VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.

Leandro Fortes: A dança das vivandeiras

06 de março de 2016 às 23h02

policia

Ilustração publicada pelo Tijolaço

A DANÇA DAS VIVANDEIRAS

Por Leandro Fortes

Bastou a militância do PT e os movimentos populares reerguerem suas bandeiras para defender Lula e a democracia que vivandeiras alvoroçadas voltaram aos bivaques para bolir com os granadeiros e provocar extravagâncias do Poder Militar – como dizia o marechal Humberto Castello Branco, primeiro presidente-ditador pós golpe de 1964.

Castello Branco, figura anterior ao endurecimento do regime dos generais, a partir de 1968, referia-se, não sem esconder o asco, às ratazanas civis que se acercavam dos milicos a pedir quarteladas quando as urnas não lhes eram favoráveis.

Veio, claro, de O Globo, esse primeiro movimento abjeto, a repetir uma tradição inaugurada naquele mesmo 1964.

Que tenha vindo de Merval Pereira, nenhuma surpresa. Merval nunca escondeu — nem poderia, tamanha a falta de pudores- – a quem serve sua pena, e até onde ele está disposto a chegar para agradar os desejos da família Marinho.

Mas, confesso, nunca achei que Ricardo Noblat teria coragem de chegar a esse ponto.

Eu sei, não é novidade, da guinada à direita de Noblat e de muitos outros jornalistas e intelectuais combativos e de qualidade que se tornaram tristemente conservadores na velhice.

O mesmo fenômeno ocorreu com João Ubaldo Ribeiro e Ferreira Gullar.

Ainda assim, se me dissessem, há uma década, que Ricardo Noblat um dia ocuparia espaço na imprensa para, como as vivandeiras de Castello Branco, intimidar o País com possíveis extravagâncias do Poder Militar, eu teria escarnecido do meu infeliz interlocutor.

Quando vim para Brasilia, há 26 anos, vim com duas ideias na cabeça: trabalhar no Jornal do Brasil, o meu preferido, e com Ricardo Noblat, a quem minha alma de repórter prestava enorme reverência.

Em tempos diferentes, realizei as duas coisas.

Por isso, o fim de Noblat como jornalista não me causa apenas surpresa, mas, também, dor.

Leia também:

Quando o espetáculo, em si, condena Lula junto aos telespectadores

O livro da blogosfera em defesa da democracia - Golpe 16

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.

Compre agora online e receba na sua casa!

 

5 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Maria Rita

07/03/2016 - 17h18

Noblat já foi alguém promissor, teve uma bela carreira. Agora é isso que estamos vendo e coroando seu perfil atualizado com a declaração:”Precisamos voltar a níveis passados de incompetência e corrupção. Eram mais sadios”, Quais são esses? O da Privataria Tucana? O da Lista de Furnas? O golpe de 1964? Esses são os auxiliares do Caça Corrupto, Sérgio ‘Fleury ‘ Moro…
PS.: Militares (com exceção de Bolsonaro) estariam dispostos a serem meninos de recado de novo da Globo? A participar de espetáculos no aeroporto de Congonhas tipo “Corra, que a polícia vem aí? Dispostos a seguirem juiz que confunde e prende irmã de denunciada ou convoca uma testemunha e no meio da audiência, descobre que ela não é o funcionário de um banco investigado, mas um simples capoteiro (que forra bancos de carros)?

Responder

FrancoAtirador

06/03/2016 - 23h40

.
.
São as Ironias da História.
.
Desta vez, os Frias não precisaram emprestar
.
os Carros do Grupo Folha para a Polícia Política,
.
porque o Governo Lula equipou a Polícia Federal.
.
.

Responder

Deixe uma resposta