3

Maria Maeno: “É preciso pensar no desenvolvimento do trabalhador enquanto cidadão”

Publicado em: 22 de janeiro de 2013

Luciano Máximo, no Valor
De São Paulo

Nos últimos três anos, a média de  gastos   da  Previdência  Social com problemas de saúde  gerados no próprio ambiente de trabalho cresceu acima das despesas com os afastamentos previdenciários gerais. O elevado  número de registros  de doenças mentais que  podem ser associadas a um cotidiano profissional insalubre, como estresse, depressão, transtornos de ansiedade, síndrome do pânico  e até dependência de drogas  e álcool, é um indicativo para a expansão mais firme das despesas com os chamados benefícios acidentários — quando um trabalhador é afastado por causa de doença comprovadamente adquirida em  função do  emprego ou  acidente sofrido durante a jornada de trabalho.

Segundo o Ministério da  Previdência Social, o pagamento de benefícios de afastamentos previdenciários (por  causa de doença adquirida ou acidente sofrido sem relação direta com o emprego) registrou elevação anual média  de  7,5% entre 2008  e 2011, para R$ 13,47  bilhões —  de  janeiro a novembro de 2012,  o Instituto Nacional de  Segurida- de Social (INSS) desembolsou R$
13,69  bilhões com  essas obrigações.  Já os gastos com  auxílios-doença  acidentários  passaram de R$ 1,51 bilhão em 2008  para R$ 2,11  bilhões em 2011,  apon- tando crescimento médio anual de   12%  —   no   acumulado  de
2012,  até novembro, o valor pago chega a R$ 2,02 bilhões.

Os casos de aposentadoria por invalidez  (por motivações diversas) também têm crescido dois dígitos. Entre janeiro e novembro de 2012, o INSS bancou R$ 30,86 bilhões   para   apoiar  profissionais que  nunca mais  poderão exercer suas atividades normalmente.

De acordo com a Pesquisa Mensal de Emprego (PME) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a jornada semanal média dos trabalhadores brasileiros não aumentou ao longo desses quatro anos, mantendo-se em 39,9 horas semanais. Para o pesquisador Eric Calderoni,  doutor em  psicologia social pela Pontifícia Universidade Católica  de São Paulo  (PUC-SP) e Columbia University,  de  Nova York, a rotina do trabalhador é que se tornou mais estressante.

“Sofrimento no  ambiente profissional  não  é só ritmo e tempo, mas sobretudo organização do trabalho: ordens contraditórias, assédio, metas, questões éticas, autonomia, senso de dever bem cumprido,  estabilidade no emprego, clima”, pondera Calderoni.

Os auxílios-doença, previdenciários  e acidentários, concedidos a trabalhadores por causa de depressão ou transtornos depressivos recorrentes cresceram a uma  média de  5% nos  últimos cinco  anos,  superando 82 mil ocorrências anuais. Esse quadro preocupa o governo e tem mobilizado sindicatos e empresas a criar novas práticas laborais com o objetivo de evitar  as chamadas doenças da modernidade.

Em resposta a questionamentos da reportagem, a área  técnica do  Ministério da  Previdência Social  reconhece que  o problema “chama atenção de formuladores de políticas públicas” e informa que  tem  feito estudos e avaliações sobre a evolução desses números a fim de investir em processos preventivos. Para o ministério, os últimos anos  desfavoráveis para a economia global e de baixo crescimento interno impactaram negativamente a saúde do trabalhador.

A médica  do trabalho Maria Maeno, diretora da Fundação Jorge Duprat Figueiredo de Segurança e Medicina do Trabalho (Fundacentro), entidade ligada ao Ministério do Trabalho, concorda com a visão governamental, mas avalia que respostas de empresas e governos para  enfrentar a situação são ineficazes.

“Não há política  bem definida de reabilitação profissional que  coloque pessoas  de volta no mercado, o que explica maiores gastos  com  benefícios.   Também não há espaços dentro das empresas para analisar a condição do trabalhador e eventualmente encaminhar o tratamento do problema ou mudá-lo de área”, diz Maeno.

Ela acrescenta ainda que há um grupo  de  acidentados  que   não consegue o  benefício do  INSS e acaba perdendo o emprego. O Ministério da Previdência informou que em 2013 vai reformular o Programa de Reabilitação Profissional (PRP),  com   a   implantação  de ações-piloto em diferentes setores.

Maria Maeno  também pondera que o Sistema  Único de Saúde (SUS), para onde vai a maior parte dos trabalhadores acidentados, e a perícia médica do INSS, responsável   pelo    diagnóstico que determinará o benefício previdenciário, sofrem de falta de empenho na resolução de casos. “O ideal é o SUS trabalhar de forma preventiva, cumprindo o papel de vigilante das condições de saúde no ambiente de trabalho”, sugere a  médica, para quem o problema central é estrutural.

“Principalmente para minimizar transtornos mentais, Estado e capital privado não  incorporaram  o ser humano dentro da equação de sustentabilidade. Diante da  competitividade exacerbada, falta de solidariedade — uma vez que cada um quer salvar seu emprego — e ameaças de enxugamento e demissão, é preciso pensar no desenvolvimento do trabalhador enquanto cidadão, deixar de lado  a visão economicista excessiva”, opina Maria.

