entregue ao governo do Rio de Janeiro em abril. Desde então, é considerado um documento “reservado”. Por esse motivo, nunca foi divulgado.

De acordo com o secretário estadual da Casa Civil, Regis Fitchner, o documento serviu como base para a elaboração da proposta do governo para a privatização do Maracanã. Foi repassado pela IMX pronto. O governo pode acolher integralmente ou parcialmente as sugestões contidas nele.

Fitchner explicou no dia em que o governo apresentou o projeto estadual de Maracanã que a definição do edital da privatização do estádio é de reponsabilidade exclusiva do Estado. A IMX não participaria disso até para não ter informações privilegiadas sobre a concorrência que ela disputará.

O presidente da Comissão de Direito Administrativo da OAB-SP (Ordem dos Advogados do Brasil em São Paulo), Adib Kassouf Sad, afirmou que a reunião entre IMX e governo, em si, não é ilegal. Ressaltou, porém, que o fato de ela ter sido reservada e contar com a presença de apenas uma empresa concorrente pode levantar suspeitas.

“Nenhum concorrente de uma licitação pode ter informações privilegiadas”, afirmou Sad. “Por isso, reuniões reservadas entre o governo e uma concorrente devem sempre ser evitadas. Elas não são transparentes.”

Segundo Fitchner, as únicas informações que a IMX tem acesso garantido são as que já foram publicamente divulgadas. A companhia, como qualquer outra, também pode participar da audiência pública sobre a privatização que acontece nesta quinta-feira, às 18h, no Galpão da Cidadania, região portuária do Rio de Janeiro.

Sobre a reunião, confira a íntegra da nota do Estado enviada ao UOL Esporte.

“O Estado não participou da mencionada reunião. O Estado não tem comentários a fazer sobre uma suposta reunião do presidente da IMX com o Sr. Coaracy Nunes, até porque não compete ao Estado interferir nas eventuais conversas mantidas por possíveis empresas participantes da licitação com terceiros”.

*****

da FNT

Quinta-feira é dia de futebol!

Quinta, dia 08 de novembro, teremos mais uma emocionante partida contra o Governo do Estado do Rio de Janeiro.

Infelizmente, o referido governo segue na inescrupulosa ideia de privatização do Complexo do Maracanã, ignorando a importância da função pública do estádio, bem como as existências do parque esportivo ao redor (atletismo e natação) e da Escola Municipal Friedenreich.

Quinta teremos finalmente uma audiência pública sobre a questão. Válido lembrar que o governo impediu duas audiências na ALERJ, e não foi ao debate público sobre o tema realizado na CâmaraMunicipal dos Vereadores.

Precisamos do apoio de todo Torcedor carioca! Não fique omisso diante dessa atrocidade, ajude a impedir a privatização do Maracanã. A Frente Nacional dos Torcedores estará presente com outros movimentos sociais da campanha O MARACA É NOSSO.

Audiência Pública sobre a possível privatização do Maracanã

Data: quinta-feira (8/11) às 18hs

Local: Galpão da Cidadania

Endereço: Avenida Barão de Tefé, 75, Zona Portuária (junto ao centro, perto da Praça Mauá. Próximo da Av. Rodrigues Alves e da Av. Pres. Vargas na altura da Av. Passos).

Quem puder chegar antes, estaremos concentrados desde 16hs 30min na praça em frente ao Galpão onde acontecerá a audiência.

Evento no facebook: https://www.facebook.com/events/400550236681438/

O MARACA É NOSSO!

PS do Viomundo: Segundo o UOL, a obra de reforma do Maracanã, “começou orçada em R$ 705 milhões; hoje, a previsão é de R$ 859 milhões”.

Leia também:

Márcio Meira: Indígenas não ficam congelados no tempo

Gilberto Carvalho: “Nunca soube dessa história de chantagem em Santo André”

Britânicos choram: Thatcher entregou soberania energética aos franceses!

