VIOMUNDO

Leandro Fortes: A dança das vivandeiras

06 de março de 2016 às 23h02

policia

Ilustração publicada pelo Tijolaço

A DANÇA DAS VIVANDEIRAS

Por Leandro Fortes

Bastou a militância do PT e os movimentos populares reerguerem suas bandeiras para defender Lula e a democracia que vivandeiras alvoroçadas voltaram aos bivaques para bolir com os granadeiros e provocar extravagâncias do Poder Militar – como dizia o marechal Humberto Castello Branco, primeiro presidente-ditador pós golpe de 1964.

Castello Branco, figura anterior ao endurecimento do regime dos generais, a partir de 1968, referia-se, não sem esconder o asco, às ratazanas civis que se acercavam dos milicos a pedir quarteladas quando as urnas não lhes eram favoráveis.

Veio, claro, de O Globo, esse primeiro movimento abjeto, a repetir uma tradição inaugurada naquele mesmo 1964.

Que tenha vindo de Merval Pereira, nenhuma surpresa. Merval nunca escondeu — nem poderia, tamanha a falta de pudores- – a quem serve sua pena, e até onde ele está disposto a chegar para agradar os desejos da família Marinho.

Mas, confesso, nunca achei que Ricardo Noblat teria coragem de chegar a esse ponto.

Eu sei, não é novidade, da guinada à direita de Noblat e de muitos outros jornalistas e intelectuais combativos e de qualidade que se tornaram tristemente conservadores na velhice.

O mesmo fenômeno ocorreu com João Ubaldo Ribeiro e Ferreira Gullar.

Ainda assim, se me dissessem, há uma década, que Ricardo Noblat um dia ocuparia espaço na imprensa para, como as vivandeiras de Castello Branco, intimidar o País com possíveis extravagâncias do Poder Militar, eu teria escarnecido do meu infeliz interlocutor.

Quando vim para Brasilia, há 26 anos, vim com duas ideias na cabeça: trabalhar no Jornal do Brasil, o meu preferido, e com Ricardo Noblat, a quem minha alma de repórter prestava enorme reverência.

Em tempos diferentes, realizei as duas coisas.

Por isso, o fim de Noblat como jornalista não me causa apenas surpresa, mas, também, dor.

Leia também:

Quando o espetáculo, em si, condena Lula junto aos telespectadores

Investigação VIOMUNDO

Estamos investigando a hipocrisia de deputados e senadores que dizem uma coisa ao condenar Dilma Rousseff ao impeachment mas fazem outra fora do Parlamento. Hipocrisia, sim, mas também maracutaias que deveriam fazer corar as esposas e filhos aos quais dedicaram seus votos. Muitos destes parlamentares obscuros controlam a mídia local ou regional contra qualquer tipo de investigação e estão fora do radar de jornalistas investigativos que trabalham nos grandes meios. Precisamos de sua ajuda para financiar esta investigação permanente e para manter um banco de dados digital que os eleitores poderão consultar já em 2016. Estamos recebendo dezenas de sugestões, links e documentos pelo [email protected]

R$0,00

% arrecadado

arrecadados da meta de
R$ 20.000,00

90 dias restantes

QUERO CONTRIBUIR
28 - jul 2

Advogado de Lula na ONU: “Juízes não podem ser acusadores. É uma grave falha do sistema penal brasileiro”; veja o vídeo

Geoffrey Robertson, um dos maiores especialistas do mundo em direitos humanos em cortes internacionais

Logo da ONU
28 - jul 2

Por que os advogados de Lula acionaram a ONU? Perguntas e respostas

Para entender melhor o que a medida significa

 

5 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Maria Rita

07/03/2016 - 17h18

Noblat já foi alguém promissor, teve uma bela carreira. Agora é isso que estamos vendo e coroando seu perfil atualizado com a declaração:”Precisamos voltar a níveis passados de incompetência e corrupção. Eram mais sadios”, Quais são esses? O da Privataria Tucana? O da Lista de Furnas? O golpe de 1964? Esses são os auxiliares do Caça Corrupto, Sérgio ‘Fleury ‘ Moro…
PS.: Militares (com exceção de Bolsonaro) estariam dispostos a serem meninos de recado de novo da Globo? A participar de espetáculos no aeroporto de Congonhas tipo “Corra, que a polícia vem aí? Dispostos a seguirem juiz que confunde e prende irmã de denunciada ou convoca uma testemunha e no meio da audiência, descobre que ela não é o funcionário de um banco investigado, mas um simples capoteiro (que forra bancos de carros)?

Responder

FrancoAtirador

06/03/2016 - 23h40

.
.
São as Ironias da História.
.
Desta vez, os Frias não precisaram emprestar
.
os Carros do Grupo Folha para a Polícia Política,
.
porque o Governo Lula equipou a Polícia Federal.
.
.

Responder

Deixe uma resposta