Ela cita o exemplo das “práticas” recentemente acordadas por  empresas,  sindicatos e governo  para melhorar a qualidade de vida do cortador de  cana:  “Determinam que o trabalhador precisa se hidratar  e fazer  ginástica laboral. Alguém precisa me falar que eu preciso tomar água? Que fundamento científico atesta que a ginástica laboral  vai diminuir a penosidade do trabalho do cortador. Não me parece algo sério”, critica a médica.

Outro  setor  onde  as discussões sobre  saúde  no trabalho são bastante acaloradas é o bancário. Sindicalistas   reclamam,   principalmente,  das  cobranças por  metas exageradas, constrangimentos  e atitudes autoritárias de superiores e associam esses problemas ao desenvolvimento  de   mazelas   por parte  dos trabalhadores, com ênfase aos transtornos mentais, como estresse e depressão.

Walcir  Previtale,  secretário nacional de saúde do trabalhador da Confederação Nacional dos Trabalhadores do  Ramo Financeiro  da Central Única dos Trabalhadores (Contraf-CUT), conta que questões ligadas à saúde e às pressões psicológicas  no  ambiente de trabalho têm  ganho cada  vez mais espaço na pauta de reivindicações sindicais no setor financeiro.

Em 2012, bancários e banqueiros entraram em acordo para incluir três itens sobre saúde e segurança do trabalho no dissídio coletivo da categoria. Um deles garante antecipação salarial se o trabalhador precisar se afastar.  Os outros dois  sistematizam procedimentos para dar mais agilidade no encaminhamento de acidentes de trabalho.

“Leva tempo para o profissio nal receber o benefício do INSS, tem que agendar a perícia e esperar o resultado. Nesse ínterim ele continuará recebendo do banco e quando os benefícios começarem a entrar, ele devolve o valor à empresa”, explica Previtale.

Magnus  Ribas, diretor de relações do trabalho da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), pondera que é “cientificamente” difícil estabelecer correlação entre doenças mentais e trabalho e que o setor bancário é o único que fornece plano de saúde  para seus mais de 500 mil trabalhadores e familiares.

Segundo ele, recentemente os dez maiores bancos  brasileiros criaram uma comissão  para  tratar da saúde laboral. O objetivo é criar 20 diretrizes para  melhorar a qualidade de vida no trabalho.

Sobre o problema relacionado a pressões  e constrangimentos nas agências, o executivo conta que os maiores bancos  do país criaram uma espécie de “disque-denúncia”, um canal de comunicação do bancário com uma área neutra do departamento de recursos  humanos ou da ouvidoria para o registro anonimamente ocorrências. De acordo  com levantamento da Febraban, no primeiro semestre de 2012 foram  registradas 132 denúncias de bancários.

1

Criança tem de praticar esporte ou fazer atividade física em escolinha? O pediatra João Guilherme Alves dá todas as dicas

Publicado em: 14 de setembro de 2012

O pediatra João Guilherme Alves receita: Atividade física é um dos melhores “remédios” para a criançada

por Conceição Lemes

Esconde, pega-pega, amarelinha, barra-manteiga, queimada, pular corda, andar de bicicleta, jogar bola, garrafão

A lista de brincadeiras infantis de 20 ou 30 anos atrás era imensa. Brincando, a criançada se exercitava, mesmo. Tanto que raramente os pediatras precisavam prescrever atividade física, como é obrigatório hoje em dia.

“As crianças de hoje não estão se exercitando como devem, estão menos ativas”, alerta o pediatra João Guilherme Bezerra Alves, responsável pela pós-graduação do Instituto de Medicina Integral Prof. Fernando Figueira (IMIP), em Pernambuco. “Estima-se que hoje uma criança gaste menos 400 Kcal por dia do que há 20 anos.”

É o equivalente às calorias contidas em meio litro de leite ou em aproximadamente uma hora de atividade física. Conseqüências: crianças obesas, com colesterol, pressão arterial e níveis de açúcar elevados no sangue.

Questão de saúde pública, portanto. Por isso, aprofundei  essa conversa com o doutor João Guilherme Bezerra Alves.

Blog da Saúde —  Que  fatores contribuem para a inatividade infantil e as suas conseqüências?

João Guilheme Alves-– Por exemplo, a falta de espaço para recreações, incluídos o residencial e o da escola, devido à especulação imobiliária; a violência que limita os deslocamentos das crianças — não se vai mais à escola de bicicleta como antigamente; TV, computador, internet, videogame.

Bog da Saúde — Qual a importância da atividade física para a criança?

João Guilherme Alves — É um dos melhores remédios para ela. Ajuda a manter a criança com aptidão física e no seu peso adequado.  Promove a saúde, previne doenças e auxilia no tratamento de muitas delas.  Atividade física é excelente para coração, pulmão, osso, músculo, cabeça… Ajuda a evitar doenças que podem acometer a criança, como depressão, asma, infecções. Assim como doenças da vida adulta, entre as quais hipertensão arterial, diabetes, infarto do miocárdio.

Blog da Saúde —  Que atividades são recomendadas à criança?

João Guilherme Alves — A criança simplesmente necessita de espaço para desenvolver suas atividades físicas, que dependem da idade. É importante que faça uma que goste. Atividades esportivas competitivas somente devem ser praticadas sob duas condições: 1) se a criança quiser; e 2) baseada na habilidade dela e não naquilo que os pais gostariam. Por exemplo, se a criança não leva jeito para jogar futebol, convém que seja estimulada para outro tipo de esporte.

Blog da Saúde — A partir de que idade?