Leitor reclama que parceria foi chamada de “corrupção”

JC: Flertando com uma teoria da conspiração

Altamiro Borges: Mídia prepara bote contra Lula

Carlos Lopes: Passadas as eleições, pressa do STF “sumiu”

Lincoln Secco: PSDB e Eduardo Campos só têm chance em 2014 se houver ”crise catastrófica”

Marcos Valério, o jogo político e a investigação do ex-presidente Lula

Vereador que fez campanha por Serra antecipa proposta de Haddad

Corrigindo o diagnóstico de Aécio Neves sobre o resultado eleitoral

Breno Altman: Quem tem domínio de fato, na democracia, é o povo

Fernando Ferro: Verba publicitária e sadomasoquismo

 

26 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Guilherme Varella: Você, internauta, sob dupla ameaça « Viomundo – O que você não vê na mídia

09/11/2012 - 20h38

[…] Leitores: Privatização do Maracanã, por R$ 7 milhões anuais, sob suspeita de favorecimento […]

Responder

A SIP e a democracia elitizada e excludente « Viomundo – O que você não vê na mídia

09/11/2012 - 12h17

[…] Leitores: Privatização do Maracanã, por R$ 7 milhões anuais, sob suspeita de favorecimento […]

Responder

Dr. Rosinha: “Rua Delegado Fleury, torturador e matador” « Viomundo – O que você não vê na mídia

08/11/2012 - 22h54

[…] Leitores: Privatização do Maracanã, por R$ 7 milhões anuais, sob suspeita de favorecimento […]

Responder

Bernardo Kucinscki: “Estamos assistindo ao surgimento de um macartismo à brasileira” « Viomundo – O que você não vê na mídia

08/11/2012 - 15h44

[…] Leitores: Privatização do Maracanã, por R$ 7 milhões anuais, sob suspeita de favorecimento […]

Responder

J Souza

07/11/2012 - 19h07

Acho melhor esse pessoal tomar cuidado, o Barbosa, a meu ver, parece estar pronto para cortar as mãos e depois aplicar a injeção letal em corruptos. A princípio, só os do PT, mas vai que o homem resolve generalizar…

Responder

Fernando

07/11/2012 - 18h09

Copa e Olimpiada, as heranças malditas do presidente Lula.

Responder

sandro

07/11/2012 - 17h37

Um minuto para reflexão e recreação.
Maria Amélia Martins Branco

Vejam a entrevista do FHC na BBC, o repórter o encurralou, foi hilário, se divirtam…

http://www.obroguero.com/2012/11/bbc-ensina-ao-pig-como-de-faz-uma.html

Responder

Marcos W.

07/11/2012 - 17h27

Alguns dizem que há um dedo podre na desapropriação do terreno ocupado pela Refinaria de Manguinhos, levantando suspeitas na relação entre personagens que também participam dessa “nova cena” a envolver o governo do Estado do Rio de Janeiro!!

Responder

    Vlad

    07/11/2012 - 20h16

    Dedo agora.
    Lá atrás foram as duas mãos e mais os pés.
    Sereno, sereno.

Vlad

07/11/2012 - 15h55

Ué?
Se não era armação, por que não “licitaram” antes do BNDES torrar essa fortuna lá? e os interessados que investissem. O Bradesco, Itaú, HSBC, Santander estão cheios de linahs de financiamento.
Ah…esses tem que pagar, né?…aí não querem.

7 milhões por ano = PIADA

Eike de novo?
Já não chega a sangria do estaleiro?
Box 2 Reloaded???

Responder

tiago carneiro

07/11/2012 - 14h18

Essa copa só vai servir pra enriquecer ainda mais os ricacos. O governo investe uns 4 bilhoes. Depois de 450 anos vao recuperar o investimento.

Qual a lógica nisso???

Essa FHC de saias….

Responder

    Willian

    07/11/2012 - 21h43

    O que a Dilma tem a ver com isto?

Gilberto

07/11/2012 - 14h17

Isso não é privatização é entreguismo… eu concordo que o Maracanã seja administrado por concessão; o que não pode é entregar por um valor que nao cobre seque os custos da construção…

quanto custa o aluguel do maracanâ por uma semana para a realização de um mega show? o valor de concessão de 7 milhões POR ANO, é lesar o orçamento publico.

