VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.

Benayon: Brasil capturado para remeter lucros ao Exterior

28 de janeiro de 2016 às 10h03

Captura de Tela 2016-01-28 às 10.00.07

Finanças públicas – Expansão vs. Contração

por Adriano Benayon * — 18.01.2016

Há um debate, mais que secular, entre economistas ligados ao sistema financeiro, partidários do controle monetário, e os que recomendam a expansão dos meios de pagamento e do crédito, em favor da produção e do emprego.

2. Tanto as políticas monetárias de contração como as expansivas podem ser reforçadas ou atenuadas por meio da política fiscal: redução de despesas públicas e elevação ou manutenção de impostos, versus o contrário disso.

3. A maioria manifesta-se em favor de políticas anticíclicas: se a economia está em crescimento e aparecem tendências inflacionárias, seria o momento de adotar política contracionista, e, em caso de retração na atividade econômica, conviria expandir a moeda e o crédito, aumentar a despesa pública etc.

4. Os “desenvolvimentistas” e keynesianos preocupam-se com os indicadores de interesse da economia produtiva, enquanto os monetaristas visam à estabilidade do valor da moeda, ponto essencial para os que aplicam dinheiro em títulos, especialmente os de renda fixa.

5. A discussão parece-me estéril, por girar em torno apenas dessas questões, de natureza macroeconômica. Prefiro o enfoque da economia nacional, atenta à estrutura de mercado: 1) se é concentrada, oligopolizada, cartelizada, ou se abre razoável espaço à concorrência, propiciando surgirem novas empresas e tecnologias; 2) se prevalece ou não o capital nacional.

7. No caso de descentralizada e de predominantemente nacional, há campo para atender as necessidades reais da população, em lugar de a economia, como vem ocorrendo, ser manipulada pelo marketing, pelo merchandising e mais técnicas de venda, e determinada a consumir (independentemente de o quê) e a ser mera geradora de faturamento para os carteis transnacionais.

8. Essa é a situação em quase todo o mundo ocidental, sendo que no Brasil os residentes são ainda mais saqueados, dada a desindustrialização dos últimos sessenta anos, e a desnacionalização, dois fatores da enorme desigualdade nas relações de troca do comércio mundial de bens e serviços, e também de transferência vultosa de recursos ao exterior.

9. Desse modo instituiu-se estrutura microeconômica infalível para resultar em subdesenvolvimento, e agravada pela infraestrutura do modelo dependente, que desaproveita os recursos naturais do País, com sistemas de energia, transportes e comunicações ineficientes e superfaturados.

10. Essa situação doentia acarretou mais uma moléstia: a dívida pública gigantesca, criada pela composição de juros, a taxas arbitrariamente elevadas, impeditiva de investimentos públicos e privados, na dimensão requerida pelo desenvolvimento.

11. De qualquer modo, com a estrutura de mercado existente, maior investimento que o atual traria poucos benefícios à economia do País, consideração amiúde ignorada na discussão entre keynesianos e monetaristas.

12. Estes pretendem combater a inflação por meio das políticas contracionistas, potenciadas pelas taxas de juros altíssimas, impingidas pelo Banco Central. Já os desenvolvimentistas, como José Carlos Assis, consideram imperioso dinamizar a economia, abalada por declínio na produção e no emprego.

13. Assis demonstra a irrelevância da argumentação de Marcos Lisboa, segundo a qual políticas fiscais expansivas não funcionam em países com dívidas elevadas, pouca ociosidade no sistema produtivo (erroneamente, diz Lisboa, sinalizada pela alta inflação e juros altos).

14. Com razão, Assis retorque que esses juros resultam da política arbitrária do BACEN: poderiam cair muito, o que, entretanto, exigiria autoridade do governo sobre o BACEN e mudanças na Constituição (autoridade ao Tesouro para emitir moeda).

15. Assis lembra também que a ociosidade é alta e se reflete na contração do PIB, enquanto a inflação decorreria do alto grau de indexação formal e informal dos preços, sobretudo das tarifas públicas. Aduzo que ela provém muito da estrutura oligopolizada dos mercados. De fato, a capacidade ocupada está baixa: 66%.