João Guilherme Alves — Desde o momento em que começa a ir para o chão, a criança necessita de espaço para pleno desenvolvimento. Na realidade, já na vida intra-uterina. A pratica da atividade física orientada durante a gravidez beneficia o feto e ajuda a mulher a ter um bom parto.

Blog da Saúde —  Muitas pessoas acham que atividade física supõe esporte ou atividade em escolinha. Isso é necessário?

João Guilherme Alves –– Nem uma coisa nem outra. Atividade física é se movimentar,  gastar energia. Ou seja, quando transpiramos um pouco ou sentimos o coração bater mais acelerado já estamos fazendo atividade física. Logo, uma criança brincando no parque, jogando, correndo, andando de bicicleta, está fazendo atividade física.

Blog da Saúde — Que alerta gostaria de fazer aos pais e mães?

João Guilherme Alves — Crianças fisicamente ativas têm maior probabilidade de viverem mais e com saúde.  Afinal, na vida adulta, terão menos risco de diabetes, hipertensão, obesidade e de morte por infarto do miocárdio, principal causa de óbitos no mundo, inclusive no Brasil.

Blog da Saúde — O que recomendaria mais ?  

João Guilherme Alves — Mãe, pai, sejam fisicamente ativos! Além de terem mais saúde, serão exemplos para os seus filhos.

2

A memória anda falhando? A doutora Eliane Corrêa Chaves alerta: “Pode ser falta de sono e de sonhar”

Publicado em: 2 de agosto de 2012

por Conceição Lemes

Quantas horas você costuma dormir por noite? Habitualmente gostaria de ficar mais tempo na cama? Quando não tem compromisso, acorda mais tarde?

Nada de se culpar se você é daquelas pessoas que, pela manhã, sempre têm vontade de ficar dormir um pouco mais ou que, podendo, aproveitam para acordar mais tarde, por  exemplo, nos fins de semana.

Dormir não é besteira nem perda de tempo. Para algumas pessoas, quatro a cinco horas de sono por dia são suficientes para que se sintam “inteiras”.Outras necessitam de nove a dez. Mas, em média, diariamente o ser humano precisa de sete a oito horas de repouso. Porém, por modismo ou excesso de responsabilidades, mais e mais pessoas dormem menos do que o corpo “pede”. E sono de menos ou de má qualidade faz mal à saúde.

“A falta de sono impede a gente de sonhar e de viver bem, pois desequilibra nossas funções mentais”, alerta Eliane Corrêa Chaves, especialista em promoção da saúde, doutora em Psicologia e professora da Faculdade de Enfermagem da Universidade de São Paulo (USP). “Os sonhos harmonizam as funções mentais ligadas à memória, à criatividade e até à capacidade de sentir alegria. Também regulam a produção e liberação de substâncias responsáveis pela saciedade alimentar e pela função sexual, entre outras.”

Como assim? Bem, o sono tem cinco ciclos. Cada qual dura cerca de 90 minutos. Cada ciclo, por sua vez, divide-se em cinco fases: indução, ou sonolência; relaxamento muscular e dos sinais vitais; duas etapas de sono profundo; e fase REM, ou do movimento rápido dos olhos.

É principalmente na fase REM que sonhamos. Por noite, temos de completar esses ciclos de quatro a seis vezes. Ou seja, mesmo sem lembrarmos, os sonhos se sucedem. Mas só recordamos deles quando despertamos na fase REM.

Na verdade, o sonho acontece à noite, mas ao longo do dia é que se notam os seus benefícios. Fisiologicamente, equilibra as nossas funções mentais. É durante o sonho, por exemplo, que os conhecimentos adquiridos de dia se fixam na memória. É a memória de curto prazo. Mas é também no sonho que fatos recentes se conectam com antigos registrados na nossa mente. O resultado é o aprendizado. Na esfera afetiva, o sonho contribui para a produção de substâncias ligadas à de sensação de prazer, bem-estar, satisfação consigo próprio.

Conseqüentemente, a falta de uma boa noite de sono e de sonhar tem “efeitos colaterais”: memória ruim, falta de atenção, dificuldade para aprender, depressão, irritabilidade, intolerância, pessimismo, falta de motivação e de alegria de viver.

“Com frequência atribuímos esses sintomas a discussões com o parceiro, desentendimentos com o chefe e outras chateações cotidianas”, observa Eliane. “Só que a causa pode ser falta de sono e de sonhar. Claro que os prejuízos à saúde mental não se manifestam após uma, duas, três noites maldormidas. Mas se elas virarem hábito, certamente terão impacto na sua vida.”

DESCUBRA SE VOCÊ DORME O SUFICIENTE

A esta altura muitos devem estar se perguntando se repousam o que necessário para produzir e viver bem.

Em média, já dissemos, as pessoas carecem de sete a oito horas de sono diárias. Para algumas, no entanto, bastam quatro, cinco. Outras exigem nove, dez. É questão de característica individual. Não há nada de errado.

Logo, o X do problema é descobrir se a quantidade de sono habitual é a que seu organismo “pede”.  Observe-se. Vamos supor que, de segunda a sexta, você durma às 24h e acorde às 6h; no domingo se levante às 10h. Esse é um sinal de que sua necessidade de sono é maior. Agora, se junto com essa observação notar dificuldades para desempenhar suas funções, a falta de sono e de sonhar provavelmente estão contribuindo para as “queixas” do seu corpo. Tente respeitar mais as “vontades” dele.