A administração do estádio será repassada à iniciativa privada no ano que vem, antes da reinauguração da arena. Pela concessão, o Estado ganhará cerca de R$ 7 milhões por ano.

Segundo o órgão federal de fiscalização, as contas da obra chegará à cifra de R$ 957 milhões.

essa conta não bate… isso é gastar dinheiro publico para lucro da iniciativa privada.

abaixo os links das fontes das informações

http://copadomundo.uol.com.br/noticias/redacao/2012/11/07/empresa-de-eike-negocia-projetos-para-maracana-antes-de-governo-licitar-estadio.htm

http://copadomundo.uol.com.br/noticias/redacao/2012/03/23/obra-no-maracana-e-campea-em-irregularidades-sobrepreco-ja-chegou-a-r-163-mi-diz-tcu.htm

Responder

rubem gonzalez

07/11/2012 - 13h33

Bem como o custo para os cofres públicos estão na faixa dos 1 bilhão de reais podemos dizer que a uma taxa selic de 8% A.A. o valor deveria ser de 80 milhões, isso sem ganho financeiro algum, apenas para remunerar o dinheiro que o governo toma para pagar suas dividas e rolar as mesmas.o resto é roubalheira e ação entre amigos. Muitos irão dizer e os arautos de defesa do indefensável poderão afirmar que esses valores de 80 milhões ao ano são proibitivos. Até concordo com essa tese, mas se essa for atese vencedora fica claro que o custo da obra nunca poderia ficar nesse patamar.
No meu tempo fazer um estádio era apenas fzer degraus de concreto, meia duzia de botequins , um bom campo, uma boa iluminação, um atribuna com umas cadeiras numeradas e estava pronto o estádio. Hoje a FIFA que não coloca um puto na parada EXIGE elevadores panorâmicos, poltronas especiais – fornecidas por amiguinhos especiais também – e mais um porrilhão de exigências baseadas em conforto e mordomias mil. Muita coisa para no final apenas ver 22 marmanjos correndo atrás de uma bola. Porém quero avisar que eu adoro futebol , nada que estou escrevendo é pessoal. eu não suporto é vagabundos que vivem as custas do futebol e transformam um esporte apaixonante em uma lavanderia de dinheiro escuso e sujo, proveniente de desvios, roubos e tráfico.
Se a FIFA quer estádios que parecem naves espaciais que os construa com recursos próprios porra!!!! chega de macomunações com políticos corruptos e roubalheira de dinheiro público. Isos se aplica ao PT, PSDB ou a puta que o pariu a todos, Com toda essa pompa e circusntância sou menos torcedor hoje do que quando um time de futebol se resumia a uma bola e um jogo de camisas.
A Paixão que tenho pelo meu clube só fez diminuir na razão inversa a injeção maciça de dinheiro no mesmo, era muito mais feliz e apaixonado quando sentava o rabo numa arquibancada dura de concreto e me esgoelava por ídolos de verdade e não mercenários cheios de brinquinhos, tatuagens e normalmente demonstrando a cultura de um protozoário com paralisia cerebral.
Hoje dizem que são necessários alguams dezenas de BILHÕES de dólares para se fazer um mundial, como uma boa bola está na faixa de 300 paus é muito dinheiro para comprar umas 200 bolas…………

Responder

MdC Suingue

07/11/2012 - 13h25

Ladrões. Safados.
E com a plena cumplicidade do governo federal.

Não tem meias palavras, essa suposta ‘concessão’ é jogo de cartas marcadas, estelionato, privatização do patrimônio público na cara de pau.

E o contribuinte otário pagando (ao precinho camarada de UM BILHÃO DE REAIS) pela destruição do templo do futebol para posterior entregar um arremedo de estádio para o picareta do Eike.

Nós ficamos com a dívida, o Dantas do PT fica com o lucro.

Responder

Marcelo

07/11/2012 - 12h57

Aqui em Bh Aócio fez a mesma coisa, com o Mineirão e Independência.