16. Acrescenta, ainda, Assis que na União Europeia houve bons resultados da política expansiva, mas, tendo sido essa revertida, a zona do euro voltou à estagnação e a ter agravadas as condições sociais.

17. No Brasil houve boas taxas de crescimento do PIB, com a política aplicada em 2009/2010, quando o Tesouro injetou R$ 180 bilhões no BNDES, principalmente para a infraestrutura.

18. Diz, ainda, Assis, nunca ter apoiado a estúpida política de subsidiar a indústria automobilística e a linha branca, supostamente para preservar empregos, quando se estava, na realidade, subsidiando lucros remetidos para o exterior por multinacionais. E: “não se faz política fiscal micro: se tiver de funcionar, é no nível macro.”

19. Entendo que, com a presente estrutura de mercado, não há política macroeconômica alguma que possa dar certo.

* Adriano Benayon é doutor em economia pela Universidade de Hamburgo e autor do livro Globalização versus Desenvolvimento.

Leia também:

O desmanche da Petrobras. Da pior forma possível

O livro da blogosfera em defesa da democracia - Golpe 16

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.

Compre agora online e receba na sua casa!

 

8 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

FrancoAtirador

29/01/2016 - 17h33

.
.
Quanto vale um Usuário do Feicibuquistão.
.
(http://www.tecmundo.com.br/facebook/94762-facebook-cada-usuario-brasileiro-vale-5-reais.htm)
.
.

Responder

FrancoAtirador

28/01/2016 - 18h40

.
.
BRASIL: DO GUARANI AO GUARANÁ,
.
O PAÍS DAS GERAÇÕES FRUSTRADAS.
.
POIS É… PRÁ QUÊ?
(Sidney Miller)
.
O automóvel corre, a lembrança morre.
O suor escorre e molha a calçada.
Há verdade na rua, há verdade no povo.
A mulher toda nua, mais nada de novo.
A revolta latente que ninguém vê
E nem sabe se sente, pois é, prá quê?
.
O imposto, a conta, o bazar barato.
O relógio aponta o momento exato
Da morte incerta. A gravata enforca,
O sapato aperta, o país exporta
E, na minha porta, ninguém quer ver
Uma sombra morta, pois é, prá quê?
.
Que rapaz é esse, que estranho canto.
Seu rosto é santo, seu canto é tudo.
Saiu do nada, da dor fingida,
Desceu a estrada, subiu na vida.
A menina aflita ele não quer ver…
A guitarra excita, pois é, prá quê?
.
A fome, a doença, o esporte, a gincana.
A praia compensa o trabalho, a semana.
O chope, o cinema, o amor que atenua
O tiro no peito, o sangue na rua…
A fome, a doença… nem sei mais por que.
Que noite, que lua, meu bem, prá quê ?
.
O patrão sustenta o café, o almoço.
O jornal comenta um rapaz tão moço.
O calor aumenta, a família cresce,
O cientista inventa uma flor que parece
A razão mais segura, pra ninguém saber
De outra flor que tortura, pois é, prá quê?
.
No fim do mundo há um tesouro.
Quem for primeiro carrega o ouro.
A vida passa no meu cigarro.
Quem tem mais pressa que arranje um carro
Prá andar ligeiro, sem ter porquê
Sem ter prá onde, pois é, prá quê?
.
(https://youtu.be/sAhFBHeG-os)
.
(https://youtu.be/ZBAFMTApVEA)
.
(https://youtu.be/wkEGNgib2Yw)
.
(https://youtu.be/fEY9Z8LJfMY)
.
(https://youtu.be/EGyb11knYYo)
.
(https://youtu.be/EwIcHJleS5A)
.
(https://youtu.be/FOsXaaW4Pkk)
.
(https://youtu.be/YaAMiZiH4eE?t=525)
.
(http://tvbrasil.ebc.com.br/musicograma/episodio/mpb4-e-quarteto-em-cy)
.
.

Responder

Deixe uma resposta