QUALIDADE DO SONO TAMBÉM É IMPORTANTE

Por isso, a professora Eliane Corrêa Chaves dá dicas que podem melhorar o seu sono:

* Pratique atividade física. O exercício libera substâncias que ajudam a sonhar. Prefira o período da manhã ou da tarde. Caso não seja possível, tente fazê-lo até mais ou menos umas duas horas antes de dormir.

* Evite café, chá preto, refrigerantes tipo cola, bebida alcoólica, cigarro e comida gordurosa próximo à hora de dormir; dificultam pegar no sono.

* Leve a televisão para a sala. No quarto, não nos deixa “desligar” do ambiente.

* Cuide para que o quarto esteja escuro e sem ruídos e só vá para a cama quando sentir sonolência. Antes, relaxe — com meditação, banho morno, leitura ou música. Pronto.

O sono, como tudo o que ocorre no nosso corpo, é resultado de complexos processos de substâncias químicas que precisam de um período para a produção. Assim, não espere um sono rápido logo após atividades muito envolventes e estimulantes, um banho e alguns poucos minutos na cama.

É necessário dar um tempo. Vá se “desligando” aos poucos das atividades e responsabilidades do dia e verá como o seu sono será muito mais restaurador. Agora é só dormir gostoso, sonhar e acordar bem amanhã.  Boa noite!

Leia também:

Aids: As aparências enganam, o HIV é democrático

Professora Carmita Abdo: Orientação sexual não se inverte

Doutora Laura Andrade dá dicas para prevenir a ressaca

21

Ronco alto? Todas as noites? Cuidado, pode ser apneia

Publicado em: 4 de setembro de 2011

por Conceição Lemes

Maurício Rocha e Silva, 71 anos, é médico e professor emérito do Departamento de Cardiopneumologia da Faculdade de Medicina da USP. Em fevereiro de 2000, mal começara um relacionamento, sua namorada e atual esposa, Vera, deu-lhe uma cotovelada no fígado.

“Você ronca feito um serrote e para de respirar durante o sono”, repete ele hoje, às gargalhadas. “Claro, não acreditei. Como era possível eu, médico, nunca ter percebido minhas paradas respiratórias, e ela, uma leiga, fazer um diagnóstico? Só podia ser implicância com o meu ronco, que eu imaginava normal.”

Em 2001, em Londres, na primeira noite que o casal passou na casa de amigos, a anfitriã, que é pneumologista, confirmou o “diagnóstico” de Vera: “O barulho do seu ronco é suficiente para acordar um bairro. Você tem apneia obstrutiva do sono. Chegando ao Brasil, vá fazer uma polissonografia”.

Foi seu primeiro compromisso ao retornar a São Paulo. O exame é feito enquanto a pessoa dorme e monitora os estágios do sono, a respiração a  oxigenação do sangue, entre outros parâmetros. Assim, com fios conectados em vários pontos do corpo, ele passou a noite no Laboratório do Sono do Instituto do Coração de São Paulo (Incor-SP). “Não tenho nada, não é?”, perguntou quando acordou ao técnico que fazia o exame. A resposta foi na lata. “É a apneia mais grave que eu já vi. O senhor para de respirar a cada um minuto e meio.”

Maurício saiu do hospital com um aparelho chamado CPAP (Continuous Positive Airway Pressure ou, em português, pressão positiva contínua em vias aéreas), que ele utiliza para dormir: uma máscara no nariz é conectada a um gerador de pressão contínua, que joga ar nas vias aéreas superiores e impede que a garganta se feche, eliminando as paradas respiratórias. Na primeira semana, Maurício dormiu 12 horas por noite.

“Eu tinha uma sonolência diurna muito forte e não sabia por quê”, relembra o médico, dando o braço a torcer à esposa. “Minha vida mudou completamente. Se tivesse ouvido a Vera, provavelmente não teria dormido em palestras de colegas, nem ela teria usado protetores auditivos para se proteger dos meus serrotes.”

PARADA RESPIRATÓRIA E RISCOS

Em se tratando de ronco, Maurício Rocha e Silva é a regra. Quem ronca não tem consciência do próprio ronco, que é sempre relatado por terceiros. “O ronco acontece, porque durante o sono a musculatura da faringe [garganta] relaxa, dificultando a passagem de ar quando se respira. Essa obstrução leva ao ronco”, ensina o médico e especialista do sono Geraldo Lorenzi Filho, no capítulo Sono — Questão de vida ou ... , do livro  “Saúde — A hora é Agora”. Lorenzi é professor livre-docente da Faculdade de Medicina da USP e diretor do Laboratório do Sono do Incor-SP.

O ronco é gerado pela vibração das paredes da garganta. Roncar de vez em quando e não muito alto não é “um crime”. Você pode roncar, por exemplo, quando: 1) usa bebida alcoólica ou sedativos — eles promovem maior relaxamento da musculatura; 2) está na fase REM do sono — aqui existe um grande relaxamento da musculatura; 3) o nariz está entupido.

Além disso, existe gente que ronca sempre que está de barriga para cima, porque a força da gravidade contribui para o fechamento da garganta. Por isso, se você vive ganhando cotoveladas à noite, cuidado. É um sinal de alerta: significa que a sua garganta tem grande tendência a se fechar durante o sono. Nesses casos, perder um pouco de peso e acostumar-se a dormir de lado podem ser a solução.

