VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.

O amigo da onça virtual

13 de maio de 2017 às 19h00

O sujeito era daquele tipo que bolinava todo mundo na turma.

Apesar da pouca estatura e do peso um pouco acima do padrão, ele se comportava como um galã.

Desafiava os mais novos, chamava-os para a briga, era cruel no humor e sarcástico nas brincadeiras.

Mas a molecada da rua o adorava.

Ele foi o primeiro a ter carro, um fusca rebaixado, e levava a turma toda para passear à tarde.

Era do tipo cara de pau, que sabia como se aproximar de todas as meninas.

Não tinha critérios e por isso estava sempre acompanhado de uma.

Depois todos perceberam que, além da falta de critérios, faltavam-lhe também escrúpulos.

Durante um tempo ele passou a se envolver com mulheres ricas e mais velhas, em geral aquelas que não tinham tido muitos relacionamentos na vida, que estavam separadas, ou viúvas.

Ele era capaz de identificar suas fraquezas emocionais e ir direto ao ponto.

Aí se regozijava de ter dado “o golpe do baú”.

Passou a andar em carros de luxo e a se envolver em confusões quando era flagrado em traição.

Ou seja, sem critérios, sem escrúpulos e também sem caráter.

Ao que se sabe ele nunca se deu mal.

Outro dia ele reapareceu.

Parece que vive em Miami, tem mulher e duas filhas.

Sua distração é entrar no perfis de esquerda para comprar brigas virtuais.

Esconde-se atrás do argumento de que como amigo de infância pode tudo.

Provoca, atrai os mais esquentadinhos e fica trocando insultos na timeline que não é dele.

O melhor que se tem a fazer é ignorar.

Não alimente trolls, dizem por aí.

Mas como amor fraternal tem limites, o melhor ainda é depois de um tempo bloquear.

Afinal, nada como amor próprio, porque não existe pior algoz para nós do que nós mesmos.

E amigo assim ninguém merece, não é mesmo?

Leia também:

Manobras conjuntas com os EUA na Amazônia: a serviço do subimperialismo

27 - maio 0

Questão de pele

Quando dá química, sai de baixo

25 - maio 0

Toda Minha

Porque em tempos de cólera só o amor!

23 - maio 0

Quando os olhos cegam

São cegos guiando cegos rumo ao precipício

 

Um comentário escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Luiz Carlos P. Oliveira

15/05/2017 - 14h01

Quem será esse FDP? Acho que até podemos usar o plural.

Responder

Deixe uma resposta