Responder

Maria Libia

07/11/2012 - 12h51

Cariocas não se omitam. Não sou carioca, mas tá na cara que estão fazendo de você trouxas. 7 milhões ao anos e gatando até agora mais de 800, esta matemática não fecha. Distribuição aos amigos o que é do povo brasileiro. Não esmoreçam, por favor.

Responder

Mariac

07/11/2012 - 12h45

Se derem dinheiro público via BNDS eu surto. Basta.

Responder

Bertold

07/11/2012 - 12h27

Mas o que esperar de Sérgio Cabral e de seu partido pmdb, neoliberal que nem os tucanos? Nada! A não ser a velha transferência de bens e riqueza pública para poucos.

Responder

Marcelo de Matos

07/11/2012 - 12h26

(Parte 2) Para concluir, o velódromo erguido para o Pan-Americano de 2007 será mesmo demolido. O G1 informa que: “Depois de muita polêmica em relação ao velódromo, onde vão acontecer as provas de ciclismo, ficou decidido que um novo terá que ser construído. O atual, que custou R$ 14 milhões, não atende aos padrões olímpicos”. Resumo: cinco anos depois vamos demolir uma obra do Pan que custou R$ 14 mi. É dinheiro público que vai para o ralo. Olimpíada já é um despautério, porque aqui ninguém é dado a esportes olímpicos, mas, temos também as paralimpíadas. É grana pra borné, como se diz na minha terra. Por que “dismuli” o velódromo? Seria uma maravilha se esses gastos faraônicos ficassem a cargo da iniciativa privada. O fato de o Eike ter conversado sobre a privatização do Maraca é normal. Ninguém investe no escuro, a não ser que se trate de verbas públicas. O homem tem de conhecer bem as condições, antes de assumir esse abacaxi.

Responder

    Marcelo de Matos

    07/11/2012 - 12h31

    PS do MM: O UOL denunciando suspeita de favorecimento? Em minha opinião suspeito é o UOL.

Marcelo de Matos

07/11/2012 - 12h26

(Parte 1) Sou 100% favorável à privatização do Maracanã, como de resto sou favorável à transformação do esporte bretão, como outrora foi chamada a paixão nacional, de futebol clube-social para futebol-empresa. O meu Palmeiras, por exemplo, tem tudo para ser um sucesso de marketing: uma enorme torcida fanática, estádio e centro de treinamento em áreas valorizadas, mas, está com um pé na segunda divisão. O estádio foi privatizado e está ficando ótimo, mas, e o time? Aí é que deveríamos insistir na implantação do futebol-empresa que era previsto na “Lei Pelé”, que foi escamoteada no Congresso pela bancada da bola. Reclamam que o Brasil exporta matérias primas e não produtos industrializados. No futebol ocorre o mesmo: a sexta economia do mundo exporta jogadores para países financeiramente falidos como Itália, Espanha, França, ou países como Turquia, Ucrânia, Rússia e Japão. Poderíamos mudar a estrutura administrativa e financeira dos clubes e manter os jogadores aqui. Um dia esse país ainda vai acordar.

Responder

André Moura

07/11/2012 - 11h49

7 milhões ao ano, em pouco mais 100 anos o gov. recupera o investimento…

Responder

Bernardo

07/11/2012 - 11h47

Eu sou contra a privatização do Maracanã mas também sou contra a privatização do engenhão também. O que eu queria saber é porque quando houve o tal contrato entre a prefeitura e o Botafogo que inclusive sequer concorrentes teve que apresentassem proposta ninguém falou nada ?

Responder

    Gilberto

    07/11/2012 - 14h23

    Sou favorável a concessão do Maracanã… aliais são favorável à concessão de qualquer esádio…

    para que o estado quer estádios de futebol?

    o que precisa é um contrato de concessão que garanta:

    1- a manutensão do patrimonio publico, para que seja devolvido em boas condições;
    2- o preço de aluguel do estádio para a iniciativa privada e para eventos publicos (do jeito que está o Eike vai cobrar 10 milhos para a prefeitura fazer um evento lá, por exemplo)
    3- que garanta a prioridade para a finalidade para o qual o estadio foi construido e etc etc etc

Deixe uma resposta