Mas vamos em frente, isso é só o começo. Existem roncos e roncos. O sinal vermelho surge quando o ronco tem as seguintes características:

* É muito alto, a ponto de incomodar quem dorme no mesmo quarto (muitas vezes até o vizinho de quarto!).

* Ocorre todas as noites.

* É irregular, com momentos em que desaparece totalmente, ressurgindo alto. Cuidado! Pode ser sinal de uma parada respiratória.

É a apneia obstrutiva do sono: a significa ausência e pneia, respiração. Portanto, apneia é ausência de respiração. Nesse caso, há fechamento completo da garganta (faringe), a pessoa tenta respirar, mas não consegue: é o momento em que o ronco desaparece. O bloqueio da garganta só termina com um pequeno despertar, quando o tônus da musculatura se restabelece e a pessoa volta a respirar. Cada despertar desses dura apenas alguns segundos e, na grande maioria das vezes, a pessoa não tem consciência do processo. Ela volta imediatamente a dormir, e o processo se repete. Às vezes, nem para de respirar totalmente, mas seu fluxo de respiração diminui muito. Aí, tem de acordar para respirar direito. É a hipopneia.

Dependendo do número de apneias (paradas respiratórias) e de hipopneias (redução importante da respiração) por hora de sono, a doença pode ser leve (5 a 15 eventos), moderada (16 a 30) e grave (mais de 30 paradas respiratórias por hora de sono). O professor Maurício Rocha e Silva tinha – pasme! – fazia 40 paradas respiratórias por hora de sono.

“A pessoa com apneia obstrutiva dorme, dorme, dorme, mas o sono é fragmentado e não repousante, já que ela desperta centenas de vezes por noite”, esclarece Lorenzi. A consequência óbvia é a sonolência diurna, pois ela não passa por todas as fases do sono. Como essa história se repete noite após noite, pode ter conseqüências devastadoras para a saúde e a vida pessoal, profissional e social. Além de contribuir para a perda de memória, diminuição da concentração e sonolência diurna, a apneia obstrutiva do sono aumenta o risco de o seu portador ter depressão, pressão alta, acidente vascular cerebral (derrame), infarto do miocárdio e impotência sexual.

EMAGRECER AJUDA MUITO

Prótese dentária para ser colocada à noite para dormir (casos leves a moderados), cirurgia, CPAP (tratamento de escolha para casos moderados a graves) e perda de peso são os tratamentos disponíveis para a apneia obstrutiva do sono.

“Emagrecer é sempre ótima ideia. A gente não engorda só por fora, por dentro também; a garganta fica mais estreita, dificultando a passagem de ar”, adverte Lorenzi. “Setenta por cento dos portadores de apneia têm obesidade ou sobrepeso. Daí perder peso ajuda muito; em alguns casos pode resolver.”

Outra medida que pode ajudar alguns é dormir de lado, nunca de barriga para baixo (prejudica a coluna vertebral) nem de barriga para cima (faz a língua cair para trás e roncar mais). Costure uma bolinha nas costas do seu pijama ou camisola. Assim, aprenderá a dormir de lado. No mínimo, a sua coluna se sentirá melhor.

Meu twitter: @conceicao_lemes, siga à vontade.

Leia também:

Contra depressão, use atividade física regularmente

Check-up: Conversa é a parte mais importante da consulta

Atividade física: Dores e dooooooooooooooooooores

Sexo, distribua carícias à vontade

Em briga de marido e mulher, se mete a colher, sim!

64

Tiroidite de Hashimoto: Diagnóstico e tratamento

Publicado em: 3 de junho de 2011

por Conceição Lemes

Em fevereiro, durante coletiva de imprensa para anunciar sua aposentadoria do futebol, Ronaldo revelou que tem hipotiroidismo. No final da semana passada, reportagem sórdida da revista Época divulgou que a presidenta Dilma Rousseff também. No caso dela, a origem é a tiroidite de Hashimoto.

Pois cerca de 3 milhões de brasileiros, principalmente mulheres acima de 40 anos, estão na mesma situação que Ronaldo e Dilma. Faça um teste. Pergunte a familiares, amigos, colegas de trabalho se conhecem alguém com hipotiroidismo. Vai se surpreender. Quase certamente encontrará algum caso.

“A incidência de hipotiroidismo vem aumentando no Brasil e uma das razões é a maior quantidade de iodo na dieta dos brasileiros”, informa o endocrinologista João Hamilton Romaldini, professor titular da Faculdade de Medicina da Pontifícia Universidade de Campinas. “Outras: métodos diagnósticos mais sensíveis e maior conhecimento da doença pelos médicos.”

O iodo é a matéria-prima básica para a glândula tiroide fabricar hormônios. Existe principalmente em peixes e frutos de mar. Na carência do nutriente, ela não trabalha direito. Em situação extrema, o adulto tem bócio e a criança, deficiência mental.

Não é à toa que a Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda universalmente adicioná-lo ao sal de cozinha, pois o iodo é raro na natureza. A dose indicada é 20 a 60 miligramas de iodo por quilo de sal.

Porém, iodo demais torna a tiroide suscetível à tiroidite de Hashimoto nas pessoas com predisposição genética. Hashimoto é a principal causa de hipotiroidismo.  Na região Metropolitana de São Paulo, o hipotiroidismo foi encontrado em 8% das mulheres e na cidade do Rio de Janeiro, em 12,3%. Quanto à tiroidite de Hashimoto, afeta mundialmente 2% a 5%  da população feminina.  Quanta maior a faixa etária, maior a ocorrência da doença.

