VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.

Alckmin ignora Justiça e aumenta tarifas do transporte público: “Chicana de péssimo gosto”, diz Zarattini

09 de janeiro de 2017 às 22h20

alckmin

Alckmin passa por cima do Judiciário, despreza população e mantém reajuste abusivo no transporte público

do PT na Câmara

O governador tucano Geraldo Alckmin — em um ato de total desprezo à Justiça e a milhões de cidadãos que usam ônibus, metrôs e trens em São Paulo — ignorou decisão proferida pelo juiz Paulo Furtado de Oliveira Filho, do Tribunal de Justiça de SP, que determinou na sexta-feira (6) a suspensão do reajuste de 14,8% nas tarifas de integração entre ônibus e trilhos.

O aumento eleva a tarifa de R$ 5,92 para R$ 6,80.

A partir da ação de autoria da Bancada do PT na Assembleia Legislativa, o juiz também suspendeu a cobrança da integração nos terminais metropolitanos, que varia de R$ 1 a R$ 1,65.

O tucano simplesmente se recusou a receber o mandado de intimação, com a decisão liminar, levado pelo oficial de Justiça João Carlos de Siqueira Maia, que relatou o fato ao Tribunal de Justiça.

Desconsiderando a decisão, Alckmin promoveu o aumento de 14,8% no bilhete integrado no domingo (8), argumentando não haver sido notificado.

“Não houve nenhuma notificação. Portanto, não houve nenhuma exigência”, disse Alckmin ao ser questionado sobre o descumprimento da decisão judicial.

O líder do PT na Câmara, deputado Carlos Zarattini (SP), que vem denunciando o abusivo reajuste das tarifas desde o dia em que ele foi anunciado, classificou como “absurdo” o argumento utilizado pelo governador, segundo o qual a negativa em receber o oficial de Justiça ocorreu em função de não estar no Palácio dos Bandeirantes.

“Ele está postergando o recebimento para tentar derrubar a liminar e manter o aumento que penaliza a população mais pobre. É uma chicana de péssimo gosto”, avaliou.

Em documento anexado ao processo, o oficial de Justiça relatou que às 17h20 chegou ao Palácio para intimar Alckmin, mas foi informado pelo assessor especial Pedro Henrique Giocondo Guerra que o governador “estava ausente, em agenda externa, sem previsão de chegada”.

O oficial completou ainda que informou ao assessor sobre o “inteiro teor do mandado e do deferimento da liminar” e que tentou “deixar a contrafé com o assessor”, mas que ele “não quis recebê-la” por orientação do procurador-geral do Estado, Elival da Silva Ramos.

O servidor do Judiciário estadual relatou por fim ter esperado o governador até as 18h, sem que ele tenha aparecido.

“Face ao exposto, devolvo o presente mandado ao cartório, para os devidos fins de direito”, concluiu.

Segundo matéria divulgada pelo Estadão, na sexta-feira, a única agenda externa do governador divulgada à imprensa foi às 10h30 em uma escola na zona leste da capital. Às 16h, diz a agenda, Alckmin teve uma audiência com o presidente da Academia Paulista de Letras Jurídicas, Rui Altenfelder, no Palácio dos Bandeirantes.

Às 17h20, quando o oficial esteve no local, não havia agenda externa prevista.

O juiz que concedeu a liminar entendeu que não havia justificativa para reajustar a integração e manter a tarifa básica em R$ 3,80, já que manter uma tarifa e aumentar as demais prejudicaria justamente a população mais pobre e que mais precisa da integração entre os modais de transporte.

“A discriminação parece ser injusta, pois a medida é mais benéfica a quem reside nas regiões centrais e se utiliza apenas do Metrô, cuja tarifa básica foi mantida, mas revela-se gravosa a quem reside em locais mais distantes e se utiliza de trem e metrô, cuja tarifa integrada foi aumentada acima da inflação”, argumentou Oliveira Filho.

O juiz apontou ainda para a possibilidade de Alckmin não ter reajustado a tarifa do metrô apenas por motivação política, para não arcar sozinho com o reajuste, já que o prefeito tucano João Doria havia prometido na eleição que não reajustaria as tarifas.

Todo mês, cerca de 13 milhões de passageiros fazem integração entre os ônibus municipais e o sistema de metrô e trem.

Leia também:

A esquerda vai meter o pé na jaca na eleição da Câmara e do Senado?

O livro da blogosfera em defesa da democracia - Golpe 16

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.

Compre agora online e receba na sua casa!

 

Um comentário escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Mauricio

10/01/2017 - 14h33

Mas se os mais pobres elegem tucanos para comandar o tucanistão, inclusive o John Dólar para a capital, então é bem feito. Que andem a pé, para deixarem de ser burros.

Responder

Deixe uma resposta