INTERAÇÃO ENTRE PREDISPOSIÇÃO E AMBIENTE

Coloque a mão sob a ponta do queixo. Deslize os dedos até a parte inferior do pescoço. Aí fica a tiroide. Com formato de borboleta e pesando cerca de 20 gramas, é uma das nossas principais glândulas. Ela fabrica os hormônios tiroidianos — substâncias que, via sangue, agem no corpo inteiro, no desenvolvimento e manutenção de todos os órgãos e funções. Por exemplo, ajudam o corpo a usar energia e reter calor; fazem cérebro, coração, músculos e outros órgãos trabalhar devidamente.

Hipotiroidismo significa que os hormônios estão sendo fabricados abaixo do nível considerado normal. Tem vários motivos: má-formação da glândula, radioterapia ou cirurgia no pescoço e uso de certos medicamentos, como amiodarona (para angina e arritmia cardíaca), lítio (antipsicótico), fenilbutazona (antiinflamatório) e sertalina (antidepressivo).

Mas a causa principal em regiões onde há iodo em quantidade suficiente – caso de maior parte do Brasil  – é a tiroidite de Hashimoto, uma doença autoimune.

“A tiroidite de Hashimoto está relacionada à predisposição genética a doenças autoimunes, como diabetes tipo 1, lúpus eritematoso, vitiligo, psoríase, artrite reumatoide,  com forte influência de fatores ambientais, que aumentam o risco”, explica Romaldini. “Os fatores ambientais mais comuns são radiação, infecções frequentes e estresse, além da elevada ingestão de iodo. A mulher, devido ao estrógeno, o hormônio feminino, também tem maior risco.”

Em outras palavras: a tiroidite de Hashimoto resulta da interação entre predisposição genética e fatores ambientais desencadeantes. O sistema imunológico não reconhece a tiroide como parte do corpo e passa a produzir anticorpos contra a glândula, inflamando-a ou destruindo-a progressivamente.

O processo é irreversível. O tratamento consiste em tomar diariamente, e para o restante da vida, comprimidos de levotiroxina (há várias marcas comercializadas no Brasil). É hormônio T4 sintético. Não cura o hipotiroidismo, apenas substitui o T4 (ou tiroxina, principal hormônio fabricado pela tiroide) que a glândula doente não produz em quantidade suficiente. A melhora dos sintomas é lenta, podendo levar meses se eles forem intensos.

SINAIS E SINTOMAS DE HIPOTIROIDISMO

Independentemente da causa, a redução dos hormônios tiroidianos no sangue leva aos poucos o organismo inteiro a “andar” em marcha lenta.

Os sintomas (é o que você sente) e sinais (é o que você e o médico veem) comuns :

* Cansaço, desânimo, com fraqueza, perda de energia.

* Prisão de ventre.

* Pele seca.

* Ganho de peso ou dificuldade para perdê-lo.

“O aumento de peso em função do hipotiroidismo geralmente não é superior a 10% do peso”, afirma Romaldini. “Ele se deve ao acúmulo de líquidos [água] nos espaços entre os tecidos do corpo. É diferente da obesidade, cujo ganho de peso é decorrente do aumento de gordura.”

Outros sinais e sintomas do hipotiroidismo:

* Sensação de frio quando as outras pessoas sentem calor.

* Voz rouca.

* Diminuição da audição.

* Dores articulares (nas juntas).

*Alteração na menstruação, principalmente com aumento do

sangramento.

* Infertilidade.

* Galactorreia (produção de leite fora do período pós-parto ou de lactação. Pode ocorrer no sexo masculino).

* Perda de libido.

* Lerdeza para reagir às situações do cotidiano.

* Raciocínio moroso, concentração difícil e memória ruim.

* Sonolência durante o dia.

* Pálpebras e rosto inchados ao amanhecer.

* Cabelos ressecados, quebradiços, que caem mais do que o habitual.

* Unhas quebradiças.

* Irritação.

* Surgimento ou agravamento da depressão.

* Aumento da taxa de colesterol.

Hoje, raramente, os médicos atendem hipotiroideo com tudo isso junto. É o hipotiroidismo clássico, ou manifesto. Usualmente, o diagnóstico é feito numa fase mais precoce, e o paciente apresenta apenas alguns dos sintomas acima, aliás, comuns a diversas condições, como anemia, depressão, stress e menopausa.

“Em geral, a pessoa não nota o início do hipotiroidismo, os sinais e sintomas são brandos”, avisa Romaldini. “Por meses e muitas vezes anos não tem sintoma algum.” É o hipotiroidismo subclínico, cuja única alteração é o aumento no sangue do hormônio estimulante da tiroide (TSH).

DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DE HASHIMOTO

— E como saber se a pessoa tem hipotiroidismo?

— E se ele é causado por tiroidite de Hashimoto?

Bem, as sociedades de ginecologia e endocrinologia preconizam a dosagem de TSH para mulheres após os 40 anos. Porém, se sentir cansaço, desânimo ou depressão que não consegue explicar direito, consulte o seu médico. Pode ser que não seja stress ou excesso de trabalho, mas hipotiroidismo.

O diagnóstico de hipotiroidismo é feito através de dosagens hormonais. Na maioria das vezes basta o TSH. É o primeiro a detectar qualquer alteração na tiroide.  O normal é ter de 0,3 a 4,5 miliunidades de TSH por litro de sangue.

Nos resultados alterados, devem ser feitos mais dois testes:

1) T4 livre, particularmente útil no diagnóstico do hipotiroidismo subclínico. É aquele que ainda não dá sinais nem sintomas. O T4 livre normal combinado a TSH pouco elevado indica disfunção mínima da tiroide.

2) Anticorpos antitiroide, para identificar a causa. Resultado positivo é forte indício de tiroidite de Hashimoto.

“TSH Acima de 10, considera-se hipotiroidismo”, observa Romaldini. “Deve ser sempre tratado. A terapia é tomar levotiroxina diariamente pelo restante da vida.”

De 4,5 a 10 miliunidades é a faixa do hipotiroidismo subclínico. Alguns médicos já tratam. Mas o professor Romaldini acha que só deve ser tratado se o paciente tem queixa importante ou fator de risco associado, como aumento do colesterol total e da fração LDL (o ‘mau’ colesterol), angina, doença do pânico ou depressão que não melhora com antidepressivos, diminuição de memória e de concentração.

“O hipotiroidismo está associado a aumento de colesterol, favorecendo aterosclerose e infarto do miocárdio”, justifica Romaldini. “Também pode alterar o humor, contribuindo para a depressão.”

— E se a pessoa tiver também tiroidite de Hashimoto, como fica o tratamento?

O tratamento não muda. O que altera é o prognóstico. Portanto, a forma como se vê a doença naquele paciente que é positivo para anticorpos antitiroide. O risco de evoluir para hipotiroidismo é sete vezes maior.

“A cada seis meses, o paciente passa por nova avaliação”, atenta o doutor Romaldini. “Se alterar o TSH ou o quadro clínico, inicia-se o tratamento.”

Mas atenção. Tem muita gente sendo tratada desnecessariamente de hipotiroidismo no Brasil.  Sobre isso, nós alertamos aqui.

5

Guaraná reduz fadiga em mulheres com câncer de mama

Publicado em: 25 de novembro de 2010

por Conceição Lemes

Diz a lenda que as tribos de Munducurucânia eram as mais prósperas. Venciam todas as guerras, apanhavam os melhores peixes e as doenças eram raras.

Tudo isso por causa de um curumim, que nascera naquela tribo havia alguns anos. Era o mais protegido. Nas pescas era acompanhado por muitos pescadores, que afastavam dos rios piranhas, jacarés ou qualquer outro perigo. Mas, certo dia, o Gênio do Mal apareceu em forma de cascavel e feriu o garoto. A tribo entrou em desespero.

Tupã, deus dos indígenas, atendeu os lamentos e disse:

— Tirem os olhos do curumim, plantem em terra firme e reguem com lágrimas durante quatro luas.  Ali, nascerá a “planta da vida”, ela dará força aos jovens e revigorará os velhos.

Os pajés não tiveram dúvida. Fizeram o que Tupã recomendou. Nasceu uma nova planta, travessa como as crianças, com hastes escuras e sulcadas como os músculos dos guerreiros da tribo. Quando ela frutificou, seus frutos eram negro azeviche, envoltos de um arilo branco com duas cápsulas vermelho-vivas. Diziam os indígenas:

— É a multiplicação dos olhos do príncipe!

O fruto trouxe progresso à tribo. Ajudou os velhos e deu mais força aos guerreiros.

Esse fruto é o guaraná (Paullinia cupana), planta nativa da Amazônia muito usada na medicina popular como estimulante. Essa propriedade medicinal se deve à guaraína, a cafeína do guaraná. A semente é muito rica nessa substância.

Pois uma pesquisa do Departamento de Oncologia da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do ABC descobriu que o guaraná reduz a fadiga, ou cansaço, em mulheres com câncer de mama fazendo quimioterapia.  O sintoma é freqüente, tem impacto na qualidade de vida e ainda não há uma terapia padrão para tratá-lo.

“Nós sabíamos que o guaraná é um tônico, os estudantes usam-no para combater fadiga, se manter acordados, para estudar de madrugada”, conta o oncologista e professor Auro Del Giglio, coordenador do estudo. “Resolvemos então verificar se aliviaria a fadiga nas pacientes com câncer de mama, que atinge 50% a 80% delas.”

A fadiga pode decorrer da quimioterapia. Aparece também nos casos em que o tumor é diagnosticado em estado avançado. A pessoa sente cansaço, fica prostrada.

“A fadiga relacionada ao câncer é diferente da que se manifesta na depressão”, explica Del Giglio. “Na da depressão, a pessoa não tem vontade de fazer as coisas. Já na do câncer, a pessoa tem vontade de fazer as coisas, mas não consegue.”

EFICAZ, NÃO TÓXICO E BARATO

O estudo envolveu 75 mulheres em tratamento de câncer de mama no Ambulatório de Oncologia da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do ABC. Todas sentiam cansaço crescente após o primeiro ciclo de quimioterapia.

Foram divididas em dois grupos. Um, integrado por 32 pacientes, recebeu 50 mg de extrato de guaraná, duas vezes por dia, durante 21 dias. O outro, com 43 pacientes, recebeu placebo (produto com aparência do guaraná verdadeiro, mas sem nenhuma substância ativa).

As mulheres também responderam questionários no dias 1, 7, 14 e 21 após o início do tratamento para avaliar o nível de fadiga. Ao final, 66% das pacientes do primeiro grupo relataram melhora, contra 13% do grupo que recebeu placebo.

“Ainda desconhecemos como o guaraná age nessas pacientes, apenas sabemos  que funciona”, expõe Del Giglio. “Uma das hipóteses a diminuição do cansaço seria o efeito estimulante da cafeína [2% a 5%], que atua no cérebro. Mas talvez não seja, já que o café também contém cafeína [1% a 2,5%] e não produz os mesmos resultados.”

Os efeitos colaterais foram mínimos e não se verificou insônia nem ansiedade nas pacientes tratadas com o guaraná.

“Além de eficaz e não ser tóxico, o guaraná é barato, por isso a nossa ideia agora é avaliar o seu uso em pacientes com outros tumores”, conclui o oncologista. “Pretendemos investigar também o mecanismo que faz com que essa planta atue no cansaço de pacientes oncológicos.”

— Como o médico descobre se a prostração é devido à depressão ou ao câncer e/ou quimioterapia?

“É preciso analisar os demais sintomas”, afirma o oncologista Auro Del Giglio. “Na dúvida, trata-se primeiro a depressão. Caso não haja melhora, é possível que o cansaço seja devido ao câncer.”

13

Contra a depressão, “use” atividade física regularmente

Publicado em: 25 de abril de 2010

por Conceição Lemes

Mens sana in corpore sano –mente sã em corpo são. Vocês já leram ou ouviram em latim ou português essa célebre máxima. É do poeta romano Juvenal (60-130 d.C), que, para criá-la, recorreu aos manuscritos de Hipócrates (460 a 377 a.C). Muito lá trás, o Pai da Medicina antevia o que a ciência só recentemente demonstrou.

“A atividade física beneficia não apenas a saúde física, a mental também”, afirma a psiquiatra Laura Helena Andrade, responsável pelo Núcleo de Epidemiologia do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas e professora colaboradora da Faculdade de Medicina da USP. “Está comprovado que ela é eficaz tanto na prevenção quanto no tratamento da depressão.”

Mas antes de ter mais detalhes, é importante saber que a depressão é uma doença comum. Hoje em dia, basta juntar dez mulheres, e terá esta “foto”: duas a três têm, tiveram ou terão o problema. Em caso de dez homens, um a dois aparecerão no “filme”.

O retrato é mundial. A depressão afeta 20% a 30% da população adulta. Segundo pesquisa da Universidade de Harvard, as doenças mentais causam metade dos 1,3 bilhão de dias/ano de afastamentos do trabalho nos Estados Unidos, sendo a depressão a principal responsável. Quadro semelhante ocorre entre os funcionários do Hospital das Clínicas de São Paulo: 45% das licenças médicas devem-se à depressão.

Ela provoca prejuízos duros e doídos. As perdas vão desde dias de trabalho, emprego, bom humor, qualidade de vida e alegria de viver até fim de relacionamentos. Tem mais. Ninguém está livre de ter uma crise um dia.

Logo, prevenir a depressão interessa a todas e todos. Pesquisas de longo prazo demonstram que a atividade física evita o aparecimento de sintomas depressivos em jovens, adultos e idosos, além de melhorar o humor e o bem-estar. Parece ainda reduzir o risco do Mal de Alzheimer e demência senil no futuro. Já em quem tem depressão, ajuda no tratamento.

“É um recurso adjuvante à medicação (os antidepressivos) e à psicoterapia”, salienta a doutora. “Os resultados surgem seis a oito semanas após o início dos exercícios regulares.”

Outra grande vantagem é diminuir as recaídas. Quem tem um episódio depressivo, tem 50% de risco de apresentar um segundo. Se dois, a probabilidade de um terceiro sobe para 70% a 80%. Em caso de três, o perigo de outras crises ultrapassa os 90%. Conseqüentemente é vital investir na prevenção de novas crises. É a chamada prevenção secundária.

Conclusão: os exercícios funcionam – mesmo! — na depressão. O que a ciência ainda não desvendou totalmente são os mecanismos que propiciam tais ganhos. Aparentemente, eles aumentam a liberação pelo cérebro de substâncias, como a serotonina (melhora humor e bem-estar) e as endorfinas (aliviam tensão e ansiedade).

Agora, para conquistá-los, há uma condição: a atividade física tem que ser regular. O ideal, quatro a cinco vezes por semana durante meia hora. Vale o que você preferir ou estiver ao seu alcance: caminhada, corrida, esteira, bicicleta, natação, exercícios com pesinhos, dança, ioga.

Tanto que a doutora Laura prescreve a todos os meus pacientes. Àqueles saudáveis, sem doenças, é sugestão, visando proteger-lhes mais a saúde mental e física. Já para quem tem depressão, é “remédio” obrigatório, que complementa os antidepressivos e/ou a psicoterapia. Potencializa, inclusive, os efeitos de ambos.

A depressão é problema de saúde como outro qualquer. No Brasil, atinge cerca de 20 milhões de pessoas. Quanto mais precoce o diagnóstico e o tratamento, menor o risco de voltar. Portanto, se você se sente triste ou infeliz, sem esperança no futuro, com vontade freqüente de chorar, atenção: talvez seja “ela”. Não se envergonhe, busque ajuda logo.

E mexa-se– sempre! Ninguém está livre de ter uma crise depressiva. Sua cabeça e seu corpo só lucrarão.